Coronavírus: vice-ministro da Saúde do Irã infectado com o vírus à medida que o surto piora.


Coronavírus: teste do vice-ministro da Saúde do Irã dá positivo enquanto o surto piora.

O vice-ministro da Saúde do Irã testou positivo para a nova doença de coronavírus, enquanto luta para conter um surto que matou 15 pessoas.

Em um vídeo, Iraj Harirchi disse que estava se isolando e iniciando a medicação após o diagnóstico.

Ele foi visto esfregando a testa várias vezes em uma entrevista coletiva na segunda-feira, quando negou que as autoridades estivessem mentindo sobre a escala do surto de Covid-19.

Eles relataram 95 casos, mas acredita-se que o número real seja maior.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que o aumento repentino de casos no país é “profundamente preocupante”.

O diretor regional da agência da ONU deveria voar para o Irã na terça-feira, mas sua partida foi adiada.

Uma porta-voz da OMS disse que está finalizando as datas de uma visita separada ao Irã por uma missão técnica e também está enviando suprimentos médicos e kits de testes adicionais que devem chegar nos próximos dias.

Mais de 80.000 casos da doença respiratória Covid-19 foram relatados em todo o mundo desde que surgiu no ano passado. Cerca de 2.700 pacientes morreram – a grande maioria na China.

Em um vídeo divulgado na terça-feira, Harirchi admitiu que também tinha o Covid-19.

“Eu estava com febre desde a noite passada e meu teste preliminar foi positivo por volta da meia-noite”, disse ele.

“Eu me isolou em um lugar desde … e agora estou começando a tomar medicação.

“Definitivamente seremos vitoriosos contra esse vírus nas próximas semanas”, acrescentou o ministro.

O teste positivo de Harirchi para o Covid-19 foi anunciado um dia depois que ele participou de uma entrevista coletiva com o porta-voz do governo Ali Rabiei. Tossia ocasionalmente e parecia suar muito.

Durante a entrevista, o ministro negou a reivindicação de um membro do parlamento pela cidade no centro do surto do Irã de que as autoridades estavam envolvidas em um acobertamento.

Ahmad Amirabadi-Farahani alegou que o Covid-19 havia chegado a Qom há três semanas e que 50 pessoas haviam morrido apenas na cidade.

O número de mortos foi rejeitado por Harirchi, que prometeu renunciar se for possível provar que metade desse número havia morrido.

Amirabadi-Farahani posteriormente recusou-se a retirar sua reivindicação, dizendo que havia enviado uma lista de 40 pessoas que morreram ao ministro e aguardavam sua demissão.

O secretário do Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, Ali Shamkhani, disse na terça-feira que pediu ao promotor-geral para “verificar a validade” da alegação do parlamentar.

“A divulgação de notícias falsas e a ocultação da verdade perturbam a segurança nacional e prejudicam o capital social”, alertou.

Até agora, as autoridades se recusaram a colocar Qom em quarentena, que é um importante destino para os peregrinos muçulmanos xiitas e um centro de aprendizado xiita.

Acredita-se também que o Irã tenha sido a fonte dos primeiros casos relatados pelos vizinhos Afeganistão, Bahrein, Iraque, Kuwait e Omã, que agora impuseram restrições às viagens de e para a República Islâmica.

Os Emirados Árabes Unidos – um importante centro de trânsito internacional e sede das companhias aéreas Emirates e Etihad – suspenderam todos os voos de passageiros e de carga para o Irã por uma semana “como medida de precaução” na terça-feira. Relatou 13 casos, incluindo um casal iraniano.

Enquanto isso, o Ministério da Saúde do Bahrein aumentou para 17 o número de casos confirmados. Ele disse que todos os infectados haviam viajado do Irã via Emirados Árabes Unidos.

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: obireefe.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9Hl

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA