Os próximos anos para a União Européia: cenários possíveis de uma união icógnita.


Depois do Brexit e o crescimento significativo dos Eurocépticos e a influência populista na Europa, o futuro da União Europeia parece não ser mais questionado. No entanto, o futuro está sempre aberto, e, portanto, há mais do que um cenário possível.

O Conselho de Inteligência Nacional dos EUA propõe três opções para o desenvolvimento desta situação: duas negativas e uma positiva.

Um cenário de Colapso tem uma baixa probabilidade de que ocorra, mas implicaria risco internacional muito alto. Neste cenário, empresas domésticas e famílias respondem a indicações de uma iminente mudança de regime monetário pela aceleração da rápida retirada de depósitos de euro das instituições financeiras nacionais. A seguir o contágio para outros estados-membros e o dano econômico para os países centrais, o euro seria a primeira vítima. A UE como uma instituição seria, provavelmente, um garantia vítima porque o mercado único e a liberdade de circulação em toda a Europa ficaria comprometida pela reintegração do capital e os controles de fronteira. Sob tal cenário, graves perturbações econômicas e fraturas políticas poderiam levar a um colapso na sociedade civil. Se o colapso for súbito e inesperado, seria muito provável desencadear uma recessão global ou ainda outra Grande Depressão.

Em um cenário de Declínio Lento, a Europa consegue escapar dos piores aspectos da crise atual, mas não consegue realizar as necessárias reformas estruturais. Como os estados-membros suportam anos de baixo crescimento econômico, eles ficam juntos, a fim de evitar grandes interrupções políticas e econômicas. As instituições da UE não reagem, mas o descontentamento público continua em alta. O euro sobreve, mas não se torna um rival para o dólar ou o renminbi. Dado anos de baixo crescimento econômico, a presença internacional é diminuída; países re-nacionalizam as suas políticas externas.

Nosso terceiro cenário, o Renascimento, é baseado no padrão familiar de crise e de renovação, qual a Europa passou por muitas vezes no passado. Depois de olhar para o abismo, muitos líderes Europeus aprovam um “salto federalista.” Opinião pública apoia tal passo, dados os iminentes riscos envolvidos na manutenção do status quo. Uma Europa mais federal, pode começar com apenas um núcleo do grupo de países da zona do euro com alguns escolhendo a optar se ficam ou saem, ou adotam uma política aguardar-para-ver. Ao longo do tempo, apesar da existência de uma Europa de multi-velociadades, o mercado único ainda seria concluído e uma mais unida política externa e de segurança acordada com o reforço de elementos da democracia Europeia. Europeia, na inuência iria aumentar, reforçar o papel da Europa e das instituições multilaterais, na pespectiva mundo.

Ilaria Maselli, que é um economista sênior para a Conferencia do Conselho na Europa (associação de pesquisa de negócios independente), propõe quatro possíveis cenários para a União Europeia.

Continuou, A Estagnação. Uma combinação inadequada de reforma e fraco crescimento global prolonga o clima atual. Este cenário, principalmente, traz fortuna para empresas com foco na demanda interna, e a maioria do medíocre crescimento dos gastos dos consumidores europeus. Os investimentos do setor privado hesita em face da elevada incerteza política, enquanto o investimento público estagna por medo do abandono de forma decisiva do quadro de austeridade.

Um Reset. Uma combinação de reforma e de maior crescimento global resulta em uma reposição. Em se tratando de guarda-chuvas, os governos renovam o seu compromisso de investimento futuro e a remoção de barreiras ao comércio. Eles também renovam a sua atenção para a renda e a riqueza e a desigualdade dentro e entre os países. Favoráveis ao crescimento global para ajudar a financiar o esforço, juntamente com a decisão de pôr fim ao quadro de austeridade e aumento de gastos do governo através de um único orçamento maior. Porque muitas fontes diferentes e os fatores que contribuem para o crescimento beneficiam as empresas de todos os setores neste ambiente. A vida é boa, embora não em todos os lugares. Tal cenário exige também um subconjunto de 27 para se mover em direção a uma união política.

Em uma Corda Bamba. Uma combinação de reforma institucional, a nível Europeu, e fraco crescimento global leva a um elevado grau de incerteza. A decisão para a reforma vem em resposta a partir de pressões de todo o continente, incluindo Brexit. Como resultado, os países membros e a UE, caminham numa Corda bamba entre a gestão de expectativas e a criação de um crescimento suficiente. As reformas levam tempo a produzir os resultados esperados, e, entretanto, o crescimento da produtividade pode tornar-se lento. Devido à fraca procura externa, gastos do governo desempenham um papel importante no fortalecimento da economia. Como tal, este cenário mais favorável às empresas que fornecem serviços ao governo.

Leia também: As tensões políticas entre a Turquia e a União Européia.

Serviço de bordo (promessas verbais, mas nenhuma ação). Publicamente, os países pagam serviço de bordo para a integração Europeia, mas, na realidade, encontram as fontes de crescimento fora do bloco. Neste ambiente, as empresas bem-sucedidas compreendem, principalmente, os exportadores localizados na Europa Continental – com seus empregados, fornecedores e partes iguais interessadas. Em combinação com inadequada reforma, a existência do Mercado Único, beneficia apenas alguns países, enquanto há renda estagnada em outros; isto apenas fratura mais a Europa.

Se a situação é objetivamente considerada, então, tanto os ambos cenários positivos, como Renascimento (versão EUA) e Reset (versão europeia), são vistos como que dificilmente realizáveis. As instituições políticas da UE debatem-se pela controvérsia. A burocracia não consegue lidar com os desafios atuais, e o impacto de forças externas (por exemplo, a situação na Romênia) pode ainda desempenhar um papel fundamental. O acentuado arrefecimento das relações entre os EUA e a Alemanha, mesmo no nível retórico, bem como o colapso da Parceria Trans-Pacífico exacerbam a situação atual.

Leia também: Enquanto a Europa é inundada pela invasão dos refugiados, a OTAN prepara conflito contra a ameaça fantasia russa.

O que são as expectativas russas e o provável prognóstico do futuro da Europa? Ironicamente, a Rússia está interessada em uma Europa unida e estável. Mas há uma condição. Ela deve ser independente do jogador, apesar de um coletivo. Até agora, em Bruxelas tem sido uma das peças de Washington no tabuleiro de xadrez da Eurásia. As sanções contra a Rússia, o Projeto de Parceria Leste, a operação Atlantic resolve da OTAN – todas estas combinações não são autênticas decisões Europeias. Mesmo levando-se em consideração a possível melhoria das relações Rússia-EUA, uma espécie de revisões da integração Euro-Atlântica se fazem necessárias para uma relação de confiança entre Moscow e Bruxelas. Idealmente, isso precisa ser substituído por uma integração Eurasiana.

Mas a Rússia deve estar se preparando para um possível cenário da UE em colapso. Em seguida, as relações bilaterais com os países da região devem ser intensificadas, mas isso não quer dizer que tais preferências devem ser feitas em detrimento de outras partes. Antes da imposição de sanções, o grosso da relação exportação-importação entre a Rússia e a UE caiu para a Alemanha, a Holanda e a Itália. As novas condições de tempo (de acordo com Fernando Braudel) podem alterar o equilíbrio de poder e de preferências.

Leia também: Plano Maçonico de Miscigenação para eliminar a resistência e fraturar a sociedade.

Além disso, a base demográfica da UE foi alterada. Os problemas dos refugiados e migrantes são susceptíveis de ser resolvidos no futuro próximo. Enquanto que na UE há algumas ilhas liberais, africanos e asiáticos continuarão a penetrar na península européia e criar seus guetos e enclaves étnicos lá. Isto, por sua vez, afetará as políticas econômicas e sociais em vários países. Como a experiência tem mostrado, a assimilação baseada no multiculturalismo não é viável. No entanto, a liderança da UE não está pronta para tomar quaisquer medidas radicais, devido à natureza da cultura política da UE. Isso seria um motivo para as contra-elites chegarem ao poder na UE? Essa é a tendência, no mínimo. Este cenário será muito possivel através do procedimento democrático.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4PF

Acompanhe a série “Como será a vida no futuro: A Agenda Oculta da Nova Ordem Mundial” publicada todos os domingos em Dinâmica Global.

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA