A OTAN tem um novo elo fraco para a Rússia explorar. O norte da Macedônia acabou de se tornar o membro mais novo e mais fraco da OTAN.


Isso o torna um alvo maduro para interferência.

A chanceler alemã Angela Merkel observa durante os exercícios de uma unidade de tanques da OTAN em Münster, Alemanha, em 20 de maio de 2019. CHRISTOPHE GATEAU/DPA/AFP via Getty Images

Em 1938, o primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain possibilitou que Adolf Hitler marchasse para a Tchecoslováquia, apesar da superioridade militar dos aliados ocidentais de Praga, porque Chamberlain decidiu que a questão era “uma briga em um país distante, entre pessoas de quem não sabemos nada.” Hoje, é igualmente difícil acreditar que a OTAN entraria em guerra por causa de seus compromissos na Europa Oriental. No entanto, em 27 de março, a aliança ocidental admitiu a Macedônia do Norte como seu mais novo – e mais fraco – membro. Ao fazê-lo, deu ao presidente russo Vladimir Putin uma excelente oportunidade para expandir sua influência, corroer ainda mais a unidade da OTAN e testar o compromisso do bloco de defender um membro da aliança.

Macedônia do Norte é a definição de um elo fraco e escolhas fáceis para um adversário. Um país sem litoral de 2 milhões de habitantes, possui instituições políticas fracas e apenas uma breve história de independência. Em 2018, gastou apenas 1% de seu PIB em defesa – menos do que os 2% da OTAN – e tinha apenas 8.000 soldados em serviço ativo. Há uma tensão comunitária fervente entre uma maioria ortodoxa eslava e uma considerável etnia albanesa, principalmente a minoria muçulmana, tornando-a vulnerável a interferências. Na OTAN, apenas a vizinha Albânia tem um PIB per capita mais baixo e um nível mais alto de corrupção. O Índice de Democracia da Economist Intelligence Unit classifica o norte da Macedônia como a cultura política menos desenvolvida da Europa. A Rússia realizou grandes jogos de guerra que eram apenas simulações de ataques disfarçados aos membros da OTAN, como a Polônia e os Estados Bálticos.

Moscou vê a expansão da OTAN na Europa Oriental com suspeita desde os anos 90. No entanto, foi apenas na década de 2000, depois que as forças armadas e a economia da Rússia se recuperaram do caos da era pós-soviética, que Putin declarou a expansão para o leste da OTAN uma “ameaça direta” e confrontou abertamente a aliança. A intervenção russa na Geórgia em 2008 – não por acaso, o ano em que a OTAN declarou interesse na eventual adesão da Geórgia à aliança – interrompeu a expansão do bloco em antigas áreas controladas pelos soviéticos. A anexação da Crimeia, embora não sejam um ataque direto a um membro dos avanços russos. Mais ao norte, a Rússia realizou grandes jogos de guerra que, segundo especialistas militares, eram simulações de ataques aos membros da OTAN, como Polônia e Estados Bálticos.

Agora que a Macedônia do Norte se juntou à OTAN, Putin parece estar saboreando sua primeira chance de provar que a aliança é pouco mais que um tigre de papel. Em 2018, o embaixador da Rússia no norte da Macedônia declarou o país um “alvo legítimo” para aumentar as tensões entre a OTAN e a Rússia. Mas não havia “se”: mesmo antes de o norte da Macedônia se tornar membro, a Rússia já estava trabalhando assiduamente sua influência na região. Moscou enviou mísseis antiaéreos S-400 para a Sérvia vizinha para exercícios militares russos e sérvios, facilitou uma tentativa de golpe no Montenegro e tentou desestabilizar a Bósnia e Herzegovina, provocando tensões sectárias. E na própria Macedônia do Norte, a Rússia usou suas agencias de notícias para a campanha presidencial dos EUA em 2016. Moscou também tentou influenciar o referendo de setembro de 2018 da Macedônia do Norte sobre a adesão à OTAN, está usando sua embaixada e consulados lá como bases para operações de coleta de informações e espalhou propaganda detalhando supostas conspirações ocidentais para acabar com o país.

O fato de a Rússia investir tempo nos membros da OTAN na Europa Oriental não é novidade. A Rússia há muito tempo tenta conter os países bálticos – Lituânia, Letônia e Estônia – que aderiram à OTAN e à União Européia depois de conquistarem sua independência da União Soviética. Hoje, porém, os Estados Bálticos estão bem integrados nas estruturas de alianças e na economia européia e abrigam milhares de tropas da OTAN. Enquanto os Bálticos se tornaram parte da frente bem blindada da OTAN, os Bálcãs são sua parte inferior macia.

A postura da OTAN no norte da Macedônia e seus arredores é muito limitada. Os países dos Balcãs também são mais pobres, mais divididos etnicamente e menos economicamente integrados à Europa. Sua instabilidade potencial e a probabilidade muito menor de uma resposta robusta por parte do Ocidente tornam a Macedônia do Norte e seus vizinhos alvos fáceis e maduros para a interferência russa.

Tomando uma página do manual de história, Putin assume, com razão, que a maioria dos tomadores de decisão nas capitais da OTAN consideraria a Macedônia do Norte um “país distante” de “pessoas das quais nada sabemos”. O presidente dos EUA, Donald Trump, cuja relação com Putin continua a atrair atenção, confirmou uma suspeita semelhante em relação ao vizinho Montenegro quando ele pareceu questionar o compromisso da OTAN de defender a nação dos Balcãs durante uma entrevista exibida na Fox News. E enquanto alguns podem ter se ofendido com a declaração de Trump, a verdade é que ele fala por muitos.

Segundo uma pesquisa realizada em fevereiro pelo Pew Research Center, menos da metade das populações da França, Espanha, Turquia e Grécia têm uma visão favorável da OTAN. Afogando os críticos da aliança, o presidente francês Emmanuel Macron declarou no ano passado que a OTAN tinha “morte cerebral”. Os cidadãos de apenas três países europeus – Grã-Bretanha, Holanda e Lituânia – dizem que seu país deveria responder com força militar se a Rússia atacasse um membro da OTAN na Europa Oriental.

Não surpreende, portanto, que a postura da OTAN em relação ao seu mais novo membro permaneça incerta. Embora a OTAN tenha ampliado a definição de seu compromisso de defesa conjunta – artigo 5 da Carta da Aliança – para incluir ataques cibernéticos em 2014, ela não conseguiu esclarecer exatamente o que isso significa. Quando perguntado qual o nível de ataque cibernético em um de seus membros desencadearia uma resposta, o secretário-geral da Otan Jens Stoltenberg disse apenas: “Vamos ver”. A Declaração de Bruxelas de 2018 reafirmou a intenção da OTAN de defender os Estados membros de ataques não convencionais – mas apenas humildemente afirmou que em “casos de guerra híbrida, o Conselho poderia decidir invocar o Artigo 5.” Essas palavras da doninha ocidental foram devidamente anotadas no Kremlin.

A questão mais premente é garantir as próximas eleições na Macedônia do Norte, agora adiadas até novo aviso devido à pandemia do COVID-19. As últimas pesquisas mostraram o VMRO-DPMNE, um partido nacionalista pró-russo, em um empate com os social-democratas ocidentais. A influência russa no processo das eleições, se for bem-sucedida, pode resultar em um governo que inclina o norte da Macedônia em direção a Moscou.

A Rússia também pode tentar pressionar o norte da Macedônia de outras maneiras, inclusive através do cliente regional de Moscou, a Sérvia. A propaganda russa direcionada à Macedônia do Norte inclui as informações sobre a considerável minoria albanesa do país conspirando com a OTAN e a Albânia para transformar a Macedônia do Norte em uma “maior Albânia” em meio a um grande derramamento de sangue. Como qualquer estudante da história dos Balcãs sabe, essa retórica já levou à violência étnica na região. Como alternativa, a Rússia pode apoiar o levantamento de conflitos na Sérvia, cuja região instável de Presevo faz fronteira diretamente com o norte da Macedônia ou a disputa não resolvida do Kosovo. Qualquer conflito poderia facilmente se espalhar pelo norte da Macedônia.


Autores: Max Frost e Ivana Stradner

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Foreign Policy

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-9Xf

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA