Jornalismo comprado, as mentiras da mídia ocidental. Paul Craig Roberts: “A prisão de Maria Butina é outro engano”.


O jornal The Guardian, que já foi um jornal honesto que falava para a classe trabalhadora britânica, foi agora subornado, na minha opinião, pela CIA e pela Inteligência Britânica (sic).

Talvez você se lembre, há alguns anos, de que o The Guardian cumpriu ordens ilegais do governo corrupto do Reino Unido para destruir os arquivos Wikileak que revelaram crimes e fraudes dos chamados “aliados”, que não são nada além de vassalos de Washington.

O que me perturba em relação ao The Guardian é que ele não guarda mais a verdade e a classe trabalhadora. Em vez disso, o The Guardian guarda as extraordinárias mentiras que servem à agenda do estado hegemônico dos EUA.

Não consigo entender por que nenhum dos assinantes originais do The Guardian leu desculpas pelos crimes e delitos de Washington ou porque o The Guardian prefere o conflito em vez da paz com a Rússia. Por que o The Guardian trabalha para aumentar a hostilidade entre as potências nucleares que podem facilmente resultar no fim da vida na Terra? Os editores do The Guardian são pagos pela CIA e pela “inteligência” britânica, como o editor do jornal alemão Udo Ulfkotte disse em seu livro, Jornalismo Comprado, ou são os editores do The Guardian ameaçados de prisão e prisão a menos que sirvam aos interesses do soberano britânico em Washington? ?

Seja qual for o The Guardian, assim como o The New York Times, o The Washington Post, a CNN, a MSNBC, a NPR eo resto dos órgãos de imprensa ocidentais, o jornalismo não está presente em suas páginas. O que o Ocidente tem é um Ministério de Propaganda. O público é mentido e sofre lavagem cerebral, não informado.

Podemos ver o fracasso total do The Guardian, e todo o resto também, na reportagem sobre a prisão da suposta espiã russa, Maria Butina, pelo corrupto Departamento de Justiça dos Estados Unidos (sic). A principal evidência contra Maria é que ela se encontrou com um ex-embaixador russo nos EUA, Sergey Kislyak. De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, um advogado assistente dos EUA, Erik Kenerson, “citou o encontro de Butina com Kislyak como prova de que ela estava em contato com funcionários diplomáticos ou consulares e deve ser detida enquanto aguarda julgamento”.

Então, na América, se você tirar uma foto com um ex-embaixador russo nos EUA, é uma evidência de que você é um espião.

Eu li a acusação de Maria Butina. Ela não é acusada de nenhum crime reconhecido pela lei anglo-americana. Ela é acusada pelo argumento totalitário de Jeremy Bentham no século XVIII de que ela é culpada do “crime” de possivelmente ter a intenção de cometer um no futuro. (Veja The Tyranny of Good intentions por PCR e Lawrence Stratton.)

Maria, que tem longos cabelos ruivos, mas não é notável, especialmente em contraste com as mulheres que os grupos de interesse, como o complexo militar/de segurança, Wall Street e o lobby de Israel, provêem aos poderes executivo e legislativo do governo. O governo dos EUA, certamente não é o sedutor espião russo que os americanos conhecem dos filmes de James Bond.

A mulher não fez nada. Ela é indiciada por não-crime. Ela é indiciada porque é russa e vive, segundo a imprensa, com um funcionário do Congresso. Maria não tem como espionar os EUA através do funcionário de baixo nível com quem ela supostamente estava vivendo.

Sua prisão é apenas outra fraude perpetrada contra o povo americano para alimentar a desconfiança e o ódio da Rússia, a desconfiança que protege o orçamento anual desnecessário de US$ 1 bilhão do complexo militar/de segurança dos EUA.

Muitas pessoas desinformadas pensam que o presidente Trump está no comando do governo dos EUA. Ele não está. E ele seria assassinado se fosse. Como o presidente Dwight Eisenhower nos avisou em vão, em 1961, o complexo militar/de segurança é uma ameaça à democracia e ao governo responsável. O complexo militar/de segurança definitivamente não permitirá nenhuma diminuição em sua renda e poder, permitindo a normalização das relações com a Rússia.

Tendo ignorado o aviso do presidente Eisenhower, a advertência de um presidente americano de dois mandatos e um general de cinco estrelas que comandou as forças norte-americanas, britânicas e francesas contra Hitler na Segunda Guerra Mundial, os americanos despreocupados perderam sua democracia para o Estado Profundo.

Consequentemente, os americanos passivos e despreocupados estão agora cada vez mais perto de perder suas vidas, junto com as vidas de muitos outros povos, à ganância do complexo militar/de segurança americano.


Autor: Paul Craig Roberts

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: South Front.org

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6Yh

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA