A presença militar de EUA-Reino Unido na Síria contribui para o crescente conflito na fronteira Jordânia-Iraque.


No sudeste da Síria, a região em torno de al-Tanf rapidamente se tornou um ponto focal para o conflito em curso na região. Perto das fronteiras iraquianas e jordanianas (veja o mapa abaixo), al-Tanf é atualmente a localização de um contingente de forças de coalizão lideradas pelos EUA, supostamente ali com a finalidade de capacitar as milícias “anti-ISIS”, mas também as milícias anti-Assad – os lendários ‘rebeldes moderados’. Não surpreendentemente, a coalizão liderada pelos EUA impôs unilateralmente uma “zona de desconflicção” autodenominada em torno de seu acampamento em al-Tanf e afirmam estar defendendo sua posição de “forças pró-sírias”, também conhecidas como o exército árabe sírio (SAA) e milícias aliadas. Foi relatado pelos principais meios de comunicação que os membros da coalizão representados em al-Tanf incluem não só os Estados Unidos, mas também o SAS britânico, e também a Noruega.

A presença militar de EUA-Reino Unido na Síria contribui para o crescente conflito na fronteira Jordânia-Iraque.

Clique na imagem para ampliar. [res. 768 × 545]

Embora as forças da coalizão também estejam presentes em outras partes da Síria, incluindo a área em torno de Raqqa, uma fortaleza do ISIS, as últimas semanas viram forças da coalizão atingindo alvos militares sírios em pelo menos três ocasiões perto do campo de treinamento da coalizão próximo a al-Tanf – incluindo incidentes de 18 de maio, 6 de junho e 8 de junho. Atualmente, está sendo informado que os EUA estão fornecendo “mísseis de longo alcance montados em caminhão” para suas forças perto de al-Tanf, em um movimento que corre o risco de uma escalada imediata na situação já tensa e, apesar dos esforços diplomáticos da Rússia para acalmar a situação. Tudo isso ocorre quando os EUA e sua milícia de procuração curda, o SDF, atacam o ponto forte do ISIS em Raqqa, no Nordeste da Síria. Os EUA também aproveitaram a oportunidade de invadir mais território sírio depois de um suposto ataque de gás sarin em 4 de abril que levou o presidente Trump a lançar um ataque de mísseis em retaliação sobre uma base aérea síria.

No segundo filme do segmento há duas semanas, o editor da 21WIRE, Patrick Henningsen, fala à RT International sobre o recente ataque dos EUA às forças sírias perto de Al Tanf. Henningsen explica como os EUA estão aproveitando a tensão para garantir seu próprio território dentro da Síria:

EUA e Grã-Bretanha: uma política de decepção.

Pode-se confundir facilmente com a narrativa que está sendo usada pelos EUA, Grã-Bretanha e a mídia convencional em ambos os países. Menos de dois anos atrás, em 2015, o primeiro-ministro britânico, David Cameron, descartou o envio de tropas terrestres britânicas para a Síria. Em meados de 2016, no entanto, surgiu que as forças especiais britânicas estavam envolvidas no combate no país. Entre 2013 e 2015, o ex presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse em pelo menos 16 ocasiões de que “não haveria botas no chão” na Síria, mas depois mudou de idéia no final de 2015, quando as Forças Especiais dos EUA foram implantadas na Síria.

As declarações do presidente Trump não são menos contraditórias. Em 11 de abril de 2017, logo após o primeiro ataque de mísseis na base aérea síria, Trump disse que os EUA “não estavam indo para a Síria”; A situação atual em al-Tanf simplesmente contradiz essa afirmação.

Desde então, tanto a Grã-Bretanha como os EUA estão aumentando lentamente sua presença na Síria, ostensivamente para combater o ISIS. Mas, ao acenar repetidamente às forças do governo sírio – a força de luta mais efetiva contra o ISIS – os EUA e a Grã-Bretanha estão realmente ajudando o ISIS a alcançar seus objetivos.

Observe a falta de correspondência entre a presença da coalizão liderada pelos EUA na Síria e como ela é apresentada ao público. Não só eles afirmam estar lutando contra o ISIS enquanto, ao mesmo tempo, os ajudam indiretamente, mas eles também chamam seus ataques contra os objetivos do exército sírio “defensivos” – embora o exército sírio nunca tenha tentado atacar nenhuma força da coalizão. E é igualmente irônico que esses ataques contra os militares sírios tenham ocorrido no que a coalizão chama de “zona de desconflicção”, onde, supra, nenhum conflito é permitido. De acordo com o analista de segurança Charles Shoebridge:

    “Estas são as auto declaradas zonas de “desconflicção” [ocupadas pelos Estados Unidos]. O que na realidade isso significa é que eles não estão permitindo que outras pessoas entrem nessas zonas, apesar de fazer parte de um país soberano, a Síria… O que isso significa é que realmente o conflito é permitido, desde que sejam forças militares americanas, britânicas e seus aliados “rebeldes”. Não são acordadas zonas de desconflicção. A Síria não concorda com elas. A Rússia, que, claro, estabeleceu zonas de desestruturação em outros lugares do país, não concordou com isso. Consequentemente, eles realmente são, como afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Lavrov, ou o porta-voz dele, efetivamente zonas unilaterais”.

E não só a narrativa é confusa, como também não é dada a maior prioridade entre as manchetes principais, com muitas outras histórias proeminentes servindo convenientemente para ocupar o público enquanto a situação em al-Tanf aumenta. Em uma semana que viu deputado se ferir em uma prática de beisebol, uma enorme torre bloqueia o incêndio em Londres levando pelo menos 17 vidas e as eleições do Reino Unido continuando a ser resolvida, poderia facilmente permanecer inconsciente a escalada da situação em torno de al- Tanf na Síria. Com a coalizão dirigida pelos EUA agora diretamente e deliberadamente atacando as forças sírias, o que foi uma guerra de procuração de repente cresce mais perigoso, e a perspectiva de um conflito direto entre as potências armadas nucleares se aproxima cada vez mais.

Como o ex-embaixador britânico da Síria, Peter Ford, observou durante uma conversa recente com o 21WIRE, o exército britânico não tem aprovação da Síria para estar na Síria, nem aprovação internacional da ONU nem aprovação legislativa de seu próprio Parlamento. O mesmo se aplica aos Estados Unidos; Embora a Constituição dos Estados Unidos confira o poder de declarar a guerra exclusivamente ao Congresso, os Estados Unidos têm agora uma longa história de entrar em guerras ou usar uma força militar mortal sem a aprovação do Congresso sob a aparência flexível de uma “Autorização da Força”.

Dois tanques do exército sírio destruídos em uma batalha contra “rebeldes moderados”, Azaz, Síria (Foto: Christiaan Triebert. Fonte: Wikicommons)

A Rússia exigiu que os EUA deixassem de atacar as forças que apoiam o governo sírio à medida que ultrapassam as posições do grupo islâmico militante islâmico (ISIS) na fronteira do país com o Iraque.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, teria feito comentários sábado em um telefonema com o secretário de Estado Rex Tillerson, respondendo a três ataques aéreos dos EUA nas últimas semanas contra forças que lutavam contra o ISIS e outros grupos insurgentes em nome do presidente sírio, apoiado na Rússia, por Bashar al -Assad. O Pentágono argumentou que a coalizão do governo pró-sírio, que descreve como milícias apoiadas pelo Irã, violou uma “zona de desconflicção” declarada pela coalizão internacional liderada pelos EUA no sul da Síria, mas não reconhecida por Moscow ou Damasco. Lavrov criticou os movimentos dos EUA, e os dois concordaram em cooperar mais de perto no futuro.

“Lavrov expressou seu desacordo categórico com os ataques dos Estados Unidos contra as forças pró-governo e convidou-o a tomar medidas concretas para evitar incidentes semelhantes no futuro”, disse o Ministério das Relações Exteriores da Rússia em comunicado, de acordo com a Reuters.

Enquanto o exército sírio e seus aliados, que incluem a Rússia, o Irã e várias milícias pró-governamentais, avançam em direção à sitiada cidade oriental de Deir Al-Zour, mantida pelo ISIS desde 2014, os EUA desdobraram forças especiais para treinar rebeldes anti-Assad perto da região sul de al-Tanf. Ambas as facções estão envolvidas na batalha contra o ISIS, mas diferem do futuro político da Síria, com o primeiro a insistir em que Assad permaneça no poder e este último defendendo sua remoção.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: 21stcenturywire.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5mH

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA