O ressurgimento das relações com a Rússia forçou a Turquia a reduzir o apoio à Ucrânia.


A Turquia poderia adicionar combustível ao fogo na Crimeia e no Donbass e essa é a última coisa que a Rússia precisa.

Os esforços do presidente Recep Tayyip Erdogan para convencer a Rússia e a Ucrânia a resolver suas divergências diplomaticamente – após o recente conflito naval no Estreito de Kerch – deram aos círculos pró-governo na Turquia a impressão de que Ancara está pronta para desempenhar um papel de mediação nessa crise.

Erdogan também encorajou essa impressão antes de partir para a cúpula do G-20 na Argentina em 29 de novembro. Ele disse a repórteres que discutiu o assunto com o presidente russo Vladimir Putin e o presidente ucraniano Petro Poroshenko, e acrescentou que eles explorariam essa possibilidade ainda mais. com Putin durante a cúpula do G-20.

Se esta mediação vier a acontecer, isso realçaria a imagem de Erdogan no momento em que a corrida por eleições locais cruciais em março está esquentando. Nada contribuiria para a sua imagem mais do que um grande sucesso internacional em trazer a Rússia e a Ucrânia juntas.

A imagem internacional geralmente negativa de Erdogan melhorou relativamente em setembro depois que ele mediou um acordo de cessar-fogo para a província síria de Idlib, e impediu um ataque à região por forças russas e sírias. Autoridades da ONU elogiaram Erdogan por impedir um banho de sangue.

Qualquer possibilidade de que Ankara pudesse desempenhar um papel mediador entre Moscow e Kiev foi, no entanto, morta por causa de uma combinação de fatores.

Embora não pareça à primeira vista, a Turquia já tomou partido na disputa entre seus dois vizinhos do Mar Negro. Ancara é oficialmente contra a “anexação ilegal” de Moscow da Crimeia em 2014, que continua a se recusar a aceitar.

Ancara também apóia os tártaros da Criméia, com quem compartilha laços de parentesco e religião, e se manifestou contra os esforços de Moscow para criminalizar líderes tártaros que também se opõem à anexação russa da península.

Ancara também apoiou oficialmente a integridade territorial da Ucrânia, que neste caso significa oposição ao separatismo étnico russo na região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Durante uma visita oficial à capital ucraniana de Kiev em outubro de 2017, Erdogan foi enfático ao afirmar que a Turquia continuaria comprometida em apoiar a soberania da Ucrânia e sua integridade territorial.

“Não reconhecemos a anexação ilegal da Crimeia e não o faremos”, disse Erdogan em coletiva de imprensa em Kiev.

“Vamos manter este tópico vivo na agenda internacional. Acreditamos na importância dos passos diplomáticos e legais para superar a situação ilegal na Crimeia e trabalharemos em coordenação com a Ucrânia sobre este assunto ”, acrescentou.

Ele também se referiu à situação na região de Donbass. “Acreditamos que este problema só pode ser resolvido dentro do direito internacional e com base na integridade territorial da Ucrânia”, disse Erdogan.

Estas continuam a ser posições oficiais da Turquia hoje, que o lado ucraniano também gosta de enfatizar, a fim de reforçar a sua mão contra a Rússia.

Durante sua visita à Turquia no início de novembro, Poroshenko disse que os ucranianos sentiram “a presença confiável de nossos parceiros turcos durante os momentos mais difíceis da Ucrânia, durante os ataques da Rússia”.

Tais declarações, sem dúvida, levantam as sobrancelhas no lado russo, onde os sentimentos nacionalistas são altos quando se trata das questões do leste da Ucrânia e da Criméia. Estas questões permanecem não negociáveis ​​para a Rússia.

Ancara, no entanto, preferiu permanecer discreta na disputa russo-ucraniana, mencionando apenas sua posição oficial em ocasiões em que o assunto não pode ser evitado, e assegurando, em tais ocasiões, que aquilo que diz não antagoniza Moscow maneira que minaria os laços turco-russos.

A Turquia está cada vez mais dependente da Rússia por uma série de razões, começando com seu desejo de contrabalançar seus laços deteriorados com o Ocidente, e a situação na Síria, para não mencionar a crescente cooperação entre os dois países nos campos energético e militar.

A postura cautelosa de Ankara foi revelada novamente durante o recente confronto na boca do Mar de Azov. Em uma declaração relativamente inócua, o Ministério das Relações Exteriores da Turquia parecia estar criticando a Rússia pedindo que “a passagem livre para o Mar de Azov” fosse mantida.

No entanto, passou a pedir a ambas as partes que se abstivessem de pôr em perigo a paz e a estabilidade na região, a respeitar o direito internacional e a agir com bom senso e moderação para evitar o aumento das tensões.

Um dia depois dessa declaração, Erdogan disse a seu grupo parlamentar em Ancara, em 27 de novembro, que a Turquia queria ver essa disputa resolvida por meios pacíficos, e o Mar Negro se transformou em “um mar de paz”.

“No momento em que o mundo está enfrentando sérias ameaças políticas, econômicas e militares, ficaríamos felizes em ver a Rússia e a Ucrânia lado a lado, em vez de encararmos um ao outro”, disse Erdogan.

Erdogan conversou por telefone com Poroshenko e Putin no mesmo dia, conclamando os dois países a superarem suas diferenças por meios diplomáticos.

As notícias dessas conversas foram recebidas entusiasticamente pelos círculos pró-governo na Turquia como um sinal de que Ancara estaria mediando entre Moscow e Kiev. Naquela época, porém, Moscow já havia amortecido essa expectativa.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse a repórteres em Paris – assim como Erdogan estava falando ao seu grupo parlamentar – que Moscow não precisa de mediação nesta crise, e se referiu à situação no Estreito de Kerch como “questão prática”.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, repetiu essa posição um dia depois das conversas telefônicas de Erdogan com Putin e Poroshenko.

“Estamos agradecidos a todos que estão dispostos a ajudar a neutralizar a situação provocada pela Ucrânia, mas não acreditamos que haja necessidade de qualquer mediação”, disse Peskov a repórteres turcos em Moscow.

O que compara a difícil posição de Ancara na disputa russo-ucraniana é o fato de que o relacionamento turco-russo está cada vez mais assumindo uma aparência estratégica. Isso foi destacado mais uma vez durante a recente cerimônia de lançamento do projeto TurkStream, que levará o gás natural russo para a Europa através da Turquia.

Isso também forneceu um exemplo de como Ancara tem que se engajar em contorções diplomáticas para manter bons laços com Moscow e Kiev.

O lado russo pode estar insatisfeito com a posição de Ancara sobre a Crimeia e o Donbass. O lado ucraniano, no entanto, é talvez mais infeliz por causa de projetos como o TurkStream, que são projetados para contornar a Ucrânia.

A Turquia pode elogiar os “laços estratégicos” que está desenvolvendo com a Ucrânia em áreas-chave como a indústria militar, a construção e o turismo. Mas não impediu a entrada de projetos com a Rússia, que enfraquecerá a mão da Ucrânia contra Moscow.

“O coração da Turquia pode estar na Ucrânia, mas sua cabeça está na Rússia”, segundo um diplomata ocidental baseado em Ancara.

“Moscow parece preparada para deixar as declarações de Ankara favorecerem a Ucrânia, porque está mais preocupado com as ações da Turquia do que com a palavra. As ações da Turquia indicam que seus interesses com a Rússia superarão seus interesses na Ucrânia se as coisas chegarem ao fim”, disse o diplomata ao Al-Monitor em segundo plano por causa de sua posição sensível.

O embaixador aposentado Selim Kuneralp está entre os que dizem que a última crise na disputa entre a Ucrânia e a Rússia revelou novamente a crescente dependência de Moscow de Ancara.

“A Turquia se rendeu efetivamente à Rússia por causa de sua disputa com o Ocidente”, disse Kuneralp ao Al-Monitor. “É incapaz de levantar muito a voz contra a Rússia por causa disso, e só emite declarações que Moscow não leva a sério”, acrescentou.

Kuneralp indicou que o projeto TurkStream, que é contrário aos interesses da Ucrânia, mostra o grau em que Ancara está preparada para aceitar as políticas da Rússia, apesar do fato de que Moscow raramente apóia questões sobre as quais a Turquia é sensível.

Kuneralp apontou para os entusiasmados “cinco altos” que Putin deu ao príncipe da Arábia Saudita Mohammed bin Salman na cúpula do G-20 na Argentina, quando líderes ocidentais estavam alinhados com a Turquia sobre a necessidade de aumentar a pressão sobre a Arábia Saudita pelo assassinato de Khashoggi.

O apoio de Moscow na Líbia para a facção oposta a Ancara, sua tradicional posição de favorecer os cipriotas gregos e até mesmo seu apoio ao regime de Assad na Síria são exemplos da falta de apoio russo em assuntos de interesse próximo à Turquia, segundo Kuneralp.

“Nós nos rendemos à Rússia, mas estamos ganhando pouco em troca”, disse Kuneralp, indicando que a única maneira de sair desse atropelamento, no final das contas, é que Ancara deve retornar à orientação ocidental tradicional e aos valores que isso acarreta.


Autor: Semih Idiz

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Al-Monitor

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7o4

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA