Por que a Venezuela não foi derrotada.


“Apesar das duas décadas de pressão da maior potência imperial do mundo, que é responsável pela maior taxa de inflação do mundo, e apesar da apreensão ilegal de bilhões de dólares em ativos venezuelanos, as pessoas permanecem leais, em defesa de seu governo. As razões são claras e francas.”

Introdução

Ao longo da última meia década, um pequeno exército de analistas, políticos, acadêmicos e especialistas em mídia dos EUA previu a iminente queda, derrubada, derrota e substituição do governo venezuelano. Eles têm estado errados em todos os aspectos, em cada tentativa de impingir um regime de clientes dos EUA.

De fato, a maioria das “mudanças de regime” induzidos pelos EUA fortaleceu o apoio ao governo Chávez-Maduro.

Quando os EUA promoveram um golpe de empresas militares em 2002, um milhão de pessoas pobres cercaram o palácio presidencial, aliaram-se aos partidários militares e derrotaram o golpe. Os EUA perderam seus ativos entre seus negócios e clientes militares, fortaleceram o presidente Chávez e radicalizaram seu programa social. Da mesma forma, em 2002-03, quando executivos estatais de companhias de petróleo lançaram um bloqueio. Eles foram derrotados e centenas de simpatizantes americanos foram despedidos e Washington perdeu um aliado estratégico.

Um exemplo mais recente é o papel preponderante da proclamação belicosa do Presidente Trump de que os EUA estão preparados para invadir a Venezuela. Sua ameaça despertou enorme resistência popular em defesa da independência nacional, mesmo entre setores descontentes da população.

Leia também: Soberania ameaçada: Do que um país precisa para ser atacado por uma superpotência global ou uma coalizão.

A Venezuela está no vórtice de uma luta global que opõe as aspirações imperiais de Washington contra uma Venezuela combativa, decidida a defender seus próprios países e países semelhantes, em apoio à justiça nacional e social.

Continuaremos discutindo os meios e métodos multilaterais adotados por Washington para derrubar o governo da Venezuela e substituí-lo por um regime de clientes.

Em seguida, analisaremos e descreveremos as razões pelas quais Washington falhou, concentrando-se nos pontos fortes positivos do governo venezuelano.

Concluiremos discutindo as lições e fraquezas da experiência venezuelana para outros governos nacionalistas, populares e socialistas aspirantes.

Oposição dos EUA: O que Venezuela enfrenta

O ataque dos EUA ao estado e sociedade da Venezuela inclui:

    – Um golpe militar em 2002
    – Um bloqueio pelos executivos da companhia de petróleo venezuelana
    – O exercício do poder global dos EUA – organizou a pressão política através de clientes e aliados na Europa, América do Sul e do Norte
    – Aumento das sanções econômicas entre 2013 e 2019
    – Violência de rua entre 2013 – 2019
    – Sabotagem de todo o sistema elétrico entre 2017 -2019
    – Açambarcamento de mercadorias via corporações e distribuidores de 2014 – 2019
    – Subversão de instituições militares e civis 2002 – 2019
    – Alianças regionais para expulsar a adesão venezuelana de organizações regionais
    – Sanções econômicas acompanhadas da apreensão de mais de US$ 10 bilhões em ativos
    – Sanções ao sistema bancário

A intervenção direta dos EUA inclui a seleção e nomeação de líderes da oposição e representantes “fictícios” no exterior.

Em resumo, os EUA se engajaram em uma luta sustentada de duas décadas destinada a derrubar o governo venezuelano. Combina guerra econômica, militar, social e de mídia. A estratégia dos EUA reduziu os padrões de vida, minou a atividade econômica, aumentou a pobreza, forçou a imigração e aumentou a criminalidade. Apesar do exercício do poder global dos EUA, não conseguiu desalojar o governo e impor um regime de clientela.

Por que a Venezuela teve sucesso?

Apesar das duas décadas de pressão da maior potência imperial do mundo, que é responsável pela maior taxa de inflação do mundo, e apesar da apreensão ilegal de bilhões de dólares em ativos venezuelanos, as pessoas permanecem leais, em defesa de seu governo. As razões são claras e francas.

A maioria venezuelana tem uma história de pobreza, marginalização e repressão, incluindo o sangrento massacre de milhares de manifestantes em 1989. Milhões viviam em favelas, excluídas das instituições de ensino superior e de saúde. Os EUA forneceram armas e conselheiros para sustentar os políticos que agora formam a maior parte da oposição dos EUA ao presidente Maduro. A aliança oligarca dos EUA extraiu bilhões de dólares dos contratos da indústria do petróleo.

A lembrança desse legado reacionário é uma razão poderosa pela qual a grande maioria dos venezuelanos se opõe à intervenção dos EUA em apoio à oposição fantoche.

A segunda razão para a derrota dos EUA é o apoio militar em larga escala e de longo prazo dos governos Chávez-Maduro. O ex-presidente Chávez incutiu um forte sentimento de lealdade nacionalista entre os militares, que resiste e se opõe aos esforços americanos de subverter os soldados.

As raízes populares dos presidentes Chavez e Maduro ressoam com as massas que odeiam as elites da oposição que desprezam os chamados “deploráveis”. Chávez e Maduro instalaram dignidade e respeito entre os pobres.

O governo venezuelano derrotou os golpes e bloqueios apoiados pelos EUA, essas vitórias encorajaram a crença de que o governo popular poderia resistir e derrotar a oposição dos oligarcas dos EUA. As vitórias fortaleceram a confiança na vontade do povo.

Sob Chávez, mais de dois milhões de casas modernas foram construídas para os habitantes das favelas; Mais de duas dezenas de universidades e centros educacionais foram construídos para os pobres, todos gratuitos. Hospitais públicos e clínicas foram construídos em bairros pobres, bem como em supermercados públicos que forneciam alimentos de baixo custo e outras necessidades que sustentam os padrões de vida, apesar da escassez subsequente.

Chávez liderou a formação do Partido Socialista, que mobilizou e deu voz à massa dos pobres e facilitou a representação. Coletivos locais organizados para enfrentar a corrupção, a burocracia e a criminalidade. Juntamente com as milícias populares, os conselhos comunitários garantiram a segurança contra a CIA fomentando o terror e a destruição.

A reforma agrária e a nacionalização de algumas minas e fábricas garantiram o apoio dos camponeses e trabalhadores – mesmo se eles fossem divididos por líderes sectários.

Conclusão

Os benefícios socioeconômicos cumulativos consolidam o apoio à liderança venezuelana, apesar das dificuldades que os EUA provocam nos últimos tempos. A massa do povo ganhou uma nova vida e tem muito a perder se a oligarquia dos EUA voltar ao poder. Um golpe bem-sucedido nos EUA provavelmente massacrará dezenas de milhares de apoiadores populares do governo. A burguesia se vingará dos muitos que governaram e se beneficiaram às custas dos ricos.

Há lições importantes a serem aprendidas com a resistência bem-sucedida em grande escala e a longo prazo da experiência do governo venezuelano, mas também com suas limitações.

A Venezuela, desde cedo, assegurou a lealdade do exército. É por isso que o governo chavista durou mais de 30 anos, enquanto o governo chileno de Salvador Allende foi derrubado em três anos.

O governo venezuelano manteve o apoio eleitoral em massa por causa das profundas mudanças socioeconômicas que sustentaram o apoio massivo em contraste com os regimes de centro-esquerda na Argentina, Brasil e Equador, que venceram três eleições, mas foram derrotadas por seus oponentes de direita, incluindo sócios eleitorais. , com uma desaceleração da economia e a fuga de eleitores e partidos da classe média.

As ligações da Venezuela com aliados na Rússia, China e Cuba forneceram “coletes salva-vidas” de apoio econômico e militar em face das intervenções dos EUA, algo que os governos de centro-esquerda não conseguiram.

A Venezuela construiu alianças regionais com quase metade da América do Sul, enfraquecendo as tentativas dos EUA de formar uma força de invasão regional ou dos EUA.

Apesar de seus sucessos estratégicos, o governo venezuelano cometeu vários erros caros que aumentaram a vulnerabilidade.

  • Falha em diversificar suas exportações, mercados e sistema bancário. As sanções dos EUA exploraram essas fraquezas.

  • Falha na realização de reformas monetárias para reverter ou conter hiperinflação.

  • Falha em manter o sistema hidro-eleitoral e protegê-lo de sabotagem.

  • A falta de investimento e recrutamento de novos profissionais técnicos para melhorar o funcionamento do sistema financeiro e processar a corrupção financeira no sistema bancário. A Venezuela trabalhou com altas autoridades envolvidas em transações financeiras e imobiliárias de natureza duvidosa.

  • O fracasso em recrutar e treinar quadros políticos da classe trabalhadora e profissionais capazes de supervisionar a administração.

A Venezuela tomou medidas para corrigir esses erros, mas a questão é se eles têm tempo e lugar para realizar reformas radicais.


Autor: James Petras

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-8jT

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA