Combates no Leste da Ucrânia em meio à continuação da acumulação EUA-OTAN contra a Rússia.


Novos combates no leste da Ucrânia mataram e feriram dúzias em ambos os lados, enquanto as forças armadas ucranianas e as milícias aliadas entraram em confronto com forças separatistas pró-russas na província de Donetsk.

A luta, embora não tão sangrenta como as batalhas que grassaram em 2014 e no inverno de 2015, viu artilharia pesada e vários lançadores de foguetes Grad lançados contra áreas civis. O bombardeio deixou Avdiivka, uma cidade industrial de 20.000 habitantes, que atravessa a linha de demarcação entre o governo e o território controlado pelos separatistas, sem água, eletricidade ou calor em condições de sub-congelamento.

“Não só as vidas de milhares de crianças em Avdiivka, e em todos os lados do conflito, terminaram em risco, mas para piorar as coisas a falta de água e de eletricidade significa que as casas estão se tornando perigosamente frias e as condições de saúde se deteriorando como falamos”, disse Giovanna Barberis, representante da Unicef ​​na Ucrânia.

A União Europeia, a OTAN, o Departamento de Estado dos EUA e as Nações Unidas emitiram todos os apelos para a renovação do cessar-fogo imposto nos termos dos acordos de Minsk negociados em Fevereiro de 2015. Washington e os seus aliados europeus invocaram repetidas violações dos acordos dos separatistas pró-russos como pretexto para manter as sanções contra Moscow. Violações por forças do governo ucraniano não implicam tais repercussões.

Cerca de 10 mil pessoas morreram nos combates desde que rebeldes na região de Donbass buscaram a independência do governo ucraniano após o golpe de 2014 apoiado pelos EUA e pelo governo alemão, que trouxe ao poder um regime de extrema-direita e virulentamente anti-russo em Kiev. Washington e seus aliados acusaram a Rússia de instigar e apoiar militarmente o levante no leste.

A situação no leste da Ucrânia combinada com a reincorporação russa da Crimeia na sequência do golpe foram invocadas como justificação para sanções por parte dos EUA e da UE.

Kiev e os separatistas em Donetsk cada um têm culpado o outro pela última explosão de violência.

“A escalada atual em Donbass é uma indicação clara do desprezo flagrante contínuo de Rússia de seus compromissos sob os acordos de Minsk a fim impedir a estabilização da situação,” disse o ministério extrangeiro ucraniano em uma indicação.

Por sua parte, Moscow apontou para uma declaração anterior emitida pelo Ministério da Defesa ucraniano ostentando que “as forças armadas ucranianas estão avançando metro por metro” na área ao redor de Avdiivka como prova de que Kiev tinha lançado a ofensiva.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que o combate foi resultado de uma deliberada “provocação” do governo do presidente Petro Poroshenko, projetada para distrair a atenção pública da crise econômica e política prolongada da Ucrânia.

O jornal alemão Süddeutsche Zeitung sugeriu que o verdadeiro motivo para esta provocação residia na determinação de Kiev de interromper qualquer aproximação entre Washington e Moscow sob o novo governo norte-americano do presidente republicano Donald Trump e evitar qualquer alívio das sanções contra a Rússia.

“Os militares ucranianos estão atualmente tentando mudar a situação na linha de frente a seu favor. Aparentemente, eles aceitam o fato de que as tensões estão aumentando… Por trás desta posição, de acordo com alguns membros da administração alemã, poderia ser uma tentativa de piorar a situação na medida em que os planos do presidente dos EUA, Donald Trump, para aliviar as sanções são suspensos”, informou o jornal. “De acordo com a interpretação de Berlim, Poroshenko está pronto para fazer qualquer coisa para impedir a retirada das sanções.”

A Stratfor, empresa de inteligência privada dos Estados Unidos, que mantêm estreitos laços com o Pentágono e a CIA, também sugeriu um motivo para analisar os combates renovados: “Embora autoridades ucranianas acusassem a Rússia de orquestrar o aumento para fortalecer sua posição de negociação com o Ocidente, Kiev poderia ter incitado a violência para chamar a atenção para o conflito e reunir apoio internacional para as sanções continuadas em Moscow.

Como parte da tentativa do seu governo de reforçar o apoio às sanções e de compensar qualquer possibilidade de um movimento pelo governo Trump para uma postura menos conflituosa em relação à Rússia, Poroshenko viajou a Berlim em 30 de janeiro para uma reunião com a chanceler alemã, Angela Merkel, e pediu para que o governo de Trump se movesse para uma postura menos conflituosa em relação à Rússia. Durante sua visita, Merkel reiterou o apoio de seu governo para manter as sanções no lugar. Poroshenko encenou uma saída precipitada de Berlim, alegando que ele tinha que voltar para lidar com a crise no Donbass.

A resposta do Departamento de Estado aos combates no leste da Ucrânia foi notável por simplesmente declarar que Washington estava “profundamente preocupado” e “pedindo um cessar-fogo” sem colocar a culpa na Rússia.

Rossiiskaya Gazeta, um diário do governo russo, chamou a atenção para a declaração como uma indicação de uma mudança na política dos EUA: “Washington não está culpando as repúblicas não reconhecidas por quebrar o cessar-fogo, não está afirmando qualquer apoio a Kiev, não está dizendo uma única palavra sobre o papel da Rússia… Diferentes variações desses elementos foram, em regra, uma parte fundamental de todas as declarações da Ucrânia sob administração de Barack Obama”.

Por outro lado, os funcionários dos EUA em cena não mostraram tal mudança na linha, refletindo a divisão cada vez mais aberta entre a administração Trump e os funcionários de carreira do Departamento de Estado. “A Rússia e os separatistas iniciaram a violência em Avdiivka”, afirmou o porta-voz dos EUA na Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Kate Byrnes, numa reunião de emergência da OSCE em Viena em 31 de Janeiro. “Pedimos à Rússia para parar a violência, honrar o cessar-fogo, retirar as armas pesadas e acabar com as tentativas de conquistar novos territórios além da linha de contato”.

Na véspera do seu primeiro telefonema pós-inaugural com o presidente russo Vladimir Putin na semana passada, Trump declarou: “Quanto às sanções, muito cedo para falar sobre isso”. Durante a conversa em si, as sanções não foram mencionadas e não houve discussão substancial sobre a Ucrânia.

Enquanto isso, os militares dos EUA e da Alemanha continuam a construir forças perto das fronteiras ocidentais da Rússia.

Na segunda-feira (1/fev), tropas americanas e tanques montados para exercícios na Polônia, segundo seu comandante reconheceu, foram movimentados para ameaçar a Rússia.

O destacamento tornou-se necessário pela “invasão russa da Ucrânia e a anexação ilegal da Crimeia”, disse o tenente-general Ben Hodges, comandante das forças terrestres dos EUA na Europa, ao Washington Post. “O último tanque americano deixou a Europa há três anos, porque todos nós esperávamos que a Rússia fosse nosso parceiro. E então tivemos que trazer tudo isso de volta.”

Enquanto isso, tanques e tropas alemãs começaram a chegar na Lituânia na terça-feira, a primeira entrada do exército alemão na antiga república soviética do Báltico desde sua ocupação pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. O desdobramento alemão incluirá 450 tropas e cerca de 200 veículos, incluindo 30 tanques.

Ao todo, a aliança da OTAN comprometeu-se a mover quatro batalhões, cerca de 3.000 a 4.000 soldados, para dentro da distância notável da Rússia no nordeste da Europa como parte de um permanente “rotativo” desdobramento.

Quaisquer que sejam as declarações da administração Trump sobre o aperfeiçoamento das relações com Moscow, os combates na Ucrânia combinados com o agressivo desdobramento militar da OTAN nas fronteiras da Rússia elevam acentuadamente a ameaça de um confronto armado entre as duas maiores potências nucleares do mundo.

Leia também: Sem Entusiasmo: Operações da OTAN na região do Mar Negro – um grande desconhecido para a OTAN.

Leia também: “Onde todas as ilusões morrem”: UE não está pronta para aceitar a Ucrânia como Estado membro.


Autor: Bill Van Auken

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4PW

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA