Pode a Rússia aprender com o destino que teve o Brasil?


A Rússia deve despedir a política econômica neoliberal antes que seja tarde demais.

Será que Putin vai tirar as conclusões necessárias do destino de Dilma?

William Engdahl explicou recentemente como Washington usou a elite brasileira corrupta, que atende a Washington, para remover a presidente eleita do Brasil, Dilma Rousseff, representante do povo brasileiro e não dos interesses de Washington. Incapaz de ver através da propaganda de cargas não comprovadas, os brasileiros concordaram com a remoção de sua soberania, proporcionando assim ao mundo um outro exemplo da impotência da democracia.

http://www.informationclearinghouse.info/article45561.htm

Todos devem ler o artigo de Engdahl. Ele relata que parte do ataque a Rousseff resultou de problemas econômicos do Brasil deliberadamente criados pelas agências de notação de crédito dos EUA como parte do ataque de Washington à dívida brasileira ppor causa do rebaixamento de nota, que desencadeou um ataque contra a moeda brasileira.

A abertura financeira do Brasil fez do Brasil um alvo fácil para o ataque. Pode-se esperar que Vladimir Putin tomaria nota do custo de “abertura econômica.” Putin é um líder cuidadoso e atencioso da Rússia, mas ele não é um economista. Ele tem confiança na neoliberal Elvira Nabiulina, a escolha de Washington para dirigir o banco central russo. Nabiulina não está familiarizada com a teoria monetária moderna, e seu compromisso com a “abertura econômica” deixa a economia russa tão exposta como a do Brasil para a desestabilização de Washington. Nabiuina acredita que o ataque ao rublo é devido às impessoais “forças do mercado global”, e não devido ao poder financeiro de Washington.

Nabiulina, uma doutrinada e propagandeada neoliberal, é essencialmente uma serva de Washington, não que ela esteja consciente do seu papel como “idiota útil”. Ela se delicia com os aplausos que recebe do Consenso de Washington para deixar a economia russa aberta à manipulação de Washington. Sendo uma neoliberal, ela não entende que o banco central da Rússia pode criar com custo zero de dinheiro o financiamento de projetos produtivos na Rússia. Em vez disso, ela acha que o dinheiro que entra na economia do banco central é inflacionário, mas o dinheiro que entra na economia de fontes estrangeiras não é.

Dinheiro é dinheiro, independentemente de saber se é disponibilizado pelo banco central ou por credores estrangeiros. Enquanto o dinheiro, independentemente da sua origem, é usado de forma produtiva, o dinheiro não é inflacionário.

Há uma enorme diferença entre o dinheiro criado pelo banco central e o dinheiro criado por credores estrangeiros. O dinheiro emprestado pelos bancos estrangeiros no formulário ou em dólares dos EUA ou euros deve ser pago com juros no câmbio em que o dinheiro foi emprestado. Dinheiro criado pelo banco central para financiar projetos de infra-estruturas públicas não tem de ser reembolsado em tudo, muito menos com interesse e em divisas geradas pelas exportações.

Fundos adquiridos de empréstimos no exterior trazem muitos riscos. O dinheiro pode ser puxado para fora, colapsando um rublo negociado livremente. O juro que deve ser pago é um dreno sobre as reservas em moeda estrangeira da Rússia. Os empréstimos externos também trazem um risco cambial, que aumenta com as sanções econômicas. Se o rublo cai em valor ou é impulsionado para baixo com um ataque orquestrado, o custo do rublo no empréstimo externo pode subir dramaticamente.

Nenhum desses riscos e custos estão presentes quando o banco central é a fonte de dinheiro. O uso apropriado do banco central russo é criar o dinheiro para financiar projetos públicos e para servir como emprestador de última instância para empresas russas privadas incapazes de obter financiamento de bancos russos. Este uso do banco central isola a economia russa da desestabilização orquestrada.

É lamentável para a Rússia que Nabiulina e o primeiro-ministro Dmitry Medvedev acreditem que a dívida da Rússia financiada por estrangeiros hostis é preferível ao dinheiro criado pelo próprio banco central da Rússia. Glazyev, sozinho entre os conselheiros de Putin, entende isso. Nós suspeitamos que os integracionistas atlantistas tem um alvo nas costas de Glazyev à medida em que eles esperam integrar a Rússia com o Ocidente, independentemente dos custos para a Rússia. Estes “Adoradores da América” russos são o maior problema da Rússia.

Para Washington, a austeridade neoliberal é o “único produto de exportação” para os países que Washington tem a intenção de transformar em colônias financeiras dependentes. Ao acomodar a meta de Washington, Nabiulina está envolvida em uma farsa. Os dólares e euros emprestados do exterior não são o dinheiro que vai para os mutuários russos. O câmbio emprestado é realizado pelo banco central. Nabiulina, em seguida, cria os rublos que financiam os projetos. Não faz nenhum sentido a obtenção de moedas estrangeiras como base para rublos criados no mercado interno. Independentemente de saber se a Rússia toma emprestado no exterior, o banco central deve criar rublos com os quais pode financiar os projetos. Portanto, não há nenhum objetivo para o endividamento externo.

Um governo russo que não pode compreender isto está em apuros.

Autores: Paul Craig Roberts e Michael Hudson

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Paul Craig Roberts.org

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA