Agressão da OTAN chega às águas russas. Confrontação leste-oeste no entorno do Estreito de Kerch.


O recente incidente do Estreito de Kerch marca uma nova baixa em meio à expansão liderada pelos EUA da OTAN para o leste.

A provocação intencional executada por Kiev viu três navios da marinha ucraniana confiscados pela Rússia. Os navios violavam intencionalmente o protocolo de passagem pelo Estreito – previamente acordado por Kiev e previamente observado pelos navios da marinha ucraniana.

O grau em que a Ucrânia estava ciente desses protocolos e do acordo de 2003 que os colocou em prática inclui eventos inteiros organizados na Ucrânia por “think tanks” patrocinados pela OTAN discutindo a necessidade de “destruí-los” e tentar assegurar maior controle sobre a atual utilização conjunta do Mar de Azov.

Na sequência deste incidente – estão a ser feitas chamadas previsíveis para usá-lo como pretexto para expandir a OTAN ainda mais a leste, com o antigo membro do Conselho de Política Externa Americana e antigo professor do Instituto de Guerra do Exército dos EUA, Stephen Blank, declarando a necessidade de os EUA “alugarem” os portos ucranianos no Mar de Azov, patrulharem o mar com navios de guerra dos EUA, enquanto se comprometem com o armamento “completo” das forças ucranianas.

O comentário de Blank – publicado no The Hill em um artigo intitulado “O ataque da Rússia à Ucrânia é um ato de guerra”, prediz uma narrativa anti-russa e a expansão da OTAN para a Ucrânia em várias falsidades flagrantes.

Ele menciona a “tomada” russa da Criméia, sua “reivindicação de que a Crimeia, o Mar de Azov e o Estreito de Kerch são exclusivamente águas russas”, e a construção da Ponte da Criméia, que Blank afirma estar impedindo o comércio ucraniano no Mar de Azov – tudo como provocações russas.

No entanto, Blank omite convenientemente o golpe de Estado apoiado pelos EUA e pela OTAN que tomou o poder na Ucrânia em 2013 – desencadeando as tensões russo-ucranianas em primeiro lugar. Em nenhum comentário de Blank menciona o papel proeminente que as organizações neonazistas paramilitares desempenharam tanto na derrubada do governo eleito em 2013 quanto na militância contra empresas russas, instituições russas e até ucranianos de ascendência russa – particularmente em Donbass, no leste da Ucrânia.

Blank ainda fingiria ignorância sobre os motivos do presidente russo Vladimir Putin em repatriar a Criméia e tomar medidas contra uma Ucrânia agora totalmente hostil nas fronteiras da Rússia.

Também convenientemente omitido do comentário de Blank foi qualquer menção a décadas da expansão da OTAN para o leste, juntamente com vários episódios da história da OTAN, onde travava guerras muito além de sua jurisdição e mandato, inclusive na Líbia e no Afeganistão.

Juntamente com a prescrição de Blank para uma “resposta” – é muito claro quem mais se beneficiou do incidente do Estreito de Kerch – especialmente considerando a expansão sistemática da OTAN que tem ocorrido muito antes de o presidente Putin chegar ao poder.

Blank sugere:

    Além de impor mais sanções, travar uma campanha informativa robusta e transferir mais armas para a Ucrânia, podemos e devemos fazer algo mais inovador e decisivo. Nós temos os meios e precedentes para fazê-lo.

Ele então sugere (ênfase adicionada):

    A Ucrânia poderia alugar portos no Mar Negro e até mesmo no Mar de Azov para os EUA, enquanto nós emprestamos a eles equipamentos militares que eles precisam para guerra aérea, naval e terrestre. As embarcações navais dos EUA ou da OTAN poderiam então permanecer naqueles portos pelo tempo que for necessário sem trazer a Ucrânia formalmente para a OTAN. Diminuiria muito a chance de ataque russo se essas forças patrulhassem o Mar Negro e o Mar de Azov.

Blank conclui afirmando:

    Essas forças não só detêm futuros ataques russos que mostram a todos, e não menos a Moscow, que o aventureirismo imprudente de Putin simplesmente levou a OTAN à Ucrânia para ficar, exatamente o oposto de seus objetivos.

No entanto, alegar que as ações da Rússia levaram a entrada da OTAN na Ucrânia é um absurdo – especialmente considerando a expansão da OTAN, que dura décadas e é inexorável para o leste. O golpe de Estado apoiado pelos EUA e pela OTAN em 2013 teve como objetivo colocar um governo de procuração (proxy) no poder que iria arrancar toda a influência e interesses russos na Ucrânia, acelerar a entrada da Ucrânia na União Europeia e na OTAN e juntar-se à linha de frente da expansão da OTAN – literalmente à direita nas fronteiras da Rússia.

A expansão da OTAN foi o objetivo muito antes do “aventureirismo imprudente de Putin”

Apesar das garantias de altos representantes dos EUA para a União Soviética no final da Guerra Fria de que a OTAN não seria expandida “uma polegada para o leste”, ela foi expandida diretamente para as fronteiras da Rússia.

Os membros da OTAN que fazem fronteira com a Rússia agora incluem Estônia, Letônia e Noruega – com a Geórgia e a Ucrânia, ambos fazendo fronteira com a Rússia e sendo considerados países “aspirantes”.

A Noruega foi anfitriã de um dos maiores exercícios da OTAN em décadas – Trident Juncture. Outros exercícios são realizados regularmente nos estados bálticos que fazem fronteira com a Rússia. E as tropas americanas realizaram treinamento, forneceram armas e garantiram que regimes complacentes permaneçam no poder na Ucrânia e na Geórgia.

Em seguida, o secretário de Estado dos EUA, James Baker – como revelado nos documentos agora desclassificados mantidos em arquivos pela Universidade George Washington – fez garantias pessoais e repetidas ao líder russo Mikhail Gorbachev de que a OTAN não seria expandida para as fronteiras russas.

Em um documento intitulado “Memorando de conversa entre Mikhail Gorbachev e James Baker em Moscow”, Baker declararia em relação à reunificação da Alemanha (grifo nosso):

    Nós lutamos uma guerra [Guerra Mundial 2] juntos para trazer a paz para a Europa. Nós não fizemos tão bem em lidar com a paz na Guerra Fria. E agora estamos diante de mudanças rápidas e fundamentais. E estamos em melhor posição para cooperar na preservação da paz. Eu quero que você saiba uma coisa com certeza. O Presidente e eu deixamos claro que não buscamos nenhuma vantagem unilateral nesse processo.

Expansão da OTAN para o leste até as fronteiras com a Rússia.

Em outras palavras – os EUA reconheceram o papel da União Soviética em derrotar a Alemanha nazista e admitiram que ambas as nações não conseguiram intermediar a paz no pós-guerra. Os EUA também afirmaram que buscaram cooperar com a Rússia em relação à reunificação da Alemanha e à ordem política pós-Guerra Fria na Europa Oriental. Seria lógico que, em troca de qualquer tipo de cooperação de Moscow, certas garantias teriam de ser feitas de que a OTAN não seria expandida para o leste.

Baker continuaria, alegando (grifo nosso):

    Todos os nossos aliados e europeus no leste com quem falamos nos disseram que querem que mantenhamos uma presença na Europa. Não tenho certeza se você é a favor ou não. Mas deixe-me dizer que, se nossos aliados quiserem que a gente vá, iremos embora em um minuto. De fato, se eles quiserem que a gente vá embora, nós iremos e eu posso garantir que o sentimento do povo americano é tal que eles vão querer que nós partamos imediatamente. O mecanismo pelo qual temos uma presença militar dos EUA na Europa é a OTAN. Se você abolir a OTAN, não haverá mais presença dos EUA.

É claro que, se o sentimento do povo americano foi e é para os EUA retirarem sua presença militar da Europa – como um defensor da democracia global – os EUA se vêem tomando uma decisão muito antidemocrática mantendo suas forças armadas na Europa indiferentemente.

Baker afirma então (ênfase adicionada):

    Entendemos a necessidade de garantias para os países do leste. Se mantivermos uma presença numa Alemanha que faz parte da OTAN, não haveria extensão da jurisdição da OTAN para forças da OTAN a uma polegada a leste.

Baker reiteraria esse ponto perguntando a Gorbachev a questão:

    Preferiria uma Alemanha unida, fora da OTAN, independente e sem forças dos EUA ou preferiria uma Alemanha unida com ligações à OTAN e garantias de que não haveria extensão da atual jurisdição da OTAN para leste?

Obviamente então, assim como agora, a Rússia não tinha nada a ganhar ao permitir que a OTAN continuasse expandindo para o leste. Um encontro entre o então chanceler alemão Helmut Kohl e Gorbachev, após a reunião de Baker-Gorbachev, voltaria a reiterar os compromissos de não expandir a OTAN ainda mais para o leste.

Os EUA afirmaram – em retrospecto e para surpresa de ninguém – que as reuniões, linguagem utilizada e acordos não eram vinculativos, eram mal interpretados e, em última instância, não equivaliam a nenhum tipo de restrição à expansão da OTAN, incluindo as fronteiras da Rússia.

Alguns afirmaram que as garantias só se aplicavam à presença da OTAN na Alemanha – mas claramente as garantias de Baker de não expandir a jurisdição da OTAN para o leste dentro da Alemanha era um reconhecimento de que a OTAN se movia para o leste – em qualquer lugar – era vista como uma ameaça e provocação por Moscow.

Se os EUA entendessem que a expansão para o leste da jurisdição da OTAN dentro da Alemanha seria vista como uma ameaça e provocação, por que não seria igualmente entendido que a expansão para o leste fora da Alemanha e até as fronteiras da Rússia seria vista como uma ameaça ainda maior e provocação? Os EUA também não veriam uma expansão semelhante da Rússia para o oeste como uma ameaça e uma provocação?

Colocando o sapato no outro pé – Como Washington reagiria à “expansão russa?”

Entender como a expansão da OTAN realmente parece fora da bolha do excepcionalismo americano e com que tipo de situação Moscow se depara – considere qual seria a reação de Washington a um golpe apoiado pela Rússia no Canadá, no México ou em ambos.

Considere a possibilidade de que ambas nacões recebam tropas russas e recebam armas russas com políticos russos de alto nivel que prometem derrotar a ordem política dos Estados Unidos em seguida.

Considerando que a Rússia fez isso, também impôs sanções aos Estados Unidos – enfraquecendo sua economia – então culpou a “incompetência” de Washington em vez das sanções da própria Rússia para a previsível crise econômica. Considere se a Rússia também impôs sanções secundárias aos aliados americanos, impedindo-os de negociar com os EUA, tentando assim impor um bloqueio moderno aos próprios Estados Unidos.

É preciso pouca imaginação para concluir que Washington não toleraria tal atividade – e considerando o que os EUA já fizeram em reação a alegações infundadas de “intromissão russa” nas eleições americanas, tais interferências extremas, sanções e cerco militar e econômico realizados ao longo dsa fronteiras dos Estados Unidos cairiam dentro do reino como “atos de guerra”.

Washington tem mentido ao povo americano sobre as guerras em série no exterior, destruindo regiões inteiras do planeta e matando milhões de pessoas. Só podemos imaginar o que Washington faria se realmente se confrontasse com genuínos atos de guerra realizados diretamente em suas fronteiras.

E, no entanto, a reação da Rússia exatamente a esse tipo de provocação muito real, levada a cabo pelos EUA e pela OTAN ao longo de suas fronteiras e contra seus aliados, foi medida, paciente – e para alguns – considerada até mesmo lamentavelmente inadequada.

Apesar disso, os formuladores de políticas dos EUA e a mídia ocidental ainda conseguem distorcer a narrativa em 180 graus e retratar a Rússia – uma nação com orçamento militar e PIB com uma fração dos Estados Unidos – como o “agressor”.

A OTAN não se deterá

É claro que a expansão da OTAN está voltada para a própria Moscow. A OTAN continuará até que seja forçada a parar. Isso significa que ou a Rússia afasta a expansão da OTAN até a OTAN entrar em colapso sob seu próprio peso insustentável, ou a Rússia supera a OTAN na periferia da extensão do Ocidente nas áreas em que Moscow claramente detém a vantagem militar, sociopolítica e econômica.

O incidente do Estreito de Kerch e tentativas de aproveitá-lo como pretexto para colocar navios de guerra da OTAN no Mar de Azov é uma provocação perigosa – o Mar de Azov não é “águas internacionais” e é considerado pela Ucrânia e pela Rússia como um mar interior e sobre ele compartilham o controle.

Se pessoas como Stephen Blank seguirem seu caminho e navios de guerra entrarem no Mar de Azov – a OTAN estará um passo além de muitas das guerras por procuração que o Ocidente já está combatendo a Rússia – e um passo mais perto de combater diretamente as forças russas.

Blank alegando que a OTAN deve agir para enfrentar as “provocações” russas é um exemplo da realidade inversa. Neste caso – a OTAN está cercando a Rússia, violentamente retirando-a de estados intermediadores onde o Ocidente e o Oriente têm e poderiam continuar a compartilhar influência para evitar conflitos e, ao invés disso, estão se transformando em fortalezas de fronteira em preparação para o que é claramente uma preparação e mais diretamente um conflito planejado com a Rússia no futuro.

Uma nação que lidera uma aliança que deve atravessar o Oceano Atlântico e vários mares para estacionar seus navios em águas russas não está reagindo a provocações – é o provocador.


Autor: Tony Cartalucci

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7bl

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA