Surto: Um mundo ameaçado pela proliferação das armas químicas e biológicas.


No final do verão de 2018, um impasse não declarado entre os EUA e a Rússia começou com supostas instalações de produção de armas biológicas e químicas na Geórgia e em outras nações que fazem fronteira com a Rússia.

A chave para entender a questão é entender os mecanismos de aplicação, os mecanismos de relato, de prestação de contas e de punição criminal dos culpados e a total falta deles.

Veja se o mundo enlouqueceu, a proliferação de armas nucleares, biológicas e químicas, apenas pessoas de alto nível parecem estar cientes, com ocasionais “vazamentos” para a mídia, então nos deparamos com questões, com problemas, com ameaças, nenhuma das quais pode ser tratada com mecanismos existentes.

Hoje os governos pegos em transgressões simplesmente negam. Comprar políticos, manipular eleições nas chamadas democracias é simples. Controlar a imprensa corporativa corrupta do mundo é ainda mais fácil.

A morte de organizações como o UNHRC, a OPCW ou o ICC em Haia foi feita pelos EUA, atingida por reclamações, decretos e ameaças. O que restava para garantir o equilíbrio e a responsabilização desapareceu, assim como os tratados de mísseis dos anos 90, mortos pelas mãos de George W. Bush e Dick Cheney.

Por trás disso, ainda mais triste, está um mundo destituído não apenas daqueles capazes de dizer a verdade, mas a destruição bem estabelecida das instituições que poderiam ter produzido aqueles que poderiam analisar, poderia explicar e cuja voz poderia ter representado a força da civilização e da ordem contra as forças do caos.

Estamos, é claro, falando sobre universidades, grupos de reflexão e uma indústria secundária daqueles encarregados do engano e da promoção de narrativas falsas. Há muito se aceita que grande parte da história foi falsificada, a televisão a cabo deixou isso bem claro, com séries após séries expondo os enganos do passado.

O que se pode dizer é que não existe mais, nas grandes universidades do mundo, departamentos de história, direito internacional ou mesmo sociologia e antropologia que não foram desnudados de talento, sufocados, controlados e “mediocritizados”.

O pior dos piores, Harvard, Yale, Oxford e Cambridge, abrigos para que as mediocridades seletas sejam “estampadas” na ignorância e controlabilidade, canalizadas para os corredores do poder, sabendo pouco ou nada do mundo real, ensinadas em flâmulas e falsidades. .

Cada universidade foi colocada sob controle político e alimentou uma série de narrativas. Acadêmicos que se dedicam à pesquisa genuína o fazem sob o risco de suas carreiras, suas reputações e até mesmo suas vidas. Os eventos modernos, o terrorismo falso, a questão palestina, as poderosas sociedades secretas que orquestram eventos e a realidade da tirania invasora são tabus absolutos.

Educamos aqueles que servem em silêncio, às vezes em amargura, raiva e desesperança, construindo o que não é necessário, servindo os indignos, promovendo idéias sem mérito e vivendo para evitar as conseqüências de uma vida sem sentido.

Além disso, questões semelhantes se aplicam aos militares americanos. Servi no exército no Vietnã, servi em combate e, sim, dormi na lama, fiquei sem comida e água, como nos filmes. No entanto, quando cheguei no Vietnã, tive alguma educação. Eu sabia do sofrimento dos fuzileiros navais na Segunda Guerra Mundial, dos russos que lutavam contra a Alemanha, na verdade eu sabia de milhares de anos de guerra em que o que vivi não era, na verdade, absolutamente nada. Assim, se eu me chamasse de “herói”, poderia muito bem morrer de uma mistura de ironia e hipocrisia.

As coisas não são tanto assim hoje. O recém-indicado congressista Duncan Hunter, que serviu na “guerra ao terror” enquanto filho de um dos políticos mais poderosos da América, regularmente faz o jogo do herói. O mesmo acontece com Eric Prince, da Blackwater, que passou por treinamento e se demitiu, mas nunca serviu em nenhuma implantação. Ele também é um herói e, é claro, um bilionário com dinheiro ganho, mas principalmente dinheiro herdado.

Estamos nos afogando em “heróis” aqui, todos querendo um tapinha nas costas enquanto enchem seus bolsos.

O que nos falta é a “verdade”. Veja, você não pode mais ser um herói se não conseguir apoiar as intermináveis ​​guerras, as atrocidades, o assassinato em massa, as mentiras e o sofrimento humano. Dito isso, seguimos em frente.

As suposições, raramente divulgadas, são estas:

  • Ataques de guerra química, continuamente referidos pelos Estados Unidos como uma justificativa para justificar “ataques de conveniência”, são invariavelmente falsificados.
  • A prova é tão avassaladora e a falta de mecanismos para julgar esses “eventos” só pode levar o mundo à beira da insanidade.
  • A simples negação da fabricação de armas biológicas e, até agora, o teste de desdobramentos, diante de provas esmagadoras, documentos, testemunhas, ciência, só podem ser respondidas com força esmagadora diante de instituições fracassadas.

Da mesma forma, anos de uso encoberto de armas nucleares, supostamente em ataques no Iraque e no Afeganistão ou em atos de terrorismo como os que ocorreram no 11 de setembro ou em Bali, ataques alegados por inspetores da ONU, apenas ampliam a ameaça.

Por trás disso tudo está, de acordo com o Ministério da Defesa russo, a evidência de que os Estados Unidos estão coletando, através da Rússia e outras áreas do mundo, amostras de sangue para análise de DNA a serem usadas no desenvolvimento de armas biológicas e químicas geneticamente direcionadas.

Se for verdade, essas alegações, à luz da evidência da existência de instalações como o “Lugar Lab” em Tbilisi e inexplicáveis ​​surtos de gripe suína e outras doenças, muitas outras doenças cujos vetores não cumprem com os de patógenos naturais, trazem subir a especulações assustadoras.

Poder-se-ia perguntar, se tudo isso é verdade, armas nucleares encobertas, ataques de gás falsos, instalações secretas de guerra biológica, e tantas evidências existem apesar da proibição de reportagens na imprensa, qual é o propósito disso?

Os grupos étnicos específicos são alvo? Se a guerra agora está sendo travada com sanções e desinformação, a guerra pode ser travada através da destruição de colheitas ou do colapso das capacidades médicas de uma nação também? A doença pode ser usada para guerrear na economia de uma nação?

Durante a Guerra Fria, ambos os lados trabalharam em armas proibidas. Entre eles, as doenças das colheitas e as armas de todos os tipos, destinadas a sobrecarregar os recursos logísticos com doentes e feridos. Entre eles, armas biológicas e químicas, bombas de fragmentação, minas terrestres e, segundo fontes, armas de radiação, armas sônicas, dispositivos de microondas, coisas que estendem os limites da ciência.

Sempre foi sobre proliferação, desde que a pólvora foi trazida da China para a Europa. A medicina levou à guerra de germes. A química nos deu explosivos mais avançados, venenos complexos, gases e talvez até mesmo a modificação do clima. Isso também é uma ferramenta de guerra hoje em dia e todos que puderem pagar por isso, até mesmo à custa de civis famintos.

Este é o custo da proliferação.


Autor: Gordon Duff

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Veterans Today.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7bs

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA