Por que os meios de comunicação norte-americanos não dizem a verdade sobre o que está acontecendo na Venezuela?


Uma oposição patrocinada por Washington, inclinada a mudança de regime ameaça uma democracia frágil.

No início deste mês, Donald Trump estava perante as Nações Unidas e pediu a restauração de “liberdades políticas” para uma nação sul-americana em plena crise econômica. O país em questão era a Venezuela, mas poderia ter descrito tão facilmente a Argentina, cujo governo de direita aprisionou o político nativo Milagro Sala, gerou a inflação nos dois dígitos e está reaprutando o tipo de políticas de austeridade que desencadeou uma revolta popular e inadimplência em 2001.

A descrição também se encaixa ao Brasil, onde o presidente Michel Temer foi pego em fita discutindo subornos, o antigo gabinete do membro do apartamento recentemente invadido com 51 milhões de reais (US$ 16 milhões). Temer, que assumiu o cargo apenas depois de liderar o impeachment de sua predecessora, Dilma Rousseff, também executou um programa agressivo de austeridade, dissolvendo os programas que tiraram dezenas de milhões de brasileiros da pobreza e lançou dentro da classe média.

Em ambos os países, as forças de direita tomaram o poder e prejudicaram as normas democráticas frágeis com o objetivo de reverter a modesta redistribuição da riqueza alcançada nas administrações de esquerda nos últimos 15 anos. Apoiado por um governo dos Estados Unidos com uma longa história de subversão de movimentos de esquerda na região e uma mídia dominante que está ansiosa demais para levar sua água, o direito agora está tentando o mesmo feito na Venezuela.

Como a oposição luta contra um governo popular.

Ao contrário do Brasil e da Argentina, a Venezuela foi vítima de uma série de fatores fora de seu controle, mas especialmente uma queda precipitada no preço do petróleo, a principal fonte de receita do país.

A queda do preço do petróleo em 2015 foi um fenômeno global. Desde a formação da OPEP na década de 1970, o Reino da Arábia Saudita conseguiu usar suas imensas reservas para minar as tentativas de outros países produtores de petróleo de manter um preço alto e estável para o petróleo. Mesmo que todas essas nações fossem aliadas, o Reino da Arábia pode transformar a tendência para cima ou para baixo e mudar toda a economia global para beneficiar sua própria agenda geopolítica e a do seu patrão os EUA. Isso aconteceu no final da década de 1970 para compensar a redução da produção no Irã após a revolução de 1979. E fez isso novamente em 2015, em parte em resposta ao sucesso do acordo nuclear Irã-EUA. Não é um mecanismo perfeito; a queda do preço prejudicou a economia saudita antes que os preços subissem lentamente novamente. Mas os efeitos mais graves foram sentidos pelos inimigos designados pelos Estados Unidos: Rússia, Irã e Venezuela.

Desde 1999, o governo venezuelano experimentou um processo de reforma social e econômica usando meios constitucionais e eleitorais. O presidente que iniciou o experimento, Hugo Chávez, chamou-o de “Revolução Bolivariana”, mas, em sua maior parte, agora é simplesmente chamado de “Chavismo”.

Chávez assumiu o poder de 1999 até sua morte em 2013, interrompido por um golpe de três dias em 2002. Durante sua presidência, o país viu um referendo sobre uma assembléia constitucional, a eleição dessa assembléia, um referendo para ratificar a nova constituição, uma nova eleição sob essa constituição, uma tentativa de usar uma disposição na constituição para retirar Chavez e duas eleições presidenciais adicionais, todas conquistadas pelo governo de Chávez. Dizer que a popularidade do Chavismo e a do próprio Chávez foram testadas nas pesquisas é uma subavaliação.

Enquanto Chavez esteve vivo, nenhum político poderia competir com ele pela presidência. Isso foi verdade apesar da demonização de 24 horas dele nos meios de comunicação privados do país e da cobertura sistematicamente negativa de seu governo em todos os meios de comunicação ocidentais. Como ocorre com frequência sempre que um país afeta os Estados Unidos, Chávez foi apresentado como um ditador, apesar de suas numerosas vitórias eleitorais. Tão popular foi ele que quando os líderes da oposição assumiram o poder durante 72 horas em 2002, uma de suas primeiras ordens de negócios foi encerrar o canal de TV do governo. Como o documentário de 2003, A Revolução Não Será Televisionada, revela, o golpe foi finalmente derrotado quando as autoridades conseguiram voltar ao ar.

Fases da guerra econômica.

Quando as campanhas de golpe e mídia não conseguiram levantar o governo ou silenciar seu porta-voz, a oposição recorreu à guerra econômica. Esta guerra teve várias fases: uma greve nacional em 2002-2003 interrompeu a empresa petrolífera estatal venezuela, PDVSA, negando ao governo a principal fonte de receita. Mas, apesar do seu sofrimento pessoal, os funcionários de menor escalão da empresa permaneceram leais a Chávez (como fizeram muitas dos cargos médios), intensificando para substituir os gerentes e engenheiros para que o óleo fluisse novamente.

Uma fase mais recente em torno de 2014 viu que os contrabandistas tomavam enormes quantidades de combustível, alimentos e produtos básicos subsidiados na fronteira com a Colômbia para vender ou simplesmente despejar, negando os bens essenciais dos pobres venezuelanos como meio de exercer pressão sobre o governo federal. A administração Maduro conseguiu mitigar algumas dessas perdas ao controlar cuidadosamente a distribuição de produtos básicos subsidiados.

Em última análise, a maior fonte de problemas econômicos da Venezuela tem sido sua própria moeda, o bolívar. Os mercados globais podem causar estragos nos governos ao fazer corridas na sua moeda, e a Venezuela tentou imunizar-se contra isso, impondo uma taxa de câmbio fixa. Qualquer taxa de câmbio fixa convida um mercado negro, mas a taxa fixa na Venezuela está tão longe da taxa do mercado negro para que qualquer pessoa que obtenha dólares dos Estados Unidos possa lucrar generosamente. Dólares só podem ser obtidos legalmente através da venda de petróleo, de modo que os ganhos dos comerciantes negros são as perdas do governo.

Duas décadas de criatividade implacável da direita criaram um ambiente imperdoável para erros. E foram cometidos erros. A longo prazo, a revolução venezuelana não conseguiu superar a dependência do país da indústria extrativa em geral ou do petróleo especificamente, o que sempre foi um dos objetivos. Também não foi possível desalojar burocracias entrincheiradas ou a corrupção da elite, problemas persistentes que enfrentarão qualquer governo ou movimento progressivo. Mais recentemente, propostas econômicas sensíveis como as da UNASUR foram ignoradas, ou mesmo descartadas como capitulações para o neoliberalismo, quando provavelmente teriam fortalecido o projeto Chavista. Sem mudanças reais em sua política econômica, a Venezuela continuará a atravessar de uma crise para outra.

A política de oposição da oposição e a ameaça da intervenção militar dos EUA.

Se a oposição conseguiu sabotar a economia nos últimos dois anos, também se beneficiou da morte de Chávez. A Mesa Redonda da Unidade Democrática (MUD) pode ter perdido as eleições presidenciais para o sucessor de Chávez, Nicolas Maduro, mas conquistou a Assembléia Nacional.

Assim que MUD assumiu a sua nova sede de poder imediatamente declarou que não funcionaria com Maduro. Em vez de ajudar a resolver a crise econômica do país, ela a celebrou, esperando que finalmente derrubasse o governo do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV). Os seus objetivos são inteiramente negativos: o MUD não possui um programa econômico ou político positivo para falar. Ele quer apenas uma mudança de regime, se necessário através de outro golpe militar ou uma intervenção dos EUA, que alguns funcionários abriram abertamente.

Se a oposição finalmente captar a presidência, o melhor dos casos é que a Venezuela adote as políticas de austeridade ruinosas da Argentina de Macri ou do Brasil de Temer. O pior cenário poderia parecer algo como a ocupação liderada pelos EUA do Haiti, com a indústria do petróleo do país virada para as multinacionais, como o Iraque há mais de uma década.

Como a oposição pode governar é uma questão de menos especulação. Durante seu golpe de três dias em 2002, anulou a constituição e imediatamente começou a perseguir Chavistas. Os venezuelanos mais antigos se lembraram dos anos anteriores a 1999, quando as políticas de austeridade foram aplicadas com tortura, desaparecimentos e até massacres como o Caracazo de 1989.

As ameaças violentas sempre foram feitas contra o chavismo, principalmente através de incursões paramilitares da Colômbia. De abril a julho, a oposição venezuelana estava envolvida em uma pequena insurgência urbana contra o governo. O programa de julho da Abby Martin no TeleSUR, “Arquivos do Império”, mostra o que isso se parece: o assassinato de chavistas, a intimidação dos eleitores chavistas e a destruição de edifícios governamentais e armazéns (incluindo aqueles para alimentos subsidiados).

A insurgência colocou o governo em uma posição impossível: se reprimir esses protestos, arrisca fornecer um pretexto para uma intervenção dos EUA ou outro golpe. Se não o fizer, uma oposição relativamente pequena e impopular poderia impor uma regra minoritária. Enquanto isso, a oposição agrega combustível às chamas ao recusar as tentativas de diálogo do governo (que o Papa ofereceu para mediar).

O governo venezuelano tentou recentemente trazer os seus adversários de volta para perto, pedindo uma nova assembléia constitucional, cujos membros foram eleitos em julho de 2017 e que está atualmente em sessão. Sua recompensa? Outro boicote e a rejeição de todas as mudanças constitucionais que a assembléia eleita torna ilegítimas.

O livro de golpes.

Esses métodos – incursões estrangeiras, sabotagem e manifestações violentas, combinados com a recusa de negociação – faziam parte do livro didático da oposição haitiana nos anos anteriores ao derrube de 2004 do governo eleito do Haiti. Apesar dos protestos anti-guerra em massa desse período, o golpe haitiano foi encontrado com surpreendentemente pouca resistência internacional, o que ajuda a explicar por que a Venezuela se encontra em uma situação tão precária. O que, nos primeiros anos, parecia que o nascimento de uma nova soberania latino-americana foi revertido: os golpistas derrubaram governos em Honduras (2009), Paraguai (2012) e, sem dúvida, no Brasil (2016).

À medida que os EUA intensificam seus esforços de mudança de regime em Caracas, muitos esquerdistas em mídias progressivas e sociais expressaram confusão ou equívoco. A dificuldade em distinguir entre uma social-democracia assombrada e uma oposição de rejeição violenta e de direita é um testemunho da fraqueza do anti-imperialismo na política ocidental no momento. Os progressistas não devem ter tal dificuldade. O chavismo é um experimento democrático incompleto, falho e contínuo. As alternativas em exibição são claras: terror, ocupação e austeridade.


Autor: Justin Podur

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: TeleSurTV.net

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
http://wp.me/p26CfT-61M

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA