EUA saem do INF por causa da “Rússia”, mas apontam mísseis na China.


Disseram-nos que a retirada dos EUA do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), celebrado em 1987 entre os EUA e a União Soviética, se baseava em alegações de que a Rússia o havia violado.

Enquanto continuamos esperando que Washington forneça evidências para provar essas alegações, os próprios EUA admitiram que já há muito tempo começaram a desenvolver mísseis que violaram o tratado.

Um artigo da Defense One de fevereiro de 2018 intitulado “O Pentágono confirma que está desenvolvendo um míssil de cruzeiro nuclear para combater um russo similar”, admitiu que:

    As forças armadas dos EUA estão desenvolvendo um míssil de cruzeiro de alcance intermediário lançado no solo para combater uma arma russa similar cuja implantação viola um tratado de controle de armas entre Moscou e Washington, disseram autoridades americanas na sexta-feira (02/08).

    As autoridades reconheceram que o míssil americano, ainda em desenvolvimento, se desdobrado também violaria o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário.

Assim como os EUA fizeram quando abandonaram unilateralmente o Tratado de Mísseis Antibalísticos de 1972, em 2002, o objetivo é culpar a Rússia por provocações de outro modo indefensáveis ​​e incrementais, destinadas a Moscou. Por exemplo, depois que os EUA abandonaram o Tratado ABM em 2002, os EUA começaram a implantar sistemas antimíssil em toda a Europa.

Mas se a Rússia é o problema, por que os EUA também começaram a implantar mísseis similares na Ásia?

É o objetivo de Washington cercear seus concorrentes em qualquer lugar e em qualquer lugar que esteja no centro dessas terminações de tratados seriais, e não uma “violação” particular por parte de Moscou.

China também

O fato de os EUA já possuírem mísseis em desenvolvimento que, sem dúvida, violariam o Tratado INF antes de acusar a Rússia de tais violações, é um indicador das verdadeiras intenções de Washington. Outro é o fato de Washington estar correndo para cercar a China com sistemas de mísseis defensivos e ofensivos.

A China não é signatária do Tratado ABM nem do Tratado INF. Seus mísseis são implantados estritamente dentro de seu território continental, sem planos de Pequim para implantá-los em qualquer outro lugar no futuro.

A única ameaça que representam é para qualquer nação que decida travar uma guerra contra a China, dentro ou fora do território chinês.

O comportamento de Washington pós-Tratado INF indica que sua intenção era violar o tratado o tempo todo, criando a mesma precária crise de segurança na Ásia que o tratado buscava evitar na Europa.

O New York Times em seu artigo “EUA Termina o Tratado de Mísseis da Guerra Fria, com o objetivo de combater a China ”, explicaria:

    Os Estados Unidos encerraram no início do mês (02/08) um importante tratado da Guerra Fria, o acordo das Forças Nucleares Intermediárias, e já planeja começar a testar uma nova classe de mísseis no final deste verão.

    Mas é improvável que os novos mísseis sejam utilizados para conter a outra potência nuclear do tratado, a Rússia, que os Estados Unidos dizem há anos violar o acordo. Em vez disso, os primeiros desdobramentos provavelmente serão destinados a combater a China, que acumulou um imponente arsenal de mísseis e agora é vista como um rival estratégico de longo prazo muito mais formidável do que a Rússia.

    Os movimentos de Washington provocaram a preocupação de que os Estados Unidos possam estar à beira de uma nova corrida armamentista, especialmente porque o maior tratado de controle de armas com a Rússia, um muito maior chamado New START, aparece em suporte de vida, provavelmente não renovada quando expira em menos de dois anos.

Aqui, o NYT admite que, apesar de Washington alegar que seu término do Tratado INF foi motivado por Moscou, suas próprias ações, desde então, indicam que Washington já estava em andamento para violá-lo. Fez isso não apenas para ameaçar a Rússia, mas também para ameaçar a China.

Após meses acusando a Rússia de minar o Tratado INF, o próprio NYT revela que foi Washington quem apenas se beneficiou dele e, especificamente, em termos de atingir a China:

    … A administração argumentou que a China é uma das razões pelas quais o Sr. Trump decidiu sair do tratado INF. A maioria dos especialistas avalia que a China possui o mais avançado arsenal de mísseis convencionais do mundo, baseado em todo o continente. Quando o tratado entrou em vigor em 1987, a frota de mísseis da China foi julgada de forma tão rudimentar que nem sequer foi considerada.

As perspectivas de os EUA assinarem um novo tratado com a Rússia ou a China (ou ambos) são inexistentes. O artigo do NYT também relatou que:

    As autoridades chinesas também recusaram qualquer tentativa de limitar seus mísseis com um novo tratado, argumentando que os arsenais nucleares dos Estados Unidos e da Rússia são muito maiores e mais mortíferos.

O NYT não menciona o outro, e talvez o mais importante fator que impediu Pequim de assinar qualquer tratado com Washington; Washington já demonstrou categoricamente que não é confiável. Acabou de se afastar do Tratado INF com base em mentiras deliberadas que envolvem a Rússia, enquanto Washington ao longo de todo o tempo estava desenvolvendo mísseis que planejava implantar em todo o mundo para cercar tanto a Rússia quanto a China.

Desespero Perigoso

Embora a Guerra Fria seja lembrada como uma época precária, era uma época em que acordos como o ABM e INF não só eram possíveis, como eram assinados e, na maioria das vezes, cumpridos por duas potências globais que podiam concordar com um equilíbrio desconfortável do mundo. poder era preferível à guerra em grande escala (nuclear ou não) entre os dois.

Durante a Guerra Fria, Washington estava confiante de que não só poderia manter esse equilíbrio de poder, mas eventualmente incliná-lo a seu favor, resultando em hegemonia global. O colapso da União Soviética e a invasão do Iraque pelos EUA certamente pareciam provar que aqueles que estavam por trás dessa mentalidade estavam certos. Mas a janela já estava se fechando sobre o estabelecimento de uma ordem internacional incontestada liderada pelos EUA.

Hoje, a Rússia, a China e uma série de outras potências regionais e globais emergentes praticamente garantiram que a hegemonia dos EUA não é mais um objetivo geopolítico viável. A confiança que permitiu aos EUA assinar tratados anteriores e mantê-los junto com seus correspondentes soviéticos não existe mais.

Vivemos em um mundo hoje em que os EUA se tornaram um tremendo perigo para a paz e a segurança globais. A impossibilidade de existirem tratados que eram mesmo possíveis durante os tensos dias da Guerra Fria nos leva a um território sem precedentes e perigoso.

Só o tempo dirá se Moscou e Pequim podem encontrar outros mecanismos para evitar uma corrida armamentista perigosa e perdulária em seus quintais, uma vez que os teimosos Estados Unidos não apenas se recusam a sair, mas insistem em trazer armas incrivelmente perigosas que destruirão o caos. Estados Unidos territoriais, mas nas nações da Europa e do Leste da Ásia, se o desespero de Washington progredir ainda mais em meio ao seu poder global em declínio.


Autor: Gunnar Ulson

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: New Eastern Outlook

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-8QW

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA