Foguetes atacam a Embaixada dos EUA em Bagdá.


O Iraque é território americano ocupado.

A grande maioria dos iraquianos e suas autoridades dominantes querem que o Pentágono e as forças aliadas sejam expulsas do país.

É a única maneira de a nação recuperar sua soberania, perdida pela agressão e ocupação dos EUA, uma força hostil em vários países, tornando inatingível a paz, a estabilidade e a segurança mundial.

Inúmeras vezes antes, foguetes e morteiros atingiram a Zona Verde de 10 quilômetros quadrados, fortemente fortificada, no centro de Bagdá, local da embaixada dos EUA, às vezes causando baixas – ataques que ocorreram no início de janeiro e domingo.

Segundo informações, três foguetes atingiram a embaixada dos EUA diretamente, danificando a instalação, ferindo um ou mais membros da equipe.

Citando fontes não identificadas, a Reuters relatou três feridos por ataques diretos na embaixada dos EUA.

A televisão iraquiana da Al Sumaria divulgou um relatório semelhante, indicando que os helicópteros estavam evacuando alguns funcionários da embaixada.

Desde que a ocupação dos EUA se seguiu à agressão de Bush / Cheney em 2003, violência, instabilidade, caos e privação definiram condições no país devastado pela guerra – estupradas e destruídas pela fúria dos EUA pelo controle do Iraque e da região.

A raiva anti-EUA entrou em erupção após o assassinato do regime Trump em 3 de janeiro do comandante da Força Quds iraniana, general Soleimani, e o chefe de PMU de fato do Iraque, Muhandis.

Sexta-feira passada, centenas de milhares se uniram em Bagdá contra a ocupação americana do país, exigindo a expulsão de suas forças.

Segundo o Departamento de Estado, mais de 14 ataques contra pessoal dos EUA ocorreram no Iraque somente em setembro passado.

O incidente de domingo sugere mais do mesmo à frente. Segundo um relatório, o ataque de ontem danificou a área de refeições da embaixada.

O parlamentar iraquiano Hoshyar Zebari disse que a embaixada “restaurante ou cantina foi danificada e queimada”.

O incidente ocorreu seis dias depois que três foguetes atingiram perto da embaixada, outros dois pousaram na Zona Verde em 9 de janeiro.

Na segunda-feira, o site do Departamento de Estado não tinha informações sobre o incidente de domingo.

Separadamente, seu porta-voz “convocou o governo do Iraque a cumprir suas obrigações de proteger nossas instalações diplomáticas (em resposta a) foguetes que aterrissam na” Zona Verde, sem dizer nada sobre atacar a embaixada dos EUA.

O pessoal dos EUA no país é insultado e indesejado.

A presença deles é sobre colonizar o Iraque, ocupar permanentemente seu território, controlar seus hidrocarbonetos e outros recursos, além de usar as bases do Pentágono no país como plataformas para intermináveis ​​guerras regionais contra inimigos inventados.

Na sexta-feira, uma declaração da PMU iraquiana exigiu que as forças americanas deixassem o país ou fossem forçadas a sair.

Trump ameaçou sanções duras contra o Iraque se as tropas dos EUA forem expulsas, dizendo:

    “Temos uma base aérea extraordinariamente cara que está lá. Custou bilhões de dólares para construir. Não vamos embora, a menos que eles nos paguem”, acrescentou:

Ele impõe “sanções (ao Iraque) como nunca haviam visto antes”.

Ele está principalmente acompanhando os processos de impeachment do Senado, no fim de semana postando uma nevasca de tweets sobre o assunto – assuntos do estado aguardando o resultado em grande parte, embora o resultado seja praticamente certo nos próximos dias.

Em vez de impugnar Trump por crimes legítimos, Dems escolheu os politizados – não relacionados a removê-lo do cargo, na esperança de enfraquecê-lo antes das eleições presidenciais e congressistas de novembro.

A última pesquisa de rastreamento da Gallup, realizada em 15 de janeiro, sobre a aprovação do cargo de Trump, mostrou-se praticamente inalterada em relação aos meses anteriores – 44% expressando aprovação, 53% desaprovando seu desempenho como presidente.

As conclusões de uma nova pesquisa do Washington Post/ABC News foram quase idênticas.

Uma nova pesquisa da Fox News mostrou 50% dos entrevistados a favor de remover Trump do cargo por impeachment, 44% contra – a maioria dos Dems registrados por isso, a maioria dos republicanos contra.

Os independentes apóiam a remoção de Trump por uma margem de 53 a 34%.

Apenas cerca de um quarto dos entrevistados acredita que sua agenda no Irã tornou os EUA mais seguros, cerca de metade dos entrevistados acredita que é menos seguro.

Quase metade dos entrevistados acha que o país é mais fraco sob sua liderança.

Pesquisas sobre a aprovação de empregos de Trump não perguntam nada sobre suas intermináveis ​​guerras contra a humanidade em casa e no exterior.

As duas alas direitas do partido de guerra dos EUA compartilham culpa.

Quase todas as autoridades atuais e ex-americanas continuam irresponsáveis ​​pelo maior número de crimes de alto grau de impunidade.


Autor: Stephen Lendman

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9×0

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA