China, Irã e Coréia do Norte estão quase rodeados por 500 bases militares dos EUA.


Os índices de aprovação do presidente dos EUA, Donald Trump, em 49%, estão agora no nível mais alto de todos os tempos desde que assumiu o cargo há três anos (1). Trump é um favorito pesado para ser reeleito em novembro, uma probabilidade com a qual o número crescente de casas de apostas ocidentais concorda por unanimidade, com Bernie Sanders um segundo favorito um tanto distante.

Já deve estar claro para todos que a campanha da mídia ocidental contra Trump nos últimos quatro anos foi um fiasco total e total. A absolvição de Trump no julgamento de impeachment agora constitui outro golpe para seus inimigos.

Os meios de comunicação de massa, muitas vezes ecoando a posição do Partido Democrata na América, têm se concentrado nas questões erradas em um esforço egoísta e mal julgado para desacreditar Trump. As tentativas de ligá-lo a Moscou têm sido na sua maioria falsas, negligenciando rotineiramente a interferência flagrante de Bill Clinton nas eleições presidenciais russas de 1996 – Clinton, enquanto jantava no Kremlin em 21 de abril de 1996, na verdade informou o eleitorado da Rússia de que era melhor votar na direita, ou seja, Boris Yeltsin, procurador de Washington, caso contrário, haveria “consequências” (2).

De um modo geral, a imprensa evitou mencionar os maiores perigos impostos pela presidência de Trump: possibilidade crescente de guerra nuclear com a Rússia ou a China à medida que os tratados sobre armas são abandonados, juntamente com o desprezo de seu governo pelo meio ambiente e pelas mudanças climáticas.

Sob Trump, também houve um aumento contínuo nos gastos militares (descritos ironicamente como “gastos com defesa”), com muitas centenas de bilhões de dólares desembolsados ​​a cada ano, diminuindo as despesas com armas da China em segundo lugar, com a Rússia mal aparecendo (3). É uma operação bastante defensiva que o Pentágono vem realizando com três de seus principais adversários, China, Irã e Coréia do Norte, quase rodeados por cerca de 500 bases militares dos EUA.

Por si só, a China é cercada por pelo menos 400 dessas bases, que se estendem desde o norte da Austrália, até o Pacífico, através do leste e centro da Ásia (4). Esse cerco da China – o maior contingente militar desde meados da década de 1940, envolvendo navios de guerra, submarinos e bombardeiros etc. – foi implementado pelo presidente Barack Obama após seu anúncio no final de 2011 de um “pivô” para a Ásia.

Nos anos pós-1945, a potência global dos EUA atingiu seu ponto mais baixo no final da presidência de George W. Bush em 2009. Naquela época, até o tradicional “quintal” da América Latina estava se afastando do controle dos EUA, através do surgimento governos de esquerda e estabelecimento de maior integração entre si.

No entanto, na última década, os governos latino-americanos de esquerda desapareceram amplamente, nem foram capazes de resistir às tentações da corrupção (principalmente no Brasil), nem foram capazes de diversificar suas economias de uma forte dependência de matérias-primas como o petróleo (Venezuela ) Outros grandes países da América do Sul, como a Argentina, também se basearam em aumentos nos preços das commodities, um fenômeno temporário que, em pouco tempo, diminui (5).

O ex-presidente venezuelano Hugo Chávez obteve avanços sociais louváveis, antes de sua morte prematura em março de 2013, mas por engano permaneceu dependente das exportações de petróleo, falhando em buscar iniciativas econômicas sustentáveis ​​centradas na manufatura ou na agricultura – com a Venezuela possuindo uma base agrícola potencialmente rica.

O sucessor imediato de Chávez, Nicolas Maduro, teve claramente um papel central nas crises que envolvem a sociedade venezuelana (6). As condições de vida estão caindo na Venezuela e milhões de habitantes do país fugiram. A Venezuela já se tornou quase totalmente dependente de sua indústria de petróleo, que é uma receita ruim, para dizer o mínimo.

A situação piorou devido à má gestão da economia por Maduro e exacerbou ainda mais a Casa Branca sentindo o sangue com a implementação de sanções incapacitantes, agravando as feridas autoinfligidas.

Na Venezuela e em outros lugares, organizações de “poder brando” de Washington, como o National Endowment for Democracy (NED), financiam grupos de oposição de elite há anos. Embora a interferência dos EUA nos assuntos venezuelanos tenha impactado seriamente o país, tem sido um fator que contribui para a turbulência, e não para a causa avassaladora.

Para crédito de Maduro, ele conseguiu estabilizar sua posição e frustrar as tentativas dos EUA de derrubá-lo, mas, ao garantir a sobrevivência de seu governo, ele deve resolver uma série de problemas que assolam um país que possui as maiores reservas de petróleo do mundo – a principal razão por que Washington tem tanta intenção de derrubar Maduro.

Na última década na América Latina, os governos de direita capitalizaram as deficiências da esquerda, geralmente com a assistência dos governos Obama e Trump. Até agora, a direita ressurgiu fortemente na América Latina, reforçada mais recentemente em novembro de 2019 com a expulsão de Evo Morales, na Bolívia, apoiada pelos EUA; que Trump aplaudiu publicamente no dia seguinte, descrevendo a morte de Morales como “um momento significativo para a democracia no Hemisfério Ocidental”. (7)

Washington restaurou grande parte de seu domínio anterior sobre o hemisfério ocidental, afastando assim o nadir do poder americano pós-Segunda Guerra Mundial, que anunciava o fim dos oito anos de mandato de Bush.

Em outros lugares, embora seja importante não exagerar, a China representa uma ameaça crescente à ordem mundial financeira dos EUA. No século 21, a criação de associações de Pequim como a Belt and Road Initiative (BRI) e a Shanghai Cooperation Organization (SCO) tem sido um desenvolvimento significativo nos assuntos internacionais, desafiando instituições da era da Segunda Guerra Mundial, como o Banco Mundial e o FMI, ambas com sede em Washington.

No entanto, isso é parcialmente negado pela posição da China na tabela do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da ONU, na qual fica na 85ª posição entre os países do mundo, 13 posições abaixo de Cuba.

O IDH da ONU fornece uma visão penetrante das condições de vida de um país, com base na expectativa de vida, renda por pessoa e educação. Apesar de algumas previsões histéricas, é improvável que a China chegue perto de usurpar a posição da América como “poder hegemônico global” em um futuro próximo, deixando os EUA em uma posição inatacável e contínua. (8)

As estatísticas da Renda Nacional Bruta (RNB) revelam que o chinês típico ganha menos de um terço do salário anual em comparação com o americano médio. No total, os padrões de vida na China também estão abaixo dos da Tailândia, Colômbia e Argélia (9).

As contas ideológicas da mídia corporativa mergulhadas no neoliberalismo alertam seriamente sobre a chegada iminente da China como “a maior economia do mundo”, destacando inevitavelmente os números do Produto Interno Bruto (PIB) para apoiar seus argumentos, que da maneira usada são altamente enganosos, encobrindo a vida combinada de uma nação normas (10).
Enquanto isso, o Pentágono está atualmente construindo ainda mais bases militares, principalmente com a China em mente, em destinos distantes como o norte da Austrália, a ilha japonesa de Okinawa, a ilha pacífica de Papua Nova Guiné e também a Síria. (11)

Dependendo da inteligência que não estamos obtendo da operação que não estamos conduzindo, podemos ter que tomar a ação que não planejamos.

Mais a oeste, posicionado no coração do Oriente Médio, existe outro inimigo de longa data dos EUA: o Irã, rico em petróleo e gás, um país cercado por 45 bases militares dos EUA e cerca de 70.000 tropas americanas – com essas bases e infantaria localizadas em vários países do Oriente Médio. Estados do leste e países ditadores de petróleo como Bahrain, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita, que cercam o Irã em torno do Golfo Pérsico. (12)

O Oriente Médio, nadando em petróleo e gás, é a região mais vital do mundo do ponto de vista estratégico imperial, como foi reconhecido por planejadores americanos e britânicos que datam da Segunda Guerra Mundial.

A fixação do governo dos EUA no Irã tem pouco a ver com a preocupação da população iraniana e muito a ver com o fato de esta nação conter a quarta maior quantidade de petróleo do planeta, juntamente com os segundos maiores níveis de gás. A liderança iraniana é bastante repressiva, mas a ditadura da Arábia Saudita, um importante aliado ocidental, é consideravelmente pior com um histórico sombrio de direitos humanos que se estende por décadas.

O povo do Irã sofreu o peso das sanções americanas, pelo menos em parte porque teve a temeridade em 1979 de expulsar um ditador de marionetes dos EUA/Reino Unido, o xá de educação ocidental. Persiste um receio entre as elites ocidentais de que o nacionalismo iraniano possa se espalhar para o Iraque vizinho e, pior ainda, para a Arábia Saudita, embora a última possibilidade seja pequena na melhor das hipóteses. O fato de o Irã estar fora do controle dos EUA é um motivo separado para a intimidação, incluindo um ataque militar definitivo, uma violação grave da Carta da ONU.

A invasão e ocupação do Iraque liderada pelos EUA tiveram conseqüências desastrosas, mais preocupantes do ponto de vista americano, relações mais estreitas se desenvolveram entre o Irã e um Iraque quase dizimado – dois países que juntos contêm quase 20% das reservas de petróleo conhecidas no mundo. O status da América no Oriente Médio é mais fraco como consequência.

Outras ações imprudentes e desnecessárias, como assassinar um influente general iraniano no mês passado, podem corroer e minar ainda mais a posição dos EUA nesta área crítica; mas como em quase todas as regiões, a presença militar americana é incontestável, com milhares de tropas americanas adicionais sendo enviadas este ano para o Oriente Médio.

Como na China, seu vizinho diminuto da Coréia do Norte é amplamente cercado por forças militares dos EUA, equipamentos avançados e bases. Nas imediações da Coréia do Norte, o país é abrangido por 38 bases americanas, 15 das quais localizadas na Coréia do Sul do outro lado da fronteira, onde estão estacionados quase 30.000 soldados norte-americanos. Outras 23 instalações do Exército dos EUA estão situadas um pouco mais a leste no Japão.

O regime dinástico da Coréia do Norte conseguiu sobreviver por mais de 70 anos, o que, é preciso dizer, é uma façanha surpreendente, já que este país isolado está constantemente sob ameaça de invasão americana e está sofrendo duras sanções que afetam mais a população da Coréia do Norte.

Desde a Guerra da Coréia (1950-1953), na qual a Força Aérea dos EUA quase destruiu a Coréia do Norte, o mais próximo que a dinastia Kim veio a ser derrubada era bastante provável durante o verão de 1994, quando o presidente Clinton quase atacou a Coréia do Norte com os aviões furtivos F-117 e mísseis de cruzeiro – como mais tarde foi atestado por Robert Gallucci, secretário de Estado assistente durante os anos Clinton. (13)

Com o Pentágono ponderando um ataque à Coréia do Norte em junho de 1994, oficiais do governo dos EUA estimaram um número de mortos em até um milhão de pessoas no caso de uma invasão, que foi finalmente considerada muito arriscada e simplesmente não vale a pena. Se a autocracia norte-coreana não tivesse se armado até os dentes como um impedimento, eles teriam sido derrubados há muito tempo.
A Coréia do Norte está posicionada em uma das partes mais estrategicamente importantes do leste da Ásia, daí a atenção continuada dos governos dos EUA.


Notas:

1 Jeffrey M. Jones, “Trump Job Approval at Personal Best 49%”, Gallup, 4 February 2020, https://news.gallup.com/poll/284156/trump-job-approval-personal-best.aspx

2 Mike Eckel, “Putin’s ‘A Solid Man’: Declassified Memos Offer Window Into Yeltsin-Clinton Relationship”, Radio Free Europe Radio Liberty, 30 August 2018, https://www.rferl.org/a/putin-s-a-solid-man-declassified-memos-offer-window-into-yeltsin-clinton-relationship/29462317.html

3 Amanda Macias, “Trump signs $738 billion defense bill. Here’s what the Pentagon is poised to get”, CNBC, 20 December 2019, https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:y60JsOuvAxQJ:https://www.cnbc.com/2019/12/21/trump-signs-738-billion-defense-bill.html+&cd=16&hl=en&ct=clnk&gl=ie

4 Joyce Glasser, “John Pilger’s Documentary is fascinating and disturbing”, Mature Times, 5 December 2016,
https://www.maturetimes.co.uk/joyce-glasser-reviews-the-coming-war-on-china/

5 Noam Chomsky, Amy Goodman, Juan Gonzalez, “Chomsky: Leftist Latin American Governments Have Failed to Build Sustainable Economies”, Democracy Now!, 5 April 2017, https://www.democracynow.org/2017/4/5/chomsky_leftist_latin_american_governments_have

6 C.J. Polychroniou, “Noam Chomsky: Ocasio-Cortez and Other Newcomers Are Rousing the Multitudes”, Global Policy, 31 January 2019, https://www.globalpolicyjournal.com/blog/31/01/2019/noam-chomsky-ocasio-cortez-and-other-newcomers-are-rousing-multitudes

7 Donald Trump, “Statement from President Donald J. Trump Regarding the Resignation of Bolivian President Evo Morales”, The White House, 11 November 2019, https://www.whitehouse.gov/briefings-statements/statement-president-donald-j-trump-regarding-resignation-bolivian-president-evo-morales/

8 Noam Chomsky, Who Rules The World? (Metropolitan Books, Penguin Books Ltd, Hamish Hamilton, 5 May 2016), p. 57

9 Human Development Reports, “Table 1: Human Development Index and its components”, United Nations Development Programme, http://hdr.undp.org/en/content/table-1-human-development-index-and-its-components-1

10 Noah Smith, “Get Used To It America, We’re No Longer No. 1”, Bloomberg, 18 December 2018, https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:z_UxiDoz7YAJ:https://www.bloomberg.com/opinion/articles/2018-12-18/china-as-no-1-economy-to-reap-benefits-that-once-flowed-to-u-s+&cd=12&hl=en&ct=clnk&gl=ie

11 Observatory Editor, “Two New US bases in Syria and an 85-year oil plan”, Observatory, 11 December 2019, https://newsobservatory.com/two-new-us-bases-in-syria-and-an-85-year-oil-plan/

12 Robert Fantina, “US Encircles Iran with 45 Bases, But Is Concerned With Iran’s Activities In Syria, American Herald Tribune, 16 January 2018, https://ahtribune.com/world/north-africa-south-west-asia/syria-crisis/2098-us-iran.html

13 Jamie McIntyre, “Washington was on brink of war with North Korea 5 years ago”, CNN, 4 October 1999, http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:OOlUNI9GSNkJ:www.cnn.com/US/9910/04/korea.brink/+&cd=7&hl=en&ct=clnk&gl=ie

Autor: Shane Quinn

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Global Research.ca

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9xS

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA