O que precipitou a nova Guerra Fria? Rússia produz “Fake News”? Ou a América? Ou ambos?


A maior diferença entre os relatórios de notícias americanos e russos tem sido uma questão factual simples entre os dois lados, sobre o incidente que iniciou a “Nova Guerra Fria” entre os EUA e a Rússia. (A Guerra Fria original era entre os EUA e a União Soviética e tinha uma base ideológica, capitalista versus comunista, alegada, mas essa, no entanto, não é realmente uma “Nova Guerra Fria”, é bem diferente, mas pode ser ainda mais mortal.)

Os EUA. e seus aliados dizem que o que início disso foi em março de 2014, quando a “invasão da Rússia da Ucrânia” e “a invasão da Crimeia” e a “conquista da terra” da Rússia por meio dessa “invasão”, provocaram sanções dos Estados Unidos contra a Rússia e o acúmulo militar da OTAN ao longo das fronteiras da Rússia; mas a Rússia diz que o início foi em fevereiro de 2014, quando a Ucrânia foi vítima, como a televisão russa informou, em 13 de março de 2014, por:

    um golpe armado. Os Maidan não nomeiam essas pessoas; Em vez disso, são os EUA que o fazem. Basta olhar para os funcionários recém-nomeados: Parubiy, Gvozd, Nalyvaichenko são todas as pessoas que seguiram as ordens de outra pessoa, as ordens dos EUA, nem mesmo a Europa. Eles estão diretamente ligados à inteligência americana.

Na conta americana, a democracia ucraniana começou quando o presidente da Ucrânia democraticamente eleito foi derrubado em fevereiro de 2014; na conta russa, a democracia ucraniana terminou quando o presidente da Ucrânia democraticamente eleito foi derrubado em fevereiro de 2014 e somente após (e em resposta a isso), duas regiões (Crimea e Donbass, que votaram mais de 75% para esse presidente) se afasta e se recusa a ser governado pelo governo ucraniano recém-instalado, que agora estava sendo imposto a eles.

Há quase três anos, houve esse “debate”; Mas, na verdade, não houve nenhum debate, porque a mídia dos dois lados tem diferentes relatos “históricos” sobre o que é a causa da “Nova Guerra Fria”. As pessoas dos dois lados não concordam com a história (foi um golpe que ocorreu na Ucrânia em fevereiro de 2014, ou foi uma revolução?), E não apenas sobre a notícia. Fake ‘News’ não é o único problema aqui; A “história” falsa também é.

Esta é uma situação extremamente perigosa para existir entre as duas superpotências nucleares, porque é mais profundo do que a simples semântica (“golpe” ou “revolução”) para a evidência real, para a realidade. Um lado ou o outro está – ou então ambos os lados estão – simplesmente ignorando evidências cruciais, neste caso. Isso poderia produzir o Armagedon nuclear. Há duas contas mutuamente contraditórias sobre a história, que continuaram inalteradas por quase três anos, e a única maneira de tratar o problema é que continua a não haver adjudicação pública da questão com base na riqueza de provas incontestáveis ​​que existem (incluindo conversas telefônicas vazadas cruciais, como esta e esta, ambas em inglês) sobre esse assunto incrivelmente importante.

Foi o precipitante evento do “golpe” de Obama em fevereiro de 2014, ou foi em vez disso a “invasão” de Putin em março de 2014? Os meios de comunicação ocidentais não utilizam o termo “golpe” para se referir a queda de Viktor Yanukovych em fevereiro de 2014, mas a mídia russa utiliza.

No sábado, 28 de outubro, o site da RT (Televisão Russa) usou a palavra “golpe” para se referir à derrubada e substituição que ocorreu em fevereiro de 2014 do Governo da Ucrânia. Nos EUA e seus países aliados, essa substituição do governo ucraniano é chamada de “revolução democrática” ou “revolução ucraniana de 2014” ou “insurreição na Ucrânia”, referindo-se a ela como uma operação supostamente não organizada pela CIA (embora a A administração Obama realmente começou a planejar isso em 2011). O artigo apoiado pelos EUA “Uprising in Ukraine” descreveu esta derrubada governamental da seguinte forma (o que fornece um bom resumo da conta oficial de notícias dos EUA e aliados sobre o que aconteceu):

    Três atos se desenrolaram no Maidan. Primeiro vieram os protestos dos cidadãos. Então, a brutal repressão do governo. E, finalmente, depois que o primeiro cara foi morto na Rua Hrushevsky, o que eu chamo de “Maidan de dignidade”. Nesse ponto, tornou-se óbvio que as pessoas nunca mais aceitariam Yanukovych. Foi o começo do seu fim, e o início desta jornada em direção a Rússia que ainda está acontecendo.

Uma vez a Ucrânia olhou seus líderes como deuses olímpicos; eles sabem o que fazer, e como fazer, e nós apenas os seguiremos. Mas durante estes últimos três meses, as pessoas viram que isso não é verdade. Os políticos não são melhores do que o resto de nós. As pessoas querem participar da política agora. Exigem a igualdade, o direito à assembléia e um sistema judicial justo. E eles vêem seus líderes pelo que são – realmente velhos. Se você perguntou a Yanukovych ou a alguns outros sobre o Facebook, eles não entenderiam o que isso pode fazer.

    Entendo que, no momento em que postei no Facebook, já não atuava como jornalista; Eu era um ativista. Como jornalista, é preciso permanecer independente. Por outro lado, como cidadão, tive que agir. É difícil não fazer nada à medida que seu futuro está sendo destruído bem diante dos seus olhos. À medida que a repressão começou, percebi que não aguentava mais agir como um observador imparcial, enquanto o governo estava matando pessoas. Já faz muito tempo.

    A imprensa ganhou liberdades sob Yanukovych. Mas não foi até 2013 que um grupo de nós deixou nossos empregos em empresas de oligarcas ou partidários políticos e começou a criar uma mídia verdadeiramente independente. Nos primeiros meses da presidência de Viktor Yanukovych, formamos Stop Censorship! (Pare a Censura!) para protestar contra a perseguição da imprensa.

    Três anos depois, fundamos o primeiro canal de TV na Internet no país que opera através de doações de nossos espectadores – Hromadske.tv, onde trabalho agora como editor-chefe. A mídia mostrou tudo o que estava acontecendo – ajudando as pessoas a acreditar que, se todos agirmos juntos, podemos realizar grandes coisas.

    Mas a mídia russa é diferente. Eles estão tentando criar uma realidade paralela. Eles estão sob o controle de Putin, e ele está tentando convencer os russos de que o mal atingiu Kyiv. O povo russo não tem acesso a uma internet gratuita, como nós. …

Wikipedia diz sobre esse escritor:

    Usando o Facebook, Nayem foi um dos primeiros ativistas a exortar os ucranianos a se reunirem na Praça da Independência em Kiev para protestar contra a decisão de Viktor Yanukovych de “pausar” os preparativos para a assinatura de um acordo de associação com a União Européia. [9] Sua convocação para se reunir no Facebook em 21 de novembro de 2013 foram o início dos protestos da Euromaidan que levaram a derrubada do governo de Yanukovych [10].

Seu principal apoiante financeiro era na verdade um “oligarca” americano ou aristocrata, o odiador da vida dos russos, George Soros, cuja Fundação Open Society e outras organizações anti-russas “sem fins lucrativos” e “instituições de caridade”, como a Fundação Internacional do Renascimento, empurrou esse escritor para se tornar um membro do parlamento pós-golpe da Ucrânia ou “Rada”. Mas nesse artigo, publicado em Soros no site da Open Society Foundation em 4 de abril de 2014, ele foi identificado na época: “Mustafa Nayem é jornalista ucraniano e co-fundador do canal on-line Hromadske.TV”. Em outras palavras: Nayem teve muito sucesso como funcionário de Soros, não só antes da “revolta”, mas depois.

Onde Nayem usou em seu artigo as frases “a brutal repressão do governo” e “o Maidan da dignidade”, pensei no evento que ocorreu em 25 de janeiro de 2014 e que foi capturado tão bem em um vídeo carregado naquele dia na Web pela televisão russa, “rebeldes ucranianos agredindo brutalmente a polícia”, em que a polícia aterrorizada, que está sendo espancada e pior pelos paramilitares mascarados contratados pela América, tenta afastar as pauladas e os tijolos por meio de seus escudos. Os agentes de relações públicas de assalto rotulavam tais realites como “o Maidan da dignidade”, e o Nayem de Soros desencadeou a frase, pois quaisquer falsos fiéis (pessoas que não precisam de provas) podem estar lendo o site de Soros – que é quase todo mundo que lê lá. Esses agentes de relações públicas estavam realmente dentro do Vaticano (institucionalmente hostis em relação à Rússia); e, de fato, nesse mesmo dia (25 de janeiro), a Rádio Vaticano liderou o “movimento da Ucrânia ‘Maidan de dignidade’, diz o bispo“, e as igrejas ortodoxas, incluindo a russa, ficaram enfurecidas. Mas, de qualquer forma: esta era a realidade por trás do “Maidan da dignidade”.

Este foi um excelente artigo da jornalista de tecnologia Carola Frediani em 28 de fevereiro de 2014, o último dia do golpe, no qual ela explicou “Como a Revolução EuroMaidana da Ucrânia Jogou Online” (porque chamar isso de “golpe” que cedo foi muito chocante mesmo para ela, que aparentemente ainda confiava na mídia ocidental das notícias) e relatou:

    Os manifestantes começaram a se mobilizar em 21 de novembro de 2013, após o governo ucraniano suspender os preparativos para o acordo de associação UE-Ucrânia. Eles se reuniram na Praça da Independência (Maidan) em Kiev e usaram os hashtags #euromaidan e #евромайдан no Twitter e no Facebook. As postagens no Facebook do jornalista de TV da Hromadske, Mustafa Nayem, encorajando os ucranianos a se reunirem em Maidan, receberam mais de 1.000 ações em poucas horas. Ao mesmo tempo, vários fluxos de vídeo independentes foram configurados, em plataformas como a UStream, transmitindo ao vivo o que estava acontecendo nas ruas.

    As manifestações aumentaram em 24 de novembro quando finalmente 250 mil pessoas chegaram às ruas de Kiev, exigindo reformas, bem como a integração européia da Ucrânia. As primeiras páginas de redes sociais também começaram a ganhar força: a página do Euromaidan no Facebook ganhou 70 mil seguidores em menos de uma semana. Como observado por dois pesquisadores da NYU no Washington Post, o Facebook estava sendo usado muito mais ativamente do que o Twitter, atuando como um centro de notícias, além de coordenar protestos, observando a localização das demonstrações, fornecendo informações logísticas e de suporte, distribuindo panfletos para impressão e divulgação, dando dicas sobre como se comportar e reagir à polícia, e fazer o upload de vídeos de brutalidade policial.

    Um recente estudo de pesquisa independente conduzido por Kyrylo Galushko e Natalia Zorba da National Pedagogical University ‘M.P. Drahomanov ‘em Kiev confirmou a predominância do Facebook na organização dos protestos. De acordo com uma pesquisa de 50 especialistas ucranianos em redes sociais e líderes de opinião da Internet, realizada entre dezembro de 2013 e janeiro de 2014, o Facebook desempenhou o maior papel na mobilização. O Twitter veio em segundo lugar, seguido do site russo de redes sociais, Vkontakte, que é o segundo site de redes sociais mais popular da Europa. “Os serviços de redes sociais foram o principal recurso de comunicação dos manifestantes, instrumento de mobilização para participar de diferentes ações e estabelecer outras formas de apoio social”, explica Galushko. …

Mesmo que ela não reconhecesse, na época, que estava cobrindo um golpe. Mas, em 12 de março de 2014, foi carregado na Web este vídeo surpreendentemente brilhante de 12 minutos mostrando que era realmente um golpe e um muito sangrento; e, seis dias depois, esse vídeo foi usado como a abertura de 12 minutos de um vídeo de 62 minutos que adicionou ainda mais vídeos do que estava acontecendo atrás das cenas lá. E, então, em 27 de janeiro de 2015, uma camada mais profunda da operação atrás dos bastidores foi revelada, e eu a peguei e liguei-a com a outra evidência extremamente confiável que agora estava disponível na Web sobre a derrubada, e tudo isso se enquadra na mesma imagem: o fato de ter sido um golpe de Estado dos EUA. Em 8 de fevereiro de 2015, publiquei “Novas evidências de vídeo do golpe da América na Ucrânia – e o que isso significa” e vinculadas a este vídeo que havia sido levado dentro da Rada ucraniana em 20 de novembro de 2013, imediatamente antes da “‘Revolução’ Maidan”, onde num vídeo um membro da Rada, Oleg Tsarev, entregou um endereço aos outros membros, fornecendo uma descrição detalhada do que aconteceu há meses, dentro da embaixada dos EUA, os “campos técnicos” treinando ucranianos paramilitares de extrema direita sobre como usar mídias sociais como o Facebook e o Twitter para criar uma massa de manifestantes “democráticos”, por trás dos quais esses paramilitares poderiam então assumir o governo ucraniano com suas armas e se tornarem os novos governantes do país. Tsarev disse:

    No meu papel como representante do povo ucraniano, ativistas da Organização Pública da Volya se voltaram para mim, fornecendo provas claras de que dentro de nosso país, com apoio e participação direta da Embaixada dos EUA em Kiev, um projeto “TechCamp” está em andamento em cujos preparativos estão sendo feitos para uma guerra civil na Ucrânia. O projeto “TechCamp” prepara especialistas para a guerra da informação e para desacreditar as instituições estatais [o governo] usando a mídia moderna – revolucionários potenciais para organizar protestos e a derrubada do governo. Este projeto é supervisionado e atualmente sob a responsabilidade do Embaixador dos EUA na Ucrânia, Geoffrey R. Pyatt. Após a conversa com a Organização Volya, soube que eles realmente conseguiram acessar as instalações no projeto “TechCamp” [que haviam invadido] disfarçado como uma equipe de especialistas em TI. Para sua surpresa, foram encontrados instruções que foram realizadas sobre as peculiaridades da mídia moderna. Instrutores americanos explicaram como as redes sociais e as tecnologias da Internet podem ser usadas para a manipulação direcionada da opinião pública, bem como para ativar possíveis protestos para provocar agitação violenta no território da Ucrânia – radicalização da população e desencadeamento de lutas internas. Instrutores americanos mostram exemplos de uso bem sucedido de redes sociais para organizar protestos no Egito, na Tunísia e na Líbia. Os representantes do “Tech Camp” atualmente realizam conferências em toda a Ucrânia. Um total de cinco eventos foram realizados até agora. Cerca de 300 pessoas foram treinadas como operárias, que agora estão ativas em toda a Ucrânia. A última conferência teve lugar nos dias 13 e 14 de novembro de 2013, no coração de Kiev, dentro da Embaixada dos EUA!

Esse artigo também descreveu os antecedentes de Tsarev e sua coragem enorme e passada, arriscando sua vida e perdendo a fortuna, para proteger a democracia da Ucrânia – e, na sua falta, ajudar Donbass a proteger-se da nova operação de limpeza étnica da Ucrânia. Além disso, notei lá:

    A embaixada dos EUA em Kiev já havia publicado na Primavera de 2013 um anúncio de seus “Tech Camps“. Aqui está um anúncio da Embaixada na Ucrânia, em 1 de março de 2013, intitulado “Embaixada dos Estados Unidos hospedou o TechCamp Kyiv 2.0 para construir a capacidade tecnológica da sociedade civil”. (Esse Embaixador é agora o nosso Embaixador na Rússia.)

    Esta nova evidência de Tsarev, empilhada em cima de todas as outras evidências que já provaram a afirmação do fundador da empresa “particular da CIA” Stratfor, que a derrubada de Yanukovych foi “o golpe mais flagrante na história”, simplesmente cimenta a realidade, que todas as sanções contra a Rússia e todas as declarações “minha também”, apoiando o golpe de Obama e a limpeza étnica na Ucrânia, por David Cameron, Stephen Harper e os outros co-nazis de Obama, são abominações, que devem ser condenadas em voz alta por todas as pessoas decentes em todos os países. O agressor aqui é Obama, não Putin; e a OTAN deve terminar, agora: todas as nações decentes devem sair o mais rápido possível. (Os julgamentos de crimes de guerra contra Obama e seus agentes devem seguir. Afinal: essas pessoas estão trazendo o mundo mais perto de uma guerra nuclear do que foi o caso desde 1962, e não há nenhuma razão decente para isso.)

Posteriormente, em 17 de setembro de 2016, tracei a origem do golpe de fevereiro de 2014 mais adiante, para uma reunião que ocorreu no dia 23 de junho de 2011 entre o Julian Assange da Wikileaks, o Eric Schmidt do Google e o Jared Cohen do Departamento de Estado da Hillary Clinton (agora contratado pelo Google), em que Schmidt e Cohen cutucaram Assange para obter dicas sobre como usar as mídias sociais para fomentar uma revolução, e Assange só descobriu mais tarde, que estavam planejando as operações da Primavera Árabe e a aquisição da Ucrânia. Em 23 de outubro de 2014, Assange encabeçou “O Google não é o que parece“, e chamou o Cohen do Google “diretor de mudança de regime”. Assange também explicou sua desilusão: “Comecei [antes de conhecer Schmidt] a pensar em Schmidt como brilhante mas bilionário de tecnologia californiano, mal educado, que havia sido explorado pelos próprios tipos de política externa dos EUA que ele havia coletado para atuar como tradutores entre ele e Washington oficial – uma Costa Oeste-Costa Leste da ilustração do dilema principal-agente. Eu estava errado.”

O grande historiador de investigação, Nafeez Ahmed, levou essa visão ainda mais longe, em sua deslumbrante “Como a CIA fez o Google“, 22 de janeiro de 2015, que conta, em detalhes notáveis, a origem da aquisição do complexo militar e industrial da então emergente economia digital – a Internet, o Google, o “jornal” e, mais amplamente, o fascismo emergente dos americanos – aceitando atitudes e crenças políticas – a manipulação da mente pública (controle mental da massa), começando pelo serviço do matemático William Perry como Secretário de Defesa dos EUA sob o presidente Bill Clinton. Considerando que o artigo inofensivo editado da CIA na Wikipédia sobre Perry o apresenta com frases enganosas como “Perry fez tudo o que pôde para melhorar as relações com Moscow”, e ignora a realidade mais profunda exatamente ao contrário (o que se seguiu à mentira do presidente GHW Bush emitida em 24 Fevereiro de 1990), Ahmed reconhece essa realidade mais profunda (que eu documentei no link atual). Perry estava fazendo tudo o que podia – e não apenas na ex-Iugoslávia – para expandir o império dos Estados Unidos até as fronteiras russas.

Em 3 de janeiro de 2015, enviei a todos os meios de comunicação dos EUA, para que eles considerassem por possível publicação um relatório de notícias que abriu:

    O presidente checo diz que “só pessoas mal informadas” não sabem sobre o golpe da Ucrânia Eric Zuesse

    O presidente da República Checa, Milos Zeman, disse, em uma entrevista, na edição de 3 de janeiro do jornal Pravo, de Praga, que os checos que pensam ter sido a derrubada do presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovych, em 22 de fevereiro de 2014, autênticamente democrática como a “Revolução Velvet” da Tchecoslováquia está a ver-se numa luz profundamente falsa, porque (como a televisão russa traduziu a sua declaração para o inglês) “Maidan não era uma revolução democrática”. Ele disse que esta é a razão pela qual a Ucrânia está agora em condições de “guerra civil” onde os moradores da região de Donbass, no sudeste da Ucrânia, se separaram do governo ucraniano.

    Além disso, afirmou: “A julgar por algumas das declarações do primeiro-ministro Yatsenyuk, acho que ele é um primeiro-ministro da guerra, porque ele não quer uma solução pacífica, como recomendado pela União Européia (UE), mas prefere usar a força”.

    Ele acrescentou, em contraste com Yatsenyuk, a possibilidade de o presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, “ser um homem de paz”. Assim: embora Zeman não estivesse com essa esperança em relação a Yatsenyuk (que era a escolha de Obama para liderar a Ucrânia), ele fez Poroshenko (que não era a escolha de Obama, mas que se tornou o presidente da Ucrânia apesar de Obama ter querido a patrocinadora de Yatsenyuk, a hiper-agressiva Yulia Tymoshenko, para vencer as eleições presidenciais de 25 de maio, que foi realizada apenas no pro-golpe noroeste da Ucrânia, mas afirmou possuir autoridade sobre todo o país). …

Esse relatório de notícias não foi publicado em nenhum site de notícias das mídias corporativas e foi rejeitado por quase todos os sites de notícias alternativas, mas foi publicado nos seguintes seis: RINF, washingtonsblog, thepeoplesvoice, countercurrents, blacklistednews e pontiactribune.

Se esses relatórios de notícias fossem publicados nos meios de comunicação dos EUA, especialmente as mídias corporativas [mainstream], então alguém poderia razoavelmente confiar nos meios de comunicação dos EUA, mas tais notícias não são publicadas nos EUA (nem em seus países aliados).

Aqui está um formidável jornalismo (clique nesse link) de “The Saker” documentando ambos com o vídeo da Hromadske TV e com links para os relatórios financeiros anuais da operação da TV, de que os três principais financiadores da Hromadske TV – o trampolim de Nayem para o Rada da Ucrânia – foram , em ordem: a Embaixada dos Países Baixos, a Embaixada dos EUA e a Fundação Internacional do Renascimento (mal identificada como o “Fundo Internacional do Renascimento” – esta é uma das ONGs “sem fins lucrativos” de Soros, nem um de seus fundos de risco). Esse relatório do The Saker foi datado de 3 de agosto de 2014, e depois o relatório financeiro “Hromadske TV Annual Financial Report 2013” foi retirado, mas aqui foi arquivado na web, para que você possa ver e autenticá-lo por si mesmo, mostrando na sua segunda a última página, exatamente o que a captura de tela de The Saker mostrou. Curiosamente, o erro “International Renaissance Fund” foi no próprio relatório financeiro original. O erro não foi por The Saker.

Esse artigo de The Saker incluiu o vídeo de 31 de julho de 2014 de um jornalista ucraniano entrevistado na estação de TV ucraniana do governo dos EUA e do governo holandês, de George Soros e de Mustafa Nayem, explicando por que “Você precisa matar 1,5 milhão de pessoas em Donbass” – defendendo a limpeza étnica, do tipo genocida. O regime ucraniano imposto pelos EUA tentou isso, e essa limpeza étnica começou a ser a política do governo ucraniano assim que o novo governo foi instalado. Em 19 de novembro de 2014, eu encabeçei “Conhecer o Mestre Massacreteiro da Ucrânia: Dmitriy Yarosh” e observe que Yarosh tinha sido a pessoa que não só era muito ativa no programa de limpeza étnica, mas havia treinado os paramilitares que haviam executado a derrubada, e eu liguei a um vídeo de Yarosh sendo entrevistado como um herói na televisão do novo regime. Eu também escrevi:

    Conforme Yarosh disse em março passado em uma entrevista com a Newsweek, ele “está treinando tropas paramilitares há quase 25 anos”, e suas “divisões crescem constantemente em toda a Ucrânia, mas com mais de 10 mil pessoas com certeza”. Mais recentemente, em outubro, um site ucraniano pró-governo entrevistou Yarosh e ele mencionou especificamente um “DUC”, ou Corpo de lutadores ucranianos voluntários. Ele foi perguntado: “Quantos soldados há em DUC?”, Ele respondeu: “Cerca de sete mil homens”. Essa seria a sua verdadeira força militar, de longe o maior exército privado na Ucrânia. Assim, em seus arquivos particulares estão os antecedentes individuais de todos e o nível de habilidade como um “paramilitar” ou mercenário de extrema direita, e todos eles o respeitam e obedecem como o melhor homem. Ele é a pessoa indispensável nesta nova Ucrânia. As equipes de Yarosh realizam as operações mais violentas para a CIA na Ucrânia (incluindo o golpe).

Já no horário de 9 de dezembro de 2014, a televisão russa intitulou “Eles tentarão te desligar”: Reunião Assange e a guerra sobre RT (Russia Today) “sem parar”, e a chefe da RT, Margarita Simonyan, abrangeu 5 maneiras específicas nas quais Assange estava prevendo que os EUA tentariam fechar RT na América:

    1. Pressão de nossos funcionários.

    2. Hordas de meios de comunicação ocidentais tentando desacreditar nosso trabalho.

    3. Punindo a “cash cow”*

    4. As ameaças explícitas para revogar nossa licença de transmissão.

    5. Pressionando especialistas independentes que aparecem na RT.

Assange marcou uma precisão de previsão de 100%; e, então, em 1 de outubro de 2017, RT encabeçou “Se a RT deixar os EUA, a mídia americana pode parar de transmitir na Rússia” – disse o editor-chefe de RT“.

Em 28 de outubro de 2017, a RT anunciou que “Budapeste vetou o cume da Ucrânia-OTAN, diz que a nova lei de Kiev é uma “facada na parte de trás” e relatou que algumas das nações européias anteriormente aliadas da Rússia estavam se afastando da aliança dos EUA (OTAN e UE ). O núcleo desse relatório de notícias foi a declaração do ministro das Relações Exteriores da Hungria dizendo que “a Hungria não pode apoiar as aspirações de integração da Ucrânia, por isso vetou a cúpula OTAN-Ucrânia em dezembro”. O artigo da RT ligou ao vídeo do governo húngaro dessa pessoa dizendo isso. No entanto, minha busca na Internet dessa afirmação “A Hungria não pode apoiar as aspirações de integração da Ucrânia, por isso vetou a cúpula OTAN-Ucrânia em dezembro” traz apenas o relatório de notícias RT, nenhum outro. Uma busca na Web pelo nome desse ministro, Peter Szijjarto, também não o traz. Talvez sua afirmação não seja adequada para inclusão em “Todas as notícias que se encaixam para imprimir”. Aparentemente, ele simplesmente não se encaixa; então, não será impresso. Assim nada disso foi publicado na América.
Em 22 de agosto de 2014, Steven Starr, que é um dos principais especialistas mundiais sobre o que seria o resultado de uma guerra nuclear entre os EUA e a Rússia, intitulou “A Lei de Prevenção de Agressão Russa” (RAPA): Um Caminho Direto para a Nuclear Guerra com a Rússia“, e ele abriu:

    O “Ato de Prevenção de Agressão Russa”, apresentado ao Congresso pelo Senador dos EUA, Bob Corker (R-Tenn.), Estabelecerá os EUA no caminho do conflito militar direto com a Rússia na Ucrânia.

    Qualquer guerra entre os EUA e a Rússia provavelmente entrará rapidamente em uma guerra nuclear, uma vez que nem os EUA nem a Rússia estarão dispostos a admitir a derrota, ambos têm muitos milhares de armas nucleares prontas para uso instantâneo, e ambos confiam na doutrina militar da Contra-força que faz com que seus militares, em caso de guerra, destruam preventivamente as forças nucleares do inimigo.

    O RAPA fornece adesão de fato da OTAN à Ucrânia, Geórgia e Moldávia via RAPA

    A Lei de Prevenção de Agressão da Rússia, ou RAPA, “Fornece um importante status de aliança não-OTAN para a Ucrânia, Geórgia e Moldávia para fins de transferência ou possível transferência de artigos de defesa ou serviços de defesa.” O status de aliado principal não-OTAN seria para fins práticos Fornecer a adesão da OTAN a essas nações, uma vez que permitiria que os EUA movessem grandes quantidades de equipamentos e forças militares para eles sem a necessidade de aprovação de outros Estados membros da OTAN. Assim, RAPA efetivamente contornaria a oposição alemã de longa data ao pedido dos EUA de fazer a Ucrânia e a Geórgia parte da OTAN.

Felizmente, o projeto de Corker acabou por ter terminado em 1 de maio de 2014 quando foi enviado ao Comitê de Relações Exteriores do Senado e não foi votado até lá. Corker é um neoconservador extremo. Ninguém no governo dos Estados Unidos pode ser mais fascista do que isso. Ele era ainda mais fascista do que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama.

Em 28 de outubro de 2017, o AP anunciou “Corker: Possível corrida de 2020 contra o Trump não descartada” e informou que o senador Corker, que anunciou anteriormente que não concorrerá a outro mandato no Senado, agora deixa a possibilidade de uma campanha primária para bloquear Donald Trump de receber novamente a nomeação de seu partido. O artigo disse: “E qualquer impeachment de Trump não é realista hoje e não acontecerá, Corked adicionou.” Então: talvez a razão pela qual ele queria não ser senador depois de 2018, é que ele decidiu que queria estar livre durante 2019 e 2020 para fazer campanha para a nomeação presidencial republicana para si mesmo. O AP observou que, “No começo deste mês, Corker acusou Trump de transformar a Casa Branca em um centro de creche” e estava estabelecendo os EUA “no caminho da III Guerra Mundial”. “Mas, é claro, Corker estava na verdade, descrevendo-se a si mesmo lá (independentemente de ele também estar descrevendo o atual presidente), e ninguém na mídia de notícias dos EUA estava apontando esse importante fato sobre ele. Corker já estava concorrendo para a Casa Branca. Ele já parecia estar apontando para ser a versão republicana de Hillary Clinton, que ganharia o que não havia conseguido: a Casa Branca.

Este artigo, como todos os artigos que faço, está sendo enviado gratuitamente para publicação, para todos os jornais dos EUA que cobrem questões internacionais; mas, todos os principais meios de comunicação, e quase todos os sites de “notícias alternativas”, recusaram-se a publicar entre as várias centenas desse tipo que eu me dediquei no passado. Talvez a razão para isso seja a mesma razão pela qual a mídia de notícias dos EUA nunca admitiu que eles tinham relatado de forma totalmente crítica ao povo americano, de maneira estenográfica, realmente como propaganda em vez de uma mídia democrática, as mentiras que George W. Bush e sua Administração afirmou em 2002 e 2003 sobre as “armas de destruição em massa” de Saddam, etc., como se essas mentiras não fossem claras, mesmo naquela época as mentiras foram feitas.

Como uma mídia de “notícias” que tem um registro de enganar seu público em invasões, alguma vez admitiu que isso é o que há muito faz, e continua mesmo agora a fazer? Qualquer um dos que publicariam o presente artigo faria uma mudança de curso fundamental, tornando-se, finalmente, parte da imprensa numa democracia, para já não fazer parte da propaganda-operação em uma ditadura. Um leopardo pode mudar suas manchas? Veremos através da pesquisa na web, o título aqui: “A Rússia produz” Fake News”? Ou a América? Ou ambos? “E vendo onde este artigo foi publicado – e onde não tem.
Talvez as pessoas que dirigem a mídia de notícias dos Estados Unidos não se preocupem se são participantes em trazer o Armagedon nuclear. Em breve veremos.


Nota:

CASH COW – A vacina de dinheiro é um jargão de negócios para um empreendimento que gera um retorno constante de lucros que excedem o desembolso de dinheiro necessário para adquiri-lo ou iniciá-lo. fonte: Wikipedia.

Autor: Eric Zuesse

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-69h

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA