EastMed a outra rota do gás do Oriente Médio ameaça planos de Rússia e Turquia?


Os EUA estão prontos para defender Israel, Chipre e Grécia da Turquia e querem transformar o projeto da EastMed em uma alternativa ao gás russo. Os interesses de Moscou e Ancara coincidiram novamente

Oficialmente, a Rússia tem parcerias com Israel, mas os interesses dos dois países estão cada vez mais divergentes. Tel Aviv está parando Moscou na Síria. Em busca das milícias iranianas, os F-16 israelenses ameaçaram aeronaves russas. A influência israelense na administração de Donald Trump provoca exacerbações no Estreito de Hormuz. Tel Aviv já anunciou que pretende patrulhar a costa iraniana junto com os Estados Unidos e a Grã-Bretanha. Em terceiro lugar, a posição irreconciliável de Israel sobre a Palestina contradiz a estratégia de resolução de conflitos de dois estados do Kremlin.

Ações israelenses

Diferenças econômicas são adicionadas às diferenças políticas. Em 7 de agosto, uma conferência foi realizada em Atenas com a participação dos ministros de energia de Israel, Grécia e Chipre. Esse formato também é chamado de “triângulo”. Os ministros discutiram o EastMed, um gasoduto que conecta as reservas do Mediterrâneo Oriental com a Europa. Um tubo de 2.000 km de comprimento começará em Israel e em trânsito por Chipre e Creta irá para a Grécia, e de lá para a Itália. A capacidade do gasoduto é estimada em 15-20 bilhões de metros cúbicos de gás por ano.

A idéia de continuar o gasoduto surgiu em 2009, quando a empresa norte-americana Noble Energy encontrou o gigantesco campo de Leviathan, com 3,5 trilhões de metros cúbicos de gás, na costa de Israel. Mas dada a alta demanda por “combustível azul” do próprio Israel e seus vizinhos Egito e Jordânia, a decisão sobre a EastMed foi tomada dez anos depois. Em novembro de 2018, Israel, Grécia, Chipre e Itália assinaram um acordo para construir o EastMed.

Recentes descobertas na plataforma do Egito e do Chipre tornaram o projeto ainda mais real. Em 28 de fevereiro, a empresa norte-americana Exxon Mobil descobriu as terceiras reservas do mundo no campo de Glaucus-1 em Chipre. Em meados de março, a empresa italiana ENI anunciou a descoberta de grandes depósitos a 50 km da península egípcia do Sinai. Duas descobertas ocorreram a tempo. Porque em 20 de março, a sexta cúpula de Israel, Chipre e Grécia ocorreu. Na presença do secretário de Estado Mike Pompeo, seus líderes assinaram um acordo intergovernamental sobre o EastMed.

Ameaça turca e assistência dos EUA

Conectar os funcionários dos EUA às reuniões do Triangle tornou-se a norma. Assim, na Conferência Ministerial de Agosto em Atenas, assistiu-se a Francis Fannon, Secretário de Estado Adjunto dos EUA para o Uso de Recursos Energéticos.

A participação dos americanos serve a todas as partes. Dos EUA, três países precisam de uma garantia de segurança. Washington vê o EastMed como um projeto político.

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e o presidente do Chipre, Nikos Anastasiadis, chamaram os Estados Unidos de “um bastião de estabilidade no Mediterrâneo Oriental” e um defensor dos projetos de energia e transporte marítimo.

Se a proteção é necessária, então há alguém para se defender. A ameaça de Atenas e Nicósia é vista nas ações de Ancara. Este último está indignado com o facto de as autoridades cipriotas conduzirem a exploração de depósitos e assinarem acordos do EastMed ignorando a minoria turca. E a Turquia está respondendo a esses ataques. No ano passado, a sua Marinha obstruiu as plataformas ENI e este ano a Turquia enviou duas das suas próprias embarcações de perfuração às costas do Chipre.

Quanto aos interesses dos Estados Unidos, eles não estão mais preocupados com a atividade militar dos turcos, mas com a Rússia.

Charles Ellinas, diretor executivo do CEO da Natural Hydrocarbons Company de Chipre, acredita que a presença de Pompeo é um sinal para a Turquia e a Rússia, e ele diz que os Estados Unidos estão prontos para defender Israel, Grécia e Chipre.

Quanto o pipeline ameaça a posição da Rússia na Europa?

Se avaliarmos em termos de volume total de suprimentos russos (200 bilhões de metros cúbicos), então EastMed com seus 20 bilhões de metros cúbicos. m – “uma gota no mar”. Duas linhas do Nord Stream 2 (55 bilhões de metros cúbicos cada) dobram as entregas futuras de Israel.

Ao mesmo tempo, devemos lembrar que o segundo segmento da corrente turca, destinado à Europa, está em fase de conclusão. E sua capacidade é de 16 bilhões de metros cúbicos. m é comparável ao volume de EastMed. Os americanos entendem que Angela Merkel está por trás do Nord Stream 2, mas eles ainda podem impedir a extensão do fluxo turco para a UE.

Grécia, Chipre, Israel e Egito, prontos para participar do projeto, nunca permitirão que a Turquia chegue ao EastMed. Cada um deles tem atrito com Ancara. Atenas discute sobre ilhas no Mar Egeu, Tel Aviv, sobre a Palestina. Nicósia considera os “ocupantes” turcos, e as autoridades egípcias não podem perdoar Recep Erdogan por apoiar a Irmandade Muçulmana (uma organização terrorista proibida na Rússia).

Erdogan fará tudo para interromper o projeto. Se ele consegue ou não, mas nesta disputa, as simpatias da Rússia devem estar do lado da Turquia. O EastMed não é uma ameaça, mas um desafio para o Russian Turkish Stream. A longo prazo, as reservas do Mediterrâneo Oriental podem competir com o gás russo no Velho Mundo.


Autor: Gasanov Kamran

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-8QR

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA