As notícias na mão de um homem: Mídia de Soros traz mudança de regime e revolução de cores para a América.


A derrota de Hillary Clinton nas eleições presidenciais americanas expôs a agenda globalista liderada por George Soros, ao financiar a campanha de Hillary. Todos os meios de comunicação populares liberais tentaram o melhor possível para moldar a opinião pública em favor de Hillary, mas falharam. A classe média americana elegeu Donald J. Trump ao escritório oval devido a sua agenda doméstica. Daí, por que o partido belicista travou uma guerra dentro dos Estados Unidos para enfraquecer a administração Trump, com o objetivo de proteger a agenda globalista, já que os protestos anti-Trump foram organizados pelo globalista Soros imediatamente após as eleições. A elite globalista que estava envolvida em mudanças de regime e revoluções de cores ao redor do globo, da América Latina à Ucrânia, alcançando seus objetivos geopolíticos, agora está tentando esses esforços dentro da América contra o governo legítimo de Trump.

A mídia americana controlada por George Soros propagou Trump como o candidato do Kremlin. Depois de sua vitória sobre Hillary, a Agência Central de Inteligência (CIA) culpou a Rússia por cortar a eleição em favor de Trump. Mas a Rússia não só rejeitou essas alegações infundadas, como também alertou Trump de que os globalistas pretendem esfaquear a democracia americana com um “golpe suave” contra Donald Trump. O presidente russo, Vladimir Putin, disse que vê tentativas nos Estados Unidos de “deslegitimar” o presidente dos EUA, Donald Trump, usando métodos ao “estilo Maidan” anteriormente usados ​​na Ucrânia, onde os leitores se lembrarão de que o presidente Yanukovich foi expulso em 2014, cuja queda suspeita-se foi conduzida sob os auspícios do Departamento de Estado dos EUA e várias operações de inteligência dos EUA.

Por que a elite globalista é anti-Rússia.

Aqui surge a questão; Por que a elite globalista é anti-Rússia, e por que eles declararam a Rússia uma ameaça para o líder globalista da Nova Ordem Mundial? A resposta é muito simples porque estavam envolvidos na destruição da economia russa. Soros esteve diretamente envolvido nas crises econômicas da URSS durante a década de 1990. Após a dissolução da URSS, Soros ajudou os oligarcas russos a controlar as instalações de produção, indústrias e refinarias de petróleo. Há uma longa guerra entre esta agenda globalista e Vladimir Putin dentro da Rússia. O Presidente Vladimir Putin não só os derrotou na Rússia, mas também conseguiu minimizar sua hegemonia sobre o mundo, introduzindo uma “Ordem Mundial” alternativa, um mundo multipolar compartilhado. É por isso que a organização sem fins lucrativos de George Soros, conhecida como Open Society Foundation (OSF), tentou derrubar o presidente Putin e tentou desestabilizar a Rússia muitas vezes. Como resultado, a Rússia não só regulou ONGs internacionais, mas também proibiu a Open Society Foundation na Rússia.

O legado de Obama é caracterizado pelo mantra da “Culpa da Rússia”, e isso veio depois da guerra de Putin contra a agenda globalista. Portanto, no cenário mundial, culparam a Rússia por tudo: eles estão mesmo colocando o fracasso das democracias do mundo ocidental na Rússia. “A Rússia cortou as eleições americanas e agora está cortando as democracias européias” – essa narrativa foi propagada com a falsa barragem de notícias e, como resultado, a guerra de informação tornou-se visível entre a mídia controlada globalista e a mídia multipolar; Meios de comunicação social russos e meios de comunicação alternativos, isto é Wikileaks e Infowars de Alex Jones.

De fato, o imã de negócios e manipulador globalista húngaro, George Soros, sempre foi visto como o mentor por trás das crises financeiras asiáticas de 1997-2008. Esta crise foi criada para arruinar a economia da Malásia. Ele se envolveu na política por toda a Europa, América do Norte e até mesmo na Ásia por décadas. Atualmente, ele é o homem por trás da crise migratória na Europa. Ele pretendia ganhar dinheiro com a desestabilização da Europa com um fluxo descontrolado de refugiados. Além disso, as Open Society Foundation de propriedade de Soros implementaram a agenda globalista por meio de mudanças de regime e práticas de revolução de cores, ostensivamente fazendo campanha pela liberdade, justiça e direitos humanos. Mas agora, como arquiteto de um mundo multipolar, a Rússia aparece como uma força de resistência contra a agenda globalista com uma “Ordem Mundial Multipolar”. É por isso que, neste mundo manipulado por Soros agora está caindo aos pedaços em todos os lugares.

O controle da máfia globalista sobre o jornalismo americano.

Atualmente, a falsa barragem de notícias apoiada por organizações liberais e de esquerda americanas é uma evidência da influência de Soros sobre a mídia. Seu instituto Open Society está diretamente ligado a mais de 30 organizações de mídia americana. Soros como um manipulador globalista entende a importância da mídia para controlar o público. De acordo com “Soros: A Vida e os Tempos de um Milionário Messiânico“, ele ficou fascinado pela mídia desde a infância, onde os interesses iniciais de carreira incluíam “história ou jornalismo ou alguma forma de escrever”. Ele trabalhou como “editor-chefe, editor e vendedor de notícias”, seu próprio artigo, “The Lupa News” e escreveu para um boletim de jornal em sua nativa Hungria antes de sair, escreveu o autor Michael T. Kaufman, veterano em Times.

Para George Soros e outros apoiadores liberais da ProPublica, o financiamento no jornalismo é a única maneira de influenciar o público, não só na América, mas em todo o mundo. De acordo com American Media Research Center (MRC), “o sonho de Soros para controlar a mídia de massa, naturalmente, começou com a Columbia University School of Journalism. Columbia é dirigida pelo presidente Lee Bollinger, que também se senta no prêmio Pulitzer e no conselho de administração do Washington Post. Bollinger, como alguns dos outros financiadores de Soros, está pressionando o jornalismo para encontrar um novo Pai-trocínio ou pelo menos um tio – o Tio Sam. Bollinger escreveu em seu livro “Uninhibited, Robust, and Wide-Open (Desinibido, Robusto e Ampla Abertura): uma imprensa livre para um novo século”, que o governo deve financiar a mídia. Um estudo de 2009 do programa de jornalismo da Columbia chegou à mesma conclusão, chamando de “um fundo nacional para notícias locais”. Convenientemente, Len Downie, o principal autor dessa peça, está no conselho do Post e da diretoria do Center for Investigative Reporting, também financiado por Soros.

Soros não só financiou escolas de jornalismo famosas na América, mas ele se apoderou da indústria jornalística e associações de jornalistas. Ele induziu seus associados mafiosos em todas as organizações de mídia dominante nos EUA e em todo o mundo. Mesmo a Federação Nacional de Radiodifusores Comunitários, a Associação Nacional de Jornalistas Hispânicos e o Comitê para a Proteção dos Jornalistas, também é diretamente controlada pela máfia de Soros pelos fundos da OSF.

De acordo com os fatos apresentados pela America’s Media Watchdog, “O Open Society Institute é uma das várias fundações que financiam a Investigative News Network (INN), uma colaboração de 32 organizações sem fins lucrativos que produzem o que alegam ser “notícias de investigação não partidárias”. A Fundação James L. Knight também apoia a rede e é possivelmente a mais conhecida fundação de jornalismo. O presidente e CEO da Knight, Alberto Ibargüen, está no conselho de administração da ProPublica. A INN inclui a Oficina de Relatórios de Pesquisa da American University, a MinnPost, o Instituto Nacional de Relatórios Assistidos por Computador, a Rádio Pública Nacional e o Wisconsin Center for Investigative Journalism. A rede incluiu a operação liberal de investigação do Huffington Post entre as suas subvenções, mas as investigações HuffPo fundiram-se com o possivelmente ainda mais à esquerda Centro para a Integridade Pública, em cujo conselho Arianna Huffington senta.

Soros injetou sua agenda para atacar a direita em nome do jornalismo de qualidade investindo em programas acadêmicos. Atualmente, a situação doméstica na América é evidência de que Soros está construindo uma parede em torno de Trump usando a mídia prestitute. É por isso que Trump usou a palavra “desonesto” para os jornalistas da mídia americana por ocasião de sua posse.

Monopólio do tempo e do espaço em todo o globo.

A elite globalista sobre o nome de liberdade, justiça e direitos humanos financia essas ONGs em todo o mundo para realizar sua agenda. As ONGs, estabelecendo contatos com a sociedade civil e as classes políticas, desde a base até às instituições do Estado, sempre trabalharam para a agenda liberal da globalização e, como resultado, a americanização do mundo aconteceu. Em muitos países, as ONGs aparentemente agiram como ferramenta de mudança de regime e revoluções de cores com o apoio da mídia. A mídia sempre os ajudou a controlar e moldar a opinião pública a seu favor. A mídia liberal e de esquerda tornou possível a americanização do mundo com sua agenda globalista.

Se entrar em detalhes, podemos facilmente observar a influência da mídia americana/ocidental em todo o mundo. O departamento de Estado dos EUA controla a mídia mundial com organizações internacionais liberais. O Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ), com sede em Washington, apoiado por Knight International Journalism Fellowships e financiado por Soros, sempre trabalha para propagar a agenda globalista em nome do jornalismo de qualidade em todo o mundo. Até mesmo o programa de intercâmbio de jornalistas patrocinado pelo Departamento de Estado é administrado por este ICFJ. EUA-Rússia, EUA-Alemanha, EUA-Paquistão e todos os tipos de tais programas de intercâmbio são projetados por este ICFJ controlado por Soros. No ano passado, eles anunciaram um programa especial para jornalistas russos de língua báltica, com o objetivo de divulgar propaganda contra a Rússia sobre o Conflito da Ucrânia.

O cientista político e jornalista alemão Udo Ulfkotte publicou um livro, Gekaufte Journalisten (“Comprando Jornalistas”), no qual ele descreve como os políticos americanos e alemães influenciam a mídia alemã, para que esses jornalistas dêem o giro desejado aos eventos mundiais. Ulfkotte afirma que os repórteres são instados a predispor sua escrita principalmente para favorecer a posição americana e para se opor à Rússia. Em sua entrevista traduzida e publicada pela Oriental Review, ele respondeu a uma pergunta sobre as práticas de corrupção dos jornalistas, desta forma: “Quando você voa para os EUA uma e outra vez e nunca tem que pagar por nada lá, e você é convidado a entrevistar políticos americanos, você está se aproximando cada vez mais dos círculos de poder. E você quer permanecer dentro deste círculo da elite, então você escreve para agradá-los. Todo mundo quer ser um jornalista de celebridades que tem acesso exclusivo a políticos famosos. Mas uma frase errada e sua carreira como um jornalista de celebridades está acabada. Todo mundo sabe disso. E todo mundo está nisso.”

JORNALISTA DESESPERADO ALERTA O MUNDO – O FIM JÁ COMEÇOU (41) – avançar para o instante 1:44.

Assim, através de ONGs e programas de intercâmbio, eles escolheram jornalistas na metade da carreira para polir eles para sua agenda. O conceito de jornalista comprado por Ulfkotte também se concretiza no Paquistão. Embora o Paquistão gozasse do estatuto de aliado dos EUA desde a sua criação, a influência da mídia americana na sala de notícias do Paquistão surgiu durante a guerra afegã contra a URSS. Alguns jornalistas de alto nível têm opinião de que, antes do 11 de setembro, os meios de comunicação de Washington e Londres contrataram toda a lista dos jovens jornalistas paquistaneses e quando seu treinamento estava próximo de ser concluído, de repente ocorreu o incidente do 11/9. Esses jornalistas desempenharam um papel vital na formação de opinião para forçar o governo do Paquistão a ajudar os EUA a atacar o Afeganistão.

Uma estimativa grosseira indica que mais de 1500 jornalistas paquistaneses visitaram as salas de notícias dos órgãos de comunicação social dos EUA para receberem o treinamento liberal de “Jornalismo de Qualidade”. Em seu retorno, sempre empurram sua agenda em salas de notícias baseadas no Paquistão, tanto na mídia eletrônica como na impressa. A mídia no Paquistão é considerada como o quarto pilar do Estado e agora se tornou uma necessidade muito necessária para a sociedade. É por isso que a fundação da Sociedade Aberta de Soros tem o Paquistão emaranhado em uma teia, do nível doméstico às instituições estatais, controlando a mídia paquistanesa. Em nome do acesso à Internet para todos, e treinamento de mídia para jornalistas, o OSF está injetando sua agenda para controlar a democracia no Paquistão.

Infelizmente, a mídia americana controlada por Soros já tem maior influência na mídia impressa do Paquistão, e agora Soros conseguiu nomear seu diretor de país da OSF como presidente da Autoridade Reguladora de Mídia Eletrônica do Paquistão (PEMRA). Absar Alam, presidente da PEMRA, foi o chefe do país da notória Sociedade Aberta e, após sua nomeação, está abertamente de acordo com a agenda Soros na mídia eletrônica do Paquistão, controlando os meios de comunicação com a organização estatal PEMRA. Na mídia impressa, há espaço, enquanto na mídia eletrônica há tempo, e a OSF tem totalmente controlado em espaço e tempo a mídia global. A cobertura tendenciosa sobre os conflitos na Síria e na Ucrânia também é uma prova de como eles propagam sua linha na mídia social e social, enquanto a Primavera Árabe no Oriente Médio também foi lançada pela mídia social, que também está sob o controle da elite manipuladora globalista.

Portanto, a Rússia, a China e alguns outros países não só proibiram tais ONGIs e mídia, mas também introduziram regulamentos para monitorá-los. O Paquistão e a Índia também propuseram manter controles e equilíbrios em tais organizações e monitorar sua fonte de financiamento, mas ambos fracassaram devido à pressão das elites liberais.

Mídia de Soros traz mudança de regime e revolução de cores para a América.

Como é discutido acima, a mídia é uma ferramenta poderosa usada para controlar a opinião pública, injetando uma agenda específica no público-alvo. Eventos de mudança de regime e revoluções de cor no mundo são pintados na tela de democracia e liberdade, a mídia é sempre usada para pintar uma imagem colorida com o pincel de agenda específica dentro do projeto projetado.

Leia também: Recente criação da CIA: A revolução do pato amarelo no Brasil.

Se olharmos de perto para a atual situação doméstica americana, podemos facilmente observar como a mídia liberal lançou uma campanha para a mudança através das massas, provocando resistência civil contra a administração de Trump, a pedido de seu mestre Soros.

O controle de Soros sobre os meios de comunicação de massa, as ONGs e sua maior influência sobre as instituições estaduais está arrastando os Estados Unidos para uma revolução de cor visível, construindo um muro em torno de Trump para mantê-lo sob pressão ou lançar seu governo em benefício da elite globalista. Os manifestantes anti-Trump já escolheram a cor rosa e já formularam um projeto de “revolução pussyhat” para mobilizar as massas contra o 45º Presidente dos EUA. A mídia americana não está apenas dando uma cobertura completa a esses protestos, mas também despertar um movimento de resistência contra o recém-governo de Trump.

Os conspiradores de protestos anti-Trump têm apenas uma intenção: enfraquecer Trump, e eles não têm amor para a América e, portanto, eles têm desviado protestos para o que é violento na natureza. Sua guerra contra Trump está prejudicando a América como um todo. Não só a propriedade do Estado foi danificada, mas eles também vão atacar as instituições do Estado, o que levará a América para a destruição. A única maneira restante para Trump é revidar, rápido e firme.

No entanto, alguns relatórios alegaram que Soros contribuiu para o financiamento da construção do Trump International Hotel & Tower em Chicago, no valor de US$ 160 milhões. Enquanto The Daily Beast afirmou: “Em 2011, Trump ainda disse aos conservadores para” esquecer Soros, deixá-lo sozinho, ele tem problemas suficientes”. Mas agora Soros está empenhado em derrubar o governo Trump assim como antes ele tentou o seu melhor para derrotá-lo durante o processo eleitoral.

O DISCURSO MAIS DEVASTADOR DE TRUMP NA CARA DA ELITE.

Soros não só lançou uma guerra contra a Trump no país, mas também está criando problemas para ele em todo o mundo com ajuda usando seus falsos meios de comunicação. O objetivo disso é construir uma pressão global contra a Casa Branca. É realmente difícil para o governo Trump silenciar a vibrante mídia americana liberal e de esquerda, que controla o pulso da América. É por isso que a Casa Branca se recusou a cooperar com a mídia principal anti-Trump, devido à sua agenda e propaganda contra Trump. Enquanto isso, Trump também deu preferência à sua conta do twitter em vez da mídia convencional.

Em suma, a América que usou Soros e sua mídia para revoluções de cores e propósitos de mudança de regime em todo o mundo da América Latina à Ucrânia, está agora sob ataque por ele internamente. Agora cabe a Trump como ele lida com este monstro globalista. Se Trump não retaliar a tempo, ele seria derrubado da Casa Branca.

Leia também: Conheça George Soros: a cara feia por trás de muitos movimentos de protesto.

Leia também: Afinal quem manda no mundo? As ONGs e fundações do mal articulam Golpes de Estado, a Globalização e a Corrupção Bancária.


Autor: Tayyab Baloch

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4Q1

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA