Qual a mídia preferida? A mídia mente com notícias falsas.


Um novo e importante relatório da Gallup, publicado em 16 de janeiro, intitulado “Visões americanas: confiança, mídia e democracia” (publicado em conjunto com a Knight Foundation) e descobre que “sites de notícias apenas para internet” são os menos confiáveis ​​de todos meios de comunicação.

54% de confiança “Seu jornal local”.

52% de confiança “Notícias da rede nacional”.

51% de confiança “Principais jornais nacionais”.

46% de confiança “Notícias de cabo”.

38% de confiança “agregadores de notícias”.

36% de confiança “sites de notícias apenas para internet”.

Como você aprendeu que Saddam Hussein esteve a “apenas seis meses do desenvolvimento de uma arma [nuclear]”? Foi por meio do presidente dos Estados Unidos e de todos os meios de notícias “estatísticos”, que foram todos, mas especialmente os mais confiáveis: jornais, TV, rádio e revistas. Eles permitiram que George W. Bush invadisse e destruísse o Iraque, e mais.

Leia também: Chomsky expõe Russiagate como Propaganda: “É uma piada” e “O mundo está rindo de nós”.

Como você aprendeu que a Líbia deveria ser invadida? Foi por meio dos mesmos. Eles permitiram que Barack Obama invadisse e destruísse a Líbia, a Síria e muito mais.

Como você aprendeu que a ditadura terminou na Ucrânia na “Revolução Maidan” de fevereiro de 2014, mas o contrário foi, que a democracia acabou na Ucrânia, então, e em vez disso um golpe de estado de engenharia norte-americana foi que aconteceu lá, nenhuma “revolução” autêntica. E esta mídia principal significa, assim, “justificada” e levou à destruição da Ucrânia, pelo presidente dos EUA, Obama.

A falsa “notícia” que mais afetou a história veio de jornais, revistas, TV e rádio. Mas a verdade (como você verá documentado nesses últimos links, o primeiro dos quais é um relatório de notícias que foi produzido por um indivíduo solitário de observadores no terreno que haviam enviado de seus celulares, etc.) estava disponível apenas em “sites de notícias apenas na internet” – o tipo de sites que os americanos menos respeitam.

Por que o público confia na maioria dos piores mentirosos, os sensacionalistas da mais viciosamente falsa ‘notícia’? Eles fazem isso porque eles foram ensinados a acreditar em notícias de sucesso mais bem sucedidas.

Eles foram ensinados que, para ser bem sucedido em notícias, a mídia de notícias precisa ser confiável, em vez de bombear o que os bilionários querem que você pense – manipular sua mente e deformar sua visão da realidade da maneira que eles querem.

Todas essas mentiras vieram dos proprietários e anunciantes dos meios de comunicação dos EUA e do governo dos EUA (que são os mesmos proprietários e anunciantes), as pessoas que “melhor” controlam o governo (ou seja, pior) que o grande dinheiro pode comprar – e compra.

O único meio de notícias que permite ao leitor clicar em um link e vir diretamente (ou pelo menos indiretamente) às fontes de alegações, são sites de notícias on-line que têm a integridade jornalística para exigir que seus escritores forneçam os links para todas as alegações contenciosas que estão sendo feitas, de modo a permitir que o leitor verifique (ou invalide – mas o leitor está fazendo isso, ninguém está impondo tais julgamentos ao leitor) qual a fonte da alegação e, assim, avaliá-la por conta própria. A TV não faz isso. O rádio não faz isso. Jornais (mesmo on-line) não fazem isso. Revistas (mesmo a maioria dos on-lines) não fazem isso.

Por que eles não fazem isso? TV, rádio e mídia de impressão não podem. A mídia on-line ruim não faz isso, porque seus donos não querem capacitar sua audiência; Eles querem persuadir o público a acreditar no que os proprietários e os anunciantes querem que acreditem.

Leia também: A ditadura da mídia: Liberdade entregue ao jornalismo brasileiro tem seu precedente, promover violência, espionagem e desinformação.

Esse é o caminho para o sucesso no negócio de notícias: moldar a “notícia” para enganar o público nos modos que os proprietários e anunciantes querem que o público seja enganado. É a arte de vender; é Relações Públicas (RP); e, na América – onde muitas vezes é ensinado em alguns dos mesmos departamentos acadêmicos, “Comunicações”, que ensinam RP e “jornalismo” – é o gerenciamento das percepções do público, das maneiras que os proprietários e anunciantes querem.

E a única maneira de contornar é clicar em links e descobrir qual é a verdadeira história. Qualquer acesso meramente passivo a “notícias” é simplesmente um convite para ser enganado, sendo manipulado por motivos ocultos das pessoas ricas, que são muito particulares.

É assim que a América passou a ser a forma como é agora – cada vez mais privada, cada vez mais pública.


Autor: Eric Zuesse

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: https://www.globalresearch.ca/media-lies-about-fake-news/5626446

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6fO

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA