O terceiro e o quarto porta-aviões do pipeline da China: o que esperar.


A China não vai parar de construir porta-aviões apesar de ter lançado recentemente sua segunda operadora, sugeriram os especialistas, dizendo que o novo Tipo 001A é apenas o começo de Pequim como um poder marítimo.

O porta-aviões USS Stennis conduz operações no mar filipino: Nesta documentação fornecida pela Marinha dos EUA, uma formação combinada de aeronaves da Airway Air Carrier (CVW) 5 e da Air Wing (CVW) 9 passam em formação acima do porta-aviões USS John C. Stennis (CVN 74) da classe Nimitz. (Foto: Getty Images)

“Continuaremos a construir porta-aviões”, disse Li Jie, um especialista em marinha de Pequim, para o Global Times. “A Marinha do Exército de Libertação do Povo terá mais de três no futuro, de modo a garantir sua capacidade de combate ao realizar ao mesmo tempo práticas e manutenção”.

O terceiro porta-aviões da China teria sido convencionalmente alimentado, mas usará catapultas de lançamento a vapor. Apontado como Tipo 002, o terceiro operador de aviões será maior e mais capaz. A construção do tipo 002 teria sido iniciada em março de 2015 em Xangai, embora isso ainda não seja confirmado.

Enquanto isso, Li recusou-se a comentar os relatórios do Tipo 002, mas confirmou que a China acabaria por construir seus terceiro e quarto porta-aviões.

Li, no entanto, observou que o tipo 002 será diferente do Liaoning fabricado na Ucrânia e parecerá mais como o porta-aviões dos EUA em vez da Rússia.

O seu quarto operador, por outro lado, poderia ser alimentado por energia nuclear e usará sistemas avançados de lançamento e laços, informou a Sputnik News. Provavelmente irá transportar aeronaves de asa fixa de quarta geração, aeronaves de advertência, aeronaves de guerra eletrônica e outros aviões embarcados.

Li disse que a quarta operadora será maior e terá um melhor desempenho furtivo. Mas ele não pode confirmar se o transportador adotará um sistema de lançamento de aeronaves eletromagnéticas (EMALS) e tecnologia de pouso de aeronave que poderia equivaler ou até superar os EUA.

“Eu acho que devemos ter cinco a seis porta-aviões. Levará de 20 a 30 anos para o PLAN implementar todos eles e poder realizar operações de grupos de ataque”, observou Li.

A China tornou-se um dos poucos países que pode construir seu porta-aviões. Lan Yun, vice-editor da Modern Ships, acredita que uma linha de produção ativa ajudará Pequim a melhorar em termos de qualidade e dominar suas habilidades de construção naval.

“O tempo de vida de um porta-aviões é de cerca de 50 anos, e se mantivermos o ritmo de fazer um cada cinco anos, podemos produzir 10 em um ciclo de atualização”, disse ele.


Autor: Prei Dy

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: chinatopix.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5j5

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA