A guerra ao Iêmen, 100.000 mortes, uma crise ignorada pela grande mídia devido à cobertura do coronavírus.


O mundo presta atenção constante ao coronavírus, ocupando as agências de notícias com uma alta cobertura da pandemia. Enquanto isso, na periferia global, a geopolítica continua a todo vapor, com vários conflitos ocorrendo despercebidos pela maioria das pessoas fora das regiões afetadas. O caso do Iêmen é um exemplo claro do que estamos falando aqui. Recentemente, o conflito no país completou cinco anos de combates ininterruptos, atingindo as marcas lamentáveis ​​de mais de 10.000 mortos no confronto, além de quase 100.000 mortos pelos males sociais causados ​​pela guerra, como a fome, principalmente entre crianças. O país mais pobre da Península Arábica se tornou uma área estratégica em fortes disputas e um verdadeiro termômetro geopolítico para as tensões no Oriente Médio, especialmente entre as duas potências regionais mais envolvidas no conflito, o Irã e a Arábia Saudita, que estão aumentando sua rivalidade dia após dia.

A atitude mais notável é a da Arábia Saudita, que, alinhada com o eixo ocidental, vem adotando atitudes cada vez mais agressivas no país, causando sofrimento desnecessário à população local e prolongando o terror e o medo na região. Dados da Human Rights Watch mostram que a Arábia Saudita está por trás de abusos de direitos fundamentais contra a população iemenita, especialmente na região de al-Mahrah, desde pelo menos junho do ano passado, quando esses crimes começaram a ser investigados. O diretor da HRW no Oriente Médio, Michael Page, declarou em uma entrevista à PressTV:

    “As graves violações das forças sauditas e de seus aliados iemenitas contra os moradores locais de Mahrah são outro horror a ser adicionado à lista da conduta ilegal da coalizão liderada pela Arábia Saudita no Iêmen (…) A Arábia Saudita está prejudicando gravemente sua reputação com os iemenitas quando realiza esses práticas abusivas e não responsabiliza ninguém por elas”.

Entre os abusos denunciados pela HRW, destacamos prisões ilegais, tortura, seqüestros e transferência compulsória de detidos para a Arábia Saudita. Além disso, outros crimes internacionais haviam sido relatados anteriormente pela organização como sendo cometidos pela coalizão americana contra a resistência houthi na região, incluindo bombardeios a casas, empresas e hospitais. Em fevereiro, pelo menos 30 civis iemenitas morreram de ataques aéreos realizados por militares sauditas no norte do país, no distrito de Jawf al-Maslub. O ataque teria sido conduzido em resposta à queda de uma aeronave saudita pelas forças de Houthi. Nas palavras do porta-voz do movimento houthi Yahya Saree :

    “Como sempre, quando a agressão mais brutal entre EUA e Arábia Saudita recebe ataques dolorosos nos campos de confronto militar, ela responde com grande loucura, mirando em civis”.

Em março, uma frota de 450 soldados americanos desembarcou no Iêmen, além de um número incerto de tropas do Reino Unido, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Segundo informações de al-Mashhad, esta foi a primeira etapa de um projeto para enviar 3.000 soldados americanos e britânicos ao Iêmen, que desembarcarão nas regiões de Aden, Lahai, Saqtari, Shabweh e al-Mohreh, completando assim um verdadeiro cerco. do país em todas as direções geográficas. Além disso, dois navios de guerra americanos atracaram no Balhaf, o principal porto de exportação de gás natural do Iêmen. Os movimentos americanos seriam motivados na região a supostamente “combater o terrorismo”, mas vários analistas militares já deixaram claro que os Estados Unidos pretendem intervir no governo iemenita e instalar bases fixas na região, “estabilizando” a situação no país. país.

A crise no Iêmen é uma verdadeira catástrofe humanitária, com dimensões semelhantes às da Guerra Civil na Síria. No entanto, a atenção dada ao país mais pobre do Oriente Médio é mínima, especialmente em tempos de pandemia. Mais uma vez, o COVID-19 está sendo usado como uma “cortina de fumaça” para distrair a atenção mundial, enquanto movimentos ilegais e agressivos estão ocorrendo em regiões específicas do planeta, como ficou recentemente claro com o avanço de Israel na Cisjordânia e a chegada de milhares de tropas americanas no Iêmen.

No entanto, outro fator absolutamente ignorado, sendo ainda mais grave que a agressão militar, é a crise de saúde pública e a insegurança alimentar gerada pela agressão saudita. O ministro da Saúde do Iêmen , Saif al-Haidri, alertou recentemente sobre a negligência com a qual a sociedade internacional lidou com a situação, que ele chamou de “desastrosa à sombra da guerra”. Estas são as suas palavras:

    “Aproximadamente cinco milhões e meio de crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição (…) Uma criança morre a cada dez minutos no Iêmen (…) 80% das crianças no Iêmen vivem em um estado de baixa estatura e anemia devido à desnutrição (…) ) Duzentas mil mulheres em idade fértil ou algumas estão grávidas ou deram à luz filhos desnutridos, o que ameaça a vida das crianças”.

De fato, enquanto o mundo está distraído com o coronavírus, os crimes contra a humanidade são cometidos com impunidade e milhões de pessoas morrem de fome sem ajuda humanitária. O Iêmen ainda não registrou nenhum caso de COVID-19, mas o que podemos esperar no futuro próximo quando as tropas ocidentais chegarem ao país o tempo todo, já que os EUA e a Europa são as regiões mais afetadas pela pandemia? Qual será o futuro da crise no Iêmen? O Ocidente trará paz ou pandemia ao país mais pobre do Oriente Médio?


Autor: Lucas Leiroz de Almeida

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: InfoBrics

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9Up

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA