Ajustando a balança geopolítica: Trump, Rússia e Novorossia.


Não devemos nos enganar a nós mesmos e achar que o novo Presidente Americano Trump vai ser um verdadeiro amigo da Rússia. Ele vai trabalhar para “fazer a América grande novamente”, o que contraria os desejos de substancialmente melhorar as relações com a Rússia. Basta olhar para as escolhas de ministros e assessores de Trump, e o que eles estão dizendo, até agora, sobre a Rússia.

Não, a única forma de a Rússia ter algo fora do novo presidente dos EUA é manter-se firme e mostrar que não vai ser muito caro para qualquer um tentar ameaçar vitais interesses de segurança russos: são eles Síria, Sérvia, Bielorrússia, Cazaquistão, e o mais importante, na ex-Ucrânia, pelo menos em Novorossia e Malorossia. É muito possível que os EUA vão tentar fazer a Rússia escolher entre as melhores relações com o Ocidente ou com laços estreitos com a China. A aliança entre a Rússia e a China é de uma parceria estratégica. É fundada em interesses de segurança em comum e um inimigo comum. Os EUA sob Trump provavelmente irá tentar quebrar essa parceria, oferecendo à Rússia o levantamento as sanções e, talvez, também aceitar a reunificação da Criméia. Mas esse não é um “grande gesto de boa vontade” de Trump (se é que já vem), porque a Rússia já tem a Criméia, sem a necessidade de qualquer “aprovação” americana, e porque as sanções tinham sido realmente benéficas para a Rússia, por forçá-la enfim a desenvolver os recursos nacionais/alternativas e tornar-se mais independente do Ocidente. É claro, torna-se mais interessante para a Rússia se Trump como oferta aceitar a ex-Ucrânia como parte da esfera de influência russa, mas ele provavelmente não fará isso (pelo menos não sem um pouco de “preço”).

Trump provavelmente vai “atacar” a China, por razões econômicas e por meios econômico/políticos, portanto, ele precisa de que a Rússia seja pelo menos neutra, quando isso acontecer. Para trazer empregos de volta para os Estados Unidos, Trump precisa lidar com o “problema Chinês” de uma forma ou de outra, e isso abre uma oportunidade para a Rússia – uma oportunidade que deve ser explorada, mas não ao ponto de trair a parceria estratégica com a China.

Assim, a Rússia deve obter o máximo de Trump, sem dar qualquer apoio americano de mover-se contra o seu parceiro estratégico. Ao mesmo tempo, devemos lembrar que o apoio chinês para a Rússia, embora seja importante, tem sido consideravelmente menor do que poderia ter sido. Os chineses têm sempre olhado para os seus próprios interesses em primeiro lugar, o que é apenas natural, e a Rússia deve fazer o mesmo.

Claro, política internacional e relações devem ser construídas com base na confiança mútua, o respeito e a compreensão, mas não é assim e nunca foi assim. Eles são construídos sobre a força, fraude e ameaças – esta é a nossa realidade.

A discussão EUA/China é econômica em primeiro lugar e geopolítica/militar em segundo. Esta aqui a oportunidade de mentiras russa: o primeiro ponto de não afetar a Rússia ou as relações de Rússia e China, então não há como a Rússia poder ser “neutra”, sem “abandonar” a China. A China vai precisar dos recursos de energia russas, mesmo se alguns trabalhos retornarem da China para os Estados Unidos (EUA e não pode ter de volta muitos empregos, porque as empresas americanas não querem pagar salários mais altos exigidos em casa). O segundo ponto (geopolítica) é mais importante, tanto para a Rússia como para a China: As relações EUA-Taiwan e o Mar do Sul da China são vitais para a China, mas não para Trump, então a Rússia pode suportar.

Apoio da China (em troca de apoio chinês a respeito de Novorossia e Malorossia), sem perturbar Trump muito.

Taiwan é um problema que tem um grande valor simbólico para a China e é muito sensível para eles – assim como Novorossia deve ser para a Rússia.

Para a Rússia, porém, Taiwan não tem importância nenhuma. Para os EUA, Taiwan também tem uma importância que é apenas simbólica e como uma ferramenta de pressão para a China. O mesmo é verdadeiro para o Mar do Sul da China. A Rússia, como grande poder é a menos diretamente envolvida nesta região, pode realmente agir como um mediador aqui. Desta forma, a Rússia pode obter o apoio chinês e concessões americanas de onde realmente importa – em Novorossia e Malorossia, sem trair a China e sem “desanimar” os EUA a partir de sua nova “atitude” em relação a ela. Isso vai exigir um bom “equilíbrio” político, que eu acho que o Presidente Putin tem.

Leia também: Henry Kissinger aconselha Trump a reconhecer anexação russa da Criméia.

Leia também: Uma análise de 2016: O ano em que a Rússia triunfou.


Autor: Nicholas Nicholaides

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA