A tentativa russa de estabilizar a Ásia central é pela via diplomática ou militar? Rússia adverte os EUA sobre o Afeganistão.



Moscow diz que, sob a administração dos EUA, o comércio de drogas e o ISIS estão florescendo e agora a comunidade xiita do Afeganistão está sendo atacada com a ajuda de helicópteros não identificados.

A Rússia insinuou no passado que os Estados Unidos estão secretamente patrocinando o Estado Islâmico no Afeganistão. Na quinta-feira (17), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia levantou a barreira alegando que “lutadores estrangeiros” que foram transferidos por “helicópteros desconhecidos” perpetraram um massacre em Hazara Shias na província de Sar-e-Pol no norte do Afeganistão. O porta-voz disse:

    Podemos ver tentativas de provocar conflitos étnicos no país … Também são registrados casos de vôos de helicópteros não identificados para o território controlado por extremistas em outras províncias do norte do Afeganistão.

    Por exemplo, há evidências de que, no dia 8 de agosto, quatro helicópteros fizeram vôos a partir da base aérea do 209º Corpo do Exército Nacional afegão em Mazar-i-Sharif para a área capturada pelos militantes no distrito de Aqcha, na província de Jowzjan.

    Vale ressaltar que as testemunhas desses vôos começaram a cair do radar das agências de aplicação da lei. Parece que o comando das forças da OTAN que controlam o céu afegão se recusa teimosamente a notar esses incidentes.

A partir do exposto acima, parece que as seções das forças armadas afegãs e o comando da OTAN (que controla o espaço aéreo afegão) estão de mãos dadas nessas operações secretas. Sem dúvida, esta é uma acusação muito séria. O ataque aos Hazara Shias deve ser tomado como uma mensagem destinada a Teerã.

Historicamente e culturalmente, o Irã tem afinidades com a comunidade Hazara Shia no Afeganistão. Possivelmente, a administração Trump, que prometeu derrubar o regime iraniano, está abrindo uma “segunda frente” para o Estado islâmico contra o Irã a partir do leste.

Curiosamente, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia também emitiu uma declaração na sexta-feira (18) sobre a alarmante situação da droga no Afeganistão. Apontou que:

    Um aumento acentuado da produção de drogas é esperado no Afeganistão este ano e um terço da população do país está agora envolvida no cultivo da papoula de ópio.

    A geografia do tráfico de drogas afegão se expandiu e agora atinge o continente africano.

    Toneladas de produtos químicos para processamento de narcóticos são importados ilegalmente para o Afeganistão – com a Itália, a França e os Países Baixos “entre os principais fornecedores”.

    Os EUA e a OTAN não estão dispostos ou incapazes de controlar a atividade ilegal. A Rússia e o Irã não podem fechar os olhos às atividades hostis dos EUA (e da OTAN) em seu quintal, transformando a guerra anti-talibã em uma guerra de procuração. Eles não podem deixar de ver o conflito afegão através do prisma de suas profundas tensões com os EUA.

Contingente da OTAN envolvido na invasão ao Afeganistão. Clique na imagem para ampliar [res. 2340 × 1652]

Quais são as opções da Rússia? O ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, disse em uma reunião com o alto-chefe em Moscou, em 18 de agosto, que o conflito afegão representa uma ameaça para a estabilidade da Ásia Central. Ele disse que a Rússia planeja realizar exercícios militares conjuntos ainda este ano com o Quirguistão, o Tajiquistão e o Uzbequistão. A Rússia tem bases militares no Tajiquistão e no Quirguistão.

Mais uma vez, o embaixador Zamir Kabulov, enviado presidencial russo no Afeganistão, disse recentemente que, se o governo afegão e os EUA não puderem contrariar a ameaça do Estado Islâmico, a Rússia recorrerá à força militar. Kabulov revelou que a Rússia criou no Conselho de Segurança da ONU o lançamento de suprimentos para os combatentes do Estado Islâmico em pelo menos três províncias no norte do Afeganistão por aeronaves não identificadas.

É óbvio, é inconcebível que a Rússia ponha “botas no chão” no Afeganistão. Mas se o Estado Islâmico violar as fronteiras dos estados da Ásia Central, ele se torna a “linha vermelha”, a Rússia voltará a atacar.

A Rússia está reforçando suas bases no Quirguistão e no Tajiquistão. Significativamente, em um exercício militar conjunto com o Tajiquistão em julho, a Rússia testou seus mísseis balísticos de curta distância Iskander-M, uma das armas mais avançadas do arsenal russo, com um alcance de 500 quilômetros e uma carga útil de 700 kg. Iskander está equipado com sistemas de orientação de terminais com a capacidade de superar as defesas de míssil. A precisão do Iskander pode ser superior a 10 metros. (Rússia implantou a arma mortal para a Síria).

Com a saída do estrategista da Casa Branca, Steve Bannon, um ideólogo anti-guerra inveterado na administração Trump que queria que a guerra afegã fosse encerrada, os generais agora têm a vantagem em controlar a política dos EUA. O secretário de Defesa James Mattis e o assessor de segurança nacional H. R. McMaster favorecem a implantação de tropas adicionais no Afeganistão.

O “desconhecido conhecido” é John Kelly, que Trump recentemente nomeou como seu chefe de gabinete. Mas há indicações suficientes de que Kelly (um general da Marinha aposentado e pai de um fuzileiro naval caído, o primeiro tenente Robert Kelly, morto no Afeganistão em 2010) quase certamente compartilha a opinião de Mattis e McMaster.

Quanto mais se olha para isso, o verdadeiro desafio do presidente Donald Trump não é ganhar a guerra contra o Talibã, mas o alto risco que ele irá incorrer, considerando o conselho de seus generais, para dar a sua aprovação em uma guerra de procuração completa no Afeganistão contra a Rússia, o Irã e a China.


Autor: M.K. Bhadrakumar

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Indian Punchline

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5HS

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA