A próxima visão militar da censura estatal.


Na TruePublica, advertimos continuamente que, na Grã-Bretanha, o governo está se tornando cada vez mais autoritário com seu ataque à liberdade civil e aos direitos humanos. Advertimos sobre a ilegalidade da vigilância em massa e a intromissão do Estado na privacidade de todos os cidadãos. Advertimos sobre a ampliação de novos poderes policiais, o uso de tribunais secretos e novas leis destinadas a proteger o Estado e as corporações do escrutínio e críticas do povo, e advertimos que a democracia na Inglaterra está sendo corroída em favor de uma elite política cujo poder eles querem entrincheirar. Isto se demonstra não melhor do que os eventos recentes em uma reunião realizada na Austalia sobre as novas regras de censura do Estado.

Uma reunião importante dos membros do gabinete da rede de espionagem global Five Eyes (Reino Unido, EUA, Aus, Can, NZ) liderada pelos EUA foi realizada na Austrália no final de agosto, o que foi totalmente ignorado pela grande mídia, principalmente porque o representante da Grã-Bretanha usou o manto de Brexit para disfarçá-lo, ironicamente via mídia social.

O ministro australiano dos Assuntos Internos, Peter Dutton, foi o anfitrião da cúpula. As outras delegações foram a secretária de Segurança Interna dos EUA, Kirstjen Nielsen, eo secretário do Interior do Reino Unido, Sajid Javid, juntamente com o ministro da Segurança Pública do Canadá, Ralph Goodale, eo ministro da Justiça da Nova Zelândia, Andrew Little.

Na agenda, esses funcionários do “Cinco Olhos” puniram as principais transnacionais de tecnologia por não se encontrarem com elas. Uma “Declaração conjunta sobre como combater o uso ilícito de espaços on-line” exigia que essas corporações da Internet seguissem a linha e reprimissem as mídias sociais e os algoritmos produzindo resultados, não no interesse do estado.

Ameaças foram emitidas em sua ausência. A menos que as empresas de tecnologia cooperem, os cinco governos agora trabalharão juntos para forçar as empresas a permitir que as agências de segurança acessem os dados de usuários privados. “Podemos buscar medidas tecnológicas, de aplicação, legislativas ou outras para obter soluções de acesso legal.”

Já sabemos que esses governos estão colaborando com empresas de mídia social e mecanismos de busca para implementar restrições massivas ao acesso à Internet. Mas é aí que o estado e essas corporações particulares começam a colidir.

Um ataque à criptografia pelo estado está chegando. Na Grã-Bretanha, ameaças abertas já foram emitidas pelo governo. Na reunião, uma declaração sobre o combate à “criptografia onipresente” declarou a necessidade de se abrir ferramentas de “criptografia de ponta a ponta” supostamente usadas para “atividades terroristas e criminosas”. O estado ficou tão paranóico que não tem mais apetite para defendem a importância da criptografia para empresas, serviços bancários, atividades de varejo on-line, segurança cibernética e afins.

O movimento pretendido dos Cinco Olhos é dar à inteligência e às forças policiais novos poderes abrangentes para obrigar qualquer empresa, por meio de um “Aviso de Capacidade Técnica”, para fornecer as informações exigidas pelas agências estatais. Em outras palavras – eles querem recursos de backdoor, independentemente das consequências. Ao fazer isso, a realidade é que a criptografia se torna inútil.

Esses poderes serão de longo alcance, afetando potencialmente qualquer atividade on-line e indo além da criptografia. De acordo com ministros do governo, eles se aplicam a serviços de mensagens criptografadas como WhatsApp, Viber e Telegram – assim como “qualquer entidade que opere um site”. Medidas draconianas de censura de estado só chegam a uma coisa – regra autoritária. Essa trajetória deveria nos alarmar a todos. Certamente é uma questão alarmante de privacidade e defensores dos direitos humanos.

Também não foi relatado pelo MSM uma reunião com o Secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, que fez este discurso para o grupo de reflexão do Atlantic Council em Washington DC, delineando a força do relacionamento entre o Reino Unido e os EUA. Em parte, ele afirmou que:

    “À medida que procuramos nos adaptar e aproveitar as mudanças e trabalhar juntos para aproveitar as oportunidades que a mudança traz, precisamos desse tipo de pensamento criativo e dinâmico. Porque eu sei que muitas pessoas nesta cidade estão nervosas com a rápida mudança da política, o surgimento de novos poderes e as placas tectônicas da política global. Meu trabalho, como secretário da Defesa, é garantir que possamos desenvolver e, se necessário, implantar um poder sólido que sustente o poder brando de nossa influência global. Mas também concordamos com a Estratégia Nacional de Defesa dos Estados Unidos que: “Trabalhando em conjunto com aliados e parceiros, acumulamos a maior força possível para o avanço de nossos interesses a longo prazo”.

Abaixo está outro artigo que descreve a arquitetura de censura do estado que vem. Não se enganem, o contingente britânico participou.

Andre Damon wsws.org: Em março, o Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos, a seção do Departamento de Defesa que supervisiona as Forças Especiais dos EUA, realizou uma conferência sobre o tema “Soberania na Era da Informação”. A conferência reuniu oficiais das Forças Especiais com forças policiais domésticas, incluindo funcionários do Departamento de Polícia de Nova York e representantes de empresas de tecnologia como a Microsoft.

Esta reunião de altos representantes militares, policiais e corporativos não foi relatada e não foi divulgada na época. No entanto, o Conselho do Atlântico publicou recentemente um documento de 21 páginas resumindo a orientação do processo. É de autoria de John T. Watts, ex-oficial do exército australiano e consultor do Departamento de Defesa e do Departamento de Segurança Interna dos EUA.

O Atlantic Council, um think tank com laços estreitos com os mais altos níveis do Estado, tem sido um parceiro fundamental na censura das empresas de mídia social às visões de esquerda. Mais notavelmente, o Facebook agiu em uma dica do Conselho do Atlântico, quando encerrou a página oficial do evento para uma manifestação antifascista em Washington, no aniversário do motim neonazista do ano passado em Charlottesville.

Confiante de que nenhum dos milhares de jornalistas em Washington vai questionar, ou mesmo relatar, o que ele escreve, Watts expõe, do ponto de vista do aparato repressivo do Estado e da oligarquia financeira que defende, por que a censura é necessária.

O tema central do relatório é “soberania”, ou a capacidade do estado de impor sua vontade à população. Essa “soberania”, escreve Watts, enfrenta “maiores desafios agora do que jamais teve no passado”, devido à confluência entre a crescente oposição política ao Estado e a capacidade da Internet de espalhar rapidamente a dissidência política.

Watts cita o precedente da invenção da imprensa, que ajudou a derrubar a ordem mundial feudal. Na estimativa do Conselho Atlântico, no entanto, este foi um desenvolvimento esmagadoramente negativo, inaugurando “décadas, e possivelmente séculos, de conflito e ruptura” e minando a “soberania” de estados absolutistas. A “invenção da internet está criando conflitos e rupturas de maneira semelhante”, escreve Watts.

“A confiança na sociedade ocidental”, adverte ele, “está passando por uma crise. O Edelman Trust Barometer de 2018 acompanhou essa erosão, mostrando uma queda de 30% na confiança no governo no último ano nos Estados Unidos”.

Watts observa que esse colapso em apoio ao governo não pode ser explicado apenas pela ascensão das mídias sociais. Esse processo começou no início dos anos 2000, “no início da era da mídia social, mas antes de se tornar mainstream”. Esquerda são as principais razões para o colapso do apoio popular a instituições governamentais: a eleição roubada de 2000, o governo Bush mentiras sobre armas de destruição em massa, guerra interminável e o impacto da crise financeira de 2008.

No entanto, embora seja “difícil argumentar que a atual perda de confiança resulta apenas do surgimento da mídia social”, escreve Watts, “pode haver pouca dúvida de que ela funcionou como um amplificador crítico de tendências mais amplas”.

Ele continua: “A tecnologia democratizou a capacidade de grupos e indivíduos sub-estatais de difundir uma narrativa com recursos limitados e alcance virtualmente ilimitado.” Em contraste, “No passado, o público em geral tinha fontes de informação limitadas, que eram administradas por gatekeepers profissionais.”

Em outras palavras, o surgimento de mídias sociais sem censura permitiu que pequenos grupos com idéias que correspondem aos da população em geral desafiassem a narrativa política de interesses investidos em pé de igualdade, sem os “guardiões profissionais” dos principais meios de comunicação impressos e radiodifusores, que divulga apenas uma narrativa pró-governo.

Quando “visões radicais e extremistas” e “idéias incorretas” são “transmitidas pela mídia social, elas podem até influenciar as opiniões de pessoas que de outra forma não seriam simpáticas a essa perspectiva”, adverte Watts. “Quando encaminhados por um amigo ou parente próximo, informações falsas têm legitimidade adicional; uma vez aceita por um indivíduo, essa informação falsa pode ser difícil de corrigir”.

As pessoas devem ser isoladas, em outras palavras, das idéias “incorretas” de seus amigos e familiares, porque tais idéias são “difíceis de corrigir” pelo Estado uma vez disseminadas.

Mas como isso pode ser feito? O crescimento do sentimento de oposição não pode ser combatido com “fatos” ou “verdade”, porque “os fatos em si não são suficientes para combater a desinformação”. A “verdade” é “muito complexa, menos interessante e menos significativa para os indivíduos”.

Nem o crescimento da oposição política, por enquanto, pode simplesmente ser resolvido “eliminando” (ou seja, matando ou encarcerando) dissidentes políticos, porque isso apenas confere legitimidade às idéias das vítimas. “Eliminar esses indivíduos e organizações não será suficiente para combater a narrativa e pode de fato ajudar a amplificá-la.” Ele acrescenta: “Este também é o caso da censura, já que aqueles por trás da narrativa podem usar a tentativa de reprimir a mensagem como prova de sua verdade, importância ou autenticidade”.

Digite as empresas de mídia social. O melhor mecanismo para suprimir pontos de vista oposicionistas e promover narrativas pró-governo é o setor privado, em particular, “gigantes da tecnologia, incluindo Facebook, Google, YouTube e Twitter”, que podem “determinar o que as pessoas vêem e não veem”.

Watts acrescenta: “Felizmente, mudanças nas políticas de plataformas de mídia social como o Facebook tiveram um impacto significativo no tipo e na qualidade do conteúdo que é transmitido”.

O setor privado, portanto, deve fazer o trabalho sujo do governo, porque a propaganda do governo é vista com desconfiança pela população.

“As empresas e o setor privado podem não entender naturalmente o papel que desempenham no combate à desinformação, mas o deles é um dos mais importantes…. Pelo menos no Ocidente, eles foram empurrados para um papel central devido à crescente confiança do público em geral neles como instituições”.

Mas isso é apenas o começo. Os jornais on-line devem “considerar os sistemas de comentários desabilitados – a função de permitir que o público em geral deixe comentários abaixo de um determinado item de mídia”, enquanto as empresas de mídia social devem “usar um sistema de classificação semelhante ao usado para avaliar a limpeza dos restaurantes” para as declarações políticas dos usuários.

Táticas de braço forte ainda têm um papel, é claro. Citando o exemplo do editor do WikiLeaks, Julian Assange, Watts declara que “os governos precisam criar conseqüências” para espalhar “desinformação” similar àquelas dadas para “espionagem do Estado” – que pode levar a pena de morte.

O que Watts descreve em seu documento é uma visão de uma ordem social totalitária, na qual o governo, a mídia e as empresas de tecnologia estão unidas para suprimir pontos de vista de oposição.

O elemento mais marcante do documento, no entanto, é que não está descrevendo o futuro, mas a realidade contemporânea. Tudo está no tempo presente. O maquinário da censura em massa já foi construído.

O relatório do Atlantic Council, baseado em discussões de alto nível entre os militares e o estado, é uma confirmação de tudo o que o World Socialist Web Site disse sobre o propósito das mudanças nos algoritmos das empresas de internet e mídia social no último ano. metade.

Em 25 de agosto de 2017, o WSWS publicou uma carta aberta ao Google alegando que a empresa está “manipulando suas buscas na Internet para restringir a conscientização pública e o acesso a sites socialistas, antiguerra e de esquerda”. Acrescentou: “Censura nessa escala é a lista negra política”.

No ano seguinte, os principais detalhes da carta aberta foram indiscutivelmente confirmados. Em audiências no Congresso e em outras declarações públicas, as principais empresas de tecnologia dos EUA explicaram que reduziram a propagação de opiniões políticas e declarações alvos de agências de inteligência dos EUA, e o fizeram em segredo porque temiam um clamor público.

Ao mesmo tempo, eles explicaram os meios técnicos pelos quais promoveram agências de notícias pró-governo, pró-guerra, como o New York Times e o Washington Post.

Mas o documento do Conselho do Atlântico apresenta a explicação mais clara, direta e não envernizada do regime de censura do Estado.

A luta contra a censura é a ponta de lança da defesa de todos os direitos democráticos.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: True Publica

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7cd

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA