“Ajuda Militar” dos EUA para a Al-Qaeda, ISIS-Daesh: Pentágono usa o tráfico ilícito de armas para canalizar enormes carregamentos de armas na Síria.


O que é abundantemente claro é que a administração Obama tem apoiado a Al-Qaeda e o ISIS-Daesh (ou Estado Islâmico), fornecendo aos terroristas em Raqqa, Norte da Síria, assim como em Aleppo, grandes quantidades de armas. A mídia Ocidental está retratando os terroristas da Al Qaeda em Aleppo como “oposição” e combatentes da liberdade dando proteção a civis. Isso é uma grande mentira: Os filiados rebeldes da Al Qaeda em Aleppo cometeram inúmeras atrocidades, incluindo execuções arbitrárias de civis, ainda assim, a mídia agora está culpando Bashar al Assad, pelos crimes cometidos pelos EUA-OTAN por patrocinar brigadas da Al Qaeda.

A ajuda militar dos Estados Unidos tem sido canalizada para a Al-Qaeda, bem como para ISIS-Daesh. Os EUA tem usado o mercado ilegal de armas para canalizar grande quantidade de armas e equipamento militar para os “rebeldes” na Síria.

Este artigo centra-se nas rotas de abastecimento e no comércio ilícito de armas pequenas usado pelo Pentágono para fornecer armas para os jihadistas “combatentes da liberdade”.

Estas armas produzidas em países terceiros são compradas pelo Pentágono. Em seguida, são encaminhadas para a Al Qaeda e aos terroristas do ISIS-Daesh que combatem as forças dos governos do Iraque e da Síria. Estas armas são também usadas para matar civis inocentes.

Michel Chossudovsky, 14 De Dezembro De 2016


De acordo com o Jane’s Defence Weekly, citando documentos liberados pelo de Oportunidades de Negócios do Governo Federal dos EUA (U.S. Government’s Federal Business Opportunities – FBO), como parte de sua “campanha de luta contra o terrorismo”– forneceu aos rebeldes sírios [vulgo moderada Al Qaeda] grandes quantidades de armas e munições.

Os EUA e seus aliados (incluindo Turquia e Arábia Saudita) tem invocado o comércio ilícito de armamento ligeiro produzido na Europa Oriental, nos Balcãs, na China, etc. para entregar aos grupos rebeldes dentro da Síria, inclusive o ISIS-Daesh e a Al Nusra. Por sua vez, operam fora das colinas de Golã, ocupadas por Israel (IDF tem fornecido armas, munições, apoio logístico aos rebeldes da Al-Qaeda que operam no Sul da Síria.

Enquanto os aliados de Washington no Oriente Médio se comprometem de transações ocultadas em um mercado com futuro para armas ligeiras, uma parte significativa dessas remessas ilícitas de armas é, no entanto, diretamente encomendada pelo governo dos EUA.

Estes envios de armas não são realizados através de transferências de armas internacionalmente aprovadas. À medida em que são o resultado de aquisições do Pentágono (ou governo dos EUA), não são registadas como ajuda militar “oficial”. Eles usam os operadores privados e empresas de transporte dentro do território de um próspero comércio ilícito de armas ligeiras.

Com base na análise de um único patrocinado envio de mais de 990 toneladas do Pentágono em dezembro de 2015, pode-se razoavelmente concluir que os valores de armas ligeiras nas mãos da “oposição” rebelde dentro da Síria, é substancial e muito grande.

Leia também: Helicóptero dos EUA dá proteção a comboio do Estado Islâmico na Síria.

Leia também: Como o público se deixa enganar: EUA dá ao Estado Islâmico 45 minutos de avisos antes que os ataques ocorram.

Plano de fundo: Armas dos EUA, Rotas de Abastecimento “através de Terceiros Países”.

Embora a maior parte das armas e munições fornecidas aos rebeldes sírios (incluindo os FSA, Al Qaeda, entidades afiliadas e ISIS-Daesh) são canalizadas pela Turquia e Arábia Saudita, os EUA também está envolvido na rotina de entrega (provenientes de países terceiros) de armas ligeiras para os rebeldes, incluindo anti-tanques e lançadores de foguetes.

As remessas da América de armas para os rebeldes na Síria são encomendadas pelo Pentágono (e/ou uma agência governamental dos EUA) através de vários intermediários por via privada de armas de negociação e empresas de transporte do porto do Mar Negro, da cidade de Constanta. Nenhuma dessas armas sob este fato (não oficial) do programa de “ajuda militar dos EUA” são “Made in USA”. Estas armas ligeiras compradas no mercado ilícito na Europa Oriental e nos Balcãs são relativamente baratas.

Além disso, a decisão de Washington de não enviar armamento made-in-USA para os rebeldes destina-se a manter a camuflagem. Sem dúvida, o que Washington quer é garantir que armas feitas nos EUA e/ou no Ocidente não serão encontradas nas mãos de terroristas. Como podemos lembrar, a narrativa da Casa Branca no início da guerra, em 2011, foi: “ajuda humanitária” para os rebeldes, juntamente com “algumas artes militares….[mas sem armas]” (BBC, 10 de outubro de 2015)

A ajuda militar dos EUA canalizada aos rebeldes (não oficialmente) através do mercado ilícito, é rotineira e contínua. Em dezembro de 2015, um dos maiores envios patrocinados de um escalonamento de 995 toneladas de armas foi realizado, em flagrante violação do cessar-fogo. De acordo com o Jane’s Defence Weekly, os EUA “é fornecer [as armas] de rebelde Sírio grupos, como parte de um programa que continua, apesar de amplamente respeitado o cessar-fogo no país [em dezembro de 2015].”

De acordo com Jane, as transferências de armas em nome dos EUA são entregues a comerciantes privados de armas e companhias de navegação:

“O FBO lançou duas solicitações nos últimos meses [início de 2015], visando as companhias de navegação para o transporte de material explosivo da Europa Oriental para o porto jordaniano de Aqaba, em nome do Comando Militar Naval da Marinha dos EUA .” (Jane.com em Abril De 2016)

Os envios de armas compradas e financiadas pelos EUA são cuidadosamente coordenados com as entregas aos rebeldes no Norte e no Sul da Síria, respectivamente. As armas são enviadas para fora do Mar Negro através do porto romeno de Constanta (dezembro de 2015):

1) Em primeiro lugar, a instalação de Agalar-Limani no Mediterrâneo Oriental turco perto de Tasucu é usada para suporte aos rebeldes no Norte da Síria, sendo contrabandeado para a Síria com o apoio das autoridades turcas. (metade da remessa descarregada)

2) O restante do embarque é feito para o Mar Vermelho, no porto de Aqaba na Jordânia (por rebeldes no Sul da Síria) através do canal de Suez. A partir de Aqaba as armas seriam contrabandeadas para a Síria através da fronteira Sul da Síria-Jordânia.

De acordo com Jane, a carga de armamento ligeiro incluí rifles AK-47, metralhadoras PKM de propósito geral, metralhadoras pesadas DShK, lançadores de foguetes RPG-7, e sistemas 9K111M Faktoria de armas guiadasanti-tanque (ATGW). Vale a pena notar que uma grande parte dos lançadores de foguetes RPG foram programados para entrega ao Norte da Síria (ver tabela abaixo).

Também de importância, o Mar Negro rota para a Síria também tem sido utilizada para navio ucraniano armas para a Al-Qaeda e ISIS Daesh.

O mundo está testemunhando ainda outro escândalo de armas a se desenrolar, depois que as forças sírias apreenderam um fornecimento para o Daesh de materiais de fabricação ucraniana, explosivos e armaduras de placas usadas pelos terroristas para reforçar seus veículos. Em Sputnik, em 5 de Junho de 2016.

O mundo está testemunhando ainda outro escândalo de armas a se desenrolar, depois que as forças sírias apreenderam um fornecimento para o Daesh de materiais de fabricação ucraniana, explosivos e armaduras de placas usadas pelos terroristas para reforçar seus veículos. Em Sputnik, em 5 de Junho de 2016.

994 Toneladas de Armas em uma única remessa, cortesia do Tio Sam (EUA).

A tabela a seguir fornece informações sobre a repartição do envio de armas para dezembro de 2015 documentado por Jane Defense Weekly.

Tenha em mente que os números se referem a uma única expedição em dezembro de 2015, expresso em quilogramas (kg).

Os valores são substanciais:

O 7,62 x 39 mm refere-se a munição para uma AK47. Nomeadamente o envio de 134 toneladas de munições.

O PG 7 VM (2 kg) e PV7 VT (3,3 kg) são de granadas anti-tanque (o que sugere que mais de 25.000 unidades de PG 7VM foram incluídas no embarque, e mais de 60.000 de PG 7VT.)

O total da remessa para Aqaba e Agalar é da ordem de 994 toneladas de “humanitário”, de armas ligeiras R2P para os “moderados” na Síria. (em uma única remessa da Romênia), entre inúmeros comparáveis envios por mar, bem como pelo ar.

Arma anti-tanque PG 7VM.

Arma anti-tanque PG 7VM.

Clique na imagem para ampliar.

Clique na imagem para ampliar.


Fonte Jane’s Defense Weekly

Este comércio de armas leves é transacionado através de empresas privadas no contrato para o governo Federal de Oportunidades de Negócios (FBO), uma entidade de negociação comercial agindo em nome da Marinha norte-americana MSC:

Fases 1,2 e 3:

1) O Pentágono (ou no respectivo órgão de governo) instrui a Marinha dos EUA, MSC, com detalhes e especificações das armas ligeiras a ser compradas e enviadas para os “combatentes da liberdade” na Síria, através da Turquia e da Jordânia. As portas de entrega são especificados. O destino final das armas não é mencionado.

2) Os locais da MSC da Marinha a pedido do FBO.

3) FOB por sua vez movimenta com empresas privadas para a aquisição e o transporte de armas e “materiais explosivos” fora de Constanta, na Romênia.

PENTÁGONO — US NAVY MSC — OPORTUNIDADES FEDERAL DE NEGÓCIOS (FBO) — (ILÍCITOS) OPERADORES PRIVADOS DE ARMAS LIGEIRAS, EMPRESAS DE TRANSPORTE — CONTRABANDEADOS PARA A SÍRIA ATRAVÉS DA TURQUIA E JORDÂNIA -ENTREGUA PARA ISIS-DAESH, A AL QAEDA, AL NUSRA, “MODERADA REBELDES”, FREE SYRIAN ARMY (FSA), ETC.

De acordo com Jane relatório:”O FOB lançou duas solicitações nos últimos meses à procura de empresas de transporte para o transporte de material explosivo da Europa Oriental para o porto jordaniano de Aqaba, em nome do Comando Militar Naval da Marinha dos EUA.” (grifo do autor)

Ainda a partir de um vídeo divulgado pelo grupo rebelde sírio afiliado à al-Izzah, em 16 de dezembro de 2015, mostrando um de seus lutadores se preparando para lançar um ATGW que poderia ser uma 9K111 Fagot ou um 9K111M Faktoria, os dois ser externamente idêntico. Jaish al-Izzah também usa-americanas de REBOQUE ATGWs. Fonte: Jane Defesa Semanal

Lançado em 3 de novembro de 2015, a primeira solicitação procurou um empreiteiro para enviar 81 recipientes de carga, que incluiu material explosivo de Constanta, na Romênia, para Aqaba.

A solicitação foi posteriormente atualizado com uma detalhada lista de embalagem mostrou que a carga tinha um peso total de 994 toneladas, um pouco menos de metade do que era para ser descarregado em Agalar, um militar cais perto do turco cidade de Tasucu, a outra metade em Aqaba. (Jane op cit)

A missão do Comando Militar Naval da Marinha dos EUA (MSC) é “Operar os navios que sustentam a nossa forças combate e entregar especializados serviços marítimos de entrega especializada em suporte aos objetivos de segurança nacional na paz e na guerra.” (MSC mission)Fonte: http://www.msc.navy.mil/mission/

MSC é o principal fornecedor de transporte marítimo para a Marinha e para o resto do Departamento de Defesa - operando cerca de 110 navios diários em todo o mundo.

MSC é o principal fornecedor de transporte marítimo para a Marinha e para o resto do Departamento de Defesa – operando cerca de 110 navios diários em todo o mundo.

Expedições Armas aos Aliados da América no Oriente Médio.

O relatório Semanal de Jane refere-se a remessas iniciadas pelo Pentágono através de um terceiro país. Ele não aborda as mais amplas e de muito maior fluxo de equipamento militar e de armamento para a Al-Qaeda e o Estado Islâmico, encomendadas para aliados da América no Oriente Médio (Turquia e Arábia Saudita). Estas armas leves também são adquiridas a partir de terceiros países (por exemplo, do Leste da Europa, Balcãs) através de operadores privados:

[Em 2012] representantes do Exército Sírio Livre, fizeram contato com negociantes de armas na Europa Oriental e na região do Mar Negro, na esperança de adquirir armas que depois viriam a ser contrabandeadas através da fronteira turco-síria. Os rebeldes sírios também procuraram grupos de milícias [al-Qaeda] na Líbia para obter assistência. A Líbia grupos têm provado ser uma importante fonte de armas para os rebeldes na Síria…

Os esforços de corretores da Líbia para abastecer os rebeldes coincidiu com, e, talvez, tenha sido amarrado, aos esforços pela Turquia, Qatar, Arábia saudita e Jordânia para armar os rebeldes. … Iniciativa Global contra a criminalidade Transnacional (2013 Estudo)

De acordo com a agencia Deutsche Welle, as exportações de armas de países terceiros (por exemplo. Romênia) para a Síria também são enviadas pelo ar via Arábia Saudita, Jordânia, Turquia e os Emirados Árabes Unidos: “…as munições, incluindo rifles de assalto AK-47 Kalashnikov, metralhadoras, granadas, bem como armas anti-tanque, são inicialmente descarregadas em bases aéreas e portos na Arábia antes de contrabandistas enviar os armamentos aos militantes na Síria.” (citado por Press TV, 8 de agosto de 2016, ênfase adicionada)

    “As normas internacionais que regulam o controle das exportações de tecnologia e equipamentos militares são descaradamente desconsideradas, disse o relatório, e uma quantidade considerável de armas exportadas da Bulgária para os países acima mencionados só indicam o sinal de “remessa desconhecida.”

    Tais armas são previamente endereçadas às mãos de grupos terroristas como o Daesh, que se acredita ser a Arábia Saudita a apoiante.

    Relatórios anteriores já haviam expostos que as armas estavam alegadamente a ser transportadas para a Síria em escolta militar turca, e transferidas para os líderes militantes através de encontros pré-arranjados.” (Press TV, 8 de agosto de 2016)

Observações Finais.

Os Estados Unidos e seus aliados usam o tráfico de armas – por exemplo, a desregulação do comércio ilícito de armas ligeiras através de comerciantes privados, incluindo o crime organizado – para canalizar grandes quantidades de armas e munições para os terroristas dentro da Síria. Estas transações nas sombras iniciadas em Washington estão em desacordo com o direito internacional e os tratados sob a égide da ONU relativas ao comércio de pequenos e leves armamentos.

A aquisição Pentágono é dirigida através de vários intermediários – perante a ilícita compra de armas leves: com toda a probabilidade, os orçamentos atribuídos ao Pentágono para o financiamento dessas compras de armas canalizadas para a Síria não são contabilizadas e/ou classificados pelo Departamento de Defesa dos EUA como “ajuda militar” dos Estados Unidos”. Enquanto isso, a ONU permaneceu a mãe no Estado de patrocínio da compra ilegal e contrabando de armas para a Síria.

Leia também: Entendendo o que acontece no Oriente Médio desde o princípio: América criou Al-Qaeda e o grupo terrorista Estado Islâmico.

Leia também: Síria tem gravação que prova a coordenação dos militares dos EUA com o Estado Islâmico.

Autor: Michel Chossudovsky

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4PM

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA