As tensões políticas entre a Turquia e a União Européia.


Um número de países Europeus têm conduzido uma postura dura contra a liderança da Turquia.

Escândalo na Alemanha e nos países baixos.

A razão por trás do recente agravamento das relações foi recusa de Hollande de deixar o ministro turco dos negócios estrangeiros Mevlut Cavusoglu visitar a França no sábado, dia 11 de Março. Ele tinha planejado para reunir-se com a diáspora turca no país.

Além disso, outro diplomata turco não teve permissão para entrar no consulado turco em Roterdã. Em resposta, o presidente turco disse que eles tinham “sacrificado as relações turco-holandesas” e comparou a Holanda ao Nazismo, citando o exemplo da cooperação holandesa com a Alemanha Nazista durante a II Guerra Mundial.

A comunidade turca de Holanda realizou protestos em massa, o que resultou em confrontos com a polícia.

Anteriormente, a Alemanha também foi acusada de violar as normas da democracia, proibindo um protesto em massa daqueles de etnia turca.

A dinamarca tomou o lado dos países baixos e anunciou o seu adiamento da reunião com o ministro turco dos negócios estrangeiros. O Primeiro-Ministro da Dinamarca disse, isso foi feito em conexão com os “ataques retóricos” contra os holandeses. Além disso, a Áustria e a Suíça têm aderido a esta posição.

Fundo.

No próximo mês, um histórico referendo será realizado na Turquia em transferência de mais poderes ao presidente do país. Especialistas acreditam que Recep Erdogan vai ganhar o poder que não tenha sido exercido por qualquer um de seus antecessores desde Kemal Ataturk. O Ocidente acusa Erdogan de autoritarismo e violar a democracia, incidindo especialmente sobre a violação dos direitos e liberdades fundamentais dos jornalistas no país.

Muitos Turcos que vivem em países da UE têm o direito de participar no presente referendo, é por isso que a visita de Cavusoglu foi agendada. Obviamente, a UE quer minar as tentativas da Turquia de envolver os seus compatriotas no processo de referendo.

Os ecos do golpe de Fethullah Gülen.

Depois de uma fracassada tentativa de golpe de estado na Turquia, em julho de 2016, representantes dos militares, a imprensa e os partidos políticos foram presos no país. Alguns deles foram soltos após investigação. Alguns deles foram acusados de promover o terrorismo.

Oficialmente, Fethullah Gülen, que mora nos EUA e tem laços com a CIA, foi acusado de iniciar o golpe de estado. Apesar de a Turquia ter repetidamente exigido a sua extradição, o lado americano recusou-se.

Este ataque coordenado pelos países Ocidentais contra a Turquia, demonstra uma profunda diferença na política, cultura e possíveis atividades de lobbying por Gulen e a CIA na Europa.

Leia também: US$ 2 bilhões da CIA para o golpe turco: Quem é o general Campbell e como ele preparou o golpe turco.

Leia também: Como a Rússia e o Irã frustraram o golpe de Estado na Turquia.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4NU

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA