:: Excelente análise: Malabarismo diplomático da Rússia na Ásia é em benefício de seu aliado chinês.


COMPARTILHE NA REDE SOCIAL |

“O giro para a Ásia” da Rússia poderia ser mais precisamente descrito como um reequilíbrio em todos os sentidos da palavra. Não só Moscow está procurando finalmente diversificar suas parcerias anteriormente ocidentais-cêntricas, mas também está fazendo isso com a intenção de contribuir para um equilíbrio mais confiável de energia na Ásia. Os alcances da Rússia para o Japão, Vietnã e Índia desempenham uma importância particular para a China no contexto da ordem mundial multipolar e da Parceria Estratégica Russo-Chinesa. Cada um destes três estados acima mencionados tem em desentendimentos graves com a China, mas é precisamente por causa de seus respectivos problemas com Pequim que Moscow está para ganhar mais através de suas relações reforçadas com eles e, correspondentemente, complementar a posição estratégica de seu aliado chinês.

A dinâmica “bom policial, mau policial” da Parceria Estratégica Russo-Chinesa é tal que cada lado pode ajudar o outro em regiões onde o seu aliado estiver sob grave pressão americana orquestrada. A China, por exemplo, pode promover iniciativas de parcerias de investimento e infra-estrutura na Europa Central e Oriental que a Rússia nunca seria capaz de realizar em estados com entrincheirado histórico de Russofobia como a Polônia, enquanto a Rússia pode igualmente desenvolver um grau de confiança entre os Estados da Ásia antagônicos ao longo da periferia da China que são impossíveis para Pequim alcançar sob as atuais condições internacionais fabricadas nos EUA. Enquanto alguns opinantes-provocadores até então afirmaram que a Rússia não é nada mais do que um “apêndice de recursos da China”, uma visão geral objetiva do valor de Moscow para Pequim prova que a parceria é muito mais profunda do que a conectividade simples da Nova Rota da Seda para a Europa e é um componente insubstituível da grande estratégia chinesa na Ásia.

A pesquisa continuará discutindo as recentes incursões diplomáticas da Rússia com o Japão, Vietnã e Índia, explicando a sua saliência no quadro mais alargado das relações russo-chinesas e a Ordem Multipolar Mundial emergente. Vai ser revelado que, embora cada um desses estados seja hostil à China em sua própria maneira e se aliaram com os EUA em graus variados, existe a possibilidade de a Rússia exercer uma influência pragmaticamente apaziguadora ao lidar com seus temperamentos ao contrário do modo agressivo e impedir a escalada desnecessária de suas rivalidades patrocinadas pelos EUA. O padrão inconfundível que pode ser visto neste paradigma é que a Rússia finalmente se afastou de sua posição tradicional Heartland na Eurásia e está agora pela primeira vez em sua história tornando-se uma grande potência em equilíbrio de poder na periferia Rimland.

Soberania equilibrista e o desenvolvimento com o Japão

Fundo:

Os laços da Rússia com o Japão experimentou um crescimento desde o início do ano, depois que o primeiro-ministro Abe rompeu com seus parceiros do G7 e visitou o Presidente Putin em Sochi, em maio passado. Os dois lados discutiram o comércio, o investimento, e a disputa sobre as Ilhas Curilas, e enquanto nenhum acordo concreto saiu da reunião, o próprio fato de ter ocorrido em primeiro lugar é um desenvolvimento significativo que não deve ser dispensado. O autor previu um avanço nas relações bilaterais entre Moscow e Tóquio em uma previsão ampla para 2016 publicada em The Saker por volta do início do ano, mas essa visão não foi compartilhada entre a comunidade de analistas em geral. No entanto, ao que parece ter sido estranhamente preciso, e a nova realidade é que os laços russo-nipônicos estão a avançar, o que muitos podem ter pensado que normalmente era o mais improvável de todos tempos para acontecer. O obstáculo à sua expansão adicional é obviamente a disputa das Ilhas Curilas, mas é aqui onde a Rússia está em condições de propor uma solução única que poderia acabar com o desacordo de uma vez por todas em um formato de vence-vence mutuamente aceitável.

Contexto Estratégico:

É comumente conhecido que a Rússia está na necessidade de (principalmente dos recursos da Ásia) desenvolvimento internacional na região do recurso-rico e geoestratégico do Extremo Oriente, mas como qualquer homem de negócios com até mesmo um toque de conhecimento profissional irá sugerir, é sempre melhor diversificar os investidores, de modo a não ficar dependente de uma única fonte de apoio. Em consonância com isso, enquanto a Rússia claramente vê a vantagem de convidar o investimento chinês para esta parte do país, também tem interesse no encorajamento do capital sul-coreano e japones. A natureza do desenvolvimento planejado do Extremo Oriente da Rússia não tem nada a ver com o apoio militar de origem estrangeira (ao contrário das estratégias de Índia e Vietnam cara-a-cara com os EUA), então não há nada para Pequim temer de uma eventual entrada de capital rival para a área. Na verdade, uma competição amigável entre os três poderes do Nordeste Asiático para o desenvolvimento do Extremo Oriente estaria no melhor interesse de todos, uma vez que a dinâmica do mercado de que este iria produzir poderia reduzir os custos para todo mundo e inspirar ideias inovadoras que trabalham para seu benefício coletivo.

O derretimento das camadas de gelo do Ártico está abrindo a Rota do Mar do Norte entre os mercados europeus ocidentais e os asiáticos orientais, permitindo assim uma rota de comércio mais curta e mais viável entre duas das maiores economias do mundo. Infelizmente, o Estreito de Bering entre a Rússia e os EUA vai permanecer indefinidamente um ponto de bloqueio geoestratégico, enquanto a nova guerra fria está em sessão, e com a Guerra Híbrida global entre os mundos unipolares e multipolares mostrando-se sem nenhum sinal de diminuir em breve, que é do interesse dos países asiáticos para liderar rotas alternativas para o Ártico no caso do Estreito de Bering se tornar intransponível (assim como os semelhantemente estratégicos Ormuz e Malaca noutras partes do mundo podem um dia se tornar em tempos de crise). Uma das possibilidades alternativas que existe é a construção de uma estrada de ferro a partir da “Janela para o Oriente” da Rússia em Vladivostok rumo ao norte para o porto de Tiksi no Mar Ártico através da rica em energia – e minerais – República Sakha (como mostra o mapa abaixo). Ao passo que, anteriormente uma fantasia conceitual para os planejadores de infra-estrutura, é agora tecnicamente possível construir tal rota devido ao desenvolvimento de um trem de alta velocidade que pode operar em ambientes extremamente frios da China.


(Plano conceitual, todas as rotas são aproximados)

Isso abre uma série de projetos de infra-estrutura antes impossíveis que poderiam ajudar as economias do Nordeste Asiático a construir rotas comerciais alternativas no continente para o Ártico e, assim, evitar o gargalo do estreito de Bering. Além disso, os caminhos geográficos que estes poderiam previsivelmente passar seguramente através de algumas das mais ricas áreas de recursos da Rússia ao longo do caminho, permitindo assim aos empresários a possibilidade de negociar esses produtos rentáveis ​​com a Europa, uma vez que, finalmente, chegariam a esse mercado. Há, claro, sempre a chance dos investidores regionais optarem ao invés dessa pela mais tradicional estrada de ferro Trans-Siberiana para a facilitação do comércio Leste-Oeste, mas com o tempo, alguns deles vão inevitavelmente ver o benefício comercial que transita na taiga do norte e a conexão com a recentemente traçada rota de comércio do Ártico. Do ponto de vista japones, pode ser mais conveniente e menos oneroso (tanto em termos financeiros e estratégicos) para os produtos transportar entre as Ilhas Internas e Vladivostok e, em seguida, em rota de trem para Tiksi do que navegar todo o caminho em torno deles e o Cabo Dezhnev para alcançar o Ártico. A mesma lógica vale para a Coreia do Sul e a China, também, o que pode empurrá-los para uma “corrida para o fundo” na licitação com a Rússia para desenvolver essa rota da maneira mais acessível, talvez mesmo todos juntos, de alguma forma ou de outra.

Proposta:

O Japão está firmemente entrincheirado no campo ocidental e está atualmente sob pesada ocupação americana, mas o país também percebe que neste dia e idade, a pragmática interconectividade auto-interessada supera as considerações políticas de seu patrono, por isso pode ser atraído por essa idéia, embora os EUA seria contra isso totalmente. O maior obstáculo para alcançar qualquer acordo não é a oposição americana a esta ideia, mas o sentimento nacionalista de que o governo Abe quase incontrolavelmente alimentou-se, uma vez que está no poder. Elementos incendiários influentes do público japonês e elite podem fortemente opor-se a qualquer acordo com a Rússia até que a disputa das Ilhas Curilas seja resolvida, e aí reside a oportunidade única para a Rússia para finalmente acabar com esta controvérsia de forma criativa para todas as partes envolvidas.

Lembrando que os principais interesses da Rússia no Extremo Oriente são soberania e desenvolvimento, tanto quanto a do Japão são interconectividade transcontinental e trazendo um compromisso respeitável à controversa Curila, é possível interligar cada um deles para que ambos os lados mutuamente se beneficiem das suas complementaridades econômicas (imperativo desenvolvimento da Rússia e uma interconectividade transcontinental do Japão), enquanto não ceder uma polegada quando se trata de suas posições de princípio (a soberania da Rússia e o compromisso do Japão a um compromisso respeitável). A solução mais pragmática que pode ser alcançada sob essas circunstâncias é aquela em que Moscow e Tóquio concordam em um condomínio socio-econômico sobre as ilhas do norte de Sacalinas, toda a cadeia das Curilas e Hokkaido (ver no mapa abaixo detalhe em vermelho). Nem um nem outro estado entregaria qualquer grau de direitos políticos a estes territórios, mas eles permitiriam ao seu homólogo ter um alto grau de liberdade sócio-economica dentro deles através da qual eles poderiam mais facilmente espalhar sua cultura e participar em investimentos.

É mais importante para os japoneses reviver a sua memória histórica de liderança nesta região do que o puro e simples controle diretamente, daí porque a proposta de permitir que essa ampla autonomia social na divulgação de sua língua e cultura provavelmente será atraente para eles. A Rússia não estaria a arriscar quaisquer perigos estratégicos a partir deste, porque a esmagadora maioria da população são de etnia russa e incapaz de ser armada através da divulgação soft power japonesa. O mesmo vale para os japoneses em Hokkaido, que enquanto receptivos e interessados na Rússia, não se transformariam em ativos estratégicos de Moscow. Embora possa haver uma política de isenção de vistos especiais implementadas no que diz respeito a estes três territórios separados como um meio de facilitar o seu desenvolvimento socio-econômico interligado (semelhante ao que Kaliningrado e o nordeste da Polônia têm), não haverá quaisquer alterações legislativas à migração política, o que significa que nenhum dos lados teria que se preocupar com um afluxo de população do outro a perturbar o equilíbrio demográfico lá e criando desafios futuros. O que ambos os lados tentariam, ao contrário, é se esforçar para o estabelecimento da confiança mútua e o entendimento entre as duas populações, que serviriam como uma faísca para catalisar um maior engajamento de negócios entre si, que é afinal o que ambos os lados estão mais ansiosos para conseguir para os seus próprios respectivos interesses.

A inclusão de Hokkaido para este quadro é dar ao Japão uma participação integral no sucesso desta iniciativa. A economia de Hokkaido da silvicultura, pesca, agricultura, e parceiros da indústria leve favoráveis com o Extremo Oriente, e a capital insular de Sapporo fariam uma melhor cidade-irmã com Vladivostok do que Hakodate atualmente é. A Rússia quer conseguir know-how do Japão e incentivar o investimento de capital em sua região do Extremo Oriente há décadas negligenciadas, enquanto o Japão deseja ter acesso aos recursos naturais (silvicultura, pesca, etc.) e energéticos (petróleo, gás) da Rússia. O interesse mais comum entre Moscow e Tóquio é usar essa nova forma de cooperação entre vizinhos como ponto de partida para a expansão de seus laços com o nível de um pleno engajamento econômico russo-nipônico entre o Extremo Oriente e o resto das ilhas Home, culminando na futura consagração da ferrovia Vladivostok-Yakutsk-Tiksi para o Ártico (talvez em conjunto com o investimento chinês e sul-coreano como parte de um histórico projeto de paz quadriláteral).

Resultados imaginados:

A troca mútua benéfica dos recursos russos por investimento japonês irá definir o cenário para uma interdependência complexa entre os dois estados que pode, eventualmente, dar lugar a uma parceria estratégica, com efeito semelhante à forma como a parceria russo-turca desenvolveu ao longo do tempo. Embora o Japão seja um aliado militar americano muito mais perto do que a Turquia é hoje em dia, a liderança ainda entende o ridículo de desnecessariamente provocar a Rússia e escalar as hostilidades regionais no nordeste da Ásia, portanto, é improvável que levem a isca para cair nesta armadilha se ocorrerem tentativas dos EUA para aprisioná-los. Em um sentido holístico, o único obstáculo real para os laços bilaterais reforçados entre a Rússia e o Japão é a disputa pelas Ilhas Curilas, então quitar isso deve ter precedência sobre todos os outros aspectos do relacionamento, a fim de que cada lado comece a beneficiar-se o mais rapidamente possível.

O Japão vê a utilidade estratégica para normalizar todos os aspectos da sua relação com a Rússia para um dia confiar em Moscow como um mediador neutro em futuras disputas com a China. É impossível para os EUA cumprir esse papel por causa do viés anti-Pequim inerente do establishment americano, mas com a Rússia sendo informalmente aliada com a China, é muito mais fácil para Moscow encenar efetivamente uma intervenção diplomática no caso em que ambos os lados venham a solicitar que seja feito então um último esforço antes de uma guerra. Mais um passo, Japão e China também poderiam utilizar a Rússia como uma ponte para melhorar suas próprias relações uns com os outros, talvez por meio de exercícios de construção de confiança no Extremo Oriente, como cooperar com os mesmos projetos de investimento (por exemplo, a Ferrovia Vladivostok-Yakutsk-Tiksi). Assim, conforme um cenário de pesadelo de um confronto militar entre Japão e China é aparentemente iminente, somente a Rússia realisticamente poderia ajudar a trazer Pequim e Tóquio em conjunto, embora isso só possa acontecer se as relações russo-japonesas melhoraresm na sequência da resolução criativa da disputa das Ilhas Curilas através da proposta Condomínio Socioeconômico das Ilhas do Norte.

Ao amenizar quaisquer preocupações que os estrategistas militares russos possam ter, nenhuma da cooperação prevista entre Moscow e Tóquio poria em perigo o Mar de Okhotsk e os esforços diligentes da Rússia para manter seu status como um “mar fechado”. A Rússia ainda iria exercer a soberania político-militar suprema sobre as ilhas Sacalinas e Curilas, assim como o Japão sobre Hokkaido, e, assim, Moscow continuaria a manter a hegemonia total sobre o mar de Okhotsk e ser capaz de posicionar com segurança seus submarinos nucleares de segunda ataque ali. A Rússia não vai perder coisa alguma propondo a ideia do condomínio, e é, na verdade, de seus melhores interesses encontrar uma maneira de tornar-se mais próxima do aliado asiático mais importante da América. Se a Rússia pode ter sucesso ao desbastar o domínio americano sobre o Japão, então ela poderia perturbar a viabilidade do Giro de Washington para a Ásia por complicar as relações entre os dois países e trazer Tóquio para pragmaticamente perceber que há uma tão próxima alternativa multipolar Eurasiática à visão trans-Pacífica unipolar sendo empurrada pelos EUA.

Ligando Vladivostok com o Vietnam

Fundo:

Moscow e Hanói mantiveram-se parceiros próximos, desde os dias da guerra dos EUA no Vietnã, depois que o país deu à União Soviética sua maior base no estrangeiro, em Cam Ranh Bay. Esta facilidade foi fechada no início de 2000, mas não alterou o relacionamento estratégico-militar entre os dois lados, com o Vietnã ainda permitindo que as forças aeroespaciais russas usem suas bases para reabastecimento durante o sobrevôo da Ásia-Pacífico. Rússia e Vietnã têm procurado recentemente revitalizar suas relações, retornando à sua componente econômica anteriormente perdida, logo ocorreu a promulgação de um acordo de livre comércio entre eles no ano passado. Enquanto não existe um volume de trabalho a ser feito, a fim de transformar este negócio econômico em um benefício tangível para ambos os lados, ainda assim é um ponto de partida simbólico para uma nova era de relações, e mais importante, representa um contrato primordial da União Eurasiática fora do espaço pós-soviético. Isto dá origem a expectativas muito altas e sublinha a proximidade das relações russo-vietnamitas, provando que Hanoi valoriza o relacionamento com Moscow a tal ponto que ele está disposto a arriscar a consternação dos EUA em resposta.

Contexto Estratégico:

A Parceria Estratégica russo-vietnamita está a ser reforçada precisamente ao mesmo tempo em que Hanoi está se movendo para mais perto de Washington como parte do plano ‘Giro para a Ásia’ dos EUA para reunir uma coalizão de contenção chinesa. Por causa da importância do proxy Vietnã para os EUA, Washington não está em posição de fazer cumprir suas exigências, de que Hanoi cesse a cooperação militar com Moscow, e a liderança vietnamita está tentando equilibrar entre estas duas grandes potências, a fim de maximizar a sua vantagem estratégica global como resultado. Hanoi não se preocupa em jogar estes dois um contra o outro, mas em vez disso tem procurado ganhar tudo o que puder de cada um deles, a fim de reforçar as suas capacidades em “conter a China”. Mesmo com as relações econômicas entre o Vietnã e a China sendo mais fortes do que já foram, a relação político-estratégica está se saindo muito pior, e isso é totalmente por causa da disputa do Mar do Sul da China que os EUA habilmente reviveu nos últimos cinco anos ou mais. A intenção do Pentágono em fazer assim foi para produzir a partir dos vizinhos marítimos da China uma resposta histérica planejada, que reativaria empurrá-los para os braços de Washington, precisamente no momento em que os EUA decidiram mudar a maioria de suas forças armadas para a Ásia-Pacífico, a fim de impedir preventivamente a ascensão geopolítica da China.

O papel do Vietnã nesta construção geoestratégica é agir como uma irritação dupla ao militantemente pressionar suas reivindicações marítimas e apoiá-las com a possibilidade de operação de um continente “defensivo” no caso de a China afirmar sua soberania à força. O estado comunista no Sudeste Asiático e aliado nominal é o único país que poderia forçar a China a contemplar uma resposta militar mar-terra diversificada em relação a este problema, e é por isso que o Vietnã ocupa uma posição tão importante no grande planejamento estratégico dos EUA. Por esta razão, os EUA tem removido as suas restrições prévias sobre a exportação e vendas de armas letais para seu antigo inimigo, a fim de ganhar a oportunidade de um dia perturbar o equilíbrio estratégico militar que as armas russas têm, até este ponto, fornecido em manter a paz entre o Vietname e China. Ao mesmo tempo, tanto quanto os EUA querem conduzir os dois países asiáticos entre uma fenda (e está loucamente a conseguir fazer isso ao longo dos últimos anos), comparativamente não estão obtendo sorte quando se trata de Vietnã e Rússia, pois, como foi escrito acima, Hanoi está no processo de aprofundar seus laços com Moscow, não restringi-los. Isto faz um arranjo interessante para o qual o Vietnã cumpre um papel insubstituível para ambos os EUA e a Rússia, embora por duas razões completamente diferentes.

Os EUA, como foi explicado, tem esperanças de armar o território vietnamita e a economia contra a China (com a última sendo uma das motivações por trás da inclusão de Hanoi no TPP anti-chinês), enquanto a Rússia quer ironicamente usar esses dois elementos para ajudar a China. Pode ser difícil de entender no início, mas a política de Moscow prevê o Vietnã como a âncora do país do Sudeste Asiático que atrai magneticamente mais e mais a influência da Rússia na região, embora que para isso acontecer, algo mais robusto do que simples (embora altamente estratégico) cooperação técnico-militar deve ser iniciado. É por isso que a Rússia decidiu avançar com o acordo de livre comércio União Euroasiática com o Vietnã, na esperança de que isso possa lançar as bases para uma parceria muito mais diversificada, que não só ajuda a desenvolver o Extremo Oriente, mas também serve generosamente o Vietn~, permitindo-lhe ganhar incursões com o principal aliado da China. Assim conforme a Rússia se esforça para usar o Vietnã para promover sua grandiosa política do Sudeste Asiático, também estimula o Vietnã a tirar proveito da sua relação recente com a Rússia para ajudá-lo no a ganhar influência com a China. Para que tudo isso aconteça, no entanto, ambos os lados precisam levar seus laços para o próximo nível, que por sua vez explica por que optou pelo acordo de livre comércio histórico.

A proposta:

Por si só, no entanto, um acordo de comércio livre entre a União Euroasiática e o Vietnã é inútil, a menos que algo tangível venha de fora, e ambos Moscow e Vietnã devem urgentemente tomar medidas para anunciar a sua visão para uma parceria econômica reforçada. Os meios mais lógicos em que isso poderia acontecer é através da ideia anteriormente sugerida pelo autor para um Arco Mar Asiático, ou em outras palavras, uma série de Linhas de Comunicação Marítimas entre Vladivostok e a constelação de SEZs na ASEAN. O Vietnã, naturalmente, deverá constituir a âncora para esta política, mas, em contrapartida e como uma forma de incentivar o investimento Vietnamita no Extremo Oriente, a Hanoi deve ser concedido privilégios econômicos especiais no Extremo Oriente.

Para começar, pacotes informativos sobre a iniciativa Porto Livre de Vladivostok deve ser traduzida na Embaixada do Vietnã e a Rússia em Hanoi precisa organizar atividades promocionais relativas às oportunidades de desenvolvimento disponíveis no Extremo Oriente russo, como se conectar a Rota do Mar do Norte através de qualquer futura ferrovia no Ártico entre Vladivostok e Tiksi. A partir destas reuniões, os empresários interessados ​​podem então ser convidados a Vladivostok para ver por si mesmos o que a “Janela para o Oriente” tem a oferecer, mas antes de tudo isso, a cidade precisa definir armazéns e docas específicos para os vietnamitas. Isto vai mostrar a eles que a Rússia é séria sobre cortejar o investimento vietnamita e que a infra-estrutura necessária para facilitar suas relações comerciais expandidas já está lá e esperando por eles. Tudo o que eles têm de fazer é assinar acordos e começar a trabalhar.

Alguns dos benefícios regionais que podem atrair os vietnamitas para estabelecer-se em Vladivostok são os florestais, minerais e recursos energéticos do Extremo Oriente, todos os quais estão em alta demanda no Sudeste Asiático. Nem todos estes estão localizados em proximidade com a cidade de porto, no entanto, acordos de investimento de transporte precisam ser propostos e negociados entre a Rússia e o Vietnã, a fim de ajudar com o acesso deste último a esses recursos, o que ajuda a desenvolver esta parte do país e ciclicamente incentivar mais negócios. Os detalhes destes acordos teriam de ser discutidos pelos peritos envolvidos, mas a estrutura acima mencionada deve ser suficiente para fazer a bola rolar e apontar todos os lados no sentido do que é necessário a fim de ampliar a participação econômica do Vietnã em Vladivostok.

Quanto ao Vietnã, que não tem que fazer nada fora do comum a fim de incentivar as empresas da Rússia, porque ele já é uma economia de mercado vibrante e grande que é inerentemente atraente para qualquer empreendedor. Em um plano estratégico maior, porém, isso poderia alavancar a sua influência econômica em larga escala existente no vizinho Camboja e Laos para ajudar os investidores russos a diversificar seus portfolios e ganhar uma posição nestes mercados emergentes. Embora seja possível para os russos fazer isso por conta própria sem qualquer assistência que os Vietnamitas poderiam fornecer, seria nitidamente mais difícil, e a facilidade de acesso a essas economias com apoio vietnamita e relevante business intelligence pode ser decisivo a longo prazo.

Novamente, esses tipos de incentivos do lado vietnamita não são inerentemente necessários para cortejar mais investimento russo para o país e aprofundar a interdependência econômica complexa entre eles, mas eles poderiam ser propostos como alavanca durante o processo de negociação de estado para estado na aquisição de privilégios econômicos vietnamitas em Vladivostok. Quanto mais a Rússia vier a depender do Vietnã, uma vez que reequilibra seu foco estratégico para a ASEAN, mais próxima a parceria estratégica entre os dois vai se tornar, por isso é em última análise, no próprio interesse de Hanoi facilitar a entrada econômica de Moscow para o resto da Indochina e garantir que o comércio resultante de alguma forma ou de outra, direta ou indiretamente seja através das empresas ou do território vietnamitas. Do ponto de vista russo, a ajuda do Vietnã permitiria poupar tempo muito necessário e dinheiro para ajudar os empresários de Moscow a começar imediatamente o trabalho de eliminação de uma presença estratégica nestes dois mercados subdesenvolvidos, mas em crescimento, que por sua vez iria reforçar a viabilidade do setor real do “Giro para a Ásia”, diversificando o engajamento econômico da Rússia com a região.

Resultados imaginados:

Rússia e Vietnã precisam um do outro, a fim de sustentar as suas respectivas grandes estratégias. Moscow está reequilibrando urgentemente o seu foco para a Ásia-Pacífico por considerações econômicas e políticas, e o Vietnã é um eixo central vital para ajudar a alcançar ambos. Seu tamanho de mercado por si só é suficiente para satisfazer os desejos dos empresários de Vladivostok, e suas conexões políticas na região poderiam ajudar a diversificar essas conexões em uma política mais robusta. Se frota da marinha da Rússia pode aumentar a sua presença no Mar do Sul da China por causa das oportunidades comerciais florescentes que mantêm com a região, então isso, por medida, aumentará a importância desta via fluvial geo-crítica para Moscow e de fato dar à Rússia uma participação real, na sua resolução de conflitos. No momento, enquanto a Rússia é percebida como um negociador neutro pela maioria dos lados dessa disputa, não tem de forma significativa um interesse real suficiente neste problema, a ponto de torná-lo o tipo de motor diplomático que precisa estar em ordem para ser eficaz. Isso mudaria de curso, se o desenvolvimento econômico do Extremo Oriente da Rússia se tornasse dependente das rotas comerciais que funcionam através do Mar da China Meridional, o que, consequentemente, aumentaria a reputação de Moscow na região e encorajaria os estados vizinhos a buscar a sua influência de negociação com a China.

Isso não sugere totalmente que a Rússia seria seduzida para ir de encontro às reivindicações da China só porque Moscow está se tornando popular com as capitais da região, mas que o inverso poderia realmente acontecer – a Parceria Estratégica russo-chinesa poderia flexionar seu músculo diplomático em ter Moscow promovido a posição de Pequim em toda a região através da sua sub-rogação. É do próprio interesse da Rússia ver seu aliado asiático chefe a garantir a paz no alto mar, mas se isso escapar, Moscow quer apenas que a paz prevaleça em geral, não importa como isso será em última análise arbitrado. O Vietnã entende isso muito bem, e sabe que se puder continuar a aproximar-se da Rússia por ser seu parceiro indispensável para o acesso ao maior domínio no ASEAN, então pode ser capaz de influenciar os seus tomadores de decisão a adotar uma atitude menos absolutista do que a China tem. A Rússia nunca viria publicamente contra a China e disputa suas pretensões para a linha de nove traços, mas pode solicitar que seus diplomatas falem em particular com os seus homólogos chineses discretamente para avaliar se há ou não ou se sempre vai haver qualquer sala flexível para a maneabilidade da parte chinesa.

A parceria estratégica russo-chinesa é muito mais importante para Moscow do que correr o risco de comprometer-la por causa do Vietnã, mas o ponto a ser expresso aqui é que a Rússia poderia, eventualmente, vir a assumir um papel por trás das cenas, mais ativo na tentativa de botar para fora os desacordos entre todas as partes, e funcionar como o intermediário diplomático insubstituível e totalmente confiável.

Esta capacidade previu igualmente uma medida útil no caso de uma crise inesperada ou incentivada pela America a emergir entre a China e o Vietnã e os dois lados desenharam o precipício da guerra. Como um esforço de última hora para desescalar as hostilidades, a Rússia poderia ser convidada por ambos os lados a falar um com o outro e tentar levá-los a retroceder a partir daquele que pode vir a ser nesse momento um conflito inevitável. Esta é precisamente a mesma coisa que a Rússia poderia fazer com relação ao Japão no cenário previamente examinado e também será visto quando se discutir o próximo com a Índia também. A posição da Rússia de pacificador Eurosiático contrasta totalmente com a de sabotador supercontinental dos EUA, e em um ponto de inflamação mundial tão delicado como o Mar do Sul da China, que poderia fazer a diferença fundamental entre se estourar uma guerra regional mais ampla ou não. Ainda há um caminho a percorrer antes da Rússia poder atingir o nível de acurado tato diplomático em ASEAN que lhe permita evitar o tipo de guerra que os EUA estão planejando e parcialmente deslocando-a conforme o peso-pesado da diplomacia (como o que é feito no Oriente Médio recentemente), mas o primeiro passo para o Vietnã no sentido de obter esta visão multipolar grande é abrir a região para a Rússia e guiá-la ao longo de todos os seus contornos complicados, embora, naturalmente em troca de benefícios econômicos privilegiados no Extremo Oriente que também é exercício de interesse mútuo de ambas as partes.

Intervenção Estratégica da Rússia entre a Índia e o Ocidente

Fundo:

A Índia tinha sido pensada como um dos aliados mais leais da Rússia, mas a relação lamentavelmente deterioraram-se na década de 1990 conforme Moscow foi pressionado a se concentrar em recuperar-se do colapso econômico pós-soviético e manter a sua integridade territorial. Nova Delhi levou esse tempo para diversificar suas parcerias internacionais e começar a aproximar-se do Ocidente, embora até então apenas no sentido econômico. A restauração da Rússia como uma grande potência no governo do presidente Putin permitiu a Moscow mais uma vez retornar aos seus aliados da era soviética e ajudá-los em uma capacidade mutuamente benéfica, na altura em que a ordem mundial multipolar começou a tomar forma sob o BRICS. A Rússia ainda estava vendendo armas para a Índia como parte de sua estratégia de equilíbrio delicado em manter a paz entre Nova Deli e Pequim, mas finalmente teve a oportunidade tardia de expandir esta parceria estratégica para a esfera econômica com discussões sobre reatores nucleares e a participação da Índia no formato de comércio da União Eurosiática. As relações bilaterais estão mais próximas do que jamais estiveram desde o fim da Guerra Fria, ainda perturbadoramente, assim também são os laços da Índia com os EUA, que têm avançado obviamente às custas da segurança da China.

Fundo Estratégico:

A Índia trocou suas políticas econômicas pró-ocidentais pela política multipolar mais equilibrada, uma vez que entrou no formato BRICS, e também se comprometeu a multipolaridade institucional através da sua participação no Novo Banco de Desenvolvimento e a Reserva de Moeda. No entanto, a liderança de Narendra Modi viu a Índia se movendo rapidamente para os EUA a partir de um interesse presumivelmente compartilhado em ‘conter a China’, uma narrativa armadilha que os EUA definiou para a Índia e que Modi e seu governo todos muito ansiosos cairam. O autor explorou o raciocínio por trás disso, em uma série de artigos anteriores, incluindo sobre a Guerra Fria indo-chinesa, se a Índia é um aliado americano, a ameaça que este último seria a Rússia e China, e uma visão geral de como a Índia se relaciona com multipolaridade em geral. O artigo série de três partes (Parte I, Parte II e Parte III) pelo analista político indiano e jornalista Prem Shankar Jha também é muito útil para compreender o fundo por trás da grande mudança estratégica da Índia. Como a Índia lança o seu compromisso geopolítico para a multipolaridade e de forma imprudente arrisca minar a sua contribuição construtiva para as manifestações econômicas e institucionais desta visão global, nunca houve um momento mais crítico para a Rússia a aplicar o seu ato de equilíbrio diplomático em retardar ou esperar total inversão do giro unipolar da Índia.

Geoestrategicamente falando e sem qualquer indício de hipérbole na seguinte declaração, a Índia é o país mais perigoso no mundo de hoje, por causa da mudança abalar-sistema que ela está prestes a produzir se continuar ao longo de sua trajetória pró-americana. A Índia está à beira de um eixo estratégico completo que é ainda mais globalmente e historicamente profundo do que o realinhamento da China para os EUA no período de meados da Guerra Fria. Se a administração Modi não desacelerar e mudar de rumo, então será inevitável o alastramento das hostilidades para conflito real fervendo que os EUA tem produzido entre a Índia e a China, no entanto, em grande escala ou baixa escala, pode ser, e em seguida irá destruir a confiança suada que ambos os lados já haviam trabalhado tanto tempo para alcançar em nome do bem comum multipolar. Tal como está, de provocações mais significativas da Índia apenas só este ano incluem a hospedagem de terroristas anti-chineses, revivendo 24-39 aeródromos da época da II Guerra Mundial ao longo da fronteira disputada de Arunachal Pradesh / Sul do Tibete, ordenando que mísseis de cruzeiro supersônicos fossem enviados para a referida linha de contato, e a implantação de 100 tanques em Ladakh muito próximo da região Aksai Chin administrada pela China. Se qualquer um desses encaminhamentos concretos sobre-o-terreno levar a um confronto, em seguida, isto iria cumprir um dos objectivos estratégicos principais dos EUA de projetar um obstáculo político-militar intransponível para a cooperação sino-indiana e compensando a relação bilateral há pelo menos um geração.

A julgar pelo seu comportamento surpreendente e historicamente atípico de essencialmente abandonar sua tradicional política de não-alinhamento e jogar seu peso com tanta confiança na congruência dos EUA, o “Estado profundo” da Índia (burocracia militar-inteligência-diplomacia permanente) sob o primeiro-ministro Modi parece de modo convincente ter feito a sua mente sobre a direção em que quer levar suas relações chinesas, embora felizmente tenha uma abordagem oposta quando se trata dos russos. Em vez de unir forças com os EUA para ‘conter’ a Rússia como eles estão tentando fazer contra a China, Nova Deli é realmente a favor da expansão de todas as facetas da sua parceria com Moscow, o que é curioso, considerando o fato de que a parceria estratégica russo-chinesa é o centro mais sólido da gravidade na Ordem Mundial Multipolar emergente. A única coisa que pode explicar a abordagem aparentemente esquizofrênica e visivelmente contraditória da Índia para os núcleos multipolares mais ativos do mundo é que ela pensa que as suas relações com um são completamente desvinculadas do outro. A Índia quer assumir ingenuamente que sua hostilidade anti-chinesa não terá nenhum efeito sobre as suas relações com a Rússia, ou alguns dos seus representantes do “estado profundo” cinicamente abrigam as ambições distantes de transformar a Rússia contra a China e ter Moscow a substituir Pequim por Nova Delhi. Neste ponto, não se sabe exatamente o que a força motriz por trás dos laços extremamente positivos da Índia com a Rússia, considerando o quão mal está tratando agora a aliada de Moscow, a China, mas o fato é que o comportamento de Nova Delhi vantajosamente funciona para o grande benefício estratégico da Rússia.

A Índia está, indiscutivelmente, a trabalhar arduamente para melhorar as suas relações com a Rússia e trazê-las para um nível historicamente sem precedentes, com efeito semelhante ao estado da parceria estratégica russo-chinesa de hoje. Se levada a cabo ao seu fim lógico, então isso daria a Moscow a posição global sem precedentes para gerenciar simultaneamente as relações sino-indianas com um grau de igualdade de confiança entre ambos os parceiros, algo que absolutamente não tem preço à medida em que a Índia rasteja para provocar uma colisão encorajada pelos americanos com a China. A Índia pode até não estar ciente de que seus movimentos com a Rússia têm o potencial de dar ao seu parceiro tal importância estratégica global, e em vez disso só poderia estar se concentrando nas componentes econômico-militares desta relação enquanto se manifesta pelo Corredor Norte-Sul e pelos tradicionais embarques de armas de Moscow para Nova Deli. Para reiterar, mais uma vez, está totalmente claro o que quer a liderança indiana e por que ela está se comportando da maneira como está, mas apesar de sua natureza inexplicável, é indiscutível que iria fundamentalmente trabalhar para a vantagem suprema da Rússia se Moscow poder aproveitar essa nova realidade para combater a crescente influência de Washington na Índia e salvaguardar a paz fria entre Nova Deli e Pequim.

A proposta:

A maneira mais notável em que a Rússia e a Índia estão a avançar a sua parceria estratégica é através do Corredor Norte-Sul, a rede de transporte multimodal do porto iraniano ao sudeste de Chabahar para a União Européia através do Azerbaijão e da Rússia. Os presidentes russo, azeri e iraniano realizaram somente uma reunião em Baku na qual finalizaram os seus planos para a construção deste corredor. Moscow e Teerã estão muito interessados ​na rentável cooperação vence-vence com os seus parceiros Grandes de Energia em Nova Deli, não importam quais sejam as intenções da Índia no lançamento deste projeto. Mais do que provável, parece que a Índia quer usar essa “Rota do Algodão” como um meio de competir com a Nova Rota da Seda da China para a Europa, mas também existe a possibilidade de que sua liderança espera que os benefícios econômicos a longo prazo deste projeto de longo alcance poderia, eventualmente, trabalhar para influenciar tanto a Rússia e quanto Irã para longe da China e em direção a Índia. Isso provavelmente nunca vai acontecer desde que a Rússia e o Irã tem estado mais próximos um do outro do que qualquer um deles está para a Índia (especialmente depois dos sacrifícios compartilhados de Moscow e Teerã no campo de batalha sírio), e ambos estão por todos os meios e indicadores muito mais ligados a Pequim do que a Nova Delhi. Nenhuma quantidade de aliciamento econômico indiano vai mudar isso, desde que os EUA não tenha êxito em derrubar qualquer uma das lideranças existentes nestes dois Estados e/ou substituir seus representantes do “estado profundo” com agentes unipolares da sexto coluna.

A Índia está mais do que provavelmente contando com seu próximo engajamento econômico real com a Rússia que seja rentável o suficiente para que Moscow ignore a agressão norte-americana apoiada de Nova Delhi contra Pequim e não ceda a quaisquer futuras demandas chinesas de distanciar-se do mais recente aliado de Washington na Ásia. Simplificando, a interdependência estratégica-econômica complexa que seria criada ao ter a Rússia a sediar uma parte integrante do corredor continental atravessando a Índia tornaria impossível para Moscow transformar para sempre virar as costas a Nova Delhi, não importa o que esta faça no futuro, que é precisamente o que os estrategistas indianos estão planejando. A Rússia, por seu lado, pretende tornar-se um facilitador insubstituível para as rotas de comércio continental da União Européia para a Ásia, que por extensão aumentaria a importância de Moscow para o bloco e atenuaria o potencial futuro ao ponto de os EUA jamais poder pressionar para “isolar” a Rússia novamente com sanções. O panorama é realmente benéfico para a Rússia e a Índia, e não há nenhuma razão em tudo para Moscow manter seu passo a trás a partir desta oportunidade histórica a se encaixar na cadeia de abastecimento e da rede logística emergente entre Europa Ocidental, Oriente Médio e Sul da Ásia, mas tendo dito que, precisamente por isso é tão importante para a Índia (que não tem outras opções neste caso similar ao que a Rússia faz com Nova Rota da seda da China), Moscow está em uma posição de inveja para empurrar um negócio sério com Nova Deli e ganhar ainda mais do que jamais imaginou ser possível.

Tal como está, a Índia está em função da Rússia para sempre a se comportam de uma maneira ‘tradicional’ e ‘previsível’, mas com a Índia tendo quebrado esse molde primeiro através de sua parceria estratégica anti-chinesa inesperada com os EUA, a Rússia deve ter escrúpulos em não reagir de acordo com as expectativas da Índia também. Nada que a Rússia faça deve impedir a facilidade de fazer negócios com a Índia, mas isso não significa que Moscow não deva, no mínimo, tentar pressionar uma barganha econômica por trás das cenas difíceis com Nova Deli. Agora todos os dividendos econômicos que a Rússia tem a ganhar com o Corredor Norte-Sul estão concentrados no seu próprio território, mas para realmente ganhar influência mais tangível na Índia como um meio de combater os EUA, Moscow deve fazer tudo em seu poder para se certificar de que o progresso neste projeto esteja ligado com o aumento dos investimentos russos dentro da própria Índia. Por exemplo, não há nenhuma razão por que as empresas russas não devam modernizar a infra-estrutura nacional, em grande parte decrépita, da Índia, que vai desde as redes elétricas de má qualidade aos portos e rodovias abandonados. Não só seria uma colheita de lucros a ser feita pela Rússia, mas estaria, finalmente, dando a Moscow os meios físicos de forma tangível para receber algo fora do Corredor Norte-Sul, além da vaga promessa de ter seus produtos competindo com todos os outros no mercado do Índico.

O governo russo precisa pedir mais do que apenas contratos de modernização da infra-estrutura e aumentar as apostas estratégicas pelo lobby para estabelecer uma parceria com as empresas indianas para ajudar Nova Delhi a construir, manter e alargar a estrada Trilateral através de Mianmar e Tailândia. Isso acabaria trazendo mais sentido comercial para uma estrada de ferro a um dia de corrida paralelamente a esta rota, e esse é um grande interesse estratégico de Moscou, ter certeza de que a Russian Railways vai construí-la. Embora o envolvimento de Moscow sobre este e outros novos projetos de facilitar o comércio possam parecer contratos inatingíveis para a Rússia alguma vez ganhar, o fato é que a Índia precisa comprovadamente da cooperação da Rússia no Corredor Norte-Sul e de sua posição “neutra” para a Guerra Fria indo-chinesa, tão ruim que pode correspondentemente estar mais do que disposta a desembolsar alguns contratos extras com Moscow, a fim de recebê-lo. Isso não pode ser ressaltado o suficiente, mas a Rússia absolutamente não deve de modo algum parar para intervir estrategicamente entre a Índia e o Ocidente e deve evitar que Nova Delhi fique tão fora de controle que de forma imprudente sucumba aos truques dos EUA e inicie uma guerra com a China. A única coisa que poderia ainda um pouco se evitar que aconteça é a Rússia investir o máximo possível dentro da própria Índia (tanto em termos físicos e estratégicos) para que pudesse recuperar alguma influência que perdeu para os EUA e entrar em uma posição onde poderia mais eficazmente influenciar as opiniões da liderança indiana.

Resultados imaginados:

Se tudo correr conforme o planejado e a Índia não tiver nenhum motivo cínico ou oculto em jogo (organicamente motivado ou inspirado pelos EUA), então a parceria estratégica russo-indiana poderia tornar-se uma das marcas da geopolítica da Eurásia do século 21. O comércio indiano-UE realizado através da via terrestre russa se encaixaria perfeitamente com o seu similar chinês-UE, tornando assim a Rússia absolutamente indispensável para o comércio inter-continental e permitindo a Moscow finalmente cumprir o seu destino histórico de ligar o supercontinente. Por outro lado, este futuro promissor não é garantido, devido a Índia ter o potencial de maciçamente virar o status quo na Ásia Central, redirecionando algumas das suas cargas do Corredor Norte-Sul para a região para satisfazer os seus compromissos comerciais recém firmados ao Acordo Ashgabat. Isso pode inadvertidamente ter o efeito de provocar um dilema estratégico com a China, que pode ver corretamente este movimento como um contador econômica das suas próprias incursões lá ao longo das últimas duas décadas. A competição resultante entre os dois que iria surgir a partir disto poderia facilmente quebrar o equilíbrio da região e levar a consequências imprevisíveis e possivelmente caóticas, as quais teriam repercussões diretas sobre a própria segurança física e econômica da Rússia também.

No entanto, este cenário terrível não é garantido e a salvaguarda mais confiável que a Rússia tem para manter a Índia em linha e agir em conformidade com o princípio multipolar de cooperação vence-vence não dirigido contra terceiros é intervir estrategicamente, tanto quanto possível em esculpir uma posição influente dentro do próprio país. Isso só pode ser realizado se a Rússia for capaz de alavancar sua posição em relação à Índia e negociar com êxito uma grande variedade de parcerias econômicas com a Nova Delhi, juntamente com as conversações do Corredor Norte-Sul e da União Econômica da Eurásia. Ter acesso ao mercado indiano não é suficiente para a Rússia exercer alguma influência considerável sobre o estabelecimento indiano, e enquanto a Rússia ocupa atualmente o maior papel no fornecimento das necessidades técnico-militares da Índia, tem sido rivalizada nos últimos anos pelos EUA e Israel – não necessariamente tanto em termos quantitativos, mas nos qualitativos que poderiam com risco perturbar o delicado equilíbrio que as armas soviéticas /russas pode até agora manter entre Índia e China. Em vez de deixar a Índia trilha off e cair sob o domínio espectro completo do mundo unipolar, a Rússia precisa dobrar para baixo em seu compromisso com o país e continuar a vender armas state-of-the-art que satisfaçam as exigências da Índia e manter os concorrentes ocidentais de Moscow encurralados, embora exercendo naturalmente discrição em não dar a Nova Delhi uma carta branca para comprar todos os tipos de armas de alteração da estabilidade que poderia contraintuitivamente trabalhar contra os interesses estratégicos maiores da Rússia na Eurásia por inadvertidamente ‘conter’ a China.

Para continuar enfatizando o ponto principal desta seção, a cooperação técnico-militar já não é suficiente para manter a Índia em alinhamento com os mais importantes objetivos multipolares da Rússia para o supercontinente, mas a cooperação econômica prevista através do Corredor Norte-Sul, por si só não é suficiente afinal. É por isso que a Rússia deve pressionar tão duro aqunto puder nos bastidores para obter da Índia os prêmios de muitos contratos de infra-estrutura estratégica tanto quanto possível, de modo a aprofundar a influência física de Moscow dentro do país. Idealmente, as empresas russas devem estar envolvidas na modernização da rede elétrica da Índia, ferrovias, rodovias e portos, e também devem ter uma participação em projetos de infra-estrutura regionais transnacionais conectivos da Índia, como a Rodovia Trilateral e outros. O Soft Power civilizacional da Índia é de séculos estabelecido e atualmente forte o suficiente para dar à Rússia um impulso em sua busca para reequilibrar o seu foco estratégico para a ASEAN, e não há nenhuma razão para Nova Deli não deixar Moscow com isto, em troca como parte de um quadro ampliado envolvendo o Corredor Norte-Sul e a parceria estratégica russo-indiana mais amplo que aumenta. Se a Rússia jogar seus cartões para a direita e é diplomaticamente hábil o suficiente para obter da Índia a aceitação a estas medidas relacionadas, em seguida, Moscow vai ter arrancado uma intervenção estratégica magistral ao inserir-se profundamente no funcionamento interno da Índia e contrabalançar a influência corrosiva que Washington vem exercendo sobre Nova Deli, para não falar dos benefícios regionais acrescentados que poderia ganhar na ASEAN. Como resultado deste golpe de mestre, a Rússia poderia, então, ter alguma esperança de recuperar a vantagem sobre os EUA e convencer a Índia a desescalar sua campanha de agressão contra a China e voltar ao rebanho multipolar.

Resultados esperados:

O ato de equilíbrio diplomático da Rússia na Ásia envolve três estados completamente separados que estão unidos em sua oposição contemporânea para com a China, um antagonismo que é cada vez mais uma forma multilateral, através da cooperação conjunta no Mar do Sul da China. Japão, Vietnã e Índia estão todos alinhados com os EUA em graus variados, e enquanto não têm os dois últimos qualquer relacionamento estratégico-militar institucionalizado como o tem o Japão, é inconfundível como foram rapidamente aproximar-se apertando um na sua próprio caminho. O que é consideravelmente irônico, porém, é que, embora estes três estados são todos os envolvidos no Coalition Containment Chinese os EUA ‘, eles também estão interessados ​​em desenvolver positivamente as suas relações com a Rússia. Parte da razão para isso poderia ser atribuível ao princípio multipolar de diversificação pegando nas mentes de todos os três de suas lideranças, em que Tóquio, Hanoi, e Nova Deli – não importa o seu atual geopolítica (não necessariamente institucional e económica) disposições atualmente (que é unipolar ou unipolar de tendência) – compreender a importância de equilibrar as suas relações com os EUA, quer para alcançar futuro poder de barganha como o Japão pode estar planejando ou fora de um sincero desejo de manter laços históricos como o Vietnã e possivelmente até mesmo Índia são motivados por.

Japão, Vietnã e Índia também estão chegando até a Rússia, porque eles acreditam que isso vai de alguma forma ajudá-los em suas disputas com a China. Nenhum deles é ingênuo o suficiente para pensar que Moscow alguma vez se voltaria contra Pequim e começaria de forma agressiva a fazer lobby para os seus interesses, mas eles mantêm a possibilidade de que poderiam influenciar a Rússia para o ponto em que, pelo menos, se possa desenvolver um maior grau de auto-interesse e envolvimento em suas respectivas disputas. Suas expectativas individuais são de que o início das relações ganha-ganha mais rentáveis ​​e estratégicas com a Rússia poderiam, por sua vez estimular o Kremlin a participar ativamente em diplomacia discreta com a China a fim de resolver esses problemas. Isso precisa ser inequivocamente enfatizado neste ponto em que a Rússia não tem substituto para a importância global que a China oferece para o seu maior planejamento estratégico, e que Moscou nunca iria criar um conflito com Pequim em nome de qualquer um dos vizinhos da China, não importa o quão perto as suas relações venham a ser com a Rússia. Tudo o que está sendo expresso aqui é que os esforços do Japão, Vietnã e Índia para fortalecer seus laços com a Rússia são motivados por um desejo – seja realista ou fantasiado, legítimo ou antiético – ter Moscow neutro e discretamente a interceder por eles para ajudá-los a resolver os agora seus problemas que os americanos provocaram com a China.

A Rússia está ciente das intenções desses países, mas também não quer deixar passar o que são oportunidades históricas para chegar a um novo grau de parceria com estes estados, mantendo um olho no longo jogo e sabendo que vai vir a calhar em algum momento no futuro. Por exemplo, com todos os três países tendo conflitos graves com a China, que inclusive poderia até se espalhar a violência, um dia, o futuro da Rússia imaginou o papel de mediador de confiança entre todas as partes a ser inestimável e globalmente inigualável, e assim tem potencial para acabar sendo o único ator a viabilizar a desescalada de tensões entre a China e seus vizinhos em caso de uma grave crise. A Rússia já ajuda a equilibrar o estado de coisas entre a China e a Índia e a China e o Vietnã através de seus carregamentos de armas robustas para todos os lados, embora devido aos avanços progressistas norte-americanos a entrar lenta, mas firmemente, em cada um destes mercados, o equilíbrio estratégico-militar entre estes países e a China já não pode ser tomado como sendo garantido apenas pelas armas russas. É por isso que a Rússia deve entrar urgentemente em um estado de interdependência econômica complexa com ambos, a fim de manter sua alavancagem estratégica entre suas lideranças e espera substituir a influência intrusiva que os EUA recentemente exerce sobre eles fora da “partilhado” (e manipulador exagerado) dilema de segurança que caí sobre a necessidade de “conter” a China. A situação é estruturalmente diferente com o Japão por causa da falta de Tóquio de laços estratégicos históricos com Moscow, mas o mesmo princípio de equilíbrio da Rússia e avanço gradual de influência ainda se aplica a ele também, ainda que de forma funcional completamente diferente que deve ser precedida de uma acordo sobre o Condomínio Socioeconômico das Ilhas do Norte.

Ao concluir esta revisão analítica, independentemente do sucesso de qualquer uma destas três iniciativas de sensibilização interligados, é fácil de ver que a Rússia tornou-se finalmente uma grande potência do equilíbrio no Eurasian Rimland. Ela já teve relações muito cordiais com a Índia e o Vietnã durante a Guerra Fria, mas a diferente natureza do sistema internacional no momento significava que estes laços não se baseavam em grande equilíbrio de energia, mas na luta ideológica das superpotências, que é qualitativamente (embora um tanto estruturalmente semelhante) uma estratégia diferente. Não há como voltar atrás para a era do passado, embora as relações desse período de tempo podem e estão a ser aproveitadas para fazer avançar a ‘agenda, que está hoje em dia vestida com a linguagem do “cada uma das partes com benefícios ganha-ganha”, mas em última análise, todos com posições contraditórias em relação a China. O maior ato de equilíbrio do século 21 é portanto para a Rússia satisfazer os interesses recém-descobertos de seus parceiros periféricos, ao mesmo tempo tirar vantagem desses desejos, a fim de posicionar-se de tal forma que possa de forma sustentável manter a paz entre eles e a China e indefinidamente manter esquemas de dividir para governar dos EUA preso.

Autor: Andrew Korybko

Traduzido para publicação em dinamicaglobal.wordpress.com

Fonte: Katehon.com

VISITE A PÁGINA INICIAL | VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA