Fazendo o globalismo grande outra vez – Trump curvou-se ao estado profundo?



Talvez Donald Trump não seja tão estúpido quanto eu pensava. Eu odiaria ter que admitir isso publicamente, mas parece que ele colocou uma sobre a mídia corporativa liberal dessa vez. Analisando as recentes notícias relacionadas a Trump, eu não pude deixar de notar um declínio significativo no número de referências a Weimar, Alemanha, Adolf Hitler e “a beira do fascismo” que a América supostamente está oscilando desde que Hillary Clinton perdeu a eleição. Eu pesquisei muito bem no Google, eu acho, mas não consegui encontrar um único aviso editorial de que Trump está prestes a cancelar a Constituição dos EUA, dissolver o Congresso e se autoproclamar Führer. Também não vi nenhuma menção a Auschwitz, ou a qualquer outra coisa nazista … o que é estranho, considerando que a histeria de Hitler tem sido uma característica padrão da narrativa oficial pela qual fomos submetidos nos últimos dois anos.

Então, como Trump finalmente conseguiu que a mídia corporativa liberal parasse de chamá-lo de fascista? Ele fez isso agindo como um fascista (isto é, como um presidente “normal”). O que quer dizer que ele fez a vontade dos capangas do Estado e dos mandarins corporativos que administram o império capitalista global … a versão sorridente, feliz, disseminadora da democracia, na versão pós-fascista do fascismo em que vivemos.

Estou me referindo, é claro, à Venezuela, que é um dos poucos países não cooperativos que não estão jogando bola com o capitalismo global e que ainda não foram “modificados pelo regime”. Trump acendeu a tentativa de golpe supostamente encenada pela “oposição” venezuelana, mas que é obviamente uma operação dos EUA, ou melhor, uma operação capitalista global. Assim que o fez, os meios de comunicação corporativos imediatamente suspenderam chamando-o de fascista e comparando-o a Adolf Hitler, e assim por diante, e começaram a espalhar propaganda descarada apoiando seu esforço para derrubar o governo eleito de um país soberano.

Leia também: Soberania ameaçada: Do que um país precisa para ser atacado por uma superpotência global ou uma coalizão.

Derrubar os governos dos países soberanos, destruir suas economias, roubar seu ouro e, de outra forma, trazê-los para o rebanho da “comunidade internacional” capitalista global não é exatamente o que a maioria das pessoas achava que Trump queria dizer “Tornar a América Grande Outra Vez”. Muitos americanos nunca foram para a Venezuela, a Síria ou em qualquer outro lugar em que o império capitalista global tenha sido implacavelmente reestruturado desde logo após o fim da Guerra Fria. Eles não ficaram acordados à noite preocupados com a democracia venezuelana, a democracia síria ou a democracia ucraniana.

Isso não é porque os americanos são um povo sem coração ou um povo ignorante ou egoísta. É porque, bem, é porque são americanos (ou melhor, porque acreditam que são americanos) e, portanto, estão mais interessados ​​nos problemas dos americanos do que nos problemas de pessoas em terras distantes que não têm absolutamente nada a ver com a América. Não obstante o que a mídia corporativa lhe dirá, os americanos elegeram Donald Trump, um palhaço absurdo e auto-engrandecedor, não porque eram nazistas latentes, ou porque sofreram lavagem cerebral de hackers russos, mas, principalmente, porque queriam acreditar que ele sinceramente se preocupava com a América, e ia tentar “tornar tudo ótimo de novo” (o que quer que isso significasse, exatamente).

Infelizmente, não há América. Não há nada para fazer bem novamente. “América” ​​é uma ficção, uma fantasia, uma nostalgia que vendedores ambulantes como Donald Trump (e outros, marginalmente menos fanáticos por vendedores ambulantes) usam para vender o que estão vendendo … eles mesmos, guerras, carros, o que for. O que existe, na realidade, em vez da América, é um império capitalista global supranacional, uma rede descentralizada e interdependente de corporações globais, instituições financeiras, governos nacionais, agências de inteligência, entidades governamentais supranacionais, forças militares, mídia e assim por diante. Se isso soa forçado ou conspiratório, veja o que está acontecendo na Venezuela.

Todo o império capitalista global está trabalhando em conjunto para forçar a saída do presidente eleito do país. EUA, Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Espanha, Áustria, Dinamarca, Polônia, Holanda, Israel, Brasil, Peru, Chile e Argentina reconheceram oficialmente Juan Guaido como presidente legítimo da Venezuela, apesar do fato que ninguém o elegeu. Apenas os inimigos mais oficiais do império (isto é, Rússia, China, Irã, Síria, Cuba e outros países que não cooperaram) estão objetando a esse golpe “democrático”. O sistema financeiro global (ou seja, bancos) congelou (ou seja, roubou) os ativos da Venezuela e está tentando transferi-los para Guaido para poder comprar as forças armadas venezuelanas. A mídia corporativa está elaborando a narrativa oficial como um piano de Goebbels, em um esforço para convencer o público em geral de que tudo isso tem algo a ver com a democracia. Você teria que ser um idiota total ou irremediavelmente sofrer uma lavagem cerebral para não reconhecer o que está acontecendo.

O que está acontecendo não tem nada a ver com a América… a “América” em que os americanos acreditam que vivem e que muitos querem “fazer grandes coisas novamente”. O que está acontecendo é exatamente o que vem acontecendo em todo o mundo desde o fim da Guerra Fria, embora de forma mais dramática no Oriente Médio. O império capitalista global de fato está reestruturando o planeta com virtual impunidade. Eliminar metodicamente todos e quaisquer impedimentos à hegemonia do capitalismo global e à privatização e mercantilização de tudo.

Leia também: Estaria a ambição pelo petróleo por trás do golpe na Venezuela?

A Venezuela é um desses impedimentos. Derrubar seu governo não tem nada a ver com a América ou a vida dos americanos de verdade. “América” não é conquistar a Venezuela e plantar uma bandeira americana em seu solo. “América” não vai roubar seu petróleo, enviá-lo “para casa” e distribuí-lo para “americanos” em suas caminhonetes no estacionamento do Walmart.

E quanto às corporações petrolíferas americanas? Eles querem o petróleo venezuelano, não é? Bem, claro que sim, mas aqui está a coisa… não existem empresas de petróleo “americanas”. Corporações, especialmente corporações transnacionais multibilionárias (por exemplo, Chevron, ExxonMobil, et al.) não têm nacionalidades, nem fianças reais, a não ser seus principais acionistas. A Chevron, por exemplo, cujos principais acionistas são empresas de gestão de ativos e fundos mútuos como Black Rock, The Vanguard Group, SSgA Funds Management, Geode Capital Management, Wellington Management e outras empresas transnacionais de vários trilhões de dólares. Você realmente acredita que ser nominalmente sediado em Boston ou Nova York torna essas empresas “americanas”, ou que o Deutsche Bank é um banco “alemão”, ou que a BP é uma empresa “britânica”?

E a Venezuela é apenas o exemplo flagrante mais recente do império em ação. Pergunte a si mesmo, honestamente, o que o regime “americano” mudou em todo o Grande Oriente Médio para os americanos de verdade, além de matá-los? Ah, e que tal esses socorros para todos esses bancos de investimento “americanos” transnacionais? Ou os bilhões que a “América” fornece a Israel? Alguém, por favor, explique como enriquecer os acionistas de corporações transnacionais como Raytheon, Boeing e Lockheed Martin, vendendo bilhões em armas para os islamistas da Arábia Saudita está beneficiando “o povo americano”. Quanto desse dinheiro saudita você está vendo? E espere, eu tenho outro para você. Ligue para o seu simpático gerente de 401K, pergunte como estão suas ações da Pfizer e compare com o que você está pagando a uma companhia de seguros “americana” para não cobri-lo.

Nos últimos duzentos anos, aproximadamente, fomos condicionados a pensar em nós mesmos como cidadãos de uma coleção de Estados-nação soberanos, como “americanos”, “alemães”, “gregos” e assim por diante. Não há mais estados-nação soberanos. O capitalismo global acabou com eles. É por isso que estamos experimentando uma reação “neo-nacionalista”. Trump, Brexit, o chamado “novo populismo” … estes são os espasmos mortais da soberania nacional, como a surra de um peixe sufocante antes de você bater e soltar no refrigerador. A batalha acabou, mas o peixe não sabe disso. Nem percebeu que houve uma batalha até que subitamente foi arrancado da água.

Leia também: Nenhuma dúvida sobre isso: o Estado Profundo é real e Trump é sua mais recente ferramenta

De qualquer forma, aqui estamos nós, com o advento do império capitalista global. Nós não estamos voltando para o século 19, nem mesmo para o início do século 20. Nem Donald Trump nem qualquer outra pessoa vai “tornar a América ótima novamente”. O capitalismo global continuará a refazer o mundo em um gigantesco mercado onde trabalhamos até a morte em meros empregos para comprar coisas que não precisamos, acumulando dívidas que nunca poderemos pagar, cujos juros enriquecerão ainda mais o capitalismo global governado pelas classes dominantes, que, como você deve ter notado, estão se preparando para o futuro comprando bunkers subterrâneos de luxo e compostos pós-apocalípticos na Nova Zelândia. Isso, e militarizar a polícia, quem eles precisarão para manter a “ordem pública”… você sabe, como eles estão fazendo na França no momento, espancando, cegando, e horrivelmente mutilando os manifestantes Gilets Jaunes (os Coletes Amarelos) que a mídia corporativa está fazendo o melhor para demonizar e/ou tornar invisível.

Ou, quem sabe, os americanos (e outros consumidores ocidentais) podem tirar uma página desses Coletes Amarelos, deixar de lado suas diferenças políticas (ou pelo menos ignorar o seu ódio um pelo outro por tempo suficiente para tentar alcançar alguma coisa) e concentrar sua raiva nos políticos e corporações que realmente governam o império, ao contrário de, você sabe, imigrantes ilegais e legiões imaginárias de nazistas e russos. Nas palavras imortais do general Buck Turgidson, “Eu não estou dizendo que não vamos ficar com o cabelo despenteado”, mas, diabos, pode valer a pena tentar, especialmente porque, do jeito que as coisas estão indo, nós provavelmente vamos acabar lá fora de qualquer maneira.


Autor: C.J. Hopkins

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: The Unz Review

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7Sd

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA