A Batalha pela Venezuela e seu Petróleo.


Apesar das batalhas públicas entre o New York Times e o presidente Donald Trump, os dois parecem estar em uma página similar sobre a crise do desdobramento na Venezuela. Na semana passada, o governo anunciou que tinha designado o presidente Nicolas Maduro e outros funcionários venezuelanos, congelando seus recursos americanos e impedindo os americanos de fazer negócios com eles. The Times chamou isso de melhor maneira de enfrentar o governo venezuelano. O Times, no entanto, foi um passo adiante pedindo às nações europeias e outras para se juntar ao que chamou de “quarentena” de Maduro. Foi uma escolha de palavras interessante. Esse também foi o termo utilizado nos primeiros dias do bloqueio econômico dos EUA contra Cuba. Curiosamente, nenhum desses jogadores – Trump ou o New York Times – está pedindo um boicote ao petróleo venezuelano, que é fortemente consumido pelos americanos.

Leia também: Do que um país precisa no século 21 para ser atacado por uma superpotência global ou uma coalizão.

A postura hostil dos EUA em relação à Venezuela não é novidade. Washington, sob democratas e republicanos, detestou o falecido presidente Hugo Chávez e sua revolução bolivariana. Chávez ficou impressionado com Washington e viu cada ataque contra ele como um emblema de honra em sua luta contra o imperialismo ianque. Mas o sucessor de Chávez, Maduro, não tem quase o carisma ou a credibilidade entre os venezuelanos e as forças progressistas da América Latina de que gozam Chávez. E as recentes ações de Maduro têm sido perturbadoras mesmo para alguns dos aliados próximos de Chávez.

Em 30 de julho, o governo venezuelano realizou eleições para uma assembléia constituinte para reescrever a constituição do país. A votação foi realizada após um pedido emitido por Maduro. Por que isso era necessário, era desconcertante mesmo para ex-partidários de Chávez, já que o movimento bolivariano sempre celebrou sua constituição como um documento revolucionário e meticuloso. Para muitos observadores experientes, todo o assunto apontou um esforço para consolidar o poder. O voto para a assembléia foi boicotado por vários venezuelanos e, quando os resultados oficiais foram anunciados, ficou claro que a que a votação havia sido adulterada. Parece provável que o governo teria vencido a votação de qualquer maneira, tornando a manipulação ainda mais suspeita.

As forças de Maduro também realizaram incursões para prender figuras da oposição e as forças do governo e as forças da oposição estiveram envolvidas em ações letais durante os protestos. Deve-se ressaltar que Maduro controla as forças armadas e de inteligência do país, e esses ultrapassam todas as massas combinadas de opositores do governo. Que os Estados Unidos financiem e apoiem alguns dos piores elementos da oposição na Venezuela é um fato. Há uma longa história de Washington se intrometer nos assuntos da Venezuela.

Mas essa não é toda a história. Muitos venezuelanos comuns, incluindo progressistas e esquerdistas, estão cansados ​​do governo e não recebem apoio ou financiamento de entidades de intenções duvidosas dos Estados Unidos. A Venezuela apresenta um verdadeiro desafio para as forças progressistas no país e na América Latina de forma mais geral. Chávez era extremamente popular, assim como seu movimento. As facções pró-EUA que tomam o poder na Venezuela são uma possibilidade real no caso da queda de Maduro.

Para discutir esta complexa situação de desdobramento, entrevistei a advogada Eva Gollinger nesta semana no Intercepted. Ela era uma das apoiantes mais proeminentes de Hugo Chávez, estava muito perto do falecido presidente e conhecia pessoalmente muitos dos jogadores na Venezuela, incluindo Maduro. Ela é autora de vários livros, incluindo o Código Chavez, baseado em documentos que obteve detalhando a interferência dos EUA na Venezuela, incluindo o breve golpe de Estado contra Chávez em 2002. O que se segue é uma transcrição expandida dessa entrevista, cujo trecho foi transmitido Em Intercept. Pode ser visto aqui (em inglês):


Autor: Jeremy Scahill

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: The Intercept.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5HP

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA