A Modernização do Exército Russo: Demasiado ambicioso para a Indústria de Defesa Local.


Os problemas com a implementação do programa de rearmamento russo foram causados ​​principalmente pela falha da indústria de defesa local. Os principais desafios que a Rússia enfrenta nesta área não são apenas relacionados com a quebra da cooperação com a indústria ucraniana de defesa, ou com as sanções, mas também com problemas internos como a falta de jovens engenheiros em pesquisa e desenvolvimento. Superar essas dificuldades levará tempo (pelo menos alguns anos), e vai precisar de um financiamento significativo do orçamento do Estado.

Ao cessar o seu envolvimento nos trabalhos do grupo consultivo conjunto em 11 de Março, a participação da Rússia no Tratado sobre as Forças Armadas Convencionais na Europa (em 2007, as autoridades russas declararam moratória sobre a aplicação deste tratado). Em teoria, isto significa que os russo estão livres para aumentar a quantidade de equipamento militar convencional na parte europeia do país. Na prática, as possibilidades limitadas da indústria de defesa representam um obstáculo para tal passo. Tais limitações significam que a indústria é incapaz de cumprir ordens resultantes do programa de rearmamento da Rússia, devido a problemas estruturais, a suspensão da cooperação com a Ucrânia, a imposição de sanções pelos países ocidentais e a rápida deterioração da situação econômica na Rússia. Deve-se também enfatizar que os limites do tratado são tão altos que a Rússia, mesmo realizando plenamente o programa, não seria capaz de alcançá-los.

O programa russo de rearmamento.

O programa russo de rearmamento é parte integrante da reforma das Forças armadas, lançado em 2008 pelo então ministro da Defesa Anatoliy Serdyukov. Em 2010, assumiu-se que dentro de 10 anos, os militares receberiam 100 navios de guerra, 600 aeronaves novas e 400 atualizadas, 11 mil unidades de equipamentos blindados, 14 mil veículos militares, 1.000 helicópteros, 56 baterias do sistema anti-míssil e anti-aéreo S-400 (NATO: SA-21 Growler) e 10 baterias de sistemas de mísseis superfície-ar S-500, plataformas de combate universal Armata e Kurganets-25 e a plataforma de veículos de combate Boomerang, com base no que sistemas de armadura completamente novos serão criados. Os sistemas de guerra eletrônica precisam ser modernizados e a modernização das forças nucleares da Rússia será também uma prioridade. Este último incluirá a substituição dos mísseis SS-18 Voevoda pelos mísseis Sarmat, a instalação de sistemas de mísseis balísticos RS-26 Rubezh, continuação da produção de mísseis RS-24 Yars (OTAN: SS-27 Mod 2), retomando os suprimentos de complexos de mísseis de combate ferroviários (sucessores dos sistemas SS-24 Scalpel), e a produção de um novo bombardeiro estratégico e submarinos nucleares. O custo do conjunto é estimado em US$ 700 bilhões. A maioria destes contratos deve ser para a indústria da defesa da Rússia, que inclui 1.400 empresas que representam nove ramos da indústria. Entre eles, predominam as empresas, dentre as quais a maior é a Almaz-Antey, classificada pelo SIPRI em 2014 como a 14ª maior empresa de defesa no mundo.

Objetivos militares de Putin. Arsenal potencial da Rússia até 2020.

Ameaças à Implementação do Plano.

Uma série de problemas enfrentados pelo setor de defesa russo questionam a viabilidade deste plano ambicioso. A deterioração das condições econômicas relacionadas com a diminuição dos recursos energéticos, bem como a redução das receitas do Estado e a depreciação do rublo, numa altura em que Moscow está mantendo as despesas planejadas para a modernização das forças armadas, ameaça a militarização do orçamento e a redução das despesas estatais noutras áreas (em 2015, a Rússia gastará cerca de um terço do seu orçamento para a defesa). A depreciação do rublo provocou um aumento no preço de produção dos subcontratados.

Em 2014, a situação piorou porque a Ucrânia rompeu a cooperação com a Rússia na indústria de armamentos, a anexação da Criméia e o apoio russo aos separatistas que lutam em Donbas. Ao mesmo tempo, os EUA e a UE impuseram sanções à Rússia, especialmente ligadas à transferência de tecnologia moderna.

Independentemente de tudo isto, a indústria russa de defesa tem, de qualquer forma, lutado há anos com a tecnologia lacuna A falta de investimento do governo em inovação, recursos humanos e investigação significou que a Rússia só modernizou seu equipamento militar existente, sem criar nada de novo. Um exemplo é o caça Su-35 de quarta geração + (OTAN: Flanker E ++), que entrará em serviço nas forças armadas em 2015. Este não é um avião novo, mas outra modificação do lutador Su-27, que está em uso desde o início dos anos 80. Para unidades blindadas, um exemplo é o tanque T-90, que é uma modernização do T-72B, que também entrou em serviço nos anos 80.

No entanto, 2015 é o primeiro ano em que o exército, ao receber a primeira entrega de tanques usando a plataforma de combate Armata, será equipado com um novo sistema de combate desenvolvido na Rússia moderna, e não sendo apenas uma versão do equipamento produzido na URSS.

O desafio para substituir importações.

A parte de componentes estrangeiros no equipamento militar russo foi anteriormente de aproximadamente 10%, mas na maior parte não eram peças essenciais. Como parte da substituição de importações até ao final de 2015, a Rússia planejou iniciar a produção de 1.070 componentes de armas, dos quais 695 seriam produzidas em cooperação com a Ucrânia. A escala do desafio é evidenciada pelo fato de que a produção de aproximadamente 200 tipos de armas e tecnologia militar, incluindo helicópteros e motores de navios, dependiam do fornecimento de equipamento da Ucrânia. A Rússia só poderá produzir motores de turbina para navios a partir de 2018, o que significa atraso nas entregas de novas unidades para a frota. A Rússia lidou melhor com a produção de Helicópteros, que foi adquirida pela fábrica da United Engine-Building Corporation em São Petersburgo. Dentro dos próximos anos deverá triplicar a capacidade de produção (atualmente, 150 motores por ano). A Rússia tem problemas com a fabricação de peças para o tanque T-90 ou o míssil supersônico anti-tanque Khrizantema-S (OTAN: AT-15 Springer) , produzido anteriormente na Ucrânia.

A importância das sanções.

As sanções impostas à Rússia pela UE e pelos EUA tiveram um importante efeito sobre a capacidade de produção da indústria de armamento russa. Estimativas independentes indicam que, devido às sanções, cerca de 500 empresas de defesa sofreram. As sanções também aumentaram o fosso tecnológico e significativamente a possibilidade de aquisição de novas tecnologias, o que é importante para algumas empresas,

A indústria eletrônica, onde a participação de componentes estrangeiros foi de cerca de 25-30% (atualmente, equipamentos e componentes adquiridos anteriormente são usados).

O problema pode, por conseguinte, ser a substituição de importações provenientes de fora da antiga região da URSS, especialmente da França. Tais importações incluem equipamento óptico, incluindo câmeras termográficas instaladas em tanques T-90S (que a Rússia vende principalmente para Argélia e Índia), veículos de combate de infantaria BMP-3, e blindados transportadores de pessoal BTR-80. A França também vendeu componentes de aviônica para a Rússia (sistemas de navegação por inércia) para os caças Su-30MK e MiG-29K destinados à exportação.

Como resultado da imposição de sanções à Rússia, a empresa francesa Renault Trucks Defense retirou-se do projeto para desenvolver o novo veículo de combate da infantaria Atom em colaboração com o Instituto Burevestnik de pesquisa científica central da Rússia, enquanto o estado italiano detentor do estaleiro Fincantieri suspendeu o projeto para a construção do pequeno submarino S-1000 com o escritório marítimo central do projeto marítimo Rubin. Ao mesmo tempo, as autoridades alemãs proibiram a Rheinmettal AG de cumprir um contrato para a construção de um moderno centro de treinamento de combate em Mulino, perto de Nizhny Novgorod (o projeto está atualmente 90% completo).

Conclusões.

Fundado em 2010, o programa de rearmamento russo assumiu resultados muito ambiciosos que não são fatíveis, não só devido à crise na economia russa. Os desafios que a Rússia enfrenta estão relacionados com o surgimento de uma brecha de geração entre o pessoal científico e técnico que projeta o novo equipamento militar, combinado com a falta de modernização das fábricas de armas e dificuldades na obtenção de tecnologias modernas. Apesar dos problemas econômicos, as autoridades russas tentarão, no entanto, manter o nível das despesas militares. Ao mesmo tempo, tendo em conta os problemas estruturais da indústria de defesa local e as sanções ocidentais, quase certo é que a Rússia não conseguirá atingir o nível de 70% das armas modernas que o programa de rearmamento assumiu. Além disso, é difícil esperar que, em relação ao dinheiro investido, o setor de defesa possa gerar benefício significativo para a economia.

Um resultado das sanções também pode ser que a Rússia não pode cumprir contratos estrangeiros para o fornecimento de tanques T-90S e

Su-30MK e caças MiG-29K. Outras consequências serão o aumento da cooperação militar com países como Índia e China. Este último é cada vez mais considerado como uma possível fonte de tecnologia moderna.

Nos próximos anos, o desafio para a indústria russa de defesa também será alcançar uma posição em que as armas nucleares (mísseis balísticos) serão produzidas apenas na Rússia, sem a participação de componentes de fornecedores.

Os problemas com a implementação do atual programa de rearmamento influenciarão o trabalho no próximo, que foi planejado para este ano, mas já foi adiado para 2018. O novo programa será modificado em função dos resultados alcançados no atual.

Nos próximos anos, a Rússia enfrentará o desafio cada vez mais sério da modernização, não só do seu exército e equipamento, mas principalmente da indústria de armamento, para permitir a produção de armas modernas tanto para as forças armadas quanto para a exportação.


Autora: Anna Maria Dyner

Publicado em Bulletin No. 31 (763), 20 Março de 2015 – PISM

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5wn

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA