Satélite e soberania da Coréia do Norte.


O lançamento do satélite norte-coreano alarmou seriamente o mundo inteiro. Esta ação foi condenada não apenas pelos representantes dos Estados Unidos e da Coréia do Sul, mas por Rússia e China, que tradicionalmente têm uma atitude favorável em relação à Coréia do Norte (RPDC). O Conselho de Segurança da ONU se prepara para discutir novas sanções contra a Coréia do Norte. Os próprios norte-coreanos são claros da conquista nacional de ciência e tecnologia.

O Conselho de Segurança da ONU condenou o lançamento de um míssil balístico, feito pela Coréia do Norte. Por iniciativa do Japão e dos Estados Unidos, Nova York realizou uma reunião de emergência, quando as ações da RPDC foram declaradas como violações das resoluções adotadas anteriormente. A este respeito, em breve, o Conselho de Segurança da ONU deve endurecer as sanções contra a Coréia do Norte.

Razão do alarme.

O problema do satélite norte-coreano não foi o próprio satélite, mas a forma como foi enviado na órbita terrestre. Os mísseis balísticos foram utilizados para isso. A capacidade do estado de lançar um satélite significa que possui tecnologias para criar mísseis balísticos estratégicos. Anteriormente, a Coreia do Norte realizou em 1998 e 2009 lançamentos similares. O Conselho de Segurança da ONU proíbe a RPDC de manter tais lançamentos, mas os coreanos ignoraram a proibição.

Hipocrisia da soberania.

Do ponto de vista formal, a Coréia do Norte é um país soberano, como a Rússia, os EUA ou a China. Uma vez que esses países não têm limites na realização desses testes e lançamentos de espaçonaves, do ponto de vista norte-coreano se pode esperar a mesma atitude. Na verdade, não é o caso. A soberania real não coincide com a declarada. Um exemplo da Coréia do Norte pode servir como uma indicação de que no mundo moderno a soberania não é algo dado por padrão e uma característica de qualquer estado. A soberania não é algo dado, mas o objetivo.

Para defender a soberania.

Todas as ações da Coréia do Norte, criticadas internacionalmente, estão ligadas ao desejo de defender sua própria soberania. E a Coréia do Norte conseguiu isso. Os recentes testes nucleares e de mísseis na Coréia do Norte mostram que o país conseguiu criar um complexo militar-industrial relativamente efetivo. A presença de armas de destruição em massa, principalmente nuclear, é o garante da soberania da Coréia do Norte. A própria ideologia Juche baseia-se na auto-suficiência e pretende provar o conceito de soberania da Coréia do Norte, como o valor supremo e mobilizar as massas para sua defesa.

Culpa da Coréia do Norte.

Do ponto de vista ocidental, a política soberana da Coréia do Norte é perigosa. O desejo de determinar o vetor de seu desenvolvimento, sistema político, orientação da política externa, e permanecer “fechado” para a globalização e a ideologia da “sociedade aberta” é considerado crime, seguido de punição por sanções. Portanto, a Rússia e a China se juntando às críticas e até mesmo às sanções contra a Coréia do Norte, parece seguir a mesma linha das políticas globalistas. Mas, ambos os poderes têm outros motivos para isso.

Possíveis Complicações.

Todas as complicações na região do Pacífico são cruciais para o equilíbrio das forças na região de crescimento mais rápido do mundo. A reação negativa da China e da Rússia sobre a ação da Coréia do Norte é aprovada pelo fato de que esta ocasião será usada pelos americanos para fortalecer sua influência na região, mantendo a infra-estrutura militar dos EUA existente na Coréia do Sul e no Japão e a implantação do sistema global de defesa antimíssil na Coréia do Sul. Na verdade, será dirigido principalmente contra a Rússia e a China, e não a Coréia do Norte, que não é uma ameaça particular para os Estados Unidos.

Parar a aproximação do Japão e da Rússia.

O outro ponto importante é a posição do Japão. Em 2015, os EUA decidiram apostar no Japão como principal parceiro na luta contra a China. “A ameaça nuclear norte-coreana” é uma excelente ocasião para uma maior aproximação do Japão e dos Estados Unidos. No entanto, ao mesmo tempo, com o fortalecimento militar e político do Japão, este realizou várias tentativas de se aproximar da Rússia, de intensificar o processo de preparação de tratados de paz e repetidamente planejou a questão da visita de Putin ao Japão. De acordo com uma série de problemas internacionais importantes, os japoneses assumiram uma posição conciliadora em relação à Rússia.

Agora, o lançamento do satélite norte-coreano é usado para parar a aproximação entre os dois países. As agências de inteligência sul-coreanas controladas pelos EUA disseram sobre o envolvimento da Rússia na criação dos mísseis balísticos coreanos. O Japão introduz novas sanções contra a Coréia do Norte. A Rússia é obrigada a usar uma retórica severa para manter os laços com o Japão. É significativo que o Ministro das Relações Exteriores da Rússia, após o incidente com o míssil norte-coreano, realize consultas imediatas com seu homólogo japonês.

Da soberania nacional à multipolaridade.

O comportamento soberano da liderança norte-coreana não é aprovado por ninguém agora. E cria certos conflitos ideológicos. Por um lado, a Rússia e a China defendem o princípio da soberania nacional, por outro lado, as tentativas de pequenos estados, como a Coréia do Norte, de usar incontrolavelmente sua soberania levam a dificuldades para suas formações imperiais aliadas, como a Rússia e a China. É óbvio que os dois poderes gostariam de controlar mais a situação na Coréia do Norte. No futuro próximo, a proporção significativa dos esforços de ambos os países será utilizada para isso.

Do ponto de vista teórico e doutrinário, o problema do comportamento da Coréia do Norte indicou que poderia ser resolvido não dentro do conceito realista de estados-nação soberanos, mas no âmbito de um mundo multipolar, onde os centros civilizacionais têm soberania absoluta – os pólos do novo sistema mundial.

Possíveis Consequências.

Juntar-se às críticas formais da Coréia do Norte, China e Rússia ainda prepararam-se para apoiar este país. O representante russo da ONU, Vitaly Churkin, disse que as sanções não devem prejudicar o sistema econômico da RPDC. Ambos os países não querem ser liderados, especialmente a Rússia, que as concessões ao Ocidente foram consideradas anteriormente como um sinal de fraqueza pelos países asiáticos.

A capacidade de descobrir uma abordagem para a Coréia do Norte pode se tornar um dos trunfos da Rússia em negociações com o Japão. Uma excitação nos programas nucleares e de mísseis da Coréia do Norte será usada por atores externos. Ao mesmo tempo, a Rússia e a China tentarão demonstrar seus músculos diplomáticos e atuar como mediadora nas negociações com a Coréia do Norte, e os EUA usarão o medo da Coréia do Norte para aumentar sua presença militar no Oceano Pacífico.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5RR

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA