UAV Stealth Strike da Rússia. Mais mortal do que o esperado.


O novo drone de ataque furtivo da Rússia acabou vazando – e pode revelar detalhes do próximo jato de combate da Rússia.

Introdução

Embora no geral as Forças Armadas Russas tenham uma eficácia notável e demonstraram uma ampla gama de armas modernas, várias lacunas no arsenal da Rússia também são evidentes. Indiscutivelmente o maior deles é a ausência de UAVs de ataque de qualquer tipo, comparáveis ​​aos Predators e Reapers dirigidos por propulsores destinados a operações em um ambiente de defesa aérea benigno, ou plataformas mais pesadas destinadas a ambientes de alta ameaça comparáveis ​​ao X-47B UCAS dos EUA ou Neuron da França. Portanto, não é surpresa que houve um aumento nos relatórios de UAVs de várias classes em desenvolvimento na Rússia, até e incluindo o S-70 Okhotnik-B, em desenvolvimento pela OKB Sukhoi, cujo primeiro vôo está previsto para 2019.

Projeto

Okhotnik segue de perto a configuração da asa voadora da fuselagem mesclada usada pelos outros UAV de impacto pesado mencionados acima. Como o X-47B, ele é alimentado por um único motor turbofan com uma entrada no topo da fuselagem, e seu design provavelmente inclui uma baia de munição interna para uma variedade de munições guiadas e não guiadas. A maioria das estimativas publicadas das capacidades do Okhotnik sugerem um peso de descolagem nas proximidades de 20 toneladas métricas e uma velocidade máxima de cerca de 1000 km/h. Como o X-47B, a combinação de tamanho relativamente pequeno e furtividade permitiria que o Okhotnik realizasse ataques aéreos contra alvos fortemente defendidos e sobrevivesse até às defesas aéreas avançadas. Embora um UAV pesado e furtivo não seja exatamente descartável, certamente é mais provável que ele seja arriscado do que um avião de combate tripulado que custa várias vezes mais do que o UAV. Os UAVs de ataque pesado são, portanto, vistos como um complemento para aeronaves tripuladas mais escassas e caras em situações em que as defesas aéreas pesadas estão presentes.

Capacidades

No entanto, provavelmente não se deve esperar que o Okhotnik seja uma cópia carbono do Neuron ou do X-47B e, apesar de todas as semelhanças, também existem diferenças. O design do X-47B enfatiza o stealth, inclusive no espectro infravermelho, com um esforço evidente para reduzir o calor de sua turbina de escape, com o UAV sendo capaz de sustentar apenas altas velocidades subsônicas. Em contrapartida, enquanto o Okhotnik é oficialmente descrito como tendo a velocidade máxima de apenas 920km / hora, seu design é dominado pelo poderoso turbofan de pós-combustão AL-41F que provou ser grande demais para instalação no Su-57, sugerindo que o Okhotnik pode realmente ser capaz de velocidades supersônicas e até mesmo de sustentar cruzeiro supersônico sem a necessidade de pós-combustão, uma característica importante da 5ª geração de aviões de combate. Além disso, os sensores de bordo a bordo do X-47B são bastante limitados, enquanto as fotos do Okhotnik mostram claramente um radome nasal, sugerindo um radar a bordo.

Dado que o Okhotnik está sendo desenvolvido pelo mesmo bureau de design que produziu o Su-57, com as tecnologias da aeronave sendo incorporadas em seu design para que as duas máquinas possam operar em equipe, é lógico que o projeto esteja totalmente desenvolvido. Okhotnik será capaz de cruzeiro supersônico – uma capacidade necessária se for para operar como parte do mesmo pacote de missões do Su-57 – e de compromissos ar-ar. Ao contrário do F-35, que é basicamente uma aeronave de ataque com capacidade secundária ar-ar, a principal missão do Su-57 é o combate aéreo, dentro e fora do alcance visual. Da mesma forma, enquanto os UAVs de combate norte-americanos das últimas décadas foram projetados exclusivamente para missões de ataque terrestre sob o controle de um operador terrestre a partir de um local remoto, prioridades de defesa da Rússia são suficientemente diferentes dos EUA e da OTAN para garantir diferentes expectativas para o Okhotnik. Dada a necessidade de se defender de ataques de números muito maiores de F-22 e F-35, a força menor do Su-57 se beneficiaria de Okhotniks furtivos e supercruzados com sensores ar-ar e armas que poderiam ser vetorizadas contra a aeronave furtiva do adversário, enquanto os próprios Su-57s permanecem fora do alcance das armas inimigas.

Conclusão

As informações recentemente publicadas sobre os planos de aquisições militares russas indicam claramente a prioridade muito alta que é dada à manutenção da capacidade de empreender operações de defesa aérea e aérea contra um adversário tecnologicamente sofisticado. Essa ênfase é uma resposta razoável aos planos dos EUA de acelerar rapidamente as entregas do F-35 tanto para seus próprios militares quanto para seus aliados. Mas mesmo com essa ênfase, o custo dos caças de 5ª geração é tal que a Rússia não pode esperar igualar os EUA e a OTAN em termos de números, e provavelmente não pode arcar com o desenvolvimento de um caça de 5ª geração que poderia ser produzido em números maiores que o Su-57. Mas se uma mistura “hi-lo” de plataformas comparável à do Su-27 – MiG-29 ou F-15 – F-16 ou mesmo F-22 – F-35 for mantida pelas Forças Aeroespaciais Russas, o “lo” parte da mistura poderia muito bem ser preenchida por uma plataforma não tripulada. ¹

Uma imagem do novo drone de ataque pesado da Rússia, o Okhotnik, vazou.

O drone se parece com o bombardeiro B-2 dos Estados Unidos com um design de asa voadora que poderia dar a ele um sólido stealth e capacidade de sobrevivência contra os EUA.

A Rússia tem uma missão ambígua para o drone, que pretende informar a próxima geração de combatentes russos.

O Su-57 da Rússia, seu mais novo jato de combate, apareceu recentemente com uma silhueta de algo como o Okhotnik, sugerindo uma conexão entre esse misterioso drone e o futuro dos caças russos.

O novo drone de ataque pesado da Rússia, chamado de Okhotnik (“caçador” em russo), acaba de fazer sua estréia visual como uma plataforma invisível de asa voadora destinada a combater os inimigos do ar de Moscou e informar a próxima geração de caças a jato.

A imagem do Okhotnik, publicada em um blog de aviação russa e publicada pela primeira vez na Aviation Week, mostra um drone em uma pista de neve com um design plano de asa voadora como o bombardeiro B-2 Spirit da Força Aérea dos EUA.

O B-2 representa o avião furtivo dos EUA, apesar de ter sido originalmente construído no início dos anos 80, devido ao design da asa voadora.

Jatos de combate que atingem velocidades supersônicas e manobram com força precisam de aletas verticais, o que significa que o Okhotnik da Rússia provavelmente se coloca furtivo acima de curvas e combate ar-ar.

Em julho de 2018, a mídia russa citou uma fonte da indústria de defesa dizendo que o Okhotnik poderia realizar “qualquer tarefa de combate em um regime autônomo”, mas que o drone exigiria um piloto humano para puxar o gatilho.

Os drones americanos só atuam em um papel ar-solo, já que são aeronaves subsônicas que seriam patos para os combatentes inimigos.

Mas a fonte da indústria de defesa alegou que o “Okhotnik se tornará o protótipo do jato de combate da sexta geração”, sugerindo ainda mais um papel ar-ar.

Imagens recentes do avião de combate Su-57 da Rússia, anunciado como uma resposta furtiva de quinta geração aos caças F-22 e F-35 dos EUA, mostraram o caça tripulado com uma aeronave de asa voadora pintada no estabilizador vertical ao lado de uma silhueta de o Su-57.

Leia mais: A Rússia admite a derrota em seu assassino F-35 “furtivo” ao cancelar a produção em massa do jato de combate Su-57

Novamente, isso parece sugerir uma conexão entre o drone de combate e os combatentes da superioridade aérea, embora a mídia russa própria descreva o drone como tendo um peso de decolagem de 20 toneladas e uma velocidade no subsóide.

A Rússia freqüentemente faz declarações não confirmadas e duvidosas sobre suas aeronaves de combate. A Rússia apelidou o Su-57, destinado a combater os caças F-22 e F-35 ou a superar as defesas aéreas de alto nível, “comprovado em combate” depois de alguns dias lançando bombas contra militantes na Síria que não tinham capacidade antiaérea.

Além disso, um cientista sênior que trabalhava em aeronaves furtivas no Ocidente disse ao Business Insider que o Su-57 da Rússia não tem nenhum tratamento sigiloso sério de maneiras dolorosamente óbvias.

Rússia okhotnik O drone de ataque stealth Okhotnik da Rússia revelado.

Mas a sexta geração de aviões de caça, ou mesmo o verdadeiro propósito da atual geração de caças de quinta geração, permanece uma questão em aberto. Muitos estrategistas e planejadores militares de primeira linha lançaram a possibilidade de emparelhar jatos de combate tripulados avançados com enxames de drones ou aeronaves legadas para atuar como caminhões-bomba ou iscas.

Ao incorporar drones furtivos no plano operacional para o Su-57, a Rússia pode ter complicado consideravelmente o cenário para os pilotos e planejadores militares dos EUA que falam como se tivessem descoberto os caças a jato da Rússia.

A Rússia tem um número de drones em operação, mas normalmente evita os drones de combate, pois ainda usa uma frota acessível de caças bombardeiros Sukhoi para lançar bombas na Síria. ²


Autores: J.Hawk, Daniel Deiss, Edwin Watson

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: ¹ South Front | ² static.businessinsider.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-7R2

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA