Onde estão as principais bases militares em terras estrangeiras no mundo?


À medida que o governo britânico examina se poderia manter a base de Trident em uma Escócia independente, eis aqui um olhar sobre algumas das principais bases militares em terra estrangeira – excluindo o Afeganistão – ao redor do mundo.

O mapa a seguir mostra a lista dos países que possuem bases militares em terra estrangeira.

Clique na imagem para ampliar. [res. 1027 × 541]

REINO UNIDO:

1) Escócia

A base de Faslane, na Gare Loch, abriga a base de submarinos nucleares Trident do Reino Unido.

2) Alemanha

As forças britânicas terão deixado a Alemanha até 2020. No entanto, continua a existir uma presença significativa, com a guarnição do Reno como sede.

Os EUA também têm 48 mil soldados na Alemanha.

3) Gibraltar

O exército já esteve presente no Rock há mais de 300 anos, embora o último batalhão de infantaria no Reino Unido tenha deixado em 1991. Agora é o lar do Royal Gibraltar Regiment e atua como Base de Operação Conjunta para as operações do Reino Unido na região.

4) Chipre

Duas bases, em Akrotiri e Dhekelia, foram mantidas como território soberano britânico com independência em 1960. As bases são o lar do exército, da marinha e do pessoal da RAF.

5) Quênia

Uma unidade de treinamento do exército em Nanyuki, a 200 km ao norte de Nairobi, tem 56 funcionários permanentes e 110 funcionários rotativos, que trabalham com as tropas entrando para treinar.

A Grã-Bretanha também tem uma equipe de apoio à paz no Quênia, trabalhando na reforma do setor de segurança e remoção de minas.

6) Serra Leoa

Fundada em 2002 no final da guerra civil, a Grã-Bretanha possui um centro de assessoria e treinamento militar nos arredores de Freetown.

7) Falklands

Uma força combinada de exército, marinha e RAF é baseada nas ilhas.

8) Brunei

Um batalhão de infantaria e um voo de helicóptero Bell 212 são baseados no Brunei, que é usado como um centro de treinamento de guerra na selva.

9) Canadá

A área de treinamento em Alberta é equivalente em tamanho a todas as principais áreas de treinamento utilizadas pelas forças britânicas no Reino Unido e na Europa. Cerca de 1000 tanques e veículos blindados são mantidos lá para treinar 7 mil soldados por ano.

EUA:

10) Coréia do Sul

Existem 28.500 soldados americanos com sede em Seul, na guarnição de Yongsan. Eles se mudarão para Camp Humphreys, a 40 quilômetros ao sul da capital, no final deste ano.

11) Japão

Okinawa é o lar de cerca de metade dos 50 mil soldados da América estacionados no Japão.

12) Guam

A base da Força Aérea de Andersen é o lar de tripulantes de bombardeiros, enquanto os submarinos nucleares também estão alojados aqui.

13) Reino Unido

A América opera em seis bases da RAF no Reino Unido. A RAF Croughton é um dos maiores centros de comunicações militares da Europa e administra 30pc de todo o trânsito militar dos EUA na Europa.

14) Diego Garcia

Um território ultramarino britânico, a ilha era o lar dos Chagossianos – que foram expulsos pelos britânicos entre 1968 e 1973 para abrir caminho para a base americana. Agora está desabitada, com exceção do pessoal militar.

15) Baía de Guantánamo, Cuba

Cuba concedeu à América completa jurisdição e controle sobre essa parte remota da ilha em 1903, embora Cuba mantenha a soberania. É o lar do campo de detenção da Baía de Guantánamo, inaugurado em 2002 para prender prisioneiros da “Guerra contra o Terror”.

16) Qatar

Aproximadamente 5.000 soldados estão estacionados entre três bases e o US Combined Air Operations Center. A maioria das tropas americanas deixou a Arábia Saudita em 2003, no final da Guerra do Golfo, e o Catar é agora um dos principais centros. Eles também têm tropas estacionadas no Bahrein (lar da Quinta Frota), Kuwait, Omã, Emirados Árabes Unidos e Iêmen. No geral, na região do Golfo Árabe, há 40.000 militares americanos.

RÚSSIA:

17) Armênia

102ª base militar em Gyumri e 3624ª base aérea russa no aeroporto de Erebuni perto de Erevan.

18) Bielorússia

A Estação de Radar de Hantsavichy, [5] [6] o centro de comunicação naval de Vileyka perto de Vileyka, [3] e a 61ª Base de Combustíveis em Baranovichi. [7]

19) Cazaquistão

A Rússia manêm sua presença em três localidades nesse país. A Estação de Radar Balkhash perto do Lago Balkhash, a faixa de testes de mísseis antibalísticos de Sary Shagan, e a facilidade de lançamento espacial de Cosmódromo de Baikonur.

20) Síria

A Rússia mantém um centro de logística da marinha em Tartus, com 16 navios. É a única base fora da ex-URSS. Em janeiro, a Rússia foi forçada a negar que estava retirando seu pessoal da base, e enfatizou que o centro era composto por civis e não por militares.

21) Quirguistão

ARússia mantêm uma significativa presença no país na base aérea de Kant, no 338º centro de comunicação naval, numa série de testes de torpedos e numa estação sismográfica.¹

22) Tajiquistão

Mais de 7.000 soldados russos estão baseados no Tajiquistão, tornando-se a sua maior base na Ásia Central. O presente contrato entre a Rússia e o Tajiquistão termina em 2014, mas um novo acordo foi assinado, que permanece em vigor até 2042.

23) Abkhazia

A base acomoda pelo menos 3.000 soldados, incluindo unidades dos guardas de fronteira do Serviço de Segurança Federal da Rússia (FSB). As forças russas estão construindo instalações para uma base naval em Ochamchire, na costa norte.¹

24) Ossétia do Sul

Após a Guerra Russo-Georgiana em 2008, a Rússia manteve uma grande presença nas regiões disputadas da Abkhazia e da Ossétia do Sul. A Base Militar da Rússia na Ossetia do Sul possui cerca de 3.500 funcionários.²

25) Moldávia

A Rússia mantém uma força-tarefa importante na região separatista da Transnístria parcialmente reconhecida, para fins de manutenção da paz e para proteger um depósito de armas desativado.

26) Vietnã

A Marinha russa mantêm instalações de reabastecimento naval na Base Cam Ranh.¹

FRANÇA:

27) Abu Dhabi

A França abriu sua primeira base militar no Golfo em 2009 – a primeira instalação militar estrangeira construída pelos franceses há 50 anos e seu primeiro centro em um país que não era uma colônia. É o lar de 500 tropas.

28) Djibouti

O lar da maior base da França na África, além de uma importante base dos EUA.

Os cinco impérios militares do mundo – Quatro países ao redor do mundo hospedam bases militares russas e americanas.

Frank Jacobs

Apesar das conversas sobre o declínio americano, os EUA ainda são a única superpotência do mundo – se você quer dizer assim: é o país com de longe a maior pegada militar do mundo.

Os Estados Unidos mantêm cerca de 800 bases militares em pelo menos 160 países, segundo um estudioso militar.
Rússia e China estão cada vez mais alarmadas com o cerco militar e com os exercícios militares provocadores realizados pelos Estados Unidos à sua porta. A estratégia agressiva implícita pode ser obscura para a maioria dos americanos, mas os líderes nos países-alvos têm certeza de que entendem bem o que está acontecendo.”

Esses mapas, produzidos no final do ano passado pelo Instituto Suíço de Pesquisa sobre Paz e Energia (SIPER), mostram a distribuição geográfica de bases militares estrangeiras para cinco países com alguns dos maiores orçamentos de defesa (1) do mundo.

Os Estados Unidos gastaram US$ 611 bilhões em sua defesa em 2016. De acordo com esse mapa, esse tipo de dinheiro compra uma presença militar em todos os continentes habitados do mundo. De acordo com a SIPER, os EUA têm 587 bases em um total de 42 outros países, além de 4.154 bases em seu próprio território, além de 114 bases em territórios ultramarinos dos EUA.

Bases militares norte-americanas.

Nas Américas, é mais fácil listar os países onde as forças armadas dos EUA não estão presentes: Belize, Nicarágua e Costa Rica na América Central; Venezuela, Guiana, Suriname, Bolívia, Paraguai e Uruguai na América do Sul; e Jamaica, Haiti e República Dominicana (e, para ser justo, a maioria das nações insulares da região) no Caribe. E sim, apesar das décadas de hostilidade com Cuba, os EUA mantêm uma base lá: Guantánamo.

O mesmo para a Europa: listar os países sem a presença militar americana é mais fácil – e mais instrutivo: Irlanda, Suíça, Áustria, Suécia, Finlândia: todos os países neutros, fora da OTAN. Sérvia e Montenegro: o ex-inimigo das guerras iugoslavas na década de 1990. E, claro, a Rússia e seu satélite Bielorrússia. Algumas décadas atrás, isso teria soado surreal, mas agora existem tropas americanas na Ucrânia, Geórgia, Armênia e Albânia.

Na África, os militares americanos estão presentes em todo o norte, do Marrocos ao Egito (e incluindo a Líbia); em algumas nações da África Ocidental, incluindo Burkina Faso e Níger; e na África do Sul, Zimbábue e Malawi. Notável: o aglomerado de países no Chifre da África com presença militar dos EUA, da antiga área proibida da Somália até o Sudão do Sul devastado pela guerra. Ausência notável: África central.

Também: praticamente todo o Oriente Médio, exceto Síria e Líbano. E o Irã, se você incluir esse país na região. Mas novamente no Paquistão, Afeganistão, Quirguistão e Uzbequistão. Se você fosse a China, isso não pareceria um elo na cadeia de cerco militar dos EUA? Essa cadeia também inclui a Austrália, o Sudeste Asiático – da Indonésia até o Vietnã e o Laos – Filipinas, Coréia do Sul e Japão.

Bases militares francesas.

SIPER diz que o Reino Unido e a França têm bases militares em 11 países – não todos os mesmos, é claro. A presença militar da França está focada na África – mais particularmente em uma série de ex-colônias: do Senegal e Mauritânia, na costa oeste do continente, via Mali, Burkina Faso, Costa do Marfim, Níger e Chade até a República Centro-Africana.

Não são contíguos, mas também estão incluídos o Gabão, perto do equador; e Djibuti, estrategicamente localizado no extremo sul do Mar Vermelho. Essa vasta área já foi chamada Françafrique, um termo que foi abandonado por causa de suas conotações neocoloniais. No entanto, o exército francês ainda intervém regularmente para apoiar governos e reprimir rebeliões.

Um pequeno canto da América do Sul também é francês e, sem dúvida, o armée française tem soldados estacionados lá; mas essa é a Guiana Francesa, parte integrante da pátria francesa, e não um país estrangeiro (ou mesmo uma colônia). Dois outros postos militares franceses: a Alemanha – desde a Segunda Guerra Mundial – e, de maneira surpreendente, os Emirados Árabes Unidos.

Bases militares britânicas.

O Reino Unido também tem tropas na Alemanha, também desde (e por causa da) Segunda Guerra Mundial, e mantém uma presença militar nos Emirados Árabes Unidos. Caso contrário, não há sobreposição, exceto que grande parte da presença militar do Reino Unido em todo o mundo também é distribuída em todo o seu antigo império colonial: Chipre na Europa; Canadá e Belize nas Américas; Serra Leoa e Quênia na África; Catar no Oriente Médio; e Cingapura e Brunei no sudeste da Ásia.

A presença no Afeganistão deve-se, evidentemente, à atual luta liderada pela OTAN contra o Taliban. O Nepal, estrategicamente posicionado entre a China e a Índia, nunca fez parte formal do Império Britânico, mas esteve sob forte influência britânica na maior parte do século XIX.

Tudo isso inclui até 12 países: o SIPER não conta tropas britânicas em territórios ultramarinos do Reino Unido, como as Malvinas, Gibraltar, Akrotiri (no Chipre), Bermuda ou Ascensão, mas inclui Chipre na lista de países estrangeiros em que as tropas britânicas estão estacionados. O que significa que o SIPER subconta (11 em vez de 12) ou subconta (não há tropas britânicas em Chipre fora de suas áreas soberanas de base). (ATUALIZAÇÃO, comentário do leitor: “O Reino Unido possui estabelecimentos militares em Chipre, dentro e fora das 2 áreas de base soberana. Os estabelecimentos fora dos SBAs incluem uma ‘unidade de sinais’ que está praticamente no topo do Monte Troodos”).

Bases militares russas.

A Rússia mantém bases militares em 9 outros países, muitos no “próximo ao exterior”: ex-estados membros da União Soviética. Entre elas, segundo a SIPER, duas bases na Armênia, quatro na Bielorrússia, quatro no Cazaquistão, uma no Quirguistão e sete no Tajiquistão.

A Rússia também mantém bases em outras duas antigas repúblicas soviéticas, mas sem a permissão do governo local: uma na Transnístria, uma república separatista na Moldávia; e quatro na Ossétia do Sul e cinco na Abkhazia, duas regiões separatistas na Geórgia. Mais distante, a Rússia tem uma base militar no Vietnã e duas na Síria.

Bases militares chinesas.

Apesar de toda a sua presença no Mar da China Meridional, as forças armadas da República Popular da China não têm outro ponto de vista fora da China – exceto Djibuti: não apenas a única base militar chinesa longe de casa, mas também em um pequeno país que também abriga uma base militar americana e uma francesa.

Bases militares russas e norte-americanas.

Djibuti não é o único país em que soldados de forças hostis estão ao alcance de um do outro. Este último mapa mostra a presença militar americana e russa em todo o mundo (em azul e vermelho, respectivamente) – e os poucos países em que se sobrepõem (em verde): Moldávia, Geórgia, Quirguistão e Vietnã.

Mapas encontrados aqui no SIPER.

(1) Enquanto a União Soviética gastou os EUA em defesa por pelo menos parte da Guerra Fria, os EUA tiveram indiscutivelmente o maior orçamento de defesa militar do mundo desde o final dos anos 80. Em 2016, os EUA ficaram à frente da China e da Rússia. Os dez principais participantes foram Arábia Saudita, Índia, França, Reino Unido, Japão, Alemanha e Coréia do Sul, nessa ordem. ³

Bases no exterior pertencentes ou usadas pelos militares dos EUA

AFEGANISTÃO: Bagram AB, aeroporto de Kandahar, Mazar-e-Sharif, Gardez, Cabul, Herat, Shindand, Sharab, Jalalabad

ANTÁRTICA: Estação McMurdo

ARGENTINA: Trelew, Golfo Nuevo, Chaco

ARUBA: Aruba

ILHA DE ASCENSÃO: Ascension Island

AUSTRÁLIA: Exmouth, Northwest Cape, Pine Gap, Tindal AB

BAHAMAS: Ilha de Andros

BAHRAIN: Manama, Al Jufayr, Base Aérea de Isa

BÉLGICA: Bruxelas, Chievres, Florennes, Kleine-Brogel, Mons

TERRITÓRIO OCEANO BRITÂNICO: Diego Garcia

CANADÁ: Argentina Terra Nova

CUBA: Baía de Guantánamo

DJIBOUTI: Camp Lemonnier

ALEMANHA: Amberg, Ansbach, Bamberg, Bann, Baumholder, Boeblingen, Buechel, Darmstadt, Dexheim, Einsiedlerhof, Garmisch, Geilenkirchen, Germersheim, Giessen, Grafenwohr, Heidelberg, Hof, Hohenfels, Illesheim, Kaiserlautern, Kornwestheim, Kornwestheim, Lambert Aeroporto, Mainz, Mannheim, Miesau, Pfeffelbach, Pirmasens, Ramstein, Rheindahlem, Schweinfurt, Schwzingzingen, Seckenheim, Sembach, Spangdahlem, Stuttgart, Trier

GRÉCIA: Larissa, Soudha Bay

Gronelândia: Thule AB

GUAM: Anderson AFB, Apra Harbour NS, Andy South

HONDURAS: Soto Cano / Palmerola

ISLÂNDIA: Grindavik

IRAQUE: Zona Verde, Acampamento Taji

ISRAEL: Instalação de Radar Dimona

ITÁLIA: Catania, Aviano, Tirrenia, Vicenza, Nápoles, Coltano, Pordenone, Gaeta, Brescia, Livorno, Maniago, Sigonella Sicília, Pisa, Roveredo, San Vito Normanni, Cordenona, Niscemi Sicília

JAPÃO: Tóquio, Sasebo, Akizuki, Okinawa, Yokosuka, Tengan, Zukeran, Camp Fuji, Sagamihara, Chitose, Sasebo, Misawa, Gotemba, Hachinohe, Kure, Ikego, Fukuoka, Iwo Jima, Gushikawa, Kami Seya, Higashi-Hiroshima, Kisarazu Yokohama, Iwakuni, Koza, Waco City, Atsugi, Yokosuka, Owada, Sagamihara, Zama, Tana, Tokorosana, Totsuka, Fussa

JOHNSTON ATOLL: Ilha desabitada dos EUA (agora sem uso?)

QUÊNIA: Mombaça

Coreia do Sul: Chechon, Chinhae, Inchon, Kimhae, Kunsan, Kwangju, Masan, Munsan, Osan, Paju, Pochon, Pohang, Pusan, Pyeongtaek, Seul, Songnam, Suwon, Taegu, Taejon, Taepeak, Tong Du Chon, Uijong Bu, Waegwan, Wonju, Yechon, Yongchon, Yongju, Yongpyong, Yongsan

KOSOVO: Acampamento Bondsteel

KUWAIT: Ali Al Salem, Buehring, Ahmed Al Jaber, Al Mubarak AB, Patriot Camp, Camp Arifjan, Camp Virginia, Camp Virginia, Base Naval Shuaiba, Campo de Treinamento Udairi

ILHAS MARSHALL: Atol de Kwajalein

PAÍSES BAIXOS: Brunssum, Schinnen

ILHAS MARIANA DO NORTE: Tinian, Saipan, Farallon de Medinilla

NORUEGA: Noruega

OMAN: Sur Masirah, Salalah, Seeb, Thumrait, Al Mussanah AB

PORTUGAL: Lajesfield

PUERTO RICO: Forte Buchanan, Caguas, Acampamento Santiago

QATAR: Al Udeid, como Sayliyah

ROMÊNIA: Mihail Kogalniceanu AB, Deveselu, Base de treinamento Babadag

SINGAPURA: Paya Lebar AB

ESPANHA: Morón AB, Estação Naval Rota

TURQUIA: Ancara, Batman, Izmir, Incirlik AB, Yumurzalik

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS: Al Dhafra, Fujairah, Jebel Ali

REINO UNIDO: Alconbury, Barford St John, Blenheim Crescent, Croughton, Fairford, Feltwell, Fylingdales, Lakenheath, Menwith Hill, Mildenhall, Molesworth, Welford

ILHAS VIRGENS: St. Croix

Observe que esta lista ainda está em construção e pode conter algumas imprecisões. 4

As 10 principais bases militares indianas no exterior (altamente classificadas)*

Esse tipo de informação é geralmente classificado. Não há evidências concretas de que a Índia opere de países estrangeiros. No entanto, existem alguns relatórios não verificados que falam sobre bases militares indianas no exterior. Os detalhes exatos sobre aviões de combate e helicópteros que chegamos lá são bastante exclusivos. Você precisaria obter uma posição importante na Força Aérea Indiana ou qualquer posição diplomática na Índia para conhecer essas informações classificadas.

Bases militares indianas no exterior

10) QATAR

A Índia assinou acordos de cooperação em defesa e segurança e aplicação da lei com o Catar, de acordo com esses acordos. A marinha indiana pode acessar a região para garantir a segurança do mar.

9) OMAN

Omã tornou-se o primeiro país do golfo a ter parceria de defesa com a Índia. Omã assinou acordos de defesa com a Índia, que concedem direitos de atracação em Omã à Marinha da Índia.

8) MOÇAMBIQUE

Marinha indiana se encarregou da segurança marítima de Moçambique durante a cúpula da união africana em 2003 e durante a Cúpula do Fórum Econômico Mundial.

7) MADAGASCAR

A Índia criou uma importante estação de monitoramento no norte de Madagascar para acompanhar os movimentos dos navios no Oceano Índico. São equipamentos com radares e equipamentos de vigilância para interceptar a comunicação marítima como estratégia da marinha da Índia para proteger a rota de comércio marítimo do país.

6) SEYCHELLES

A Índia ajuda as Seychelles a desempenhar um papel importante na luta contra a pirataria. A Índia apoiou as Seychelles monetariamente e equipamentos como o Dornier DO 228s e o helicóptero Chetak para atender às suas necessidades de defesa.

5) VIETNAM

Ambas as nações mantêm uma forte relação militar e o Vietnã convidou a Índia para sua presença naval no mar do sul da China através do acesso à base naval e aérea de Cam Ranh Bay.

4) MALDIVAS

As Maldivas estão sob a rede de segurança da Índia. Marinha indiana monitora zonas econômicas exclusivas do país e evita ameaças de pirataria nas águas.

3) TAJIQUISTÃO

A base aérea de Farkhor é uma base aérea militar localizada perto da cidade de Farkhor, no Tajiquistão, operada pela força aérea indiana. Farkhor é a primeira e única base aérea da Índia fora de seu território. Um esquadrão de bombardeiros Mig-29 foi colocado na base. Em caso de guerra, os pássaros que voam de Farkhor podem alcançar os céus do Paquistão a poucos minutos de sua decolagem.
Mig -29, base aérea de Farkhor, base aérea, base aérea indiana, IAF

2) BUTÃO

Exército indiano tem uma base na cidade butanesa de Paro, na direção da fronteira com o Tibete controlado pelos chineses.

1) NEPAL

A Índia manteve um longo vínculo com seu vizinho do Himalaia, o Nepal: “A Índia afirma que qualquer ataque ao Nepal será considerado um ataque à Índia”.

(*) Como essas informações são altamente classificadas e secretas, a lista acima é baseada em pesquisas e rumores na Internet. Os dados reais podem ou não ser iguais a esta lista. Os leitores também devem verificar de outra fonte. 5

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fontes: telegraph.co.uk
1 rferl.org
2 wikipedia
3 Big Think
4 Menwith Hill Accountability Campaign
5 clicknsnap.org

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-5XC

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA