A Alemanha foi derrotada na frente oriental, não na Normandia.


Em minhas muitas visitas a pé ao vasto campo de batalha da Normandia na França, continuei recordando o sempre sábio ditado do grande monarca da Prússia, Frederico o Grande: ‘aquele que defende tudo, nada defende’. Em 2018 foi o 74º aniversário dos desembarques do Dia D, vale a pena relembrar o velho rei guerreiro.

Adolf Hitler, um veterano da infantaria, certamente deveria ter conhecido melhor. Defender a costa européia da Bretanha à Noruega era uma impossibilidade dada a fraqueza militar e econômica da Alemanha em 1944. Mas ele não entendeu isso. Tendo superado de forma tão brilhante as fortificações da Linha Maginot da França em 1940, Hitler e seu Alto Comando repetiram os mesmos erros estratégicos e táticos que os franceses apenas quatro anos depois: não ter reservas suficientes para contra-atacar efetivamente as forças inimigas.

A alardeada Muralha do Atlântico da Alemanha parecia formidável no papel, mas era comprida demais, fina demais, desprovida de profundidade defensiva e carecia de forças de reserva adequadas. A linha Maginot linear sofreu as mesmas falhas. As fortificações da América que protegiam Manila e as fortificações “inexpugnáveis” da Grã-Bretanha em Cingapura também se mostraram inúteis. Os japoneses apenas marcharam em suas costas indefesas.

Em 1940, a Wehrmacht alemã foi a suprema máquina de luta da história moderna. Mas apenas quatro anos depois, a Wehrmacht foi quebrada. A maioria dos americanos, britânicos e canadenses acreditam que o Dia D foi o golpe decisivo que terminou a Segunda Guerra Mundial na Europa. mas isso não é verdade.

A poderosa Wehrmacht, da Alemanha, que incluía a Luftwaffe, foi destruída pela União Soviética de Stalin. O Exército Vermelho alega ter destruído 507 divisões alemãs, 48.000 tanques alemães, 77.000 aeronaves alemãs e 100 divisões de tropas do Eixo aliadas à Alemanha, vindas da Itália, Romênia, Hungria, Eslováquia e Finlândia.

Poucos americanos ouviram falar da ofensiva do Extremo Oriente soviético de 1945, uma enorme operação que se estendeu da Ásia Central à Manchúria e ao Pacífico. Pelo menos 450.000 soldados japoneses foram mortos, feridos ou capturados pelo Exército Vermelho, 32% das perdas militares totais do tempo de guerra do Japão. Os soviéticos estavam prontos para invadir o Japão quando os EUA o atacaram com duas armas nucleares.

Dos 10 milhões de feridos na Alemanha na Segunda Guerra Mundial, 75% foram infligidos pelo Exército Vermelho. A outrora poderosa Luftwaffe foi dizimada pela Rússia. Quase toda a produção militar alemã foi para abastecer os 1.600 km da Frente Oriental, onde as forças de elite da Alemanha foram atacadas em batalhas titânicas como Kursk e Stalingrado, envolvendo milhões de soldados.

As forças soviéticas perderam mais de 20 milhões de homens. As perdas totais dos EUA, incluindo o Pacífico, foram de um milhão. Para o marechal Stalin, o Dia D, a campanha do norte da África e da Itália não passava de espetáculos secundários para amarrar as forças do Eixo enquanto o Exército Vermelho avançava para Berlim.

O Dia D foi sem dúvida um dos maiores feitos logísticos da história militar moderna. Pense na General Motors contra o guerreiro alemão Siegfried. Para cada tanque dos EUA que os alemães destruíram, outros dez chegaram. Cada tanque alemão era quase insubstituível. Transportar mais de um milhão de homens e seu equipamento pesado através do canal foi um triunfo. Mas quem se lembra de que a Alemanha cruzou o fortemente defendido Rio Reno na França em 1940?

Em junho de 1944, as forças alemãs na Normandia e ao longo de toda a costa do canal quase não tinham combustível diesel ou gasolina. Seus tanques e caminhões foram imobilizados. O poder aéreo dos aliados disparou contra tudo o que se movia, incluindo um carro do pessoal que transportava o marechal Erwin Rommel, bombardeado pelo galante general aviador do Canadá, Richard Rohmer. Unidades alemãs na Normandia estavam abaixo de 40% de eficácia de combate, mesmo sem a escassez de combustível.

Os alemães na França também tinham muito pouca munição, suprimentos e comunicações. As unidades só podiam se mover à noite e, depois, bem devagar. Hitler estava relutante em liberar forças blindadas de suas reservas. O massivo bombardeio aliado da Normandia matou 15.000 a 20.000 civis franceses e destruiu muitas cidades e vilas.

Churchill disse uma vez, “você nunca conhecerá a guerra até que você lute com alemães.” Sem cobertura aérea ou combustível e superadas em número, forças alemãs na Normandia conseguiram montar uma resistência robusta, infligindo 209.000 baixas nos EUA, Canadá, Grã-Bretanha, França livre e Forças aliadas. As perdas alemãs foram em torno de 200.000.

O ponto mais importante da grande invasão é que, sem ela, o Exército Vermelho teria chegado a Paris e aos Portos do Canal até o final de 1944, fazendo de Stalin o senhor de toda a Europa, exceto a Espanha. É claro que os Aliados poderiam ter chegado a um acordo de paz com a Alemanha em 1944, o qual Hitler estava procurando e o general George Patton estaria defendendo. Mas Churchill, que odiava os alemães, e Roosevelt inclinado à esquerda, estavam com a mente muito sangrenta para considerar uma paz que teria impedido Stalin de pelo menos parte da Europa Oriental.


Autor: Eric Margolis

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Oriental Review.org

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6Aj

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA