Por que os iraquianos odeiam as tropas dos EUA que ocupam seu país.


A mídia americana de notícias apresenta uma visão muito distorcida das relações internacionais da América. Por exemplo, considere isso:

Mensagem de um fusileiro aposentado da Marinha sobre a proibição de viagem se torna viral

2.306.988 visualizações • 10 de fevereiro de 2017

Fox News, Hannity

Fuzileiro naval no Iraque [Steve Gern, sargento-chefe da Marinha (Aposentado)]:

“Discutimos a ordem executiva [que proíbe os iraquianos de virem para os EUA] e seu descontentamento nessa ordem executiva, por que eles sentem que foram traídos pelos Estados Unidos e… eu fiz uma pergunta simples: como americano, se eu saiu para a cidade agora, eu seria bem-vindo? E eles responderam absolutamente que não, você não seria bem-vindo. E eu disse, o que aconteceria? E eles disseram que os locais me pegariam e me matariam em uma hora. Eu seria torturado primeiro e, depois que terminassem de me torturar, provavelmente seria decapitado, seria exibido em vídeo, para que todos vissem como um exemplo. … O que estou tentando fazer é isso, é a população local, que faria isso. Não é a Al-Qaeda, não é a UGP, não é a milícia dos iranianos, é a população local que faria isso. Então, minha pergunta era bem simples: se você faria isso comigo no seu país, por que eu deixaria você no meu país? Porque tudo isso significa para mim é que, se você tiver a oportunidade de tirar a vida de um americano, você o faria. Se é assim que algumas dessas culturas se sentem, é assim que esses países se sentem em relação aos americanos, por que você seria tão ingênuo ao acreditar que, se viessem para os Estados Unidos, fariam algo diferente do que fariam? aqui em seu próprio país? ”

Na verdade, não há comparação entre essas duas situações (uma dessas iraquianas na América e a mesma pessoa no Iraque ocupado pelos EUA), e aqui está o porquê:

Nós invadimos a terra deles. Fizemos isso com base nas mentiras de Bush de que Bush tinha evidências conclusivas de que Saddam estava a seis meses de uma arma nuclear e estava por trás dos ataques de 11 de setembro. Ele descaradamente deturpou a evidência que ele tinha. E, em vez de Bush, ou qualquer um de seus sucessores, pedir desculpas por isso – a destruição do Iraque (com base em mentiras) – houve uma ocupação militar contínua do Iraque e forçando seu governo a fazer o que o governo mentiroso exige, como privatizando o petróleo e pagando às companhias internacionais de petróleo para explorá-lo e comercializá-lo – seu petróleo.

A razão pela qual “eles sentem que foram traídos” pela ordem de Trump contra qualquer iraquiano que se mude para a América é que muitos desses iraquianos foram contratados por empresas americanas para traduzir ou dar outra assistência essencial aos invasores e, portanto, eles mesmos são agora odiados pelos habitantes locais, seus próprios compatriotas, e pensam que a única segurança para eles e suas famílias seria se mudar, junto com suas famílias, para a América. Eles agora estão aterrorizados ao se verem presos no Iraque, onde são considerados razoavelmente traidores.

Além disso, os EUA apreenderam muitos iraquianos inocentes e os submeteram a tortura; então, por que isso estaria bem, mas os habitantes locais capturando alguns dos invasores e submetendo-os à tortura NÃO está bem? Os invasores (as forças dos EUA) são inocentes? Talvez alguns deles sejam, mas, na verdade, eles deveriam ser considerados inocentes e os iraquianos, a quem nosso governo apreendeu e torturou, devem ser considerados culpados? Culpados de quê? De defender o país deles? Contra esta invasão do mal? Ok, então o mal estava no presidente dos EUA, George W. Bush, e também em seu vice-presidente mentiroso, Dick Cheney, etc., e outros criminosos de guerra da administração Bush de alto nível, e não necessariamente nas tropas que simplesmente fizeram o que lhes foi pedido. Mas na Segunda Guerra Mundial, todas as tropas de Hitler eram inocentes? Eles não foram os principais responsáveis, mas foram INOCENTES? Eles fizeram o que foram pagos para fazer, mas eram inocentes? Verdade? Pode-se dizer que eles eram menos culpados do que as tropas americanas no Iraque, porque esses soldados alemães eram recrutas, enquanto os nossos são voluntários.

O fato de Steve Gern ser odiado no Iraque enquanto ele estava no Iraque não é comparável a um cidadão iraquiano que era um traidor de seu país e agora é refugiado nos Estados Unidos (o que a ordem executiva de Trump impede). São tipos totalmente diferentes de casos. Aquele iraquiano que busca refúgio nos EUA não é invasor. Mas Gern era. Todos os americanos no Iraque são invasores e ocupantes militares, com base apenas nas mentiras que George W. Bush e sua equipe divulgaram em 2002. Não há comparação. Essa entrevista da Fox ‘News’ é pura propaganda.

Isso não quer dizer que Steve Gern não acredita no que afirma. É apenas para dizer que o que ele está afirmando é estúpido, porque é cego para a realidade, que o outro lado vê muito claramente porque seu país foi invadido e é ocupado militarmente por Gern e pelas outras tropas dos EUA em seu país.

E não se trata da “cultura”, como Gern disse. Gern afirmou que “se é assim que algumas dessas culturas se sentem, é assim que esses países se sentem em relação aos americanos”, mas a diferença aqui é entre ocupante e ocupado, não se trata de algo “cultural”. Ocupantes militares não são apreciados. Em nenhum lugar. Especialmente depois que a invasão destruiu o país e o contaminou com toxinas. E se o país invasor invadiu com base em mentiras – como os EUA fizeram no Iraque e agora rotineiramente -, então as tropas ocupantes são normalmente odiadas. Gern é cego a essa realidade básica. Além disso, a invasão e ocupação americana do Iraque destruíram o Iraque.

É por isso que as tropas dos EUA são odiadas no Iraque. E é também por isso que um traidor iraquiano que fugiu para a América em busca de proteção não é nada comparável a um soldado americano no Iraque. O fato de a pessoa estar agora negada o direito de asilo aqui é um insulto a esse traidor; está dizendo a ele: depois de explorá-lo, estamos descartando você – você ficará no país em que é um traidor.

Se o Iraque tivesse invadido e ocupado militarmente os EUA, e o tivesse feito puramente com base em mentiras, não odiaríamos esses ocupantes militares de nossa terra? Claro que sim. E, é claro, deveríamos, nesse caso, odiar especialmente o líder iraquiano que soltou as mentiras e ordenou que as tropas do Iraque invadissem aqui. Mas poderíamos então matar aquele chefe de Estado, naquela terra distante, que havia mentido e ordenado a invasão do seu país? Infelizmente não. E, da mesma forma, os iraquianos não podem matar George W. Bush, embora a maioria deles provavelmente deseje fazê-lo. Mas se eles matassem alguém como Steve Gern, talvez isso liberasse um pouco do ódio que sentem por Bush e por sua equipe. É um ódio muito justificável, mesmo que erre o alvo real. Gern era apenas um frontman do mal. Bush era o mal.

Uma pessoa tem justificativa para odiar seu estuprador? Não? Verdade? Por que não? Como, então, é possível a justiça? Não se trata de “olho por olho”. É a resposta da vítima ao agressor e opressor dessa pessoa. Os iraquianos não invadiram a América. Os americanos invadiram o Iraque. Quanto mais a mídia de ‘notícias’ dos bilionários norte-americanos que se beneficiaram com essa invasão oculta esse fato bombeando os enganos que esses beneficiários desse mal constantemente nutrem, mais justificado é esse ódio das vítimas reais.

Invadir um país com base em mentiras está estuprando todo mundo que mora lá. Nenhum crime é pior que isso. Os EUA fazem isso rotineiramente, mas agora contratam procuradores estrangeiros para fazer o caos, como a Al Qaeda. Isso não faz com que seja menos mal. Em 3 de janeiro, Trump assassinou o homem que muitos consideravam o general mais eficaz para liderar a luta para destruir o ISIS (Estado Islâmico), e Trump perpetrou esse assassinato no território iraquiano, em total desrespeito à soberania do povo iraquiano, a quem aquele iraniano o general era esmagadoramente considerado um herói e um libertador.

Quando o sargento Gern dos EUA ocupava o Iraque, ele estava cercado de inimigos e não sabia o porquê. Ele não é capaz de ver as coisas do ponto de vista da vítima, a menos que seja a vítima. E na Fox ‘News’ ele estava sendo apresentado como vítima. Essa entrevista foi transmitida como propaganda dos bilionários do Partido Republicano contra a propaganda dos bilionários do Partido Democrata. O público é praticamente ignorado, exceto como espectadores a serem enganados. Isso é chamado de “imprensa livre” na “democracia” da América. As ‘notícias’ são propaganda, mas cada indivíduo escolhe qual propaganda comprar. Gern é apenas um soldado nesse tipo de ‘democracia’. Ele faz o que é pago para fazer e não entende por que é pago para fazê-lo, nem a quem beneficia ao fazê-lo. Ele era um soldado dos bilionários da América, mas nunca foi informado disso. E o salário dele – então, e mesmo na aposentadoria – vem dos contribuintes americanos, que não se beneficiam da invasão e ocupação militar do Iraque. É uma terra de socialismo para os ricos e capitalismo para todos os outros. É por isso que os soldados americanos estão realmente matando e morrendo. Mas a morte e a mentira devem continuar, porque beneficia os bilionários, os patronos finais desse caos.


Autor: Eric Zuesse

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Strategic-Culture.org

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9NW

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA