Chipre, gás e rota para a Europa: Turquia pode lançar “interferências se a OTAN ficar do lado da UE”.


Total da França em consórcio com a Itália Eni retomou a avaliação de perfuração dos campos de gás na zona econômica exclusiva de Chipre. A Turquia tem martelado o consórcio de energia por isso e está considerando uma “resposta”.

O bloco 11, para o qual o consórcio detém uma licença de exploração, está localizado perto de Afrodite, um grande campo de gás cipriota recentemente descoberto, e apenas a 40 quilômetros do campo de gás egípcio Zohr, o maior campo do Mediterrâneo oriental. Os requisitos domésticos de gás de Chipre são estimados modestos, por isso há grandes possibilidades de exportação, mesmo que prevêem a possibilidade de construir um encanamento em conjunto com a Grécia e Israel, de acordo com dados do Energy Intelligence Group, citado por Vedomosti.

Em abril, os três países concordaram em avançar com um projeto de encanamento do Mediterrâneo para transportar gás natural para a Europa, estabelecendo uma data prevista para 2025 para conclusão. Em junho, realizou-se uma reunião trilateral de chefes de estado dedicada ao tema em Salónica, na Grécia. O custo estimado do projeto seria de até 6 bilhões de euros (US$ 6,7 bilhões).

Possíveis rotas de energia do Oriente Médio para a Europa.

A Turquia insiste que a República de Chipre não tem um direito exclusivo aos recursos de hidrocarbonetos da ilha, e procura ter a capacidade de usar os campos de gás e comprar gás barato, o que não parece fácil devido à presença da empresa francesa.

A Turquia invadiu Chipre em 1974, após um golpe cipriota grego liderado por militantes na esperança de reunificar o país com a Grécia. Fundada em 1983, a República Turca de Chipre do Norte é reconhecida como um estado soberano apenas por Ankara. A comunidade internacional considera que faz parte da República de Chipre.

Em julho, a Turquia enviou dois navios e um submarino para monitorar uma embarcação de perfuração contratada pela Total e pela Eni. O presidente Recep Tayyip Erdogan disse às companhias de petróleo que tenham cuidado de não perderem um “amigo” participando da exploração de depósitos de hidrocarbonetos em torno de Chipre. O primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, chamou os movimentos cipriotas de “intempestivo e perigoso”.

Em resposta, os Ministros da Defesa da França e da Itália realizaram visitas oficiais a Chipre, a convite do Ministro da Defesa de Chipre Christoforos Fokaides.

“A Turquia não vai sofrer provocações. A Turquia não realizará uma intervenção militar em Chipre na sequência das ações francesas e italianas. Pelo menos, não instantaneamente”, disse o diplomata turco Oktay Aksoy a Sputnik.

    “Nós nos voltaremos para a OTAN primeiro, já que somos membros da Aliança. Vamos tentar explicar a situação. No entanto, se a Aliança tomar o lado dos países europeus, a Turquia tomará medidas rigorosas por conta própria, até interferência direta nos assuntos internos da ilha “.

Estes eventos aconteceram apenas cinco dias após o colapso das negociações de Crans-Montana para reunificar a nação ilha dividida, que continua dividida entre os dois grupos étnicos e turco-turcos, em 7 de julho. Os líderes das duas comunidades cipriotas, os ministros estrangeiros da Grã-Bretanha, da Grécia e da Turquia e os observadores da UE não chegaram a um acordo.

A Agência de Notícias de Chipre cita uma “fonte confiável”, dizendo que a Turquia se recusou a retirar seu contingente militar da ilha. A posição da Turquia sobre a questão tornou-se o obstáculo das negociações. O embaixador Matthew Rycroft, representante permanente do Reino Unido junto das Nações Unidas, comentou sobre as conversas: “chamamos a um período de reflexão e pausa e encorajamos as partes a não entrar em qualquer tipo de jogo de culpa”.

    “Tendo aceitado Chipre, com todos os seus problemas não resolvidos, a União Européia cometeu o irreparável. Os cipriotas gregos estão completamente satisfeitos com a situação existente. Eles são membros da UE e afirmam representar toda a ilha. É por isso que eles não estão interessados em A solução do problema de Chipre “, disse Aksoy.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Sputnik News.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5IW

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA