Ranking acadêmico de 2019 no BRICS: Tendências da Educação Superior no Brasil.


Este ano, os resultados do QS Regional Rankings: BRICS indicam que as universidades brasileiras não conseguem acompanhar o ritmo de seus concorrentes, com mais de 60% das 90 universidades brasileiras classificadas caindo ano a ano: uma tendência que compõe uma presença decrescente no topo 50 nos últimos cinco anos.

Em 2015, o Brasil tinha nove instituições entre as 50 melhores – apenas cinco permanecem na edição de 2019.

Além disso, apenas duas universidades brasileiras estão entre as 20 melhores, menos do que não apenas a China – que domina o ranking – mas também a Índia e a Rússia. Ambos os 20 principais candidatos brasileiros caíram: a Universidade de São Paulo caiu de 13 para 14, enquanto a Unicamp regrediu ainda mais, passando de 12 para 16.

Ao examinar os dados métricos por métrica das 50 principais instituições brasileiras desse ranking, fica claro que a estagnação brasileira é atribuível principalmente ao baixo desempenho em dois indicadores principais: citações por artigo e proporção de estudantes internacionais. Investir na internacionalização normalmente facilita o fortalecimento dos canais de comunicação com outros países. O refinamento desse diálogo pode influenciar positivamente como a pesquisa do país é produzida e percebida pela comunidade internacional, aumentando sua visibilidade e chances de ser citada.

Comparação Brasil vs China:
Gráfico à direita: Comparação entre pares – Pontos fortes e fracos. Pontuações médias das 200 principais instituições. gráfico à esquerda: Lacunas por indicador (pontuação média) Gráfico à esquerda abaixo: Número de instituições consideradas.

No ano passado, foi implementado um plano de austeridade que congela os gastos com educação pelos próximos 20 anos, afetando o planejamento financeiro de 68 instituições públicas exibidas no ranking. Concomitantemente, em agosto deste ano, o presidente de uma das mais importantes agências de financiamento do ensino superior no Brasil – CAPES – escreveu uma carta de advertência ao Ministro da Educação anunciando que, à luz do atual orçamento restritivo, a instituição precisaria cancelar o financiamento de 93.000 estudantes de graduação e 150.000 beneficiários de programas de treinamento.

Para sublinhar as lutas educacionais brasileiras, o Museu Nacional de 200 anos, parte da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), sofreu um incêndio que provocou a destruição de grande parte de sua coleção, representando uma perda social e acadêmica irreversível .

Instituições de referência e sistemas nacionais de ensino superior contra seus pares são um objetivo central desta análise, e a edição de 2019 do ranking QS BRICS indica que o Brasil não está acompanhando o ritmo acelerado de outras nações neste exercício. Esses resultados não são necessariamente surpreendentes, pois são causados ​​e expressivos por desafios econômicos, políticos e sociais que o país está enfrentando.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: QS Quacquarelli Symonds

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-94B

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA