Apagando a história, a diplomacia, a verdade e a vida na Terra.


Uma das razões pelas quais os países fracassam é que a memória coletiva é continuamente destruída à medida que as gerações mais velhas morrem e são substituídas por novas que estão desconectadas do que veio antes.

Inicialmente, a desconexão foi tratada pela história e pelas discussões em torno das tabelas de família. Por exemplo, quando eu era criança, ainda havia avós cujos pais haviam lutado pela Confederação. Eles não tinham escravos e não possuíam plantações. Eles lutaram porque a terra deles foi invadida pelos exércitos de Lincoln. Hoje, se as famílias do sul ainda conhecem os fatos, elas protegeriam seus filhos, não lhes dizendo nada. Você pode imaginar o que aconteceria com uma criança em uma escola pública que assumisse essa posição?

Frustrado com a incapacidade do Exército da União de derrotar o Exército da Virgínia do Norte, liderado por Robert E. Lee, graduado em West Point, Lincoln recorreu a criminosos de guerra. Os generais Sherman e Sherridan, operando sob o comando do General Grant bêbado, foram os primeiros criminosos de guerra modernos que conduziram guerra contra mulheres e crianças civis, suas casas e suprimentos de alimentos. Lincoln estava tão fora de sintonia com a moralidade comum que teve que prender e deter 300 editores de jornais do norte e exilar um congressista americano para conduzir sua Guerra pelo Império.

Hoje esta história é em grande parte apagada. Os historiadores da corte enterraram a verdade com a fábula de que Lincoln foi à guerra para libertar os escravos. Este absurdo ignorante é hoje a história oficial da “guerra civil”, que certamente não foi uma guerra civil.

Uma guerra civil é quando dois lados lutam pelo controle do governo. A Confederação era um novo país formado pelos estados que se separaram. Certamente, os soldados confederados não estavam mais lutando pelo controle do governo em Washington do que lutando para proteger o investimento dos proprietários de plantações.

A memória é perdida quando fatos históricos são lançados no buraco da memória

Então, o que isso tem a ver com a lição de hoje? Mais do que a história pode ser apagada pela passagem do tempo. A cultura pode ser apagada. A moralidade pode ser apagada. O senso comum pode desaparecer com a diplomacia que depende disso.

A geração mais jovem que sofre ameaças gritou ao redor dela em memoriais de guerra confederados e nomes de ruas – Atlanta acabou de impressionar a histórica Avenida Confederada e a substituiu pela United Avenue – em homens brancos que, se são heterossexuais, foram redefinidos pela Política de Identidade como estupradores, racistas e misóginos, em cientistas ilustres que afirmam, de fato, que existem diferenças inatas entre o homem e a mulher, e assim por diante, podem pensar que é natural que altos funcionários do governo dos EUA emitam um fluxo interminável de ameaças de guerra à Rússia, China, Irã e Venezuela.

Uma pessoa da minha geração sabe que tais ameaças são sem precedentes, não apenas para o governo dos EUA, mas também para a história mundial. A louca Embaixatriz da OTAN do presidente Trump, Kay Bailey Hutchison, ameaçou “tirar mísseis russos”. A enlouquecida embaixadora da ONU, Nikki Hailey, emite ameaças sem fim tão depressa quanto pode contra seus aliados e contra os poderosos países que ela designa como inimigos. John Bolten, conselheiro de segurança nacional e louco de Trump, rivaliza com a insana Hailey com suas amplas ameaças. O secretário de Estado de Trump, Pompeo, lança ameaças com os melhores. O mesmo acontece com o inédito New York Times e o Washington Post. Mesmo um humilde secretário do Interior assume a prerrogativa de dizer à Rússia que os EUA vão interditar navios da marinha russa.

O que você acha que seriam as conseqüências se os russos, os chineses e os iranianos levassem essas ameaças a sério? As guerras mundiais começaram em muito menos. No entanto, não há protestos contra esses funcionários desordenados do governo dos EUA que estão fazendo tudo o que está ao seu alcance para convencer a Rússia e a China de que eles são, sem dúvida alguma, os piores inimigos dos EUA. Se você fosse a Rússia ou a China, como você reagiria a isso?


Autor: Paul Craig Roberts

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7bt

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA