Venezuela pede ajuda à Rússia, China, para investigar o apagão. China pronta para ajudar a restaurar o sistema elétrico.


Isso aconteceu depois que o presidente venezuelano, Maduro, disse que pediria à China, Rússia, Cuba e Irã, bem como à ONU, para investigar um ataque recente às redes elétricas do país que deixaram os vastos territórios do país sem eletricidade por vários dias.

O Ministério das Relações Exteriores da China manifestou a disposição de Pequim em ajudar a Venezuela a restaurar seu sistema de fornecimento de energia.

Ao mesmo tempo, de acordo com uma declaração do ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodriguez, na terça-feira (12/03), a operação das redes elétricas do país foi totalmente retomada em todo o país, que sofreu um blecaute por cinco dias.

Enquanto Caracas culpa os EUA ea oposição apoiada pelo Ocidente pela “sabotagem” do sistema elétrico, o presidente Nicolas Maduro também anunciou que pediria às Nações Unidas, Rússia, China, Cuba e Irã que investiguem as razões por trás do ataque cibernético ao sistema de abasteciment de energia.

De acordo com Maduro, depois de um apagão nacional de cinco dias, as autoridades venezuelanas conseguiram eliminar as conseqüências do ataque que “foi realizado no território dos EUA”.

O apagão atingiu a Venezuela no dia 7 de março, quando o fornecedor nacional de eletricidade Corpoelec informou sobre “sabotagem” em uma grande usina hidrelétrica chamada Guri. A mídia informou subseqüentemente sobre falta de energia em 21 dos 23 estados venezuelanos. Maduro culpou os Estados Unidos por travarem uma guerra energética contra a Venezuela, enquanto Washington negou ter um papel na crise. ¹

Maduro pede ajuda à Rússia, China, para investigar o apagão.

A Venezuela solicitará assistência da China, Cuba, Irã e Rússia, bem como das Nações Unidas, para investigar o recente ataque às redes elétricas do país, que deixou os vastos territórios do país sem eletricidade por vários dias, disse o presidente venezuelano Nicolas Maduro.

O ministro venezuelano de Comunicação e Informação, Jorge Rodriguez, disse que o trabalho das redes de energia do país havia sido retomado quase totalmente em todo o país.

“Eu nomeei uma comissão especial para investigar o ciberataque e solicitei a assistência de especialistas internacionais. Eu pretendo pedir o apoio das Nações Unidas, Irã, China, Rússia e Cuba”, disse Maduro, acrescentando que os países mencionados têm grande experiência. no combate aos ataques cibernéticos.

De acordo com Maduro, depois de um apagão de cinco dias em todo o país, as autoridades venezuelanas conseguiram eliminar as conseqüências do ataque que “foi realizado no território dos EUA”.

Anteriormente, o promotor-geral venezuelano Tarek Saab solicitou a abertura de uma investigação sobre o autoproclamado presidente Guaido sobre seu suposto papel na sabotagem do sistema elétrico do país.

O apagão atingiu a Venezuela no dia 7 de março, quando o fornecedor nacional de eletricidade Corpoelec informou sobre “sabotagem” na maior usina hidrelétrica de Guri.

A mídia informou posteriormente sobre quedas de energia em 21 dos 23 estados da Venezuela. Maduro culpou os Estados Unidos por travarem uma guerra energética contra a Venezuela. Washington negou ter um papel na crise.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Sputnik News ¹ | ²

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-83O

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA