Tornam-se públicos os planos dos EUA para partição da Síria.


O novo caminho de Washington é ruim para a integridade territorial dos Estados do Oriente Médio, mas também é ruim para o monstro conhecido como OTAN.

Visitando a Turquia, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse duas coisas importantes:

  • Deixar que o povo decida o destino do Bashar al-Assad na Síria.
  • Após a libertação de Raqqa do Estado Islâmico, a região deve ser governada por forças locais.

Em conjunto, isso significa que os EUA se dobraram na guerra para derrubar o governo sírio, mas sua guerra contra o Estado Islâmico ainda é esperada para resultar em uma enfraquecida e particionada Síria.

Isso não é realmente novo. O fato de os EUA terem desistido de derrubar Assad é aparente por algum tempo, o que vai com o bombardeio pesado de rebeldes da Al-Qaeda e a pausa em curso para financiar os “rebeldes moderados”.

Além disso, já em novembro do ano passado, generais dos EUA estavam dizendo que após Raqqa ser libertada do Estado Islâmico seria governada por seus proxies locais, em vez de Damasco.

O que é novo é que isso já foi dito ao mais alto nível e lançado no rosto de Erdogan.

O irônico é que os EUA não estão necessariamente muito investidos na divisão da Síria, mas simplesmente não sabem mais o que fazer.

A América precisa derrotar o ISIS porque sua existência como um estado territorial real é um grande desafio para seu prestígio. No entanto, dado seus próprios preconceitos e os de seu cliente Israel, certamente não está interessado em entregar de volta o território para o pró-iraniano, pró-russo e pró-Hezbollah Damasco. (Embora não tenha escolha a não ser apoiar um Iraque igualmente pró-iraniano.) Tanto mais que, para grande parte da América, Assad é literalmente Hitler.

Assim, para os americanos, o que fazer com as áreas retiradas do ISIS é um problema real. Felizmente para eles, os curdos têm uma idéia.

Os curdos sírios querem o mesmo acordo que os curdos iraquianos têm. Eles querem um Curdistão sírio forte e de fato independente com seus próprios militares e policiais, mas que ainda assim se chama uma parte da Síria, de modo a tornar mais difícil para os turcos invadir e sancioná-los. Como os curdos habitam três enclaves separados que não são realmente contíguos, eles também precisam deste Curdistão Sírio (Rojava) para se esticar sobre uma grande quantidade de terra de maioria árabe.

Este é seu principal objetivo. Seu objetivo secundário é encontrar aliados que como eles não queiram um retorno do governo central para o norte e leste da Síria. Para isso, promoveram não apenas o estabelecimento de uma unidade “federal” dominada pelos curdos no norte da Síria, mas também o estabelecimento de outras unidades federais dominadas pelos árabes em outras partes da Síria, particularmente no leste do SDF.

As palavras de Tillerson na Turquia significam que, por falta de uma alternativa melhor, os EUA estão agora a bordo com a ambição curda. Você pode esperar que, uma vez desobstruído do ISIS, Raqqa comece a emergir como a capital de unidade “federal” de uma maioria árabe alinhada com os curdos e apoiada pelos EUA. Quão bem-sucedida será isso é outra questão.

Ironicamente, o maior problema com este plano para os Estados Unidos (além do entusiasmo obscuro dos árabes locais) não é nem o Assad militarmente esvaziado, nem a soberania síria que eles nunca respeitaram de qualquer maneira, mas a oposição raivosa de seu principal aliado na Turquia.

Tillerson repetia na Turquia que era uma “escolha muito difícil”. Os EUA estão conscientes de que ir junto com uma proposta dos curdos de uma transformação Ocalanista do leste da Síria está indo a enraivecer Ancara, mas ele sente que não tem outra escolha.

Talvez esse seja o forro de prata aqui. O novo caminho de Washington é ruim para a integridade territorial dos Estados do Oriente Médio, mas também é ruim para o monstro conhecido como OTAN.

Leia isso para entender o propósito da planejada guerra na Síria – algo já decidido nos círculos do poder na Europa. Essa é a prova flagrante que houve intenção de uma crise a ocorrer no Oriente Médio. Abaixo um cartaz de convite para uma conferência sob o título “Remodelagem do Oriente Médio”, que é evidente aconteceu na França, mas por não informar o ano não sabemos quando foi exatamente.

Leia também: Plano de RAND Corporation para dividir a Síria em pedaços.

Leia também: Entendendo o conflito sírio e o jogo de interesses: Os grupos curdos como elemento desestabilizador do Oriente Médio.


Autor: Marko Marjanović

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Russia-Insider.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-4NH

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA