Rússia e Irã preparam uma resposta de vários níveis ao ataque de precisão liderado pelos EUA contra a Síria.


Moscow agiu rapidamente para reforçar seus laços com Teerã e reforçar as forças armadas sírias em reação ao ataque de mísseis cirúrgicos norte-americanos e franceses contra as instalações químicas da Síria no sábado, 12 de abril. Os analistas da DEBKA relatam que autoridades russas e iranianas alertaram sobre “conseqüências”, essas já estavam em movimento:

  1. Sábado de manhã, enquanto mísseis de cruzeiro choviam em locais de supostos produtos químicos sírios, uma força síria-Hezbollah, apoiada por mercenários russos, renovou seu esforço para cruzar o rio Eufrates e arrancar do controle dos EUA os campos de petróleo de Syoken e de Al-Umar. Houve confrontos iniciais com o Exército Democrático Sírio (SDF) apoiado pelos EUA. Dois dias antes, o conselheiro próximo do aiatolá Ali Khamenei, Ali Akbar Velyati, apontou o caminho quando ele disse em uma coletiva de imprensa em Damasco: O leste do Eufrates é “uma área muito importante”. Esperamos que grandes passos sejam dados a fim de liberar essa área e expulsar os americanos ocupantes”.

  2. Embora os relatos da mídia abundassem sobre a não-represália de Moscow pelo ataque liderado pelos EUA, Moscow estava silenciosamente se preparando para enfrentar os EUA e seus aliados. Os pesados ​​bombardeiros russos Tu-95 e Tu-22M foram posicionados na quinta-feira em bases aéreas no Irã, reduzindo assim seu tempo de vôo para a Síria e o Iraque em pelo menos quatro horas; e os cargueiros russos transitaram no Estreito de Bósforo na sexta-feira e no sábado, à plena vista da vigilância da inteligência, carregada de novos equipamentos militares para o exército sírio.

  3. O cuidado dos EUA em limitar seu funcionamento essencialmente a três locais, onde o exército de Bashar Assad estava fazendo clandestinamente e estocando armas químicas, serviu ao propósito de Moscow.

  4. Assad ainda retém quantidades substanciais de armas venenosas mesmo depois que esses locais foram atingidos por mais de 100 mísseis. Ele ainda é capaz de usá-los novamente e não será dissuadido de fazê-lo se achar que seu regime está em perigo.

  5. A operação liderada pelos EUA foi cercada por controvérsias entre o presidente Donald Trump e seu secretário de defesa, James Mattis. Se tivesse sido até Mattis, não teria sido lançado. O atraso derivou dos argumentos contra o ataque apresentado pelo secretário da Defesa e pelos chefes do exército dos EUA, liderados pelo general Joseph Danford, presidente do Joint Chiefs of Staff. Eles previram que a Rússia e o Irã não aceitariam o ataque com mísseis e um único ataque unidimensional seria o catalisador de uma guerra total dos EUA com a Rússia em solo sírio. Mattis tentou frear a operação no sábado de manhã chamando-a de “um tiro de uma só vez”. Mas então, o presidente Trump afirmou em um discurso na televisão: “Estamos preparados para sustentar essa resposta até que o regime sírio pare de usar agentes químicos proibidos”.

  6. Trump é perfeitamente capaz de demitir Mattis com a mesma falta de cerimônia com a qual ele deixou o secretário de Estado, Rex Tillerson, no mês passado. Mas isso não resolverá suas diferenças com os generais em relação ao escopo da ação militar dos EUA na Síria. Ele contará com o apoio próximo do sucessor de Tillerson no Estado, Mike Pompeo, e seu novo assessor de segurança nacional, John Bolton, para ampliar a ação militar dos EUA na Síria em novos ataques contra o regime de Assad.

  7. Considerando que a administração Trump teve o cuidado de manter o ataque multilateral na Síria bem definido aos alvos químicos, os russos nunca prometeram limitar sua resposta. Eles podem ir para um grande sucesso militar na Síria, de modo a destruir o impacto do ataque liderado pelos EUA. A máquina de informação russa já funcionava antes do meio-dia de sábado, quando o coronel Sergei Rudskoi, do Estado-Maior das Forças Armadas russas, sustentou que os sistemas de defesa aérea russos da Síria derrubaram 71 dos 103 mísseis lançados pelos EUA e aliados na Síria. com a ajuda do monitoramento por “ativos de defesa aérea russos” – mas sem o envolvimento direto de qualquer míssil russo. Esta foi uma mensagem para Washington de que uma nova onda de ataques na Síria encontraria um envolvimento russo direto. O general russo também afirmou que “apenas danos menores” foram causados ​​pela primeira onda de ataques.

  8. Autoridades da Defesa Russa também ameaçaram dizendo que a Rússia retomasse as discussões com a Síria e outros países sobre a venda dos modernos sistemas de defesa aérea S-300 para proteger contra futuros ataques dos EUA. ¹

Defesa aéra de mísseis e anti-navio na Síria. Sistema S-300 atualmente baseado em Tartus.

Putin convoca urgentemente o Conselho Segurança da ONU sobre o ataque dos Estados Unidos na Síria.

O presidente russo, Vladimir Putin, convocou no sábado uma reunião imediata do Conselho de Segurança da ONU sobre o ataque de mísseis entre os EUA e a França na Síria, classificando-a como uma violação da Carta da ONU e da lei internacional. Ele repetiu que o ataque químico à Douma foi “encenado” e os monitores não encontraram evidências de que isso tivesse acontecido. ²

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: 1 Debka.com 2 Debka.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6Ez

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA