Base norte-americana no Cáspio? Como a Rússia pode parar a intromissão de Washington no Cazaquistão.


O Cazaquistão e os EUA recentemente renovaram um acordo sobre cooperação militar. Delineando os pormenores dessa cooperação, os especialistas russos consideram o impacto que terá nos laços Moscow-Astana. Especificamente, enquanto alguns estão preocupados com as perspectivas de uma base naval dos EUA no Mar Cáspio, outros explicam por que isso é uma impossibilidade técnica.

Áreas onde russos etnicos estão em maioria.

No início deste mês, uma delegação do Ministério da Defesa do Cazaquistão liderada pelo vice-ministro da Defesa, Talgat Mukhtarov, conheceu seus homólogos dos EUA em Washington para discussões bilaterais sobre defesa. Na sequência das negociações, os dois lados concordaram em renovar a cooperação militar cazaque e norte-americana por mais cinco anos, até o ano 2022. Durante a visita dos EUA, funcionários do Cazaquistão se reuniram com representantes do Departamento de Defesa, o Departamento da Guarda Nacional, o Exército dos EUA e a Universidade Nacional de Defesa.

O Cazaquistão e os EUA recentemente renovaram um acordo sobre cooperação militar. Delineando os pormenores dessa cooperação, os especialistas russos consideram o impacto que terá nos laços Moscow-Astana. Especificamente, enquanto alguns estão preocupados com as perspectivas de uma base naval dos EUA no Mar Cáspio, outros explicam por que isso é uma impossibilidade técnica.

Plataformas de petróleo no Mar Cáspio

Alguns observadores estão preocupados com o fato de que o país da Ásia Central, que aparece como aliado chave de Moscow na região, pode estar se voltando para os EUA para ajudar na construção de sua própria marinha no Mar Cáspio sem litoral. Pior ainda, de acordo com o contribuinte de Pravda.ru Aydin Mehdiyev, não se pode excluir que o objetivo final do Pentágono seja criar uma base naval no Mar Cáspio.

“Após o colapso da URSS, os navios de guerra russos predominaram no Cáspio, enquanto a frota militar do Cazaquistão está apenas em construção. Neste contexto, não se pode excluir que o campo de treinamento no porto de Aktau possa ser transformado em uma base para A Marinha dos EUA “, escreveu Mehdiyev.

“O objetivo do Pentágono é óbvio”, advertiu Mehdiyev; Os EUA parecem ter a intenção de “expulsar gradualmente a Rússia do Cazaquistão como principal aliado militar de Astana e colocar sua própria base militar na primeira oportunidade”.

Área coberta pelos mísseis de cruzeiro da classe Kalibr-NK com base no alcance máximo; O círculo à esquerda indica o alcance dos mísseis a partir do Mar Negro, o círculo à direita o alcance dos mísseis a partir dos navios no Mar Cáspio.

Falando ao jornal russo Svobodnaya Pressa, o observador militar russo Viktor Litovkin disse que, embora existam motivos para que Moscow se preocupe com a cooperação militar entre o Cazaquistão e os EUA, no momento, pelo menos, a posição geopolítica e militar da Rússia permanece inatacável.

“Enquanto o Cazaquistão continuar a ser membro da Organização do Tratado de Segurança Coletiva [da Rússia], nenhuma base naval [estrangeira], mesmo simbólica, pode aparecer no Mar Cáspio”, ressaltou o especialista.

“O Mar Cáspio está sem litoral, a presença do exército dos EUA causaria objeções categóricas não só da Rússia, mas também de outros países – o Irã, o Azerbaijão e o Turquemenistão”, explicou Litovkin. Além disso, “os navios da OTAN ou dos EUA não podiam aparecer ali sem o consentimento da Rússia, pois a única maneira de fazer o seu caminho seria através do Canal do Volga-Don”, que flui dos Mares Negros e Azov para o Mar Cáspio.

Em outras palavras, o observador observou: “o fato de o Cazaquistão cooperar com os EUA em questões militares-técnicas é o direito soberano do país, desde que não prejudique o tratado de segurança coletiva [com a Rússia]”.
É verdade que o observador observou que “o Cazaquistão, aparentemente, quer receber alguns navios militares dos EUA de segunda mão. Já o fez anteriormente. O país não tem a oportunidade de construir seus próprios navios ou de obtê-los da Rússia. Nós estamos ficando para trás em rearmar nossa própria frota, e não temos a oportunidade de construir navios para estados vizinhos”.

14 de abril de 2017. O presidente russo Vladimir Putin coloca para fotografias dos chefes de estado da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) na residência Ala-Archa em Bishkek. Da esquerda: Presidente da Armênia Serzh Sargsyan, Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, Presidente do Cazaquistão Nursultan Nazarbayev, Presidente do Quirguistão Almazbek Atambayev. Segundo direito: Presidente do Tajiquistão Emomali Rahmon.”

“No que diz respeito ao treinamento de oficiais nos EUA, isso, claro, não é muito bom do ponto de vista da Rússia. Mas também não é uma questão que deve ser motivo de dúvida na confiabilidade de Astana como nosso aliado”, afirmou Litovkin.

Em última análise, o especialista destacou que a elite do Cazaquistão está perfeitamente consciente de que não podem encontrar um aliado mais confiável na luta contra o terrorismo islâmico do que a Rússia. Além disso, no que se refere às potenciais bases militares dos EUA, o Cazaquistão tem o benefício da experiência do Quirguistão. Esse país fechou a base militar dos EUA em Manas. Parte da lógica do presidente do Quirguistão, Almazbek Atambayev, para fechar a base, foi que a presença dos EUA tornou um possível alvo para ataques de mísseis pelos opositores estratégicos dos EUA, incluindo a Rússia.

Antiga União Soviética: o Cazaquistão é um dos aliados pós-soviéticos mais próximos da Rússia, e os dois países estão em uma série de alianças militares e econômicas. Legenda: azul – países inclinados à Rússia; azul claro – países neutros; laranja – países inclinados ao Ocidente; áreas listradas – regiões disputadas.

Por sua parte, o cientista político Maxim Vilisov enfatizou que, por enquanto Moscow “não deve temer” os contatos entre os exércitos do Cazaquistão e dos EUA, “esse processo deve, no entanto, ser mantido sob observação. O Cazaquistão é nosso aliado militar dentro da CSTO. O país tem certas obrigações [Dentro desta estrutura], mas além disso, pode realizar cooperação militar-técnica com outros, incluindo os EUA, a China ou qualquer outro país “.

Astana, recordou Vilisov, prosseguiu uma política externa multi-vectorizada desde o colapso da União Soviética.

Segundo o observador, o Cazaquistão não tem interesse em se juntar às estruturas de segurança ocidentais, porque não atendem os interesses fundamentais de segurança do país. “Astana entende que hoje a ameaça real [para a segurança] não vem de nenhum estado específico, mas de grupos islâmicos radicais. Nesse sentido, para o Cazaquistão, a Rússia é realmente o aliado mais confiável, porque temos os mesmos interesses”.

Exercícios conjuntos de forças de engenharia da Rússia, Ucrânia, Bielorrússia e Cazaquistão na cidade de Volzhsky, região de Volgograd, Rússia. Arquivo de foto.

No que diz respeito aos interesses de Moscow, a Rússia está interessada principalmente em que o Cazaquistão seja um estado amigável para que os dois países possam defender em comum suas fronteiras a sul, observou Vilisov.

Perguntado para comentar as perspectivas de que o Cazaquistão seja arrancado da órbita da Rússia pelas estruturas ocidentais, Vilisov sugeriu que mesmo os elementos nacionalistas da elite do Cazaquistão aprenderam muito com a experiência da Ucrânia. Especificamente, Kiev, apesar de ter puxado 180 graus para se afastar da Rússia e para o Ocidente, não recebeu assistência ocidental, mas em vez disso se afogou na turbulência social e no caos econômico.

Ao mesmo tempo, observou o analista, os nacionalistas do Cazaquistão “entendem que a sociedade cazaque é muito heterogênea e que uma mudança completa na direção do Ocidente seria negativamente percebida por muitos cidadãos, especialmente nos estratos religiosos”. Em última análise, de acordo com Vilisov, o único cenário concebível em que Astana conclui qualquer tipo de aliança militar com os EUA e a OTAN exigiria uma Rússia enfraquecida que já não é capaz de prestar assistência aos seus parceiros cazaques no âmbito do acordo de aliança CSTO. Em outras palavras, um sonho.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Sputnik News.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5w5

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA