“Toda guerra é uma guerra contra as crianças”.


Nós, nos Estados Unidos, ainda não percebemos a futilidade e as imensas conseqüências da guerra, mesmo quando desenvolvemos, armazenamos, vendemos e usamos armas hediondas. O número de crianças mortas está aumentando.

Às 9h30 da manhã do dia 26 de março, início do quinto ano da guerra de coalizão liderada pelos sauditas contra o Iêmen, a entrada de um hospital rural no noroeste do país estava fervendo enquanto os pacientes esperavam para serem vistos e empregados chegou ao trabalho. De repente, mísseis de um ataque aéreo atingiram o hospital, matando sete pessoas, quatro delas crianças.

Jason Lee, da Save the Children, disse ao The New York Times que a coalizão liderada pelos sauditas, agora em seu quinto ano de guerra no Iêmen, conhecia as coordenadas do hospital e deveria ter sido capaz de evitar a greve. Ele chamou o que aconteceu de “uma violação grosseira do direito humanitário”.

No dia anterior, a Save the Children informou que ataques aéreos realizados pela coalizão liderada pela Arábia Saudita mataram pelo menos 226 crianças iemenitas e feriram outras 217 nos últimos doze meses. “Destas crianças”, observou o relatório, “210 estavam dentro ou perto de uma casa, quando suas vidas foram destruídas por bombas que haviam sido vendidas à coalizão por governos estrangeiros”.

No ano passado, uma análise divulgada pela Save the Children estimou que 85 mil crianças com menos de cinco anos de idade provavelmente morreram de fome ou doenças desde a escalada de 2015 da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen.

ONGs pressionam senadores para apoiar a resolução do Iêmen

    “As crianças que morrem dessa maneira sofrem imensamente quando suas funções vitais diminuem e acabam parando”, disse Tamer Kirolos, diretor da Save the Children no Iêmen. “O sistema imunológico deles é tão fraco que eles são mais propensos a infecções com alguns frágeis demais até para chorar. Os pais estão tendo que testemunhar a perda de seus filhos, incapazes de fazer algo a respeito.”

Kirolos e outros que têm relatado continuamente sobre a guerra no Iêmen acreditam que essas mortes são totalmente evitáveis. Eles estão exigindo uma suspensão imediata das vendas de armas a todas as partes em conflito, o fim dos bloqueios que impedem a distribuição de alimentos, combustível e ajuda humanitária e a aplicação de pressão diplomática plena para pôr fim à guerra.

Os Estados Unidos, um grande apoiador da coalizão liderada pelos sauditas, foram culpados de matar pacientes inocentes e funcionários de hospitais bombardeando um hospital. Em 3 de outubro de 2015, os ataques aéreos dos EUA destruíram um hospital de Médicos Sem Fronteiras em Kunduz, no Afeganistão, matando 42 pessoas.

    “Pacientes queimados em suas camas”, informou MSF, “a equipe médica foi decapitada e perdeu membros, e outros foram baleados no ar enquanto fugiam do prédio em chamas”.

Mais recentemente, em 23 de março de 2019, oito crianças estavam entre quatorze civis afegãos mortos por um ataque aéreo americano também perto de Kunduz.

Atrocidades da guerra se acumulam horrivelmente. Nós nos Estados Unidos ainda temos que perceber tanto a futilidade quanto as imensas conseqüências da guerra. Continuamos a desenvolver, armazenar, vender e usar armas hediondas. Nós roubamos a nós mesmos e aos outros recursos necessários para atender às necessidades humanas, incluindo lidar com as terríveis realidades da mudança climática.

Devemos prestar atenção às palavras e ações de Eglantyne Jebb, que fundou a Save the Children há um século. Respondendo ao bloqueio britânico da Alemanha e da Europa Oriental no pós-guerra, Jebb participou de um grupo que tentava entregar alimentos e suprimentos médicos a crianças famintas.

Na Trafalgar Square de Londres, ela distribuiu um panfleto mostrando as crianças emaciadas e declarando: “Nosso bloqueio causou isso, – milhões de crianças estão morrendo de fome.” Ela foi presa, julgada, condenada e multada. Mas a juíza do caso ficou comovida com o compromisso dela com os filhos e pagou a multa. Sua generosidade foi a primeira doação da Save the Children.

“Toda guerra”, disse Jebb, “é uma guerra contra as crianças”.


Autor: Kathy Kelly

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-8eR

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA