O que aconteceu com o “jornalismo” na “maior democracia da Terra”?


Antes de discutir a prisão de Assange com alguma profundidade, por meio de uma introdução, é importante mencionar uma observação de Gore Vidal

“Nós, americanos, devemos parar de tagarelar sobre como somos a maior democracia do mundo, quando nem sequer somos uma democracia. Somos uma espécie de república militarizada. A democracia americana é aparentemente um lugar onde numerosas eleições são realizadas a um grande custo sem problemas e com candidatos intercambiáveis, onde cinquenta por cento das pessoas não votam, e cinquenta por cento não lêem jornais. Espero que seja o mesmo cinquenta por cento. ”Conclusão“ O gênio de nossa classe dominante é que impediu que a maioria das pessoas questionasse a desigualdade de um sistema onde a maioria das pessoas se dedica, pagando impostos pesados ​​pelos quais não recebem nada. Retorna”

Assange estava carregando uma cópia de “Gore Vidal: História do Estado de Segurança Nacional e Vidal na América”, quando ele foi preso na quinta-feira (11/04) passada na embaixada equatoriana em Londres.

Na tarde de sexta-feira (12/04), a publicação de 2014 era a No. 35 da Amazon. “Gore Vidal” apresenta conversas entre o autor-dramaturgo e Paul Jay, fundador do The Real News Network, uma organização sem fins lucrativos com a missão declarada de “jornalismo independente, verificável e baseado em fatos”.

Vidal, que morreu em 2012 aos 86 anos, tinha uma aversão de longa data à força e vigilância militar dos EUA e ao poder desenfreado em Washington.

Assange não deixou a Embaixada desde 2012 por medo de prisão e extradição para os EUA por publicar milhares de telegramas militares e diplomáticos confidenciais.

Assange, seja lá o que for que pense sobre seus traços de personalidade, ainda é um editor e tem direito irrefutável às mesmas proteções da Primeira Emenda que qualquer outro cidadão americano… só ele NÃO é cidadão dos EUA – pense nisso por um momento.

O Knight First Amendment Institute foi fundado em 2016 por uma das universidades mais famosas da América, Columbia University, em combinação com a Fundação John S. e James L. Knight para salvaguardar a liberdade de expressão no panorama da era digital.

    O Instituto fez um dos primeiros comentários profissionais em público sobre o caso feito contra Julian Assange pelo governo dos EUA. “A acusação e o comunicado do Departamento de Justiça tratam as práticas jornalísticas cotidianas como parte de uma conspiração criminosa”, disse o diretor-executivo Jameel Jaffer em um comunicado fornecido à igualmente prestigiosa Columbia Journalism Review, “Ainda não se sabe se o governo será capaz de estabelecer uma violação do estatuto de hacker, mas é muito preocupante que a acusação varra atividades que não são apenas lícitas, mas essenciais para a liberdade de imprensa; atividades como cultivar fontes, proteger as identidades das fontes e se comunicar com as fontes de forma segura.”

Parece não haver nenhuma declaração oficial sobre Assange desde sua prisão do maior jornalista investigativo de nossa época, Seymour Hersh, a quem se pode imaginar, sabiamente, mantendo seu pó seco para ver como as coisas se desenvolvem.

Na ausência atual de sua opinião, aqui estão alguns links para comentários feitos por algumas outras pessoas notáveis, não em ordem de importância:

Por Alan Rusbridger, que é ex-editor chefe do The Guardian. Ele é diretor de Lady Margaret Hall em Oxford e preside o Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo.

Uma pergunta pertinente colocada a partir da peça muito informativa e explicativa acima sobre Assange:

    “… Se Assange estiver no banco dos réus, por que não os editores do Guardian, do Times, do Le Monde, do Der Spiegel, do Hindu, do El Pais e de muitos outros?”

A única nota de crítica à peça de Alan Rusbridger é onde ele diz: “Educado, jornalista trabalhando para uma organização respeitável”. Isso não tem nada a ver com isso. Não havia instituições de graduação em jornalismo em 1789, quando a Primeira Emenda dos EUA foi escrita na Constituição dos EUA. Também não havia “organizações respeitáveis”, apenas um bando de indivíduos empreendedores, alguns bem-intencionados, alguns desonestos, que publicavam jornais, revistas, panfletos e todo tipo de coisa.

Leia também: A ditadura da mídia: Liberdade entregue ao jornalismo brasileiro tem seu precedente, promover violência, espionagem e desinformação.

“Liberdade de Imprensa” não se refere a esnobes que farejam o traseiro um do outro e agem como se soubessem de tudo; Refere-se literalmente à liberdade de imprimir e divulgar o que você quiser. “Liberdade de expressão” garante o nosso direito de falar nossas mentes na praça pública, e o governo é obrigado a nos proteger de sermos parados por seus próprios agentes ou outros na comunidade. Sua voz só pode levar até agora, então, para poder “falar” com um público mais amplo, você precisa de um meio diferente. No século 18, essa era a imprensa. Você pode imprimir o seu discurso e distribuí-lo à vontade para as pessoas.

O governo não pode infringir seu direito de fazê-lo, e outras partes privadas também não podem fazê-lo. Eles têm recurso se você os calunia, deturpa ou rouba deles (copyright) etc…. Mas não tem nada a ver com ser um membro do circo da mídia que chamamos de jornalismo hoje, com seu conforto ao poder, com seu senso de auto-importância e sua corrupção básica com dinheiro e influência.

E finalmente termino com a visão de 11 de abril, de uma das muitas publicações russas em inglês (The Saker), para satisfazer o apetite insaciável dos afligidos pela “russofobia”.

    “O que aconteceu é isto: desde que o legado da mídia sionista odeia Assange e desde que eles ficaram envergonhados por ter este Uber-denunciante trancado por 7 anos por ousar revelar a verdadeira natureza do Império Anglo/Sionista, eles não tiveram Alguém na frente da Embaixada do Equador quando Assange foi processado. Agora eles têm que se humilhar e perguntar a RT (a quem eles odeiam e constantemente insultam) por algumas imagens.

Aqui está a reação brilhante de Margarita Simonian (traduzida do russo) descrevendo este estado de coisas:

    A sentença mais óbvia que alguém poderia passar sobre a desgraça total da mídia mundial pode ser vista no fato de que ninguém estava aqui para filmar a prisão de Julian Assange, apenas nós (RT). Isso apesar do fato de que todos já novatos que ele seria expulso. Agora eles têm que vir e pedir nossas filmagens. A CNN e o The Guardian têm a ousadia de nos telefonar e perguntar como éramos os únicos a conseguir essa filmagem. É óbvio: vocês são apenas os servos hipócritas do seu establishment e não os jornalistas. É por isso que tal coisa aconteceu.

Quanto à porta-voz russa, Maria Zakharova, seu comentário sucinto fala por si e acredito que para a maioria de nós, as pessoas do mundo.

“A mão da ‘democracia’ sufoca o pescoço da liberdade.”


Autor: Richard Galustian

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-8jL

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA