Maduro na mira: O que não está sendo dito a você sobre a crise na Venezuela.


“Quando eu estava lá, até mesmo os manifestantes com quem conversamos no local… eles só querem ser filmados pela imprensa internacional para que eles possam mostrar à mídia internacional para criar um escândalo internacional. Então eles estão bem conscientes do que a estratégia é e eles já estão nisso há algum tempo. ”- Mike Prysner, da entrevista desta semana.

Enquanto a administração Trump está mobilizando as tropas dos EUA para saudar a chegada à fronteira dos EUA com 7 mil migrantes centro-americanos, a Colômbia recebe diariamente mais de 4 mil imigrantes venezuelanos como resultado da crise econômica que assola o país.

O nó econômico está se estreitando em torno da população da República Bolivariana da Venezuela no último ano. As sanções econômicas dirigidas ao governo de Maduro contribuíram para o sofrimento dos venezuelanos comuns.

Essas sanções foram acionadas em setembro de 2017, após um apelo da Associação formada entre o Canadá e os Estados Unidos para “tomar medidas econômicas contra a Venezuela e pessoas responsáveis ​​pela atual situação na Venezuela”.

Os governos canadense e americano citam o que consideraram ser um comportamento antidemocrático, incluindo o uso de uma Assembléia Nacional Constituinte (NCA) para subverter a vontade da Assembléia Nacional democraticamente eleita. Esses e outros países ao redor do mundo rejeitaram um processo eleitoral da NCA que foi boicotado pela oposição (anti-Maduro), e que eles determinaram estar “cheios de manipulação eleitoral e alegações de fraude na votação”.

Esforços para desafiar essas narrativas governamentais foram frustrados. As transmissões nacionais no Canadá e nos EUA aumentaram a percepção do presidente Maduro e de suas maneiras “ditatoriais” como contribuintes para a situação dos direitos humanos que agora afeta os cidadãos venezuelanos. Mais recentemente, ativistas da solidariedade no Canadá têm lamentado seu fracasso, a partir desta data, em trazer o Canadá, o vice-ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Carlos Ron Martinez. A alegação foi feita, embora ainda não verificada, de que Ottawa está deliberadamente bloqueando a passagem do ministro para o Canadá.

No programa de rádio Global News Hour desta semana, nós nos esforçamos para combater os pontos de discussão convencionais sobre a Venezuela e obter mais detalhes sobre alguns dos esforços para mudar a postura do governo canadense.

O jornalista Mike Prysner, da Telesur, com sede nos Estados Unidos, fez relatórios exaustivos da Venezuela durante todo o processo eleitoral do National Constituency e testemunhou muitos dos protestos da oposição contra Maduro no ano passado. Ele nos traz sua perspectiva em nossa primeira meia hora.

Na segunda meia hora, o organizador Barry Weisleder, de Toronto, se une a nós para compartilhar suas opiniões sobre a hostilidade do governo Trudeau em relação à República Bolivariana e alguns dos desafios, incluindo o revés mencionado acima, enfrentado por ativistas de solidariedade canadenses.

Finalmente, ouvimos parte de um discurso dado a um público de Winnipeg (via skype) pelo vice-ministro venezuelano Carlos Ron Martinez sobre a situação na Venezuela e como eles estão lidando.¹

As ações contra o governo venezuelano são realmente sobre petróleo?

Na semana passada, no dia 26 de setembro, o Canadá e cinco países latino-americanos encaminharam a Venezuela ao Tribunal Penal Internacional, citando “numerosos relatórios confiáveis ​​alegando a prática de graves crimes internacionais”.

O anúncio vem depois de vários anos de forte crítica dos EUA ao governo de Maduro. As sanções impostas pelo Canadá, Estados Unidos e União Europeia em 2017 e 2018 representam um novo nível de pressão. Entre muitas palavras duras para o governo venezuelano, a ministra do Exterior do Canadá, Chrystia Freeland, rotulou seu comportamento como “antidemocrático”.

Enquanto muita atenção está sendo dada às questões sobre democracia e direitos humanos, o fator petróleo está sendo deixado de fora da discussão. A Venezuela tem seu petróleo sob controle estatal (não privado), uma fonte de animosidade em Washington. A Venezuela usou sua riqueza em petróleo para aliviar a pobreza e melhorar a saúde e a educação de seus cidadãos – políticas classificadas como socialistas nos Estados Unidos. A queda de 2014 dos preços do petróleo causou estragos no orçamento venezuelano. (Fez o mesmo em Alberta.)

A Venezuela é um estado petro. Tem as maiores reservas de petróleo do mundo. Outras nações produtoras de petróleo – Iraque, Líbia e Irã – entraram nas linhas ocidentais em décadas recentes, com consequências drásticas. Em cada instância, os governos ocidentais identificaram a democracia e os direitos humanos como uma razão para a intervenção sem mencionar o petróleo. A Venezuela faz parte de um quadro maior – a rivalidade pelo controle do petróleo e do gás natural no mundo.

Eu descrevo este jogo de petróleo em meu novo livro, Oil and World Politics, e mostro como ele é jogado por países globais e regionais, cada um usando quaisquer ferramentas, aliados e organizações que ofereçam vantagem. O objetivo é obter ganhos de poder, riqueza ou política. A realidade é: petróleo e geopolítica são inseparáveis.

A Venezuela é um exemplo disso. Para resolver dois anos de paralisia governamental, o Presidente Nicolas Maduro estabeleceu uma Assembleia Nacional Constituinte em 2017, que convocou uma eleição para selecionar novos representantes. A classe trabalhadora e os pobres votaram em grande número. A oposição – representando a elite empresarial, bem-fazer e proprietários de mídia – boicotou a eleição, realizou manifestações violentas e pediu greves.

Washington ficou do lado da oposição ao impor sanções a autoridades, incluindo o próprio Maduro. Também impôs sanções financeiras aos setores bancário e petrolífero da Venezuela. Os Estados Unidos alegaram que as medidas foram planejadas para “negar à ditadura de Maduro uma fonte crítica de financiamento para manter seu governo ilegítimo”. Quando Maduro venceu a eleição venezuelana de 2018 em maio, os países ocidentais aumentaram as sanções.

Historicamente, a Venezuela tem sido uma importante fonte de importações de petróleo dos EUA, mas as sanções afetam a capacidade da Venezuela de produzir e exportar petróleo. As últimas sanções dos EUA proíbem as instituições norte-americanas de negociar novas dívidas ou ações emitidas pela Venezuela ou pela petrolífera nacional PDVSA, e de pagar dividendos ao governo venezuelano. Essas medidas impactam a subsidiária americana de refino e marketing da PDVSA, CITGO, evitando que ela remeta bilhões de dólares por ano. A falta de divisas impediu a PDVSA de importar peças de reposição para manutenção. Além disso, as sanções dificultam o financiamento das exportações de petróleo.

A economia venezuelana aparece em queda livre. Maduro culpa “políticas supremacistas” dos Estados Unidos e “guerra econômica” pela oposição do país. Ele introduziu uma reforma monetária para evitar o dólar americano nas transações com petróleo. China e Rússia fizeram amizade com a Venezuela, estendendo empréstimos em troca de petróleo.

Altos funcionários dos EUA defendem a mudança de regime. O presidente dos EUA, Donald Trump, ameaçou a intervenção militar. Desde os dias do presidente Hugo Chávez, os Estados Unidos não gostaram da preferência da Venezuela por sua companhia nacional de petróleo. Ela favorece a privatização em todo o mundo. Embora a Venezuela permita que companhias petrolíferas estrangeiras operem sob acordos contratuais, a propriedade dos recursos permanece com a Venezuela.

Washington facilitou um golpe fracassado para derrubar Chávez em 2002. Ele nega participação em um ataque fracassado de drones contra Maduro em 2018, embora tenha trabalhado em estreita colaboração com líderes da oposição antes e depois e os apoiado financeiramente através de seu Fundo Nacional para a Democracia. As ameaças e sanções são apenas sobre a governança da Venezuela? Outros países com déficits democráticos são ignorados.

A soberania venezuelana está em jogo, a concorrência canadense acirra a disputa no mercado de óleo

Venezuela e Canadá têm diferenças e semelhanças. A Venezuela considera o petróleo seu patrimônio nacional. O Canadá segue as abordagens dos EUA para a política de petróleo, tendo abandonado seu Programa Nacional de Energia. Grande parte da produção de petróleo da Venezuela compreende petróleo pesado e betume da bacia do rio Orinoco. Dois terços da produção de petróleo do Canadá vêm das areias betuminosas de Alberta, principalmente de betume. Ambos os países devem enviar esse óleo para refinarias especializadas para atualização antes de ser refinado em produtos úteis. Como as refinarias com esse equipamento multibilionário existem principalmente nos Estados Unidos, o Canadá e a Venezuela estão competindo pelas refinarias dos EUA.

O betume é viscoso como o melaço e deve ser diluído com óleo leve de alta qualidade para permitir o embarque por mar ou oleoduto. O betume também é rico em enxofre e contaminantes. Tanto a natureza do betume quanto a necessidade de atualização diminuem seu valor. Quando os preços mundiais do petróleo ultrapassaram US$ 100 por barril há uma década, as empresas se aglomeraram nas areias petrolíferas de Alberta com forte apoio do governo canadense.

Recentemente, empresas internacionais têm se desinvestido das areias petrolíferas e investido em recursos de baixo custo em outros lugares. O mundo está inundado de petróleo bruto e os preços mundiais são muito menores. Os preços são ainda mais baixos para o betume, dada a sua qualidade. Empresas sediadas no Canadá continuam entrincheiradas, mas as operações de areias petrolíferas não conseguiram gerar lucros esperados.

Em 2018, as exportações canadenses para as refinarias dos EUA superaram as da Venezuela pela primeira vez. Com mais expansão das areias petrolíferas planejadas, ações para limitar as exportações venezuelanas beneficiam o Canadá. As sanções contra a Venezuela (o Irã também) ajudaram a fortalecer o mercado global de petróleo e a impulsionar os preços, para benefício do Canadá e de Alberta.

Para onde vai o petróleo da Venezuela. Exportações de petróleo bruto e importações de produtos petrolíferos.


Guerras por recursos são ilegais sob a carta da ONU. No entanto, desde o 11 de setembro, numerosos países com conexão petrolífera experimentaram conflitos. Alguns – como Iraque, Líbia, Irã e Venezuela – possuem recursos petrolíferos. Outros – como o Afeganistão, a Síria e a Ucrânia – têm uma localização estratégica para oleodutos. Alguns países – como a Somália e o Iêmen – fazem fronteira com rotas marítimas estratégicas. Todos esses países estão envolvidos em rivalidades entre os Estados Unidos, a Rússia e a China.

O que está acontecendo internacionalmente permanece em grande parte oculto devido à sua complexidade e à gestão da percepção pública. As sanções contra a Venezuela fazem parte de um esforço global dos EUA para o domínio da energia. Atrai outros países através de organizações como a OTAN, o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial. Seus planos são impedir a Rússia, um dos principais países produtores de petróleo e gás, e conter a China, que obtém a maior parte de seu petróleo do Oriente Médio.

A Rússia e a China uniram-se estrategicamente para promover novas organizações financeiras como alternativas ao FMI e ao Banco Mundial, desafiando o domínio dos EUA. Seu comércio mútuo se expandiu e eles estão cooperando diplomaticamente, economicamente e militarmente. Os dois países estão negociando em rublos e yuan, evitando o uso do dólar americano.

As motivações são frequentemente complexas e difíceis de decifrar. No entanto, o Canadá está colaborando com os EUA em sanções à Venezuela, Irã e Rússia, todos os países produtores de petróleo. O Canadá também está ativo no Grupo Lima, os 14 membros da OEA que exploram uma solução na Venezuela. A oposição venezuelana apóia o grupo.

O foco do Canadá nos assuntos internos da Venezuela segue o padrão dos argumentos ocidentais usados ​​contra outros países produtores de petróleo. A Carta da OEA estipula que “nenhum estado ou grupo de estados tem o direito de intervir … nos assuntos internos ou externos de qualquer outro estado”. As sanções são uma forma de intervenção, reduzindo a capacidade da Venezuela de produzir e exportar petróleo. O Canadá está jogando o jogo do petróleo também? Como as sanções afetarão a democracia é incerto, mas elas já estão beneficiando o petróleo canadense.²


Autor: ¹ Michael Welch e Mike Prysner | ² John Foster

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ¹ Global Research, 11/11/2018 | ² Global Research, 14/11/2018

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7qw

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA