China expulsa os EUA do mundo global. Como a China domina no comércio global?


No Fórum Econômico Asiático em Hainan, o presidente chinês Xi Jinping confirmou o caminho para a globalização, mas não no estilo americano.

Falando na cerimônia de abertura da parte chave do Fórum Econômico Asiático em Boao (Ilha de Hainan), o presidente Xi Jinping reiterou a impressão que muitos tiveram desde o fórum em Davos – a China substituiu os Estados Unidos como a força motriz da globalização. Além disso, a China oferece um novo tipo de globalização: de forma voluntária e sem ditadura militar, que é cada vez mais utilizada pelos EUA para obter vantagens competitivas.

Há uma demanda por um novo tipo de globalização no mundo. Portanto, o modelo chinês continuará a ganhar popularidade. Especialmente com a implementação da política do presidente dos EUA, Donald Trump, “America Primeiro”, caracterizado por guerras comerciais, a introdução de sanções e deveres contornando a OMC, a revisão dos acordos econômicos, forçando os parceiros em negócios não rentáveis.

Assim, os principais temas do fórum que terminou em 11 de abril, chamado “Eastern Davos” ou Davos do Oriente, foram reformas, abertura, inovação e “Belt and the Road”. Estiveram presentes mais de dois mil representantes de alto nível de 63 países. Entre eles estão os presidentes das Filipinas e da Áustria, os primeiros-ministros da Mongólia, Nova Zelândia, Paquistão e Cingapura.

“Há cinco anos, apresentei a iniciativa” Um cinto, uma estrada. “Desde então, mais de 80 países e organizações internacionais assinaram documentos sobre a cooperação com a China neste projeto”, disse Xi Jinping no palco. “A China não faz cálculos geopolíticos mesquinhos, não cria associações fechadas, não se coloca acima dos outros e não impõe nenhum acordo a ninguém.” Ele observou que, embora seja a idéia da China, “suas oportunidades e resultados beneficiarão o mundo inteiro”.

Qual é a diferença entre as duas globalizações: americana e chinesa?

Na globalização americana, todos os benefícios vão para os EUA, ou melhor, para os investidores americanos e todos os custos, especialmente no início, para os países em que investem. E quando esses países, depois de passarem por dificuldades e dificuldades, começam a competir com os Estados Unidos ea vencer na competição por meio de mais trabalho duro e mão-de-obra mais barata, os Estados Unidos começam a acusá-los de “concorrência desleal” por alguém. Os americanos introduzem obrigações mórbidas e sanções contra seus concorrentes, a fim de eliminar déficits comerciais desfavoráveis. Isto é o que estamos agora testemunhando em toda a sua glória …

A globalização dos chineses está em outra: nada é imposto a ninguém, a participação dos países é voluntária, se eles decidem que é rentável para eles. Em 2013, o Presidente Xi Jinping apresentou o conceito de “Cinturão Económico da Rota da Seda” e a “Rota do Mar da Seda” no âmbito da iniciativa One-Way-One Road, que visa criar um transporte, energia e comércio Corredor entre a Ásia ea Europa, aprofundar a cooperação económica, comercial e científica e técnica entre a Ásia, a Eurásia e a Europa.

Xi Jinping prometeu “lutar contra o protecionismo” e promover “transações comerciais multilaterais”. Na mesma linha, ele respondeu às alegações feitas por Washington sobre esta parte:

A China abrirá ainda mais os mercados, especialmente na esfera de finanças e seguros, removerá as restrições de investimento, na produção, em particular na indústria automotiva, vamos apertar as medidas no campo da proteção da propriedade intelectual.”

O líder da República Popular da China deixou claro como Pequim vai lidar com as restrições comerciais que os EUA pretendem construir sobre a China, desenvolvendo o consumo interno, se os americanos e outros querem produzir bens de consumo em vez de importá-los da nova “oficina do mundo”, como foi feito nas décadas anteriores.

Como medidas concretas, ele chamou a próxima redução significativa no atual ano de impostos sobre carros e outros bens importados. Ele também expressou a esperança de que os países desenvolvidos, por sua vez, suspendessem as restrições à exportação de produtos de alta tecnologia para a China.

A China entende claramente que o tipo de globalização que ela propõe exige uma ordem mundial estável. O chefe do Estado chinês, nesse sentido, enfatizou a necessidade de “segurança universal, integrada e coordenada” e “proteção da ordem mundial e do sistema de relações internacionais, com base nos propósitos e princípios da Carta da ONU”.

Estas palavras contrastam fortemente com a declaração quase simultânea do embaixador dos EUA na ONU Nikki Haley sobre a situação em torno da Síria depois de outro ataque químico fey: os Estados Unidos tomarão medidas se o Conselho de Segurança da ONU não punir os “culpados”, que o As autoridades dos EUA exigem que a comunidade mundial considere a Síria, o Irã e a Rússia.

A China tem uma lógica diferente. É necessário, de acordo com Xi Jinping, “coordenar suas posições na resposta aos desafios de segurança tradicionais e não tradicionais, para fortalecer a cooperação bilateral e multilateral”. O líder chinês também expressou sua opinião de que “os vários mecanismos para garantir a segurança são mutuamente tolerantes e harmoniosos, de modo que alguns deles complementam outros, cooperando em vez de infringir ou minar uns aos outros”. Só assim, ele apontou, o mundo “chegará à segurança universal e conjunta”.

O líder chinês acrescentou que a China “protegerá o mundo global”, “contribuirá para sua prosperidade e manterá a ordem internacional”.

Acrescentemos que, ao contrário da retórica sobre liberdade e democracia, que o Ocidente se transformou em um aríete para alcançar seus interesses egoístas e estabelecer controle sobre as políticas de outros estados, a China não impõe nada disso a ninguém. Mas o modelo chinês de desenvolvimento econômico, adotado voluntariamente por vários países da Ásia e da África, geralmente proporciona crescimento econômico de dois dígitos.

Provocação e reação

As declarações feitas por Xi Jinping já provocaram a ira dos Estados Unidos. Através do jornal de um dos aliados mais próximos da América, a Austrália, o Sydney Morning Herald, a China foi acusada de pretender criar uma “base militar” em Vanuatu no interesse de uma presença militar permanente na região do Pacífico Sul, embora “propostas oficiais” para o governo de Vanuatu sobre este assunto por Pequim “até agora não fez”.

Comentando sobre esta “notícia”, a ministra das Relações Exteriores australiana Julie Bishop disse que não sabia nada sobre isso, mas lembrou aos organizadores do embargo que “Vanuatu é um Estado soberano que tem o direito de resolver suas questões independentemente no campo de defesa e política externa “.

Este episódio, que na verdade se voltou contra os EUA – independentemente de se algo é real ou não – mostrou que o mundo e a globalização em chinês têm boas chances de substituir a Pax Americana, porque é benéfica para todos, até para os aliados mais próximos dos EUA. E isso pode levar os EUA ao isolamento no mundo multipolar global que está se libertando da ditadura americana. ¹

Como a China domina no comércio global?

Veja quatro mapas sobre o domínio comercial da China que ajudarão você a pensar de maneira diferente sobre o mundo:

A CHINA É O PARCEIRO DE COMÉRCIO Nº 1 DO MUNDO

Os Estados Unidos são o parceiro comercial número um em 56 países, com importantes relações em toda a América do Norte, América do Sul e Europa Ocidental.
Enquanto isso, a China é o principal parceiro de 124 países, dominando o comércio na Ásia, Europa Oriental, África e Austrália.

ESFERA DE INFLUÊNCIA DA CHINA

Este mapa mostra a parte do comércio conduzida por cada país com a China no Sudeste Asiático.

A influência que a China tem com as nações do Sudeste Asiático é significativa. A maior parte do comércio está em percentuais de dois dígitos, e a China vê isso como sua esfera imediata de influência. Ao longo da história, os territórios da região prestariam homenagem à China para obter acesso ao comércio.

“No sistema de tributo do Leste da Ásia, a China era o estado superior, e muitos de seus estados vizinhos eram estados vassalos e mantinham uma relação de tributos e recompensas”, escreve Liu Mingfu no The China Dream, um livro popular sobre os planos da China de retornar. para poder.

Manter a influência no sudeste da Ásia é parte da razão pela qual Pequim está se posicionando no Mar do Sul da China. Na verdade, a guarda costeira da China está crescendo tão rápido que, em dez anos, terá mais tonelagem do que todos os guardas costeiros do sudeste da Ásia, dos Estados Unidos e do Japão juntos.

CONSTRUINDO UMA NOVA ESTRADA DE SEDA PARA O COMÉRCIO CHINÊS

A China busca aumentar ainda mais os laços comerciais com a Ásia e a Europa, construindo uma nova Rota da Seda que envergonha até a rota de Marco Polo.

Espera-se que a rede chinesa transcontinental, um gigantesco projeto de infraestrutura cuja conclusão está prevista para 2025, reduza o tempo de viagem terrestre de Pequim para Londres para apenas dois dias. Atualmente, leva 15 dias para a viagem.

O objetivo do projeto é encurtar o tempo de transporte de bens de consumo a granel para a Europa, enquanto libera o potencial econômico por trás das cidades da Eurásia de Almaty para Teerã. A nova Rota da Seda incluirá pelo menos uma linha de alta velocidade de 320 km / h, e a rede ajudará a conectar 70% da população mundial em cerca de 40 países.

SUBSTITUIÇÃO DE INFRAESTRUTURA

Você pode ter ouvido falar do AIIB (Asian Infrastructure Investment Bank), que foi oficialmente lançado no final do ano passado. Inicialmente proposto pela China, o banco tem agora mais de US $ 100 bilhões em capitalização e 57 estados membros fundadores.

Embora isso mostre a pressão chinesa por infra-estrutura especialmente para coincidir com a nova Rota da Seda, há outro detalhe muito interessante: Pequim controla 26,06% dos votos, essencialmente dando poder de veto, pois a maioria das decisões bancárias precisa de 75% dos votos.

Em outras palavras, apenas os projetos de infraestrutura que beneficiam o comércio chinês provavelmente receberão a aprovação de Pequim. ²


Autor: Sergey Latyshev

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: 1 Katehon.com 2 Equities.com

Quer compartilhar com um amigo? Copie e cole link da página no whattsapp
https://wp.me/p26CfT-6EE

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA