Colapso venezuelano? Pensamento desejoso? Ofertas de petróleo de Caracas com a Rússia e a China.


A imprensa no setor de petróleo e negócios está com as previsões de um iminente colapso financeiro venezuelano, como prelúdio de sua implosão política, que deve expulsar o presidente Maduro e apagar a experiência ambiciosa de Hugo Chavez.

O país está ficando sem dinheiro e é inesperado pagar cerca de US$ 3,5 bilhões em empréstimos internacionais que vencem em outubro/novembro de 2017. Esse incumprimento motivará os credores a conquistar seus ativos, especialmente os embarques de exportação de petróleo, o que bloquearia a produção de petróleo e acabaria com sua última esperança de salvação.

Uma verdadeira previsão. Não só socorre psicologicamente a população e o governo venezuelanos, mas também assusta os bancos e as instituições financeiras de lidar com uma nação atingida. Os bancos ocidentais pararam de emitir cartas de crédito aos compradores de petróleo venezuelano, e muito menos querem ampliar novos créditos, ou adiar os empréstimos vencidos por pagamento.

Então, a Venezuela parece ter sido criada para cair e se tornar um estado colapsado, após o qual pode ser “salvo” pela oposição, apoiado pelo crédito ocidental e, assim, devolvê-lo ao seu status pré-ordenado como um vegetal de “quintal”!

Quanto aos seus parceiros da OPEP, eles estão assistindo do lado de fora, babando com a perspectiva de o petróleo venezuelano sair do mercado e desencadear o aumento dos preços do petróleo.

Tudo o que precede supõe que a Venezuela é uma nação dócil, população sábia e governo sábio. Que não tem os meios para sobreviver, a força de vontade para resistir ou a inteligência para pensar fora da caixa – especialmente porque é considerado encurralado, com as chances empilhadas fortemente contra ele.

Leia também: Do que um país precisa no século 21 para ser atacado por uma superpotência global ou uma coalizão.

Mas os fatos são diferentes, e a Venezuela reagiu. Inicialmente, ao emprestar da China e da Rússia contra as entregas de petróleo, mas o mais importante, anunciou recentemente que havia consignado suas vendas de petróleo no Rosneft, o gigante russo de petróleo e gás, que até agora vendeu toda a produção de petróleo venezuelana até dezembro, incluindo vendas para as principais companhias de petróleo e refinarias dos EUA. Esta é uma jogada inteligente, que garante que o petróleo venezuelano não seja embargado, apreendido nem seus pagamentos sejam retidos.

Além disso, a Venezuela continua a vender alguns dos seus ativos de petróleo (a montante e a jusante) para a Rússia e a China e, portanto, está a garantir o financiamento adequado para suas operações de petróleo.

Se este desenvolvimento for permitido continuar, as chances de uma ruptura de produção de petróleo venezuelana (e nigeriana) diminuir, e o argumento para um pico do preço do petróleo vacila. Não só assim, mas, no pior dos casos, a Venezuela (e a Nigéria) podem, em desespero, despejar o petróleo nos mercados e aumentar os preços como nunca antes visto.

Do ponto de vista geopolítico, isso significa relações cada vez mais estreitas com a Rússia e a China, que, juntamente com mais alguns países sul-americanos da América do Sul, poderiam resultar em um “quintal” bagunçado! Será permitido que aconteça, ou estamos prestes a testemunhar outro drama “norte-coreano”, mas desta vez na América do Sul?


Autor: Marwan Salamah

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5HI

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA