Violência militar chilena – um legado em casa e no exterior.


As organizações chilenas de direitos humanos e memória há muito apontam que as forças armadas chilenas são um dos principais fatores que obstruem o curso da justiça em relação aos crimes da era da ditadura. O pacto de silêncio forneceu impunidade a muitos oficiais, agentes e soldados envolvidos em torturar, assassinar e desaparecer oponentes da ditadura entre 1973 e 1990.

Os crimes das forças armadas contra a humanidade não retrocederam da memória do Chile. Enquanto o país mantém sua mobilização contra a constituição da era da ditadura e a política neoliberal do presidente Sebastian Pinera, a violência exercida contra os manifestantes reacendeu a importância de olhar a história para definir o presente. Desde o início dos protestos, a ONU registrou pelo menos 130 casos de abuso e 24 casos de violência sexual contra mulheres, homens e crianças. Como resultado do tiroteio militar contra manifestantes, 350 pessoas perderam o olho. Ao todo, 28.000 chilenos foram detidos desde o início das manifestações. Não há nada que sugira que o governo chileno esteja investigando os crimes cometidos contra civis que rejeitam o modelo neoliberal e pedem uma sociedade inclusiva.

Enquanto isso, soldados chilenos destacados no Haiti como parte das forças de manutenção da paz da ONU foram acusados ​​de abuso sexual e estupro de mulheres e menores entre 2004 e 2017. Segundo relatos, soldados chilenos foram implicados em um terço dos casos relacionados a abuso sexual.

As missões de manutenção da paz da ONU estão repletas de oportunidades para violações dos direitos humanos. Para agravar a impunidade generalizada, os autores são apenas removidos da cena uma vez descobertos, não assumindo qualquer responsabilidade pelas violações ou pelas crianças que foram criadas por ataques sexuais. Após o repatriamento, os funcionários acusados ​​não são investigados. As forças chilenas de manutenção da paz também provavelmente não sofrerão repercussões em casa, pois o governo se opôs a uma investigação sobre a perpetração de abuso sexual por parte de suas forças destacadas.

Uma proposta apresentada para criar uma comissão com o objetivo de investigar os abusos cometidos pelas tropas chilenas no Haiti foi inicialmente rejeitada pelo parlamento. A proposta buscava “esclarecer fatos”; o motivo é “a imagem internacional do nosso país está sendo questionada”. Esse raciocínio já fornece às tropas uma promessa de impunidade, com a reputação do Chile, ou a falta dela, sendo priorizada sobre as implicações do envolvimento em violações dos direitos humanos.

A oposição do Chile considerou as alegações de abuso sexual como crimes internacionais, afirmando: “Não podemos ter estupradores representando o Estado do Chile em missões de paz!”

A declaração, no entanto, omite uma realidade feia que os chilenos lutam há décadas para trazer à luz – a história de abuso sexual das forças armadas chilenas, entre outras violações de direitos humanos, incluindo tortura. O pacto de silêncio dos militares, bem como a recusa do governo em combater a impunidade militar, resultaram em impunidade para os soldados envolvidos em abusos contra os chilenos, enquanto exploravam a violência militar em outros países.

No entanto, estupradores nas forças armadas chilenas desde a época da ditadura não têm sido o centro das atenções politicamente. A adulação da direita pela ditadura militar, bem como a constituição de Augusto Pinochet, que impõe impunidade aos agentes envolvidos em violações dos direitos humanos, requerem mais atenção política no Chile. Sem uma avaliação completa e uma ação legal contra os autores, a luta pelos direitos no Chile permanecerá confinada na memória. Para o governo e as forças armadas, esse é um cenário ideal, pois desvia a atenção do conluio entre o legado da ditadura e os governos subsequentes da transição democrática em diante.

Além disso, os abusos dos direitos humanos cometidos pelas tropas chilenas no exterior escaparão ao escrutínio, tanto em termos de violações quanto ao legado que permanece poderoso no país. Três vertentes de violações, todas ligadas umas às outras devido à afiliação dos autores, trouxeram à tona a estrutura violenta das forças armadas chilenas. Assim como os manifestantes no Chile estão se reconectando com o passado para reivindicar suas narrativas pela justiça, os abusos cometidos no exterior também devem ser analisados ​​dentro da estrutura de impunidade oferecida à instituição estatal há décadas.


Autor: Ramona Wadi

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic-Culture.org

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9xm

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA