Israel tomou uma Unidade de Defesa Aérea Síria Pantsir S-200. Rússia: “Sem transferência para o S-300, a Síria tem tudo o que precisa”.


A explicação da Rússia para o fato de os S-300s não estarem a caminho da Síria é bizarra e patentemente inverídica.

Em vez de admitir que tem suas próprias razões pelas quais não está disposta a aumentar as defesas aéreas sírias, a Rússia reforça sua eficácia e finge que isso é perfeitamente adequado – quando em sete anos eles não conseguiram impedir Israel de ataques quase semanais.

Em 10 de maio, ataques israelenses contra posições do exército sírio no sul da Síria Israel dispararam pelo menos 60 mísseis de cruzeiro. Os russos dizem que as defesas aéreas sírias destruíram quase metade delas antes do impacto. Isso seria bastante a realização de fato.

No entanto, há outro lado da história. Israel divulgou imagens de um dos mísseis ao atingir as unidades de defesa aérea de curto alcance Pantsir-S1 feitas na Rússia. Isso é muito embaraçoso para russos e sírios, já que o Pantsir, com seus canhões rápidos e mísseis próprios, foi projetado para defender posições-chave exatamente com esse tipo de ameaça – mas não conseguiu se defender sozinho. Agora, a unidade não estava camuflada ou escavada. Estava sentada ao ar livre no asfalto da base aérea. Isso é extremamente imprudente e amador. O mais provável é que a unidade não tenha sido ligada ou estivesse aguardando por um recarregamento de munição (por que sair ao ar livre?).

No entanto, o Pantsir não foi o único a matar. Os israelenses também destruíram vários radares do S-200. O sistema S-200 vem com um míssil mais pesado para defesa aérea de longo alcance. É positivamente antiga, tendo entrado em serviço nos anos 60 e não é mais usada pela Rússia. No entanto, é o melhor que a Síria tem.

Ao mesmo tempo, a Rússia declarou que a transferência dos novos sistemas S-300 para a Síria não está nos cartões no momento. O próprio oficial russo encarregado da assistência militar a outras nações afirmou que “a Síria tem tudo de que precisa”. Isso me parece uma coisa muito estranha de se dizer em um momento em que seus S-200s estão explodindo.

A mídia israelense está ligando a declaração russa a Netanyahu fazendo lobby contra a transferência em sua visita em 9 de maio em Moscow, mas a Rússia alega que os dois não estão ligados. Eu estou realmente disposto a aceitar a segunda, não apenas a explicação do Kremlin sobre isso.

Existem razões válidas para que a Rússia se recusasse a dar à Síria o S-300. Em primeiro lugar, há problemas políticos e ópticos envolvidos. Os israelenses estão agora disparando seus mísseis do espaço aéreo israelense (palestino) e libanês. A defesa contra eles implicaria a queda de jatos israelenses sobre Israel. Agora, se isso for conseguido pela ajuda militar russa (a Síria não pode pagar realisticamente pelos S-300s) você começa a ver o meu ponto… Se graças a Putin os jatos israelenses começarem a cair do céu em Israel, as elites americanas podem abanar o chamas da russofobia na famosa América do meio pró-Israel mais facilmente.

Além disso, é perfeitamente possível que a Rússia não queira pagar a conta. A força aérea israelense é grande e altamente sofisticada tecnicamente. Não há garantia de que possa ser dissuadido ou defendido por apenas uma ou duas baterias do S-300. Muito possivelmente seria necessário um aumento muito maior das defesas aéreas sírias, um acúmulo que a Rússia talvez não queira financiar. Especialmente em um momento em que está reduzindo até mesmo os gastos com defesa.

Nos anos 1970, Israel e Egito travaram uma guerra aérea de atrito. As defesas antiaéreas do Egito, treinadas pelos soviéticos e supridas pelos soviéticos, infligiram perdas inaceitáveis ​​à força aérea israelense, mas Moscow acabou pagando a conta. Putin, que comanda um país menor do que Brezhnev e um país bem menos ambicioso, provavelmente não está muito interessado em seguir o caminho dos soviéticos.

Isso é bastante compreensível e, provavelmente, sábio, mas dizer que a Síria tem todas as defesas aéreas de que precisa agora – quando Israel a está atacando com virtualmente impunidade por quase sete anos é patentemente falso e uma coisa muito bizarra de se dizer.

A verdadeira explicação é que a Rússia não está disposta a assumir os riscos e os encargos do tipo de formação do exército da Síria que realmente levaria a controlar os israelenses se esses decidissem ser realmente teimosos sobre isso.

Isso provocaria as elites pró-israelenses de Washington e sobrecarregaria a Rússia financeiramente e politicamente por pouco ganho, já que Netanyahu continua assegurando a Putin que Israel não procura alterar o resultado da guerra civil síria, mas está meramente empurrando contra a influência iraniana na Síria.

Enquanto Moscow comprar, não reagirá. A ira russa só aumenta quando Israel age de tal forma a estabelecer uma guerra entre os EUA e Assad, como foi o caso no mês passado. Isso deu origem à ameaça russa que eles podem fornecer à Síria com melhores defesas aéreas, mas a ameaça agora parece estar vazia.

A unidade Pantsir destruída – 2 soldados da defesa aérea foram mortos no ataque.



Autor: Marko Marjanović

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Checkpoint Asia

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6BO

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA