Lobby Ambiental. Exclarecendo a farsa. Os banqueiros centrais estão ficando verdes … Por quê?


Foi-me dito muitas coisas deprimentes quando criança.

Observando infomerciais da Visão Mundial educando o Ocidente sobre as necessidades e misérias sofridas por milhões de crianças no terceiro mundo, eu não estava sozinho em perguntar aos adultos “por que”? Quando desfrutei de todos os confortos de segurança alimentar, eletricidade e água corrente, por que essas outras crianças viviam na pobreza? Sei que não fui a única criança perplexa a receber a resposta superficial que recebi da família e dos professores quando me disseram que “simplesmente é assim”. Na melhor das hipóteses, poucos privilegiados no 1º mundo esperavam que US$ 1/dia aliviasse sua dor, mas na verdade não havia uma ótima solução.

Mais tarde na vida, quando meus amigos mais próximos se envolveram em ciências políticas e programas econômicos da universidade, a curiosidade inocente que reconheceu a injustiça pelo que não foi apenas morreu sob o peso de teorias materialistas da natureza humana, cujos pais pagaram um bom dinheiro para alimentá-los, mas ao deixar a escola, esses mesmos amigos se tornaram cúmplices nesse mesmo sistema que seus corações jovens reconheceram como errado tantos anos antes. Como a humanidade era intrinsecamente egoísta e nosso sistema econômico tão imutável, o melhor que podíamos esperar era ter sucesso na vida e gostar de estar no destino receptor.

Mais uma vez, sei que não estou sozinho nessa experiência, quando dezenas de milhões de cidadãos saíram às ruas em todo o mundo em 27 de setembro para marchar pela terra, repelidos pelo consumismo corrupto e comemorando o advento de um Novo Acordo Verde.

Essa ativação do “poder do povo” impulsionada por instituições como a Rebelião da Extinção [Extinction Rebellion], Sextas-feiras para o Futuro [Fridays for the Future] e a jovem Greta Thunberg, nunca poderia ter ocorrido se não houvesse um profundo sentimento de injustiça e mal-estar que ainda não estivesse inflamado em nossos corações coletivos. Esse sentimento de injustiça e mal-estar nos conecta à nossa humanidade mais profunda e é uma pureza que une cada um de nós em um campo de compaixão com o conjunto do qual somos apenas partes, e deve ser comemorado e protegido a todo custo.

Apesar dessa pureza, algo muito mais sombrio mostrou sua face feia em 27 de setembro, que usou essa bondade inerente para sua vantagem sombria. É algo escuro que eu gostaria de discutir.

Você sabe que algo não está certo quando …

A primeira pista sobre o feio problema pode ser encontrada no simples fato de que os principais banqueiros centrais já haviam solicitado o mesmo novo sistema bancário verde que Greta e as inúmeras massas também exigiram muito antes da Rebelião da Extinção, Sextas-feiras para o Futuro ou Não Há Tempo [There is No Time] foi criado.

Embora oficialmente anunciado em 22 de setembro na abertura da Cúpula do Clima da ONU em Nova York, um Pacto Climático do Banco Central foi apresentado sob a liderança do governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, que já estava em obras há mais de 18 meses, representando mais de 130 dos os maiores e corruptos bancos do mundo que pedem uma descarbonização radical da economia mundial em 2/3, de acordo com os compromissos estabelecidos no acordo de Paris sobre o clima de 2015.

O chefe do Banco da Inglaterra e presidente do Conselho de Estabilidade Financeira do Banco de Pagamentos Internacionais (2011-2018), Mark Carney anunciou neste local que “as divulgações climáticas devem se tornar abrangentes, a gestão de riscos climáticos deve ser transformada e o investimento sustentável deve se popularizar”. Carney assumiu um tom mais ameaçador ao dizer que “as empresas que antecipam esses desenvolvimentos serão recompensadas generosamente. Aquelas que não, deixarão de existir”.

Agora, Mark Carney foi aclamado pelo lobby ambiental como o principal “guerreiro ecológico” dos banqueiros centrais e aqueles que fazem o elogio raramente percebem o fato flagrante de que a pessoa que está no topo da estrutura tecnocrática de poder que deu origem ás maiores injustiças econômicas e ambientais do mundo há décadas também é a pessoa que está projetando como esse mundo disfuncional deve ser reestruturado.

Então, como Carney e sua colméia de banqueiros centrais propõem a transformação do mundo?

O novo sistema verde se torna…

Para começar, Carney acredita que uma nova moeda de reserva global deve substituir o dólar americano.

Em que esse sistema pós-dólar deve se basear? Bem, em 23 de agosto, durante uma cúpula de banqueiros centrais em Jackson Hole Missouri, Carney afirmou que deveria ser modelado na criptomoeda do Facebook, a Libra, que está programada para começar a ser emitida no início do próximo ano. Ao contrário do Libra, no entanto, a criptomoeda de Carney será totalmente controlada por instituições bancárias privadas e totalmente removida dos estados soberanos, que são influenciados demais por interesses políticos de curto prazo, em vez de uma “elite tecnocrática iluminada” que sabe realmente pensar a longo prazo.

Sabendo que a Iniciativa do Cinturão e Rota da China está se tornando cada vez mais a base de uma nova ordem econômica viável e sabendo que o monopólio da oligarquia financeira sobre as finanças mundiais será desfeito, se assim fosse, Carney também alertou que uma moeda criptográfica digital é a única maneira de impedir que o Renminbi se torne o substituto do dólar. Carney chamou sua solução digital de “moeda hegemônica sintética … por meio de uma rede de moedas digitais do banco central”, que basearia seu valor em novos padrões não existentes no modelo globalizado de 1971-2019.

Redefinindo valor

Em um discurso de Lloyds of London em 2015, precedendo a cúpula climática da COP21 de Paris, Carney afirmou que “a conveniência de restringir a mudança climática a dois graus acima dos níveis pré-industriais leva à noção de um “orçamento” de carbono – uma avaliação da quantidade de emissões que o mundo pode “pagar”.

Essa afirmação define essencialmente os parâmetros que Greta e seus seguidores de seguidores verdes estão sendo induzidos a chamar como um novo mundo “pós-consumista” de avaliação monetária, enquanto na verdade apenas destrói o pouco que resta da classe média e capacita uma oligarquia já arraigada.

Como todas as boas mentiras, esta depende de uma verdade.

Carney e os novos negociantes verdes reconhecem que a pura “demanda do mercado” falhou totalmente como um padrão de avaliação do “valor” do dinheiro ou de qualquer outro ativo primário em nossa economia. US$ 4,5 trilhões em especulação cambial crescem como um câncer todos os dias, sem qualquer retorno positivo para a economia real, enquanto US$ 700 trilhões em derivativos pairam como uma espada de Damocles no mundo esperando para cair a qualquer momento que a “confiança do mercado” desapareça como em 2007.

Mas depois que essa verdade é reconhecida, o que implica o “orçamento de carbono” que professa de alguma forma abaixar a temperatura do mundo para dentro de dois graus das temperaturas pré-industriais, que devemos assumir como uma solução para um problema sub-definido?

De acordo com o Green New Deal (Novo Acordo Verde) proposto por Carney e seus aliados, para reduzir a produção mundial de dióxido de carbono até zero emissões líquidas até 2050, conforme exigido pela COP21, várias coisas devem acontecer.

    Os títulos verdes devem ser expandidos em massa, da mesma forma que os títulos de vitória foram criados na Segunda Guerra Mundial para pagar pelo crescimento da indústria necessária para combater Hitler. É claro que nesta versão do século XXI é o Banco de Pagamentos Internacionais que financiou o nazismo que hoje deseja definir como os novos títulos de vitória se comportarão. Em vez de financiar o crescimento industrial e científico, como ocorreu na década de 1940, esses novos títulos prometem encolhê-lo. As restrições associadas à capacidade da humanidade de sustentar seus 7 bilhões de vidas não são perdidas para alguns tecnocratas de coração frio e seus gerentes aristocráticos no topo.

    Ao reduzir o crescimento industrial através da transição de uma sociedade baseada em carbono para uma sociedade “verde” de moinhos de vento e painéis solares movidos a energia, as pegadas de carbono devem ser diminuídas. O grau em que a humanidade diminui suas pegadas de carbono é o grau em que Carney e seus mestres prometem recompensar os atores econômicos com lucro monetário. Novamente, esse é o processo oposto quando comparado ao sistema de crescimento industrial de 1938-1971, que vinculava os valores do dólar ao crescimento da economia REAL (agricultura, indústria, ciência e tecnologia), que vinculava o dinheiro à melhoria da vida humana.

    Os impostos sobre o carbono e os mecanismos de Cap and Trade devem se tornar hegemônicos, o que cria valores mensuráveis ​​para a redução da pegada de carbono da humanidade.

Ciência embaraçosamente ruim

Ao agir em um estado puramente emocional de medo e pânico, como Greta exige, os tecnocratas de Carney esperam que ninguém se incomode em esclarecer as falácias científicas flagrantes subjacentes a todo o “Novo Acordo Verde” que o Banco da Inglaterra propõe ao mundo adotar.

Devemos ignorar o fato de que “os 99% dos cientistas que todos concordam que o aquecimento global é causado pela atividade humana” é realmente apenas baseado em uma pesquisa com 79 cientistas anônimos (77 dos quais acreditavam na alegação).

Devemos acreditar que está provado que o CO2 é uma causa de variação climática, embora todas as medições de longo prazo do clima e da temperatura indiquem que o CO2 segue e não precede as mudanças de temperatura.

Também devemos acreditar que essa redução na contribuição de CO2 da humanidade para todo o efeito estufa (que representa menos de 0,1% do total) teria qualquer impacto sobre uma redução de 2 graus da temperatura média global em relação aos níveis pré-industriais (que não temos capacidade de avaliar de qualquer maneira).

Em última análise, devemos assumir que o crescimento econômico perpétuo é uma ilusão na qual apenas os tolos acreditam e que o crescimento populacional é um problema que deve ser corrigido por uma elite tecnocrática que tem “estômagos para lidar com a sangria”.

Rompendo com nossa capacidade de carga

O fato é que sempre houve uma capacidade de carga para a humanidade e ninguém deve tentar negar essa realidade.

O que os tecnocratas verdes odeiam admitir é que a capacidade de carga da humanidade é muito diferente daquela encontrada entre todas as outras espécies de vida na biosfera.

Enquanto outras espécies encontram seu potencial populacional limitado por características genéticas e restrições ambientais, a humanidade sozinha pode transcender esses limites materiais saltando para o reino criativo da descoberta, tanto nas ciências quanto nas artes. Os frutos das descobertas da humanidade, conforme descritos no brilhante discurso de Abraham Lincoln, sobre descobertas e invenções (1860), estão totalmente conectados à nossa capacidade ilimitada de progresso científico e tecnológico.

A realidade da coerência entre os poderes criativos da humanidade e o poder criativo que molda o universo como um todo tem sido um conceito poderoso identificado milênios atrás por Platão, Santo Agostinho, Nicolau de Cusa e seus seguidores Johannes Kepler, Gottfried Leibniz, Benjamin Franklin e Friedrich Schiller (1). Sua expressão (embora nem sempre seja totalmente compreendida por aqueles que a utilizam) tem sido objeto de ódio e medo por uma oligarquia arraigada que iniciou inúmeras guerras, assassinatos e mudanças de regime para impedir seu despertar.

A Nova Rota da Seda … Não é o Novo Acordo Verde

Hoje, a Rússia e a China reconheceram essa necessidade de progresso humano ilimitado e estão totalmente comprometidas em integrar suas economias em um sistema financeiro “alternativo” centrado na Iniciativa do Cinturão e Rota. Enquanto 135 outras nações aderiram cada vez mais a esse novo sistema, a oligarquia que assina os salários de Carney está bem ciente de que os EUA sob o controle de um presidente que diz que “o futuro pertence a patriotas, não a globalistas” criam um risco intolerável que pode orientar a América para esse novo sistema e que não pode ser tolerado.

Mais importante ainda, quando alguém realmente inspeciona as realizações da Iniciativa do Cinturão e Rota, tanto na Ásia quanto na África e no Oriente Médio, torna-se aparente que o único sistema que realmente tem os meios para não apenas substituir nossa ordem de falência, mas também eliminar a guerra, a destruição e a miséria, as questões ambientais, estão diretamente ligadas ao que a China construiu e que já tirou mais de 800 milhões de almas da pobreza. A NASA confirmou recentemente que a biomassa da Terra cresceu 10% inteiramente por causa do compromisso da Índia e da China com o progresso industrial – derrubando a noção tola de que crescimento econômico e a saúde ambiental sempre devem estar em desacordo.

Este é o sistema que existia apenas como um sonho desconhecido para a maioria no ocidente, enquanto eu assistia aos programas da Visão Mundial me incentivando a implorar à minha mãe para doar US$ 1/dia a uma criança na Guatemala cuja vida havia sido destruída pelo mesmo sistema que hoje ameaça destruir o pouco que resta do terceiro mundo através de um Novo Acordo Verde.


Autor: Matthew Ehret

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic-Culture

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-90P

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA